fbpx

Flamengo é absolvido de “ato discriminatório” no FlaxFlu

Em julgamento, maioria dos auditores do TJD-RJ entende que não houve homofobia no grito “time de viado”, mas que episódio contraria regulamento geral de competições

O Flamengo foi julgado nesta quinta-feira, no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro, pelos gritos de “time de viado” por parte de seus torcedores no Fla-Flu do dia 12 de fevereiro, pelas semifinais da Taça Guanabara. O Rubro-Negro foi absolvido no artigo 243-G (ato discriminatório) e condenado a uma multa de R$ 50 mil no artigo 191 (não cumprimento de regulamento da competição) pelo episódio. O clube, que corria o risco de perder os pontos da partida e ser sancionado em até R$ 200 mil pela denúncia, pode recorrer da multa.

No entendimento da maioria dos auditores da 4ª comissão do TJD-RJ, os gritos de “time de viado” não poderiam ser enquadrados como homofobia, “por não ter sido direcionado” a uma pessoa. Porém, entenderam que o episódio fere os regulamentos gerais de competições por terem sido ofensivos à torcida adversária. Foi a primeira vez que um caso relacionado a homofobia no futebol foi julgado por um tribunal desportivo no Rio de Janeiro.

  • No meu sentir, para ser aplicado o 243-G, seria necessário haver um ofendido, assim como houve no caso do goleiro Aranha (episódio de racismo). A decisão do julgamento estabeleceu que o artigo 243-G foi afastado. A aplicação do 191 por ter sido desrespeitado o regulamento geral de competições e da Fifa em relação às tratativas entre torcidas e cânticos que podem levar a uma questão social, sexual, racial… A Fifa coíbe isso – explicou Marcelo Zonermann, presidente da comissão.

Os comentários de teor homofóbico feitos pela equipe da FlaTV durante a transmissão do jogo foram citados na acusação da procuradoria, mas não foram considerados pelos auditores como cabíveis a julgamento.

Fonte: Globo Esporte

Sem jogo próximo, Odair tem chance de observar melhores jogadores e possíveis sombras na zaga

Sem jogo no fim de semana, o técnico Odair Hellmann tem a oportunidade de, pela primeira vez na temporada, treinar o Fluminense por sete dias.

Neste período, ele poderá observar melhor jogadores que ficaram fora do time titular no início do ano. É o momento em que jogadores já contestados pela torcida se veem ameaçados por seus reservas. E é na zaga que eles mais fazem sombra.

A dupla Luccas Claro e Digão não caiu nas graças da torcida, que pede por uma chance a Nino e Matheus Ferraz. Não será surpresa se ao menos um deles aparecer na estreia do time na Copa do Brasil, contra o Moto Club, em São Luís-MA.

Matheus Ferraz até iniciou o ano como titular. Ele aproveitou que Digão não estava inscrito nas duas primeiras rodadas para mostrar que a lesão que o tirou dos campos por sete meses em 2019 ficou para trás.

Ao todo, Matheus Ferraz já disputou três partidas neste ano. E, com ele, o Fluminense não sofreu nenhum gol. As eliminações na Taça Guabanara, para o Flamengo, e na Sul-americana, para o Unión La Calera, fizeram a implicância da torcida com Digão voltar.

Do lado direito, a situação de Luccas Claro não é melhor. Embora o zagueiro tenha aproveitado os primeiros jogos do ano para mostrar seu lado artilheiro (foram três gols em oito partidas), sua atenção na defesa já causa irritação. Principalmente pela lentidão — o que ficou evidente no principal teste do ano, o clássico contra o Flamengo, pela semifinal da Taça GB.

Para piorar a situação de Luccas Claro, Nino se reapresentou ao Fluminense há dez dias com o moral elevado. O zagueiro retornou do Torneio Pré-Olímpico com a missão de classificar o Brasil para Tóquio-2020 cumprida. E, o mais importante, com cinco jogos como titular no currículo.

Nesta quinta, os jogadores iniciaram a preparação para a Copa do Brasil. A definição da equipe que enfrentará o Moto Club, no entanto, deve ocorrer apenas na próxima semana.

Fonte: Extra

Flu realiza trabalho regenerativo no CT Carlos Castilho

Após a eliminação da Copa Sul-Americana para o Unión La Calera, na última terça-feira (18), Flu se reapresentou na tarde desta quinta-feira (20) para treino.

Os titulares realizaram apenas um trabalho regenerativo na academia e deram voltas no gramado do CT Carlos Castilho.

Para o restante do elenco, o treino foi pesado, envolvendo trabalho físico e tático, sob o comando do técnico Odair Hellmann. Com Nino reintegrado após disputar o Pré-Olímpico com a Seleção Brasileira e tendo mais tempo de adaptação a comissão técnica, a tendência é que entre de vez na briga pela titularidade.

Vale lembrar que apenas o zagueiro Frazan está no departamento médico, por conta de uma grave lesão no joelho direito, e é o único desfalque para o próximo compromisso. Portanto, Odair tem praticamente todo o elenco à disposição pela primeira vez desde que chegou ao clube.

Nesta sexta-feira, todo o elenco vai participar do treinamento que irá acontecer pela manhã. A atividade vai servir para o técncio Odair Hellmann começar a esboçar a equipe que vai a campo. Wellington Silva e Fernando Pacheco disputam posição no ataque, enquanto Hudson e Yago podem reaparecer no meio-campo, brigando por uma das vagas de um dos volantes.

Fonte: Terra

Ídolo do Flu, Jair Marinho, é internado em Niterói

De acordo com Ancelmo Gois, jornalista do jornal “O Globo”, um dos grandes nomes e ídolos da história do Fluminense, o ex-lateral-direito Jair Marinho, de 84 anos, sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) nesta quinta-feira (20) e está internado em estado grave na UTI do Hospital de Clínicas da Alameda, em Niterói.

Jair Marinho vive em Niterói-RJ, onde tem uma escolinha de futebol no Praia Clube São Francisco.

O ex-lateral-direito marcou época no Fluminense jogando ao lado de Castilho, Pinheiro, Clóvis, Altair, Edmilson, Telê, Maurinho, Valdo e Escurinho.

Com a camisa tricolor, ele conquistou o título carioca de 59 e foi bi-campeão do Torneio Rio-São Paulo (57 e 60).

Odair de olho em atleta da Portuguesa?

Flu analisa contratação do meia-atacante Chay, da Portuguesa- RJ, após interesse de Odair ao final da partida que Flu ganhou contra Portuguesa por 2 a 0.

Conforme notificado em primeira mão pelo portal Net Flu e confirmado pela reportagem do Canal Flu News, o atleta, de 19 anos, foi bastante elogiado pelo técnico atual do Flu depois do confronto entre os times pela Taçã Guanabara

-O Ricardo (chefe do scout do Flu) monitora o Chay e o que temos alinhado é um bate-papo pós – Campeonato Carioca, sem nada definido. Mas ele é muito elogiado pelo Ricardo, vem fazendo um trabalho e o próprio Chay me passou que o Odair o parabenixou após o jogo. – Contou o agente do jogador.

O jogador de 1,77m foi eleito o melhor atacante pela direita na Série B1 (Segunda Divisão) do Campeonato Carioca de 2019. Tinha sido o melhor jogador da America no Futebol de 7 e ficou em segundo na eleição mundial. O atleta tem passagem pela Seleção Brasileira da categoria.

Em sua passagem pelo São Gonçalo foram oito gols em 24 partidas. Pelo Rio Branco (AC), 11 jogos e seis gols, além de seis assistências, e o acesso na última temporada com o America, com 20 jogos, três gols e o título da Taça Santos Dumont, onde marcou o gol que confirmou a conquista rubra.

“Ter sempre jogadores sendo convocados para a seleção é um privilégio”, Marcelo Veiga exalta convocação de jogadores

Coloca mais três na conta: Flu tem +3 jogadores convocados para período de treinos com a seleção sub-17: o meia Kayky e os atacantes João Neto e Matheus Martins.

Os meninos se juntarão a outros 21 atletas para trabalhos do dia 1º a 7 de março na Granja Comary.

Coordenador técnico de Xerém, Marcelo Veiga destaca a importância de tal experiência para a formação dos jovens valores tricolores:

— Ter sempre jogadores sendo convocados para a seleção é um privilégio e fruto de um trabalho que desenvolvemos aqui em Xerém. A presença deles na seleção é importante para o processo de formação destes atletas – disse.

Fluminense posta homenagem à Elba de Pádua, nome histórico do Tricolor

Elba de Pádua Lima, um dos nomes históricos do Flu, estaria completando 105 anos se fosse vivo, nessa quinta-feira (20).

Ex-meia esquerda e técnico que foi campeão do time das Laranjeiras nas duas funções, ganhou os parabéns nas redes sociais oficiais do clube, confira:

Foram 213 jogos como jogador, 72 gols pelo Flu e quatro vezes campeão carioca.

Como técnico, 166 jogos e o título estadual de 1964.

Confira o horário de funcionamento das Laranjeiras durante o carnaval

Fluminense divulgou para seus associados os horários que o clube funcionará durante o carnaval, confira:

Sábado – 22/02

Clube – 6h às 20h

Secretaria e Caixa – 8h30 às 14h

Sala de Troféus – 09h às 16h

Parque Infantil – 8h às 20h

Sauna – 9h às 20h

Parque Aquático – 6h às 20h

Domingo – 23/02

Clube – 6h às 18h

Secretaria e Caixa – Não funcionam

Sala de Troféus – Não funciona

Parque Infantil – 8h às 14h

Sauna – 9h30 às 14h

Parque Aquático – 6h às 18h

Segunda – 24/02

Clube – 6h às 18h

Secretaria e Caixa – Não funcionam

Sala de Troféus – Não funciona

Parque Infantil – 8h às 18h

Sauna – Não funciona

Parque Aquático – 6h às 18h

Terça – 25/02

Clube – 6h às 18h

Secretaria e Caixa – Não funcionam

Sala de Troféus – Não funciona

Parque Infantil – 8h às 14h

Sauna – Não funciona

Parque Aquático – 6h às 18h

Quarta – 26/02

Clube – 6h às 22h

Secretaria e caixa – Não funcionam

Sala de Troféus – 10h às 18h

Parque Infantil – 8h às 20h

Sauna – 15h30 às 22h

Parque Aquático – 6h às 22h

Foto: Divulgação

“Viemos mentalmente preparados e acho que tivemos um volume melhor que o deles”, declara Muriel após eliminação da Sul-Americana

Com eliminação da Sul-Americana chegando tão cedo, Muriel afirma que é preciso aprender com os erros cometidos, já que o time tem um jogo decisivo pela Copa do Brasil chegando.

O empate em 0 a 0 com o Unión La Calera, na última terça-feira (18), foi encarado como um verdadeiro vexame, principalmente pela diferença técnica entre os times. O Tricolor era o grande favorito e por isso, faltam explicações.

O goleiro Muriel atribuiu o fracasso ao resultado feito em casa e ao antijogo praticado pelo adversário, confira:

– Acho que a gente buscou a vitória do início ao fim, principalmente no Maracanã, quando criamos muito mais chances de perigo do que eles, que conquistaram a classificação no gol qualificado. Fora de casa fomos buscar a vitória. O time buscou desde o primeiro minuto. A grama sintética acaba atrasando um pouco o jogo e eles se posicionavam muito rápido atrás ou matavam a jogada com bastante faltas. Na minha opinião poderiam ter mais cartões amarelos para a equipe deles.

Apesar de ter citado o gramado artificial, Muriel afirmou que essa questão não é uma desculpa para o mal desempenho no Estadio Municipal Nicolás Chahuán Nazar.

Na avaliação do goleiro, o time sabia e estava preparado para enfrentar essa adversidade.

– Realmente é diferente, mas já sabíamos que seria assim. Viemos mentalmente preparados e acho que tivemos um volume melhor que o deles. Mas estão mais acostumados e conseguiram se posicionar bem. Faltou criar um pouco mais. Se uma bola tivesse entrado, conquistaríamos a classificação. Mas o que pesou foi não ter conseguido vencer em casa, podendo jogar com o resultado e uma vantagem.

Na próxima quarta-feira, o Fluminense entra em campo diante do Moto Club-MA, no Castelão, em São Luís. Muriel espera tirar lições da eliminação da Copa Sul-Americana para não repetir o vexame na competição nacional.

– Infelizmente não conquistamos a classificação, merecíamos algo melhor, mas temos que tirar as lições agora. Não podemos nos abater, já que temos uma decisão no meio de semana. Então precisamos estar muito fortes e imbuídos para que venhamos a crescer para buscar a classificação.

Flu tem a vantagem do empate para conseguir avançar para a próxima fase.

FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.

Fonte: Terra

Com eliminação da Sul-Americana, é substancial Flu chegar à semifinal da Copa do Brasil

A eliminação já na primeira fase da Copa Sul-Americana gerou entre os tricolores uma série de incertezas em relação ao restante da temporada. Uma delas é de ordem financeira, dor de cabeça constante para o Fluminense nos últimos anos. Num clube de finanças limitadas, o adeus precoce à competição considerada prioridade de 2020 representa a perda de uma receita que fará diferença no planejamento.

O orçamento do ano ainda não foi apresentado para votação no Conselho Deliberativo. Logo, não há informação de quanto o clube projetava arrecadar com o torneio continental. No entanto, é possível ter uma ideia mínima da receita que escorre pelas mãos.

Nas últimas três edições, o Fluminense chegou ao menos às quartas de final do torneio. Se chegasse até lá mais uma vez, arrecadaria US$ 1,8 milhão (cerca de R$ 7,7 milhões). Só que, com a queda para o Unión La Calera, os tricolores só tiveram direito a US$ 300 mil (R$ 1,3 milhão). A diferença de R$ 6,4 milhões pagaria quase duas folhas salariais do futebol. Hoje, o clube deve um mês aos jogadores.

A reportagem apurou que o orçamento a ser enviado à votação (estima-se que em março) prevê resultado negativo se já consideradas as dívidas de longo prazo contraídas em anos anteriores. Ou seja, para evitar que este prejuízo seja ainda maior, será preciso compensar de outra forma a receita que viria através da Sul-Americana.

Uma possibilidade seria melhorar a campanha nas outras principais competições em relação aos resultados do ano passado. Com as oitavas da Copa do Brasil e o 14º lugar no Brasileiro, além da própria Sul-Americana, o Fluminense embolsou cerca de R$ 20 milhões em premiações. Se chegar à semifinal da primeira competição, o que não consegue desde 2015, já conseguirá repetir o desempenho financeiro de 2019 sem depender da colocação que terminar no Brasileiro, cuja bonificação por posição alcançada deverá ser menor na próxima edição.

Caso os tricolores caiam mais cedo na Copa do Brasil (a estreia será na quarta, contra o Moto Club, em São Luís), precisarão terminar na metade de cima do Brasileiro. A última vez foi há seis anos.

Todas estas projeções levam em consideração apenas o dinheiro de premiação. Mas a eliminação na Sul-Americana não afeta apenas a receita de prêmios. A frustração causada na torcida pode ameaçar a frequência de público nos estádios e até a adesão ao programa de sócio-torcedor, que terá uma nova versão lançada em breve e é cercado de expectativa pela diretoria. O clube projeta chegar a 50 mil sócios até o fim do ano (hoje são 23 mil) e garantir, com isso, uma receita anual de R$ 24 milhões.

A esperança de não deixar essas previsões desandarem está em Fred. Mas não exatamente em seus pés. A diretoria vê no retorno do ídolo a possibilidade de mobilizar a torcida e, com isso, gerar dinheiro. Só que, em meio a um imbróglio jurídico com o Cruzeiro, a tendência é que sua contratação ainda leve algum tempo.

Fonte: Extra

FOTO: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.

Top