Ana Beatriz, atleta Sub-16, defendeu a Seleção Brasileira Feminina Escolar Sub-15, em torneio vencido na Sérvia



Na manhã de ontem (sábado – 18/09), a Seleção Brasileira Feminina Escolar Sub-15 sagrou-se campeã dos Jogos Mundiais Escolares (ISF U15 WORLD SCHOOL SPORT GAMES 2021) da categoria, disputado em Belgrado, na Sérvia. A equipe brasileira venceu o time da Ucrânia pelo placar de 6 a 1, com participação de Ana Beatriz da Silva, jogadora de meio-campo da equipe feminina Sub-16 do Fluminense.


Ana Beatriz falou sobre a alegria de ser campeã, representando o Brasil no torneio. “Foi incrível participar dessa competição, acrescentou muito para mim, como atleta e como pessoa. Vivi momentos inesquecíveis e conheci pessoas que eu quero levar para a vida. Ser campeã só coroou o trabalho que é feito diariamente nos treinos em nossos clubes. Agradeço ao Fluminense por me permitir viver esse momento”.


Uma parceria entre a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a Confederação Brasileira de Wrestling (CBW), permitiu que as duas modalidades fossem representadas pela missão brasileira. As equipes, feminina de futebol e mista de wrestling, cumpriram o objetivo de criar um contexto único em competições esportivas escolares de alto rendimento.


O Mundial é um evento multiesportivo. A proposta busca um olhar voltado para além do esporte, levando também em consideração o desenvolvimento educacional, social e intercâmbio cultural de seus participantes.


Ao todo, as meninas disputaram cinco jogos, e foram campeãs de forma invicta. Ana Beatriz da Silva marcou um gol na competição, na partida vencida contra a França por 7 a 0.



Confrontos:
Brasil 3 x 0 França
Brasil 3 x 0 Ucrânia
Brasil 7 x 0 França
Brasil 6 x 0 Ucrânia
Brasil 6 x 1 Ucrânia

Texto: Comunicação/FFC

Fotos: Alexandra Alves/CBDE

Flu embarca hoje à tarde para enfrentar o Cuiabá amanhã, dia 20.

O Fluminense treinou na manhã deste domingo no CT Carlos Castilho e viaja à tarde para o Mato Grosso para enfrentar o Cuiabá na segunda-feira dia 20.09.21 na Arena Pantanal. A partida está marcada para as 20h.

Para o jogo desta segunda-feira, Marcão não poderá contar com Fred e André suspensos pelo terceiro cartão amarelo. O treinador ainda também aguarda se poderá contar com Martinelli, Gabriel Teixeira, Egídio e Lucca, que desfalcaram o time contra o Atlético-MG em razão de dores musculares.

Martinelli, volante do Fluminense — Foto: Lucas Merçon FFC

foto Mailson Santana Flick Fluminense Football Club

Luccas Claro completa 2 anos jogando pelo Flu, comenta sobre suas metas e anseios.

Zagueiro quer vaga na Libertadores e sonha com títulos no clube

Parece que foi ontem, mas a identificação com o clube e o carinho da torcida acusam: já se passaram dois anos que Luccas Claro foi anunciado oficialmente pelo Fluminense. “Em casa”, o zagueiro declarou gratidão ao clube, onde espera permanecer por ainda mais tempo. Segundo o camisa 4, o objetivo é fincar raízes e ajudar o Tricolor a conquistar títulos.

“É um momento importante, que me deixa muito feliz. Não é fácil ficar dois anos em um grande clube, e dois anos jogando. Prezo muito por isso, sempre foi assim na minha carreira. Estou prestes a completar 30 anos e estou apenas em meu terceiro clube. Então dou valor a isso. Importante estar em atividade, ajudando meus companheiros. Estou feliz aqui no Fluminense, sou muito grato pela oportunidade e procuro sempre fazer o meu melhor para retribuir a confiança e o carinho de todos. Espero continuar por muito tempo, fazendo o melhor pelo clube e evoluindo a cada dia, sempre acreditando que o Fluminense estará disputando grandes conquistas e nos lugares mais altos, que é onde o clube merece estar”, declarou o jogador, que tem 82 partidas e seis gols com a camisa tricolor.

Luccas Claro chegou ao Fluminense em 2019 e teve a oportunidade de sentir o gostinho de jogar com a torcida presente no Maracanã. Com mais de um ano de pandemia e jogos com os portões fechados, o zagueiro não esconde a ansiedade pelo reencontro com os tricolores.

“A torcida faz muita falta. Por mais que já estejamos há um ano e meio sem público nos estádios, é difícil se acostumar. A gente se adapta porque é necessário. Mas nossa torcida faz falta, jogar com o estádio cheio é muito bom. Estou ansioso por esse reencontro, para ter nosso torcedor do nosso lado. Mas, claro, com a consciência de que voltará no momento certo”, declarou.

Com o foco agora todo voltado para a disputa do Brasileirão e a busca por uma vaga na próxima Libertadores, Luccas Claro garantiu que o time estará ainda mais concentrado neste segundo turno do campeonato. Para ele, apesar da sequência positiva de cinco jogos de invencibilidade, o momento é de seguir evoluindo para entrar no G-6. Nesta segunda-feira (20/09), o Fluminense vai até o Mato Grosso, onde enfrenta o Cuiabá às 20h, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, na Arena Pantanal. O Tricolor tem 28 pontos e ocupa a sétima colocação na tabela, a um ponto e uma posição da zona de classificação para a Libertadores.

“A gente vem de uma boa sequência no campeonato, mas não podemos deixar isso nos satisfazer. Temos que buscar mais a cada dia. Sabemos da nossa qualidade. Deixamos escapar alguns pontinhos importantes no primeiro turno e agora precisamos recuperar. Mesmo fora de casa, esperamos fazer um grande trabalho, respeitando muito a equipe do Cuiabá. E a melhor forma de fazer isso é jogando bem e buscando a vitória”, concluiu.

Fotos: Mailson Santana e Lucas Merçon/FFC
Texto: Comunicação/FFC

Flu empata com o Serrano FC/Star Academy em jogo-treino do Futebol Feminino Adulto.

Amistoso faz parte da preparação para a disputa do Campeonato Carioca


Neste sábado (18/09), as Guerreiras de Xerém fizeram o terceiro jogo-treino no CTVL, em Xerém. O Fluminense empatou em 1 a 1 com a equipe masculina Sub-14 do Serrano FC/Star Academy, uma parceria do Star Academy, da Barra da Tijuca, com o Serrano Football Club, que busca o alto rendimento dos atletas e trabalha com o planejamento das categorias de base, desenvolvendo atletas da categoria Sub-9 até a Sub-14 Masculina. O gol Tricolor foi marcado pela atacante Carol Valle.

A atividade teve três tempos de 30 minutos, e fez parte da programação idealizada pela treinadora Thaissan Passos para a disputa do Estadual. O primeiro adversário do Tricolor no campeonato será o Pérolas Negras, no dia 2 de outubro, às 15 horas, no CTVL, em Xerém.  

Responsável pelo gol do Flu, a atacante Carol Valle falou sobre a preparação da equipe. “Feliz por ter feito o gol e pela entrega do time. Acho muito importante essa preparação com os jogos amistosos. Os nossos treinos têm sido intensos, estamos trabalhando bastante para iniciar a competição com o pé direito”.

Texto: Comunicação/FFC

Fotos: Divulgação/FFC

Invicto, Fluminense bate o Madureira por 3 a 1 no Carioca sub-17

Com gols de Luiz Fernando, Arthur e Samuca, Moleques de Xerém vencem o Madureira no CTVL pela 6ª rodada do Campeonato Carioca sub-17.

Tricolor é o segundo colocado da competição com 16 pontos, dois atrás do líder Flamengo.

Equipe comandada por Gulherme Torres volta a campo no próximo domingo (26/9), às 13hrs, contra o Volta Redonda, em Vassouras.

Foto: Maílson Santana/FFC

Quem vai e quem fica? Portal detalha tempo restante de contrato de cada atleta do Fluminense

Com o Brasileirão em sua metade final, muitos torcedores já começaram a projetar o elenco para a próxima temporada.

Na entrevista coletiva realizada ontem, o presidente Mário Bittencourt afirmou que a permanência (ou não) dos atletas em fim de contrato só será discutida em dezembro, após ser melhor definido quais competições o clube irá disputar em 2022.

Pensando nisso, o portal GE fez um levantamento do tempo restante de contrato de cada jogador do elenco profissional do Fluminense.

2021

São seis os jogadores cujos contratos se encerram no fim deste ano. Destes, dois são emprestados: Bobadilla, com opção de compra, junto ao Guaraní-PAR, e Hudson, junto ao São Paulo, e que se recupera de uma grave lesão no joelho. Os demais pertencem ao Tricolor. No caso de Wellington, há uma cláusula de renovação automática já cumprida, de mais uma temporada. Os demais terão seus casos analisados no fim do ano.

João Lopes, 25 anos (goleiro)

Egídio, 35 anos (lateral-esquerdo)

Hudson, 33 anos (volante)

Wellington, 30 anos (volante)

Abel Hernández, 31 anos (atacante)

Bobadilla, 34 anos (atacante)

2022

O número de jogadores cujos contratos se encerram em 2022 é grande. A lista é encabeçada por nada menos que o ídolo Fred, cujo fim do vínculo foi marcado para o aniversário de 120 anos do clube, em 21 de julho. Deste grupo, Lucca é quem está mais próximo do fim do contrato: abril. Os demais assinaram até o fim do ano. O único por empréstimo é Nonato, com opção de compra, junto ao Internacional.

Abril de 2022

Lucca, 31 anos (atacante)

Julho de 2022

Fred, 37 anos (atacante)

Novembro de 2022

Luan Freias, 20 anos (zagueiro)

Dezembro de 2022

Muriel, 34 anos (goleiro)

Matheus Ferraz, 36 anos (zagueiro)

Luccas Claro, 29 anos (zagueiro)

Samuel Xavier, 31 anos (lateral-direito)

Marlon, 24 anos (lateral-esquerdo)

Danilo Barcelos, 30 anos (lateral-esquerdo)

Yago, 26 anos (volante)

Nonato, 23 anos (volante)

Cazares, 29 anos (meia)

2023 em diante

O restante do elenco possui contratos mais longos, pelo menos até 2023, com o clube. O mais distante do fim, atualmente, é o de Caio Paulista, que foi adquirido em definitivo e assinou o contrato de prazo máximo possível pela lei, cinco anos, até 2026. Outro que estava emprestado e foi adquirido em definitivo foi Gustavo Apis. Deste grupo, renovaram ao longo do ano: Marcos Felipe, Nino, Gabriel Teixeira, Matheus Martins e Wallace.

Abril de 2023

Manoel, 31 anos (zagueiro)

David Braz, 34 anos (zagueiro)

Dezembro de 2023

Marcos Felipe, 25 anos (goleiro)

André, 20 anos (volante)

Ganso, 31 anos (meia)

Dezembro de 2024

Nino, 24 anos (zagueiro)

Martinelli, 19 anos (volante)

Wallace, 20 anos (meia)

John Kennedy, 19 anos (atacante)

Matheus Martins, 18 anos (atacante)

Fevereiro de 2025

Calegari, 19 anos (lateral-direito)

Agosto de 2025

Jhon Arias, 23 anos (meia-atacante)

Setembro de 2025

Luiz Henrique, 20 anos (atacante)

Dezembro de 2025

Gabriel Teixeira, 20 anos (meia-atacante)

Gustavo Apis, 22 anos (meia-atacante)

Setembro de 2026

Caio Paulista, 23 anos (atacante)

Fonte: GE

Foto: Lucas Merçon/FFC

Moleques de Xerém vencem o Madureira e assumem a liderança do Carioca sub-15

Com gol de Kauã Brasília, o Fluminense bateu o Madureira por 1 a 0 no CTVL pela 6ª rodada do Campeonato Carioca sub-15.

Único com 100% de aproveitamento na competição, Tricolor assumiu a liderança faltando cinco rodadas para o término da primeira fase.

Os Moleques de Xerém voltam a campo no próximo domingo (26/9), contra o Volta Redonda, às 15hrs, em Vassouras.

Foto: Reprodução Instagram

Em coletiva, Mário falou sobre saída do Nene: ”Ele queria um contrato mais longo”

Durante a longa entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira no CT Carlos Castilho, o presidente do Fluminense, Mario Bittencourt, falou, dentre outros assuntos, sobre a ida de Nenê para o Vasco. O dirigente conta que o veterano de 40 anos, cujo vínculo se encerrava em dezembro, gostaria de um contrato mais longo. Como o Tricolor só queria planejava a situação no fim da temporada, então aceitou rescindir amigavelmente com o meia.

Foi uma saída extremamente bem-sucedida, onde todas as partes ficaram felizes foi a saída do Nenê. Ele queria um contrato mais longo, queria jogar mais dois anos. Nós dissemos que neste momento não tínhamos conversar sobre esse assunto com ele, porque ainda não temos o valor que vamos receber para investimento. E ele me pediu para fazer a rescisão porque estava indo para um lugar onde conseguiria um contrato um pouco maior. Fizemos uma reunião extremamente transparente, amistosa, rescisão de comum acordo, acertamos o que tínhamos de pendência e ele seguiu o caminho dele ao Vasco. Foi uma saída extremamente rápida. Ele deu o máximo que podia aqui, nós entregamos muito carinho, respeito. É assim que funciona o futebol”, comentou. 

Foto: Lucas Merçon/FFC

*Projeto de Estudo Para Restauração da Sede do Fluminense*

A título de esclarecimento

É um projeto cultural porque o estádio e a sede são tombados. Têm valor arquitetônico. E esse valor de projeto incentivado é para fazer todo o mapeamento e o plano diretor da restauração e obra completa na sede com foco no estádio. Depois haverá um novo projeto com valor maior para a execução da obra propriamente dita.

Presidente Mário Bittencourt responde sobre diversos assuntos de forma detalhada aos jornalistas inscritos. Confira na íntegra!

Presidente concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira no CT Carlos Castilho

O presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, concedeu, na manhã desta sexta-feira (17/09), uma entrevista coletiva diretamente do CT Carlos Castilho, na Barra da Tijuca. Por cerca de uma hora e quarenta minutos, ele respondeu aos questionamentos de todos os jornalistas credenciados e abordou, entre outros temas, o processo de reestruturação do clube, os investimentos no futebol para se ter uma equipe cada vez mais competitiva em busca de títulos e o avanço no projeto de revitalização do estádio de Laranjeiras. Além disso, anunciou um patrocinador master para as categorias de base.

Antes de responder às perguntas, o presidente fez um pronunciamento em que apresentou um breve balanço de sua gestão, sobretudo nos resultados da reestruturação financeira do clube, com o pagamento de dívidas e a capitalização de novas receitas, e do momento da equipe de futebol.



“Era importante que, independente do resultado na Copa do Brasil, pudéssemos falar com os torcedores e jornalistas sobre como segue o nosso projeto de reconstrução, especialmente no que tange ao Departamento de Futebol, que é, sem dúvida, o carro-chefe da instituição. Independentemente dos resultados recentes, seguimos com um projeto sólido e, especialmente, coerente, no que tange à reconstrução do Fluminense. Em 2019, a nossa equipe, que faz um grande trabalho, assumiu o clube, que vinha de anos sem disputar as competições no topo, sem sequer figurar na primeira página do Campeonato Brasileiros. Iniciamos um trabalho de gestão dentro de um clube que já tinha seu planejamento para aquele ano. Chegamos em uma situação ruim, com o clube entre os últimos quatro colocados do Campeonato Brasileiro. Conseguimos, no final de 2019, mesmo com o trabalho em andamento, ficar na primeira divisão e se classificar para a Copa Sul-Americana. Em agosto de 2020, logo depois de um resultado adverso, eu estive aqui e falei sobre o nosso planejamento para o restante de 2020/21. Eu dizia que a nossa ideia era se classificar para a Pré-Libertadores. Fomos mais longe e conseguimos a classificação direta para a Libertadores, graças à 5ª colocação no Brasileiro. A montagem de elenco é sempre complicada e dolorosa, especialmente para um clube que, de uns anos para cá, vive uma situação financeira difícil, não somente em razão da diminuição de receitas ao longo do tempo, mas em razão da enorme dívida que possui, dificultando o fluxo de caixa, em especial, para grandes investimentos. Trabalhamos com austeridade, credibilidade e estabilidade. A estabilidade interna, em que não trabalhamos com política, mas única e simplesmente tentando recuperar o clube, faz com que, mesmo com os revezes no campo, sigamos sólidos para reconstruir o trabalho, a história e recolocar o Fluminense no topo das competições. A minha mensagem é para que o nosso torcedor acredite que viemos, sim, em um viés de crescimento financeiro, de reestruturação, de marketing, no Sócio-Futebol e dentro do campo, em que pese a enorme dificuldade financeira que ainda temos e teremos por algum tempo. No ano passado, ficamos entre os cinco primeiros colocados do Campeonato Brasileiro; fomos precocemente desclassificados das competições eliminatórias. Em 2020 e 2021, disputamos a final do Campeonato Carioca contra o nosso arquirrival. Acabamos ficando com o vice-campeonato. É pouco para o Fluminense, que é um dos maiores vencedores do campeonato. Mas nós temos de convir que, em 2019, nós havíamos ficado em 5º no Campeonato Carioca. Em 2021, voltamos a disputar a Libertadores e conseguimos chegar um pouco mais longe na Copa do Brasil. Nosso objetivo, em 2022, é voltar a disputá-las”, disse.



O presidente fez questão de ressaltar a importância de manter a estabilidade para que o Fluminense retome o caminho dos títulos. Para Mário Bittencourt, o momento é de seguir arrumando a casa para que, a cada ano, o Tricolor tenha elencos mais competitivos, mas sem fazer loucuras, mantendo sua política de austeridade.

“Pegamos o clube com R$ 700 milhões em dívida. Estamos preparando o clube para o futuro. Queremos ganhar títulos? Claro. E cada dia mais somos mais competitivos. Chegamos em duas finais seguidas de estadual, daqui a pouco conseguimos vencer. Queremos repetir a Libertadores ano que vem, chegar longe na Copa do Brasil, disputar G-6 do Brasileiro. Isso é reconstrução, leva tempo. Eu sei que é difícil, que as pessoas são impacientes, mas nós que estamos aqui dentro precisamos manter o clube estável”, disse o presidente, para emendar:

“Os mais jovens que pegaram aquele momento de três, quatro anos (de títulos), vale lembrar que o Fluminense já teve momentos no passado muito mais dolorosos que esse que estamos vivendo. Ficou de 1984 a 2007 sem ganhar um campeonato nacional. Nos anos 1990 foi ao fundo do poço, à Série C. Ficou de 1985 a 1995 sem ganhar um estadual. E mesmo de 1995 a 2005, também teve momento de enorme dificuldade, brigamos contra o rebaixamento por diversas vezes, mesmo com grande investimento. Em 2008 quase caímos porque estávamos focados na Libertadores. Em 2009 também, mesmo com um time com Conca, Mariano, Fred, Maicon, Alan… Por que falo isso tudo? Porque é a história da instituição, é cíclica, passa por bons e maus momentos. Por que trabalhamos com uma gestão de estabilidade? Porque entendemos que pegamos o clube muito perto de voltar para aquela fase tenebrosa. E criamos estabilidade para que o clube tenha perenidade e volte a ganhar títulos em breve. “Ah, mas se não for na sua gestão?”. Não há problema nenhum, pode ser na próxima. Nosso arquirrival (Flamengo) teve uma gestão de recuperação financeira, de estabilidade e hoje está colhendo os frutos. Eu estou aqui de passagem para fazer com que o Fluminense possa colher os frutos. E é por isso que não podemos sucumbir aos momentos de derrota, de tristeza. Precisamos absorver as críticas, mas precisamos reconstruir o Fluminense”.

Sobre o projeto de revitalização do estádio de Laranjeiras, Mário Bittencourt revelou que que uma verba de incentivo à cultura foi aprovada e publicada em Diário Oficial, e será o primeiro passo de um novo projeto executivo.

“Contratamos uma empresa que produziu um laudo que diz que o estádio está de pé. Ou seja, não está condenado, mas precisa de reformas. O nosso projeto é brigar pela manutenção do Maracanã como nossa casa e ter Laranjeiras para cinco ou seis jogos por ano, incluindo Campeonato Carioca, primeira fase da Copa do Brasil e jogos festivos. Há menos de 15 dias, foi publicada, no Diário Oficial, a aprovação da primeira verba do projeto executivo de restauração da sede. Com o laudo dizendo que o estádio fica de pé, precisamos de um projeto executivo para desenhar a reforma do estádio. Através de leis de incentivo à cultura, o Fluminense conseguiu a aprovação do projeto e vai receber uma verba para poder contratar o projeto executivo. Esse projeto é que vai dizer quanto é que vai custar a reforma do estádio para colocá-lo em condições de jogo. Não conseguiremos para janeiro de 2022. Acredito que só para o início de 2023, em razão da espera pela aprovação do projeto. Havia uma burocracia, no bom sentido, de juntar documentação, plantas do clube, o laudo… Acredito que em breve, em um ou dois meses, iniciaremos o projeto executivo. Aí, sim, vamos apresentar a maquete, onde vão ser as reformas. Faremos uma licitação para que uma empresa seja escolhida para iniciar o projeto executivo de reforma e restauração das Laranjeiras. O estádio e a sede são tombados como patrimônios históricos. Seremos fiscalizados por órgãos como Iphan e Inepac, que, inclusive, fizeram parte da discussão burocrática para a aprovação do projeto”.

Confira outros temas abordados na entrevista coletiva:

Avaliação do time
“Temos um time competitivo. Um time com poucos recursos de investimento, com folha salarial baixa, precisa competir. Entendi isso em 2019 quando jogávamos um futebol muito bonito – e eu gostava muito e gosto do treinador, o Diniz -, mas percebi que quando temos dificuldade com o time, temos um elenco enxuto. E optamos por ter um futebol mais de competição, para equilibrar. E, com erros e acertos, somos competitivos. Competimos lá em cima, temos dificuldades contra os times de altíssimo investimento, mas, mesmo assim, tanto contra o Barcelona-EQU e o Atlético-MG, tivemos em algum momento a sensação de que podíamos ter nos classificado, e por isso a frustração minha, dos jogadores, da comissão técnica e dos torcedores. Conseguimos mostrar que éramos competitivos. Ganhamos do River na Argentina, ganhamos do Cerro no Paraguai, vencemos nosso arquirrival que tem investimento oito, nove vezes maior que o nosso. A gente mostra para o nosso torcedor que somos competitivos. E quando não vamos adiante, gera frustração. Mas mesmo após os revezes, é continuar fazendo o trabalho para conseguirmos voltar a disputar a competição no ano que vem. Nosso objetivo de momento é voltar para a Libertadores ano que vem e ser mais competitivo ainda. Óbvio que estamos tristes. As pessoas, no calor da emoção, na chateação pela eliminação, deturpam algumas coisas que os jogadores falam. Quando o jogador (Luccas Claro) diz “seguimos de cabeça erguida” é porque segunda-feira temos um jogo importantíssimo para voltar a brigar pela Libertadores. Foi o que aconteceu na final do Estadual. Perdemos no domingo, estavam todos de cabeça baixa no vestiário, chorando, e tínhamos que regatá-los porque em três dias enfrentaríamos o River Plate no Monumental para se classificar na Libertadores. E nos reerguemos e assim vamos fazer enquanto estivermos aqui”.

Patrocinador master para as categorias de base
“O trinômio de austeridade, credibilidade e estabilidade nos faz ser vistos de outra maneira pelo mercado. A conquista do patrocínio master e de outros patrocínios, além de investidores que hoje nos procuram e com quem temos conversas em aberto, fez com que o Fluminense voltasse a ser respeitado no mercado, o que era a nossa principal ideia. Tivemos uma grande conquista nesta semana. Conseguimos um patrocínio master para a base. A Avanutri, que é líder no mercado de softwares otimizadores de serviços de saúde, vai estampar sua marca nas equipes masculinas das divisões de base. A empresa vai criar um centro tecnológico de recuperação de atletas, privilegiando sua saúde, para que possamos, cada vez mais, formar e, em especial, utilizar grandes jogadores no Profissional. Em um jogo da Libertadores, tivemos cinco jogadores da base entre os titulares com menos de 20 ou 21 anos. É um dado importante. Acho que nenhum clube disputou a Libertadores com cinco jogadores da casa e em uma idade ligada à imaturidade. Em nosso trabalho de reconstrução, nós utilizamos jogadores da casa. Na coletiva de 7 de agosto de 2020, eu avisei que o Luiz Henrique era um menino de enorme potencial, subindo naquele momento, e que precisávamos ter paciência com ele. Hoje, é nosso titular. É esta paciência que eu peço a vocês. A reconstrução do clube vai levar algum tempo, mas se dará de maneira sólida e coerente”.

Paulo Angioni
“Ele é o diretor executivo de futebol do clube, chega aqui todos os dias às 7h da manhã, vai em todas as viagens com o time, decide junto com a comissão técnica o planejamento diário do futebol e exerce toda a função dele. As pessoas falam muito em profissionalismo e temos todo um modelo de futebol. O departamento tem um diretor executivo, scout, comissão técnica remunerados e não tem uma figura política, que é o vice de futebol, que alguns clubes têm e quase não ouço falar. Não diria que é uma figura decorativa, mas é uma figura política. O fato de ele falar ou não com a imprensa é uma opção dele, que opta mais pela discrição, sempre foi assim, tem mais de 40 anos de futebol. É um profissional que gostamos muito, que acreditamos no trabalho. A gente trabalha muito internamente aqui. O Paulo gera muita estabilidade. Porque ele é muito experiente. E no nosso país temos um defeito grave, que é menosprezar os cabelos brancos. Mas eu ouço muito as pessoas que estão nesse negócio há muitos anos. E é por isso que somos estáveis, pois temos um cara equilibrado, que está fazendo o trabalho dele. Eu, como presidente, atuo em todas as funções do clube. Não acumulo cargo no futebol. No fim das contas a responsabilidade é toda minha”.



Voto online
“Estava no nosso plano de gestão que desejávamos implementar o voto online. Queremos que o torcedor esteja participando mais das decisões do clube. Nós precisamos de uma interpretação do estatuto. Eu gostaria que ficasse registrado, o Fluminense é o clube mais democrático do RJ. Para que não se confundam as coisas, porque as pessoas deturpam propositalmente o que a gente fala, o Sócio-Torcedor do fluminense é o único do Rio de Janeiro que tem o direito de votar. Eu perdi uma eleição em 2016 com o voto do Sócio-Torcedor e venci em 2019 com o voto do Sócio-Torcedor. Desde 2010, a eleição do Fluminense é fiscalizada e gerida pelo Ministério Público do Rio de Janeira e com urnas eletrônicas do TRE que fiscaliza e participa das eleições. Até 2016 não havia urna eletrônica. Eu estou fazendo essa fala aqui porque a única coisa que a gente não pode para 2022 é transformar as eleições do Fluminense como as dos outros clubes. E eu falo especificamente como a do Vasco. O Fluminense está de pé porque nós, em 2016, mesmo perdendo, fizemos a boa política. Em nenhum momento fomos detratores das pessoas, não criamos fake news para poder atacar a instituição. O Fluminense é maior do que todos nós, do que nossas vaidades e correntes políticas. O que não pode acontecer é as pessoas inventarem uma bandeira que é nossa, que estamos trabalhando para organizar. Nós criamos uma comissão interna para que a gente possa entregar a análise para que não gere judicialização. O Fluminense é muito grande para que nós fiquemos discutindo essas pequenezas que só prejudicam a instituição. Lisura acima de tudo, é isso que precisamos para 2022”.

Dívidas com Fifa
“As dificuldades continuam imensas, mas estamos fazendo um resgate, de recuperação, de pagamentos das dívidas, como vocês sabem. Estávamos sendo cobrados na Fifa pelo Samorin, 1,6 milhões de euros. Nosso departamento jurídico fez uma excelente defesa, conseguimos reduzir, mas fomos condenados a pagar 536 mil euros pela Fifa, que é quase um mês de folha. Temos 40 dias para pagar ou tentar um parcelamento, sob pena de ficarmos impedidos de realizar transferência de jogadores, de perder pontos, como Cruzeiro perdeu. Só de dívidas Fifa, que são dívidas a curto prazo, temos pra lá de R$ 40 milhões. Já pagamos um bom pedaço. As compras de jogadores feitas na nossa gestão, Michel Araújo e Fernando Pacheco, estão totalmente quitadas. Quitamos outra dívida, com o goleiro De Amores, cerca de 500, 600 mil dólares, e estamos pagando a dívida com o Independiente Del Valle ainda, pelo Sornoza e Orejuela, que é uma dívida gigantesca. Ainda falta 3 milhões de dólares. Estamos pagando para não vermos o nosso clube perder pontos e ficar impedido de fazer transferências. Em vez de investir em jogadores, estou pagando dívidas de compras que aconteceram há quatro, cinco anos. Toda a premiação que recebemos na Libertadores foi bloqueada por dívidas trabalhistas com jogadores que jogaram em 2010, 2011, 2012… A situação é muito difícil, mas mesmo assim, mesmo com pandemia, perda de receitas, sem público nos estádios, estamos sobrevivendo”.

Ato Trabalhista
“O Ato Trabalhista nós cumprimos integralmente, encerrou o prazo, não fomos excluídos. Agora existe uma discussão técnica porque a lei da SAF permite que o parcelamento da dívida seja feito em seis anos. Ainda não há entendimento do tribunal trabalhista se será feito em mais três ou mais seis. Estamos em discussão técnica aguardando um posicionamento do tribunal do RJ. Recentemente o Vasco foi executado em toda sua dívida trabalhista. A regra atual diz que se você apresenta um plano e ele não é aceito, toda a dívida entra em execução no dia seguinte, aí o clube engessa de vez. Estamos estudando há dois meses para decidir o caminho que temos que tomar com relação ao Ato”.

CNDs e Esportes Olímpicos
“Dividimos o passivo em mais R$ 45 milhões. Isso em pagamento de dívida e negociações, especialmente com a PGFN. A gente vem negociando uma transação tributária e, possivelmente, até o fim do ano vamos conseguir nossas CNDs. E aí temos alguns projetos pré-aprovados para os Esportes Olímpicos, para que, com esses projetos, mitiguemos os riscos e a partir de 2022 negociar essa conta e gerar esse prejuízo que estamos tendo também muito em razão da paralisação das atividades no clube. Uma das grandes fontes de receitas desse departamento são as escolinhas e com o clube fechado, elas sucumbiram. Com o retorno das atividades poderemos mitigar isso”.



Aquisição Caio Paulista
“Os dois empréstimos do Caio Paulista foram gratuitos. Em 2020, ele tinha uma proposta para ganhar mais do que aqui, mas optou por vir para o Fluminense. Era uma promessa que ele tinha feito à mãe de que retornaria para cá. O jogador estava na Tombense, emprestado ao Avaí, iria para o Inter e veio para cá, sem nenhum valor pago a título de empréstimo. Só existe opção de compra quando você paga pelo empréstimo. O caso do Nonato, por exemplo. Estamos pagando ao Inter pelo empréstimo e exigimos um direito de compra, porque já estamos gastando um dinheiro antecipado, então tem que ter essa opção. O Caio teve muitas procuras em 2020, de clubes da primeira divisão, porque foi pouco aproveitado aqui. Mas nossa equipe de futebol, departamento, scout, viram um potencial para 2021. E aí fomos ao representante e solicitamos um novo empréstimo também gratuito, sem opção de compra. Por quê? Porque não tínhamos a certeza que ele iria performar, mas achávamos que ele tinha essa condição. Quando foi chegando perto do fim, informamos que tinha um interesse de comprar o atleta. O Tombense colocou um valor que acredita ser o de mercado do jogador e a nossa equipe interna concluiu que era um jogador que tinha um potencial para fazermos um investimento. E quando fazemos um investimento em um jogador, fazemos um contrato longo, porque estamos aportando um valor e se o contrato for curto e ele for embora o investimento vira pó. Foi uma operação absolutamente normal dentro dos padrões de mercado. Ele tinha propostas de clubes da Europa, não de primeira linha, mas que pagariam muito mais que nós, mas foi desejo do jogador continuar performando no Fluminense”.

Relação com Eduardo Uram
“A relação do empresário Eduardo Uram com o Fluminense é a mesma de todos os outros empresários que possuem jogador no Fluminense e em todos os clubes no futebol brasileiro. Não existe hoje jogador em nenhum clube do mundo que não tenha empresário. A relação dele é muito anterior à minha chegada ao clube. O Eduardo Uram, por exemplo, foi quem trouxe o Mariano para o Fluminense em 2009, é empresário do Cuca, hoje no Atlético-MG, do Guilherme Arana, que tentei contratar, mas não conseguir por condições financeiras. É também é empresário do Yago Felipe, que veio de graça para o Fluminense, que tem 70% dos direitos econômicos, cedidos de forma gratuita. É também é do Firmino, Lomba, Wellington Nem, de uma série de jogadores. A relação com ele é como todo e qualquer empresário. As pessoas gostam de falar dessa relação porque acham que ela me inibe de alguma forma, mas não tenho nenhum problema em relação a isso. O empresário do Calegari é o mesmo do Miguel, que é o mesmo do David Braz… Existem cinco ou seis grandes grupos de empresários. Os outros todos são parceiros desses seis grandes, que administram a carreira dos jogadores do futebol brasileiro”.

Cláusula de renovação automática de Wellington
É mais uma negociação que colocamos uma cláusula, sim. O pedido do atleta era vir por dois anos. Nós não queríamos fazer dois anos fixos. O atleta foi um pedido da comissão técnica que aqui estava, não é uma crítica, porque ele vem contribuindo conosco. Mas os torcedores precisam entender que dentro das contratações, tem a opinião do departamento de scout, do diretor-executivo, do treinador que está no momento, da comissão permanente… Como o atleta tinha histórico de algumas cirurgias, o nosso departamento médico nos orientou a fazer um contrato de um ano e que colocássemos uma cláusula de performance, no sentido que se ele estivesse apto a jogar um percentual X de jogos, se não tivesse lesões, se tivesse fisicamente bem, poderíamos colocar cláusula de extensão de contrato. Foi uma cláusula para nos proteger. De cabeça confesso que não sei esse percentual, se ele já atingiu. As negociações estão sempre abertas. Ao fim do ano sentaremos com o representante para analisar a cláusula e com a comissão técnica, para saber se é o desejo de seguir ou não com o atleta. A grande dificuldade que temos no futebol brasileiro é que a legislação determina que se o clube dispensa o atleta sem uma negociação é obrigado a pagar o contrato até o fim. Não vamos cometer o erro cometido aqui no passado de dispensas imotivadas por whatsapp, e-mail, cartinha, porque isso gerou um passivo de mais de R$ 70 milhões para o clube.

Fotos: Lucas Merçon/FFC
Texto: Comunicação/FFC