fbpx

Celso Barros ida rede social para responder Fernando Diniz

Foto: Divulgação/FFC

Em coletiva realizada na tarde da última segunda-feira (19) o técnico Fernando Diniz deixou no ar uma certa insatisfação com o vice-geral do Fluminense, Celso Barros.

Na coletiva o ex treinador Tricolor não citou o nome de Celso durante os agradecimentos, alegando que só iria falar o nome de quem “remava junto”.

Por meio de sua rede social, Celso respondeu ao ex treinador. Com um texto breve, Celso Barros desejou sucesso ao treinador e disse estar na torcida:

Abelão recusa Fluminense, e Mário decide abrir negociação com Dorival Júnior

Abel Braga decidiu, em consenso com a família, não substituir Fernando Diniz, dispensado nessa segunda-feira, no comando do Fluminense. Mais uma vez por não se interessar em assumir equipes no meio do ano. Ele vem de trabalho à frente do Flamengo, encerrado no fim de maio. Entre dezembro de 2016 e junho de 2018, Abelão realizou sua última passagem pelas Laranjeiras.

Com a recusa do plano A, a diretoria busca começar em algumas horas a negociação com Dorival Júnior, 57 anos, nome que agrada ao presidente Mário Bittencourt. O próprio, inclusive, deve se encarregar da tratativa. Recém-demitido do Cruzeiro, Mano Menezes figura entre os especulados, mas com menos chances de ser procurado.

Segundo informado pelo Globoesporte.com, Diniz, o auxiliar técnico Márcio Araújo e o preparador físico Wagner Bertelli custavam, juntos, R$ 300 mil. As opções em pauta no momento requerem um investimento maior, apesar da dificuldade financeira.

Desempregado desde a saída do Flamengo, em dezembro passado, Dorival passou pelo Tricolor em 2013, ano em que o clube ficou à beira do rebaixamento para a segundona. Foram três triunfos em cinco jogos, além de um empate e uma derrota, já na reta final daquele Campeonato Brasileiro.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: UOL.

Torcida Tricolor esgota ingressos para primeiro jogo contra o Corinthians

Foto: Divulgação/FFC

Mesmo com o time na zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro e momentaneamente sem técnico, a torcida do Fluminense mostrou sua força e esgotou os ingressos da primeira partida das quartas de final da Copa Sul-Americana contra o Corinthians.

O jogo vai acontecer na próxima quinta-feira (22) em São Paulo e, a torcida esgotou os bilhetes ainda no Rio de Janeiro. Contudo, a diretoria deve enviar uma carga extra para ser comercializada em São Paulo.

A direção do clube ainda irá abrir as Laranjeiras para os torcedores que não forem para São Paulo. Um telão será colocado no estádio onde os torcedores poderão acompanhar a partida.

O evento será nós mesmos moldes que o já realizado na partida das oitavas, contra o Peñarol.

O preço dos ingressos varia entre R$10 e R$60. Quem é sócio pagará R$ 20 (R$ 10 a meia, com entrega de um quilo de alimento não perecível no acesso ao estádio) enquanto que o valor para não associados é de R$ 60 (R$ 30 a meia social, também com entrega de um quilo de alimento não perecível no acesso ao estádio).

Adversário na Sula, Corinthians liga sinal de alerta por mudança no comando do Fluminense: “Não sabemos como virão”

O clima entre os corintianos é de dúvida sobre como o Fluminense chegará para enfrentar o Alvinegro, às 21h30 de quinta-feira, na Arena Itaquera, pelas quartas-de-final da Sul-Americana. Na manhã dessa segunda, Fernando Diniz deixou o comando do Time de Guerreiros, novidade repassada por Fábio Carille aos seus jogadores após treino.

Fágner, lateral-direito: “Difícil saber o que pode influenciar. Futebol é dinâmico. Sabíamos que, pelo resultado, tudo era possível. Fábio nos comunicou ali já após o treino para que a gente se conscientizasse que o jogo poderia ter alguma mudança daquilo que eles estavam preparando. E, assim, agora é tentar se preparar da melhor forma possível, porque a gente não sabe quem pode assumir, o que vamos enfrentar, o que pode mudar… Vamos nos preparar para fazer um grande jogo tecnicamente e mentalmente para levar vantagem ao Rio”.

Júnior Urso, volante: “Eu acho que, se influenciar, é para nós termos atenção. Após uma demissão, troca de comando, jogadores querem mostrar para o novo chefe qualidade. Dá um ânimo a mais para que eles possam trabalhar, quando não estão recebendo chance. Quem chega, vai querer colocar sua cara. Vai ser um jogo difícil para o Corinthians. Estilo de jogo muito diferente. Se a gente conseguir repetir o que temos feito, é difícil a gente perder aqui dentro”.

Pedrinho, atacante: “Acho que até foi em um grupo que ele falou, deu essa notícia. Não estava. Fiquei sabendo no vestiário. Sabíamos que seria um jogo difícil. Diniz tem seu estilo diferente. Com a demissão dele, não sabemos como eles virão”.

Marcão, que assume o cargo interinamente, promoveu nessa manhã, sem Digão, em tratamento de dores na panturrilha direita, a primeira atividade em preparação para o duelo do meio de semana. Abel Braga recebeu a primeira sondagem e avalia retorno às Laranjeiras, de onde saiu, pela última vez, em junho de 2018.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Diniz expõe relação estremecida com Celso Barros: “Tenho mágoa de quem gosta de mim. Não sinto absolutamente nada por ele”

A relação entre Fernando Diniz e Celso Barros, segundo indicou o ex-treinador do Fluminense, não era nada boa. Ainda no dia da eleição, no início de junho, o vice de Mário Bittencourt gerou um ponto de interrogação quanto à continuidade do trabalho ao cobrar da equipe uma arrancada no Brasileirão, o que não ocorreu.

Terça-feira, Celso reuniu elenco e comissão técnica para uma conversa visando ao embate diante do CSA, domingo, que, devido ao revés, selou a demissão de Diniz. Ao explicar como se deu o encontro, o técnico alfinetou o dirigente.

– Não atrapalhou o meu trabalho. Só atrapalha quando o jogador se afeta. Ficou nas entrelinhas para todo mundo que esse trabalho poderia ser interrompido assim que ele chegasse. Eu preferi focar em quem estava andando junto. O Mario (Bittencourt) remou junto, trabalha incessantemente, quer ajudar o Fluminense, não é vaidade pessoal. Quer melhorar as condições do clube. Não tenho mágoa do Celso. Tenho que ter mágoa de quem gosta de mim e de quem eu gosto. Dele não tenho mágoa. Não sinto nada por ele. Absolutamente nada.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fernando Diniz afirma que entrega Fluminense “harmonioso” e revela: “Torcia para ter mais tempo”

Fernando Diniz deu adeus ao Fluminense nessa segunda-feira, dia seguinte à derrota para o CSA, por 1 a 0, no Maracanã. Em pronunciamento a jornalistas, num hotel na Barra da Tijuca, o técnico destacou a evolução do elenco e disse que, apesar da má campanha, ainda cria em resultados melhores. Ele deixa o clube em 18º lugar no Brasileirão, com 12 pontos, e vivo nas quartas-de-final da Sul-Americana.

– O trabalho iria gerar frutos melhores, acredito nisso. Estava esperando os dois cenários, não sou ingênuo. Mas torcia para ter um pouco mais de tempo. Peguei jogadores desconhecidos e hoje entrego jogadores admirados pela torcida. Temos jogadores observados e convocados para a seleção olímpica. Esses são resultados importantes para mim.

Elogiado por buscar implantar no Brasil um estilo de jogo que preze a posse de bola, Diniz garante confiança em suas ideias. À frente do Tricolor, conquistou 18 vitórias, 11 empates e 15 derrotas em 44 jogos.

– Sempre raciocino o que está errado, mas estou na convicção de que estou no caminho certo. O futebol não é só número e a vida também não. Procuro levar a minha vida assim.

– É uma das coisas que atrasa, sim. Achar que, se fizer as coisas de qualquer jeito, vão ganhar… Os quatros rebaixados no ano passado jogaram de uma maneira completamente diferente da que eu jogo – lembrou.

Enquanto a diretoria procura um novo nome para o cargo (Abel Braga é o preferido no momento), Marcão assume a equipe interinamente. Fernando Diniz explicou a relação do auxiliar com o grupo, que se prepara para o primeiro duelo com o Corinthians pela Sula.

– Marcão é querido por todos os jogadores. O Fluminense tem profissionais que têm boa gestão com os jogadores. Eles têm como seguir com esse trabalho até a diretoria escolher o novo treinador.


CONFIRA MAIS DECLARAÇÕES DE FERNANDO DINIZ:

Aviso da demissão: “Fiquei sabendo hoje de manhã, só fui comunicado. Tomei um café da manhã com Mário e Angioni. Recebi com muita tristeza”.

Balanço no comando do Fluminense: “Deixo um time harmonioso, que trabalhou muito. E a gente trabalha muito e machuca muito pouco, o que é importante. A tática é um subproduto, não é o produto principal. O importante é a harmonia, os jogadores serem acreditados”.

  • Agradecimentos:

Aos jogadores: “Sou grato aos jogadores, tivemos uma relação intensa. Eles têm condições de jogar futebol. Talvez a minha saída diminua a pressão. Acredito que o time vai decolar no Brasileiro e passar na Sul-Americana”.

À torcida: “Sou péssimo em fazer média, então isso vem do fundo do coração: sou muito grato à torcida do Fluminense. Soube acolher o time e acreditou no trabalho”.

A dirigentes: “Sou grato ao Abad, que me trouxe, e ao Mário, que é um presidente jovem, muito focado nas coisas do clube. Me acolheu muito bem”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Everaldo, do Corinthians, lamenta saída de Diniz de ex-clube: “É uma perda para o futebol”

Negociado para o Corinthians em maio, Everaldo trabalhou com Fernando Diniz no Fluminense durante o primeiro semestre. Nessa segunda-feira, em entrevista no Parque São Jorge, lamentou a saída do treinador do ex-clube e lembrou seus ensinamentos.

– Fico triste pelo Diniz, excelente profissional. Aprendi muito com ele. É uma perda para o futebol, é um cara que trabalha bastante. Creio que logo logo ele estará de volta. Aprendi bastante coisa com ele. A pisar na área, movimentar, rodar, acompanhar lateral até a bandeirinha se for preciso. Lá no Fluminense, ensinou a ter caráter e dar o máximo do primeiro ao último minuto.

Nas próximas duas quintas-feiras, Fluminense e Corinthians duelarão por uma vaga na semifinal da Sul-Americana. Como representou as três cores nesta edição do torneio, o atacante de 25 anos não estará à disposição do técnico Fábio Carille. O primeiro jogo será em Itaquera e o segundo, no Maracanã.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Diniz publica nota sobre demissão: “Saio de cabeça erguida”

Foi em rede social que Fernando Diniz se pronunciou pela primeira vez sobre a demissão do Fluminense, anunciada na manhã dessa segunda-feira. O técnico não resistiu à derrota por 1 a 0 para o CSA, domingo, no Maracanã, a nona em 15 rodadas do Brasileirão. Em instantes, ele ainda dará entrevista a jornalistas sobre a saída do clube, em hotel na Barra da Tijuca.

Confira a mensagem:

“Quero me posicionar sobre minha saída do Fluminense Football Club. Foram mais de 44 jogos no comando dessa equipe, que carrega uma das histórias mais lindas do futebol brasileiro. Saio da mesma maneira que entrei, de cabeça erguida. Durante esses oito meses e pouco de trabalho, retomamos a confiança do clube, que voltou a figurar próximo ao topo nas competições. O grupo acreditou e, graças a isso, foi a uma final pela Taça Guanabara – Campeonato Carioca, chegando longe pela Copa do Brasil – oitavas de final, além da classificação para as quartas de final pela Copa Sul-Americana CONMEBOL. Infelizmente não alcancei o ápice no Campeonato Brasileiro, onde, pelo que entendo de futebol e conheço o grupo, bem sei que podem ir mais longe e que muito breve sairá dessa zona do desconforto, pois o elenco é forte, é talentoso, além de tudo é um Time de Guerreiros. Agradeço ao presidente Mário Bittencourt, pela confiança e por todo o apoio durante este período em que estive aqui. Não posso esquecer de mencionar também esta comissão técnica fixa, que sempre esteve comigo e me apoiou durante as decisões. Obrigado também Celso Barros, Heraldo Lunes, à comissão técnica, à diretoria e todos os funcionários, o meu muito obrigado. Vocês acreditaram desde o início em nosso trabalho e é isso que me deixa feliz. Valeu, Fluminense!”.

View this post on Instagram

Quero me posicionar sobre minha saída do Fluminense Football Club. Foram mais de 44 jogos no comando dessa equipe, que carrega uma das histórias mais lindas do futebol brasileiro.  Saio da mesma maneira que entrei, de cabeça erguida. Durante esses oito meses e pouco de trabalho, retomamos a confiança do clube, que voltou a figurar próximo ao topo nas competições. O grupo acreditou e, graças a isso, foram uma final pela Taça Guanabara – Campeonato Carioca, chegando longe pela Copa do Brasil – oitavas de final, além da classificação para as quartas de final pela Copa Sul-americana CONMEBOL. Infelizmente não alcancei o ápice no Campeonato Brasileiro, onde pelo que entendo de futebol e conheço o grupo, bem sei que podem irem mais longe e que muito breve sairá dessa zona do desconforto, pois o elenco é forte, é talentoso, além de tudo é um Time de Guerreiros. Agradeço ao presidente Mário Bittencourt, pela confiança e por todo o apoio durante este período em que estive aqui. Não posso esquecer de mencionar também esta comissão técnica fixa, que sempre esteve comigo e me apoiou durante as decisões. Obrigado também Celso Barros, Heraldo Lunes, à comissão técnica, à diretoria e todos os funcionários, o meu muito obrigado. Vocês acreditaram desde o início em nosso trabalho e é isso que me deixa feliz. Valeu, Fluminense! 🙏🏻👊🏼 🇮🇹 #fernandodiniz #fluminense Comunicação Ideallize Assessoria

A post shared by Fernando Diniz (@fernandosdinizoficial) on

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fernando Diniz devolveu ao elenco “alegria em campo” e “vontade de jogar”, dizem jogadores

Fernando Diniz encerrou seu ciclo como técnico do Fluminense na manhã dessa segunda-feira, ao ser avisado da demissão. Na reapresentação depois da derrota por 1 a 0 para o CSA, ele apareceu no Centro de Treinamento, na Barra da Tijuca, para se despedir do elenco.

O discurso ganhou tom emotivo e comoveu os jogadores, especialmente os mais jovens. Miguel, Marcos Paulo e João Pedro, destaques da temporada, foram lançados por Diniz. O treinador pediu esperança e elogiou o presidente Mário Bittencourt.

Marcão, que assume o cargo interinamente, comandou o primeiro treino de olho em jogo das quarta-de-final da Sul-Americana, contra o Corinthians, quinta-feira, em São Paulo. Abel Braga é o plano A da diretoria.

Nas redes sociais, vários integrantes do plantel publicaram agradecimentos a Fernando Diniz. Chamaram a atenção as mensagens de Yony González e Caio Henrique, que disseram que o comandante os devolveu a alegria e a vontade de jogar. Acompanhe:




Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense faz primeiro contato e aguarda resposta de Abel Braga

Algumas horas após a confirmação da demissão de Fernando Diniz, resultante da má campanha no Campeonato Brasileiro, a diretoria do Fluminense se reuniu, no Centro de Treinamento, para dar início à busca pelo substituto. O plano A é Abel Braga, 66 anos, desempregado desde a saída do Flamengo, no fim de maio. Interinamente, entra na vaga o auxiliar Marcão.

O clube das Laranjeiras sondou Abelão, que pediu que os próximos contatos sejam diretamente com seu filho e empresário, o ex-volante Fábio Braga. A última passagem do técnico pelo Tricolor começou em dezembro de 2016 e terminou em junho de 2018, quando entregou o cargo devido ao desgaste pelos constantes atrasos salariais. À época, a equipe vinha mal no Brasileirão.

– Tenho o hábito de não pegar as coisas no meio. Mas saí cedo (do Flamengo) e não posso dizer que não vou pegar alguma coisa se aparecer – disse em declaração à TV Globo.

Dorival Júnior é um nome que agrada a cúpula verde, branco e grená, composta por Mário Bittencourt, Celso Barros e Paulo Angioni. Porém, ele nega ter sido procurado até o momento. O treinador não exerce a função desde que deixou o comando do Flamengo, no fim de 2018.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top