fbpx

Roger Machado confirma Gustavo Scarpa para jogo do Paulistão e avisa: ‘Está com a cabeça boa’

A derrubada da liminar que permitiu a saída de Gustavo Scarpa, confirmada na tarde de quinta-feira, deixou dúvidas quanto ao futuro do meia no Palmeiras. Mas a rotina, apesar do imbróglio, se manteve a mesma em São Paulo. Tanto que Roger Machado, respaldado juridicamente pelo clube, garantiu o ex-tricolor entre os relacionados para a jogo contra o Novorizontino, sábado, pelo Paulistão. 

 

– Sem dúvida. Até um segundo posicionamento, ele está disponível para ir para o jogo com a gente – declarou. 

 

Segundo o repórter Victor Mendes, da Rede Mais Esportes, a CBF e o Palmeiras ainda aguardam os documentos emitidos pelo TRT-RJ. O que, por enquanto, deixa Gustavo Scarpa registrado no BID como atleta do Alviverde. 

 

– O que o jurídico tem passado para a gente da comissão técnica é que, até uma segunda ordem, o atleta tem condição de jogo. É a forma que a gente vem lidando. Quero contar com ele até uma segunda posição mais atualizada em relação à situação jurídica do caso – acrescentou Roger. 

 

A situação, ao que parece, pouco afetou ao jogador. Ele foi visto na atividade desta sexta-feira, na Academia de Futebol. Treinava cobranças de faltas. O camisa 14, porém, continua na reserva, mesmo depois de fazer dois gols diante do Ituano. Mas sem se abalar. 

 

– À medida que a ação da saída dele do antigo clube se desenrolou, o atleta também tem ciência que seu anterior clube vai brigar pelos direitos e que poderia acontecer, em algum momento, um revés. Mas ele está com a cabeça boa, acreditando na possibilidade de poder nos ajudar nessa fase da competição.

 

Saudações Tricolores,

Nicholas Rodrigues.

Abel Braga questiona decisões do árbitro e explica reflexo da eliminação: ‘A gente sente na alma’

O sonho de avançar e, quem sabe, ganhar o título da Copa do Brasil terminou na noite desta quinta-feira. Derrotado pelo Avaí duas vezes (2 a 1, no Rio; 1 a 0, em Santa Catarina), o Fluminense dá adeus à disputa ainda na terceira a fase e perde a chance de lucrar com o torneio que melhor premia. Mas o reflexo da eliminação vai além da questão financeira: mexeu com a alma do elenco, que desejava ir mais longe, disse Abel Braga.

– A gente sente é na alma. Não fomos eliminados pensando em passar de fase pelo dinheiro. A realidade do futebol não é essa. A realidade do Fluminense é que a gente sabe que tem de chegar mais gente. Passando ou não de fase. As substituições são rotineiras, percebeu? São sempre as mesmas. Isso chateia pois queríamos ir mais longe e acho que jogamos para isso. Lutamos. A segunda derrota do time no ano, as duas para o Avaí. Nos esforçamos para ter uma sorte melhor. A gente queria ter dado resposta ao torcedor. Lutamos, mas finalizamos pouco. O domínio não foi suficiente – opina.

O panorama do jogo foi de domínio total do Tricolor, que pecou por ter finalizado pouco – único momento de perigo foi a bola no travessão, em chute de Pedro. A expulsão de Getúlio, aos 17’ do 2º tempo, encheu os torcedores de esperança, frustrada logo em seguida. Aproveitando a superioridade numérica, Abelão decidiu apostar em Dudu. O garoto, porém, levou o vermelho com seis minutos em campo.

– Estávamos  com um a mais quando o Dudu entrou. Pensei em ter mais um jogador na área. Empatar ou perder era o mesmo. Jogamos o suficiente para tirar a vantagem que eles construíram no Rio. Até o momento da segunda expulsão. Mas o Dudu não foi imaturo. O árbitro foi extremamente rigoroso. O menino não tinha tocado na bola, não tinha feito uma falta. O garoto está achando que ele foi o responsável pela derrota. Não foi nada. Os responsáveis fomos nós. É um menino. Isso o fará aprender. Foi uma encenação muito grande do João Paulo. Quando o time da casa está com um jogador a menos, temos que ter muito cuidado com as ações. Apesar de a ação dele não ter sido para cartão vermelho – avaliou.

Embora tenha tentado evitar falar em arbitragem, o técnico lembrou de dois lances em que viu erro do árbitro, Vinicius Gonçalves Dias Araújo. O primeiro foi a opção por expulsar Dudu. A segunda reclamação foi sobre um suposto pênalti de Aranha em Sornoza.

– Não estou reclamando de arbitragem, o Avaí poderia ter aumentado em contra-ataques. Mas a entrada do Aranha foi muito clara. Ele foi totalmente no jogador. Tocou e tocou forte.


Veja mais falas de Abel Braga

Análise da partida

Não é que adorei o primeiro tempo. Tivemos algumas saídas de bola erradas e proporcionamos alguns contra-ataques. Mas ter terminado o primeiro tempo empatado foi injusto. No segundo, após a expulsão deles, mudamos sem substituição. Voltamos a ter domínio. Foi claro. Só que no meu time, alguns jogadores meus não tem a característica de entrar na área. Fica desigual ao Pedro. E aí botei o menino (Dudu), para ter mais um jogador de referência. A pena foi quando coloquei o Matheus para abrir o time e sofremos o gol sem ele tocar na bola.

Time alternativo para domingo, pelo Carioca

Vamos domingo agora com equipe diferente. Procurar dar ritmo a outros jogadores. Entram sempre os mesmos, né? É complicado. Paciência. Não estou chateado com os jogadores. Estamos tristes pela eliminação. Às vezes, se trabalha certo e não se consegue o resultado. Eles lutaram muito. Sobrou garra, vontade e luta. Aconteceu em um momento que não era para acontecer.

O futuro do Fluminense

Fluminense segue um caminho dentro do que tem de possibilidade. A gente sabe que tem de se reforçar mais. É natural. Não podemos encarar o ano com um grupo de 23 jogadores de linha, com 10 da base. Como foi no ano passado.

Derrota para um clube que vai jogar a Série B em 2018

Eles estavam na primeira no ano passado, ainda não disputaram a segunda. Caíram, como caiu o Atlético-GO, como já caiu o Grêmio, como já caiu o Fluminense, o Vasco, o Botafogo. Não são times de Série B. Passaram por lá. Mas, sim, temos de melhorar. Sobre o time, não vou mudar absolutamente nada na maneira de jogar. Temos de melhorar individualmente e coletivamente.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Provocação ? Scarpa curte foto com derrota do Fluminense

Ato aconteceu hora depois do jogador ver sua liminar caçada na justiça.

Em meio ao litígio com o tricolor das Laranjeiras, o meia Gustavo Scarpa curtiu a foto nas redes sociais do clube com o resultado da derrota e consequente eliminação na Copa do Brasil para o Avaí.

Scarpa curte foto da derrota tricolor no Instagram. (Foto: Reprodução Instagram)

 

O ato veio horas depois de o jogador ver a liminar na qual  o liberava do contrato com o tricolor ser ser caçada na justiça, obrigando Scarpa a se reapresentar ao tricolor.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Diego Souza move ação contra o Fluminense cobrando R$ 710 mil

Nesta quarta-feira, o meia  Diego Souza do São Paulo, entrou com uma ação no Tribunal Regional do Trabalho contra o  Fluminense cobrando R$ 710.159,33 de verbas rescisórias referentes ao fim antecipado do vínculo com o Clube, em março de março de 2016. O caso ainda será julgado.

Tendo  retornado ao Fluminense no dia 10 de janeiro de 2016, na gestão do presidente Peter Siemsen, Diego Souza  chegou a um acordo com o clube e rescindiu seu contrato no dia 21 de março do mesmo ano para ir para o Sport.

Diego pede o saldo de salário referente ao seu último mês no clube, proporcional do 13º salários, férias, FGTS, multa de mais um salário (R$ 301 mil), além de honorários do processo.

  • Saldo de salário (21 dias): R$ 210.700,00;
  • 13º salário proporcional (3/12): R$ 75.250,00;
  • férias proporcionais (3/12): R$ 75.250,00;
  • 1/3 sobre férias proporcionais: . R$ 25.083,33;
  • FGTS rescisório (sobre saldo de salário e 13º proporcional): R$ 22.876,00;
  • Multa do art. 477, § 8º, da CLT: R$ 301.000,00;
  • Multa do art. 467 da CLT: a apurar;
  • Honorários de sucumbência: a arbitrar

O artigo 467 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) determina que em caso de rescisão de contrato de trabalho, “havendo controvérsia sobre o montante das verbas rescisórias”, o empregador é obrigado a pagar ao trabalhador, “a parte incontroversa dessas verbas, sob pena de pagá-las acrescidas de cinqüenta por cento”.

Já os parágrafos 6 e 8 da CLT impõe que o pagamento das parcelas do acordo de rescisão deverão ser efetuados “até o primeiro dia útil imediato ao término do contrato” ou “até o décimo dia, contado da data da notificação da demissão, quando da ausência do aviso prévio, indenização do mesmo ou dispensa de seu cumprimento”. O não cumprimento sujeita o empregador a multa equivalente ao valor de um salário.

Alvaro Souza  Che

Fonte : Globoesporte.com
Foto :Marcello Zambrana/AGIF

Justiça derruba liminar que liberou Scarpa

Sem contrato com o Flu, jogador acertou com o Palmeiras.

Fluminense conseguiu uma importante vitória na justiça na tarde desta quinta-feira (15), onde por 5 votos a 4, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro derrubou a liminar na qual liberou o jogador do contrato com o tricolor.

Desta forma, o Fluminense pode ter exigir o retorno imediato do atleta às Laranjeiras, sendo Scarpa obrigado a pagar uma multa diária ao tricolor caso descumpra a determinação.

Contudo, o jogador e seu atual clube, o Palmeiras ainda podem recorrer da decisão junto ao TST (Tribunal Superior do Trabalho), em Brasília.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Airton aprimora parte física e espera primeira chance no Fluminense

Há dois meses no Fluminense, Airton ainda aguarda sua primeira chance no time de Abel Braga. Após terminar a recuperação da fratura no tornozelo direito, sofrida em julho do ano passado, o volante foi liberado, em meados de fevereiro, pelo departamento médico. Participou, aliás, de jogos-treino contra o Resende, no CT.

Mas os profissionais do clube constataram um problema que atrasou ainda mais a estreia de Airton. Foi notado um desequilíbrio entre as musculaturas das pernas. A opção por poupar o jogador foi visando evitar possíveis lesões.

Enquanto vive a expectativa pela primeira partida com a camisa tricolor, o que, estima-se, está perto de acontecer, Airton aprimora a parte física e trabalha com bola ao lado de seus companheiros.

Há chances de o atleta, ex-Botafogo, estar entre os relacionados para o duelo de domingo, contra a Cabofriense, pela rodada final da fase de grupos da Taça Rio. A vaga pode surgir porque, em razão da maratona de compromissos em março, Abelão considera levar a campo uma equipe alternativa.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Ex Flu revela que Fred se comprometeu em pagar os salários atrasados do próprio bolso

O fato teria ocorrido em 2009, quando o Flu lutava contra o rebaixamento.

O ex atacante do Fluminense, Alan, um dos destaques do na campanha da fuga do rebaixamento em 2009 e do título brasileiro em 2010, revelou que no momento mais crítico da equipe em 2009, quando o time já era dado como rebaixado, o ex capitão tricolor, Fred, se comprometeu em tirar do próprio bolso o pagamento dos funcionários e jogadores que estivesse em atraso:

– – ​Fred é um cara que não existem palavras para descrever. Esse cara é um dos que mais respeito no futebol, pois o que eu vi ele fazer dentro do Fluminense, em 2009, nunca presenciei na minha vida. Lembro até hoje de uma situação. O clube estava devendo salários para alguns atletas que não recebiam pela Unimed, e ele disse que se os salários não fossem pagos, ele tiraria dinheiro do próprio bolso para pagar a todos. Naquele momento, quando a molecada estava subindo, como eu, ele abraçou todo mundo e tomou a frente da situação toda. Posso dizer que aprendi muito e tenho muito orgulho de ter jogado ao lado do Fred, e que o tenho como ídolo – disse Alan que joga atualmente no Guangzhou Evergrande, da China.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Moleques de Xerém derrotam o Fla, e Léo Percovich dedica vitória a Marcelo Teixeira

A Gávea foi palco de um Fla-Flu na tarde de quarta-feira, válido pela Taça Rio Sub-20. O clássico terminou 2 a 0 para o Tricolor, que se mantém invicto e líder do grupo B, com nove pontos. Os gols foram marcados por Lucas e Macula.

O técnico do time, Léo Percovich, analisou a postura dos seus jogadores no duelo e constatou evolução.

– Nosso time está em evolução. Tanto taticamente como também na parte mental, ganhando maturidade e controle emocional. Estou satisfeito em ver os jogadores conseguindo manter a concentração o maior tempo possível e, assim, aproveitando melhor as oportunidades, mesmo quando elas acontecem no final do jogo. Estamos com uma geração muito nova para o Sub-20, construindo uma equipe que possa se consolidar no final do ano – disse.

Na luta pela classificação à semifinal do Campeonato Carioca, Percovich festejou e dedicou o triunfo a Marcelo Teixeira, gerente da base, a quem encheu de elogios.

– Quero dedicar esta vitória ao Marcelo Teixeira, um construtor, um visionário de grandes projetos de futebol, que me faz acreditar no futuro do futebol do Fluminense, que me motiva. Estou feliz com a vitória, por estarmos percorrendo o caminho certo, mas sabemos que ainda falta muita coisa para alcançarmos aquilo que desejamos – finalizou o uruguaio.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense conta com apoio da torcida para viabilizar o uso do Maracanã em 2018

Os altos custos e prejuízos no Maracanã em nada mudaram a decisão do Fluminense, que confirma o Maior do Mundo como sua casa em 2018. A diretoria estuda colocar em prática mais medidas que reduzam o gasto operacional. A mais recente novidade estreou domingo, quando apenas o anel inferior foi aberto ao público.

Aliás, o número de pagantes do jogo contra o Nova Iguaçu, pela Taça Rio, bateu pouco mais de 3 mil. Ou seja, outro déficit para a conta, agora de quase R$ 300 mil. Dada a necessidade da presença em massa da torcida, Marcus Vinicius Freire fez apelo aos tricolores.

– O Fluminense ficou feliz da vida em voltar ao Maracanã, quer que o estádio seja sua casa pelo menos até o fim do ano e convoca a torcida para ajudar nessa empreitada. Precisamos ter um público mínimo para cobrir os gastos. Estamos contando com isso – afirmou.

Diretor-executivo do clube, Freire revela estar tentando encontrar meios para tornar o Maracanã viável até o final da temporada. Ele, depois, ainda reforça o pedido à torcida.

– Queremos apostar nesta parceria. Estamos fazendo um trabalho para redução de despesas, para que seja viável jogos mesmo com menos público. Só que esperamos jogos com públicos maiores que os de domingo. Convocamos os guerreiros tricolores para ajudar o clube a voltar ao Maracanã – disse.

Os novos cálculos apontam para uma média de público entre 12 e 13 mil, que geraria lucro aos cofres de Laranjeiras. A estratégia do Tricolor é abrir somente o anel inferior nos jogos de menor apelo e, em clássicos e duelos com times grandes do Brasil, utilizar também os setores superiores.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Emanuel engrandece o olímpico do Fluminense e revela sua missão no clube

Aposentado do vôlei de praia há dois anos, Emanuel está longe de abandonar a rotina agitada. O ex-jogador, de 44 anos, acumula diversas funções, uma delas desempenhada no Fluminense. Em 2017, tornou-se diretor-executivo de esportes olímpicos do clube, ao qual rasgou elogios.

– Fiquei muito surpreso com o quanto o Fluminense é grande a nível de Brasil. Não tinha dimensão de como o clube é envolvido com o esporte olímpico brasileiro. Hoje, os saltos ornamentais do Fluminense são um dos melhores do Brasil. O polo aquático foi campeão brasileiro, da Copa do Brasil e vice da Liga Nacional. Temos o vôlei feminino na Superliga Feminina e o basquete se estruturando – conta.

A categoria, embora bastante valorizada internamente, é, por ora, pouco atrativa para o torcedor. A contratação de Emanuel, em setembro passado, fazia parte do processo de profissionalização do Fluminense. Para melhor esclarecer sobre seu cargo nas Laranjeiras, o campeão olímpico de Atenas, 2004, explicou seus objetivos.

– Minha contribuição é procurar novas tecnologias para que todos se sintam muito importantes. Minha missão é chegar um dia e dizer: “O Flu Olímpico é um dos melhores clubes do Brasil”. Precisamos tornar isso sustentável.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Top