Páscoa tricolor: Organizada realiza ação para distribuir chocolates a crianças carentes

Evento acontece nesta sexta-feira (30).

A torcida organizada do Fluminense, Garra Tricolor fará uma campanha na próxima sexta-feira (30), onde visa entregar diversos chocolates para crianças carentes.

Para alcançar os números estipulados, a organização da Torcida conta com o apoio dos torcedores na doação de chocolates para que possa ser feita a confecção dos ovos de Páscoa:

Sexta-feira faremos mais uma ação social. Iremos visitar o orfanato para entregarmos chocolates a 75 crianças. Estamos fazendo ovos de páscoa e recheando com os bombons doados. Porém precisamos de barras de chocolate que custam 18 reais para fazer os ovos. Cada barra dessa rende apenas cerca de 4 ovos. Temos 15 ovos e precisamos de 75. Ou seja, precisamos da doação de 15 barras de chocolate – disse o presidente da Organizada, Gabriel Diniz.

Cada ovo ainda vem recheado com pacotes de bombons que também são frutos de doações. (Foto: Divulgação)

A Guarra disponibilizou duas contas bancárias onde os torcedores poderão realizar as doações:

Conta para doações de Páscoa:

Caixa Econômica
Vitor Hugo Nunes
Ag: 1619
OP: 013
Conta: 03454-1

Banco Itaú
Rafael Souza Dias
Agência: 7889
Conta: 12845-5

Esse ovo de páscoa que estamos fazendo para levar para as crianças. Uma barra deixará 4 crianças felizes!!

Faça a diferença, seja solidário, quem puder ajudar seremos eternamente gratos !

 

ST,

Douglas Wandekochen

 

foto: Divulgação/Guarra Tricolor

Gum passa a ser o quinto jogador em atividade com mais partidas disputadas

Zagueiro recuperou a boa fase após ficar de fora da equipe durante praticamente todo 2017.

O zagueiro e capitão tricolor, Gum tem se tornado uma marca do Fluminense. Atualmente, o zagueiro já alcançou a marca de quinto jogador em atividade com maior partida da por um mesmo clube no país, atrás dd nomes como: Fábio, Jefferson, D’alessandro e Renato.

Além da marca, Gum tem se tornado grande referência dentro do elenco rejuvenescido do tricolor, onde virou sinônimo de raça e superação, principalmente por dar a volta por cima após um 2017 praticamente todo ausente da equipe.

Veja a lista com os 10 jogadores com maior número de partidas por seus clubes:

756 Fábio, Cruzeiro
444 Jefferson, Botafogo
403 D’Alessandro, Inter
400 Renato, Santos
373 Gum, Fluminenense
361 M. Grohe, Grêmio
354 Ralf, Corinthians
339 Victor, Atlético-MG
322 Juan, Flamengo
268 R. Caio, São Paulo

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Lucas Merçon

Paulo Autuori se irrita e desiste de comemorar título no Maracanã

O Fluminense goleou o Botafogo, domingo, por 3 a 0, e se sagrou campeão da Taça Rio. Apesar da importância do título para o clube, passando por problemas extracampo, Paulo Autuori se recusou a participar da comemoração no gramado do Maracanã com o time. Esteve ausente, inclusive, à cerimônia de premiação. A razão, segundo o UOL, é a situação incômoda com a qual o diretor-esportivo lidou.

De acordo com as informações do site, Autuori se irritou com a invasão de cartolas ao vestiário tricolor, nos momentos em que deveria haver maior privacidade.

Enquanto Abel Braga rezava e conversava com o elenco, pessoas ligadas à FERJ e sem vínculo com o Tricolor entravam e saíam do local. Paulo optou por seguir direto para o ônibus da delegação.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Jádson marca pela primeira vez com a camisa tricolor e zoa: ‘Lei do ex’

Geralmente distante de holofotes, Jádson ficou em evidência pelo gol que sacramentou o título do Fluminense, domingo, no Clássico Vovô. Foi o primeiro pelo clube de Laranjeiras e, curiosamente, marcado diante do Botafogo, onde surgiu para o futebol.

– O mais importante é o título, meu primeiro pelo Fluminense. Também tem o gol, o primeiro aqui. Até que enfim saiu. Estava querendo muito marcar com essa camisa. Em uma final, então, é uma coisa incrível. Estou muito feliz. É a tal da lei do ex (risos). Aconteceu – zoa o volante, que cresceu no Flamengo, mas despontou em General Severiano.

Ciente do elenco enxuto que Abel Braga tem nas mãos, Jádson prefere ressaltar a garra de seus companheiros. O jogador cita a invencibilidade nos clássicos em 2018 e, seguindo a mesma linha de Gum, crê na conquista do Carioca.

– O Abel sempre disse que seria muito difícil para a gente, mas que, se a gente se esforçasse, na raça, não ia dar para ninguém, ia ser muito difícil nos vencer. O time que quer ser campeão tem que passar por isso. Nós estamos invictos em clássicos, fomos campeões do returno e vamos fortes para conquistar o Carioca – garante.

A sequência pesada requer maiores cuidados ao grupo. O Tricolor caminha para o terceiro clássico seguido – enfrenta o Vasco, quinta-feira, pela semifinal do Estadual. O volante explica a receita para chegar bem para a disputa da vaga na decisão.

– São poucos dias para se preparar, mas é escutar o que o Abel tem para passar para a gente. Claro que tivemos erros, apesar da grande vitória, e temos que trabalhar para corrigir. Só assim vamos evoluir e chegar melhor preparados para essa semifinal contra o Vasco. O restante é descanso e boa alimentação. Não tem outro jeito.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Gum festeja sétima taça e promete luta por título do Carioca: ‘Matar um leão por jogo’

Gum desembarcou no Rio de Janeiro para vestir a camisa do Fluminense em 2009. Participou da fuga do rebaixamento e, inclusive, é o único remanescente daquele time que contrariou os matemáticos. Nove anos se passaram, e o zagueiro enxerga no elenco da vez, campeão invicto da Taça Rio, o mesmo espírito.

– Um time de guerreiros se faz com humildade. Sabemos que sempre precisamos melhorar. Por isso, por exemplo, fomos eliminados na Copa do Brasil. Faltou algo. Nós conversamos, acertamos e agora demos a metade da volta por cima com o título do segundo turno. Para completar, precisamos passar pelas semifinais e pelas finais, conquistando o título estadual – disse.

Comemorar conquistas pelo Fluminense, sua casa há quase uma década, se tornou normal para Gum. São sete taças. No entanto, nenhuma delas como capitão – a braçadeira, nos títulos recentes, se dividiu entre Fred, Cícero e Henrique. No domingo, o guerreiro viveu a emoção de erguer o troféu em pleno Maracanã e celebrou o triunfo, que, diz ele, representa a superação do clube em 2018.

– Ser capitão e levantar a taça é só um detalhe. É muito tempo aqui e nunca tinha acontecido, mas sinceramente não me apego. É mais uma conquista. Sou capitão porque hoje tenho a experiência e preciso exercê-la no grupo, é uma forma de ajudar. Mas claro que fico feliz. É um momento especial, por toda a dificuldade que esse grupo passou. E também pelo que eu passei aqui. É muito bom ver que nós tricolores saímos felizes do Maracanã mais uma vez. Eu levantar essa taça é um símbolo de muito desafio e superação. Temos agora que continuar o caminho para conquistar o Carioca – frisou.

Uma característica do time de Abel Braga é o comportamento nos clássicos. Foi nítida a superioridade tricolor nos últimos embates. O próximo desafio, que promete comprovar o brilho da equipe nos duelos mais decisivos, será quinta-feira, diante do Vasco, valendo vaga para a finalíssima do Carioca. E o camisa 3 promete muita entrega.

– Não foi fácil, foi muito difícil. Ganhar o segundo turno é importante porque mostra que a gente cresce nos momentos decisivos. Fizemos nossos melhores jogos na semifinal e na final da Taça Rio. Vamos matar um leão por jogo agora para conquistar o Carioca.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Conversas se estendem por meses, mas rescisão com Wellington Silva se concretiza

Apesar da demora, mais uma situação está resolvida. Entre os dispensados em dezembro passado, Wellington Silva, de 30 anos, e seu empresário negociavam o valor da rescisão – que será parcelado ao longo de dois anos – desde aquela época e selaram o acordo só na quinta-feira. O contrato do agora ex-tricolor deveria ser cumprido até o final da temporada.

Em 2017, o lateral-direito defendeu as cores do Bahia, por empréstimo. Mantém a forma física numa academia na Barra da Tijuca e aguarda propostas para assinar com novo clube.

A passagem de Wellington pelas Laranjeiras foi marcada por instabilidade e críticas. O brilho que o jogador teve no Resende e no Flamengo pouco apareceu enquanto vestiu a camisa tricolor. Foram 126 partidas e apenas três gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Ayrton Lucas relembra rodagem até brilho no Fluminense: ‘Foi importante’

Quem espera, sempre alcança. Presente no hino do Fluminense, a frase resume a – ainda curta – carreira de Ayrton Lucas. Revelado em Xerém, o garoto estreou nos profissionais em 2015, numa derrota para o Cruzeiro. Dando os primeiros passos no futebol, sofreu com críticas da torcida e, para ganhar experiência, foi emprestado ao Madureira, em 2016, e ao Londrina, em 2017.

Destaque na temporada passada, o lateral-esquerdo chamou a atenção de Abel Braga e ganhou uma nova chance nas Laranjeiras. Mais maduro, pediu passagem e se firmou no time. São 12 jogos em 2018.

– Futebol é engraçado. Nos outros anos, tive poucas oportunidades. Se eu fosse emprestado, poderia crescer bastante. E foi o que aconteceu. Foi importante esse passo na minha carreira. Agradeço a Deus por ter voltado e poder mostrar meu trabalho – falou, durante entrevista no Centro de Treinamento.

Nas graças dos tricolores, Ayrton vive grande fase com a camisa tricolor. Falta, porém, o gol. Mas a demora é encarada com naturalidade.

– Todo jogador procura fazer gols. No Londrina, fiz três na temporada. Tenho a cabeça fria. Sei que o gol vai vir na hora certa. Não tenho feito, mas procuro ajudar meus companheiros – afirmou.

Mesmo esperando para, enfim, desencantar, o jogador diz vibrar com as assistências, um de seus pontos fortes.

– Lateral, às vezes, tem oportunidade de fazer gol. Mas sempre procuramos estar ajudando os companheiros. Quando dou uma assistência, comemoro como se tivesse feito um gol. Fico feliz em ajudar a equipe – revelou.


Leia mais declarações de Ayrton Lucas

Semifinal contra o Vasco

O mais importante é a atenção. Clássico é sempre disputado. Temos que estar atentos. A maioria dos clássicos é resolvida em detalhes. Marcando bem o adversário e aproveitando as oportunidades lá na frente, podemos nos sair bem.

Passe para assistência de peito de Pedro

A jogada completa foi bonita. Ainda mais tendo terminado em gol. São coisas que buscamos aprimorar nos treinamentos.

Condições físicas de Sornoza e Marcos Jr.

É com o departamento médico. Acho que foi mais do cansaço. Correram bastante, acabam se desgastando.

Esquema com três zagueiros

O Abel foi muito feliz nessa formação. Dá mais liberdade. Mas o professor cobrava atenção na marcação, uma coisa que eu aprendi.

Prêmio de R$ 100 por assistência a Marcos Jr.

Já falamos com ele que, dependendo dos jogos, como na final, ele pode aumentar o preço. Dinheirinho a mais é sempre bom, né? (risos).

Titularidade

Conversei com o Abel na pré-temporada. Ele me elogiou pelo ano passado, disse para ter paciência, porque eu teria chance. Eu estava em um bom momento e tive cabeça boa para esperar. Essa sequência de jogos era uma coisa que eu vinha buscando.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense pode pegar o Vasco sem dois destaques

Passada a euforia pela conquista da Taça Rio, o Fluminense concentra suas atenções no clássico diante do Vasco, às 21h de quinta-feira, no Maracanã. A semana de treinos na Barra da Tijuca, porém, começou com duas baixas no time: Sornoza e Marcos Jr., peças importantes de Abel Braga.

Enquanto o camisa 10 sofreu uma entorse no joelho esquerdo, o atacante acusou torção no tornozelo direito. Ambas as contusões aconteceram domingo, dia da final com o Botafogo.

– Saí porque senti uma pancada, mas estou tranquilo, está tudo bem. Não será problema para quinta – explicou Sornoza, que levou a pior numa dividida com Marcelo, ainda no primeiro tempo, e saiu aos 16’ da etapa final.

– Na hora da comemoração, a gente nem pensa muito nisso. Ele chegou forte, lance de jogo, mas estou sentindo um pouco de dor. Vamos ver ao longo da semana, tratar e vou fazer de tudo para jogar – contou Marcos Jr., vítima de dura falta de Rodrigo Lindoso e substituído aos 18’ do segundo tempo, saindo de maca.

Os dois foram dispensados do trabalho físico no campo e levados para tratamento fisioterápico. Até o dia da semifinal do Carioca, serão cuidados e observados para que possam atuar.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Direção da Primeira Liga cancela torneio em 2018

Campeonato voltará no início de 2019.

A direção da Primeira Liga anunciou nesta terça-feira (27) que não haverá edição do torneio em 2018. O comunicado não deixou claro, mas o motivo da possível suspensão é a falta de data, uma vez que estamos em ano de Copa do Mundo eno calendário do futebol brasileiro fica mais apertado.

A direção anunciou ainda que a competição voltará em 2019  e já há tratativas com uma Tv e CBF para viabilizar sete datas entre o começo da temporada e o fim de março.

Acompanhe o comunicado oficial através do link: http://www.primeiraligabr.com/vernoticia.aspx?n=8A3478579AD08D94FD3531E48FA92385

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Divulgação

Ferj define arbitragem de Fluminenense x Vasco

Árbitro é o mesmo que apitou a semifinal do ano passado entre as duas equipes.

Na noite da última segunda-feira (26), a Ferj divulgou que o árbitro Rodrigo Nunes de Sá será o responsável por conduzir o jogo entre Fluminenense x Vasco pela semifinal do Campeonato Estadual. Coincidentemente Rodrigo foi o mesmo árbitro que apitou a semifinal do ano passado entre as duas equipes vemcida pelo Fluminense por 3 a 0.

A federação divulgou também os auxiliares de Rodrigo na partida, que serão: Silbert Faria Sisquim e Jackson Lourenço Massarra dos Santos.

Fluminense e Vasco se enfrentam na próxima quinta-feira (29) às 21h no Maracanã, com o tricolor tendo a vantagem do empate.

 

ST,

Douglas Wandekochen

 

Foto: Agência Ferj