fbpx

Abel Braga alimenta expectativa por Pedro no Fla-Flu, mas artilheiro está fora; veja desfalques

Depois de perder para o Paraná, o Fluminense se prepara para encarar o Flamengo, em Brasília, na quinta-feira, sem Pedro e Marcos Júnior, substituído aos 11′ do primeiro tempo do jogo na Vila Capanema, em Curitiba, com dores na coxa esquerda. O camisa 35 passará por exames nesta quarta-feira, no Rio, para descobrir a gravidade da lesão. É o mesmo problema que afetou o jogador contra a Chapecoense e o tirou do duelo com o Grêmio, semana passada.

Quanto a Pedro, a torcida ainda teve alguma esperança de vê-lo no clássico da décima rodada. Isso porque Abel Braga, durante entrevista, sinalizou a possibilidade de o camisa 9 ser relacionado. Chance esta que, segundo a assessoria do clube, está descartada. Nenhum atleta foi integrado ao grupo que viaja à capital federal. Veja a fala do técnico na segunda-feira:

– Marcos Jr. não tem chance nenhuma de jogar (o Fla-Flu). Saiu com 5 minutos. Sentiu a posterior da coxa. Vamos saber agora do Pedro. Ayrton também não pode, Léo já não poderia. Vamos ver a formação que vamos usar, pensar bem – disse.

Léo também é desfalque confirmado

Léo pode escolher a razão pela qual está fora deste Fla-Flu. Além de pertencer ao rival, o lateral-direito, titular diante do Paraná, torceu o tornozelo e deixou a partida durante a segunda etapa. Ao sair do estádio, inclusive, foi visto com o pé imobilizado.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

 

Centenas de tricolores se mobilizam, e FluFest bate meta a um mês do prazo

Sucesso nas edições passadas, a FluFest está, pelo quarto ano consecutivo, confirmada. Desta vez, a festa, cujo tema é a história do clube no Maracanã, acontece justamente em 21 de julho, aniversário do Fluminense, no mesmo local de sempre: a sede histórica de Laranjeiras. Ao longo de 18 horas de programação, haverá diversas atividades, incluindo jogos festivos e despedida de Ricardo Berna. Além do show da banda Blitz, de Evandro Mesquita, abrindo a madrugada no Salão Nobre.

A verba necessária para viabilizar o evento foi estipulada em R$ 100 mil. A mais de um mês do fim do crowdfunding (ou financiamento coletivo), previsto para o dia 18 de julho, a meta foi batida, com a ajuda de cerca de 270 tricolores (até o fechamento desta matéria, foram, ao todo, 278 contribuintes e R$ 106.797 alcançados).

Para colaborar e, ao mesmo tempo, ganhar recompensas desde copo até livro, clique aqui, saiba como participar e confirme presença nessa grande comemoração!

Detalhe: caso você se interesse pelos pacotes de R$ 1000 ou R$ 1.500, atente-se ao calendário! As vagas se esgotarão ainda nesta semana.

LEIA MAIS: Blitz, de Evandro Mesquista, fará show na FluFest 2018
LEIA MAIS: Ferrugem foi cotado para FluFest, mas Blitz é confirmada e convoca torcida
LEIA MAIS: Aos 38 anos, Ricardo Berna encerrará carreira na FluFest: ‘Marco para mim’
LEIA MAIS: Brindes da FluFest, livro e pôster têm capas escolhidas pela torcida

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Khrushchov e Abad vs. Stálin e Siemsen

Em 05 de março de 1953, morreu Josef Stalin. Na sequência, como Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética, assumiu Nikita Khrurshov. Tempos depois, precisamente em 25 de fevereiro de 1956, durante o XX Congresso do Partido Comunista, diante de delegados perplexos, Nikita Khrurshov denunciou os crimes cometidos por Josef Stalin. Fê-lo porque era indispensável fazê-lo. Afinal, na cruenta luta pelo poder naquele país, Nikita Khrurshov queria se diferençar de Josef Stalin.

Algo semelhante sucede no Fluminense, guardadas as sacrossantas proporções.

Em 23/05/2018, o portal NetFlu noticiou: “Levantamento financeiro aponta a pior crise da História tricolor”.

Como assim? Não era o Peter Siemsen um mago das finanças, implementador de um duro “ajuste fiscal” no Fluminense? Ele parecia tão competente que seria o melhor nome para assumir a Grécia então quebrada…

Como dizia o meu saudoso pai, isso está mal contado. Muito mal contado!

Pedro Abad é uma pessoa dotada pelo Criador de um intelecto privilegiado. Eu, por exemplo, queria ter metade da capacidade intelectual dele. Tá bom, 40% já me bastariam.

Ou seja, o Presidente do Fluminense pode ser um monte de coisas, mas burro eu garanto que ele não é. Então, de duas, uma:

a-) Peter Siemsen, mais que um engodo da Flusócio, é um fraudador perigosíssimo, da estirpe do Professor Moriarty, arqui-inimigo do Sherlock Holmes. Ele deve ser merecidamente jogado na lata de lixo da História? Sim! Apenas isso? Não! Mais do que olvidado, ele deve ser publicamente execrado e judicialmente responsabilizado. Aliás, recomenda-se, a todos que com ele interagiram, conferir tudo o que Peter Siemsen assinou. Sua esposa deve, inclusive, revisitar as núpcias então contraídas. Talvez seu nome nem seja “Peter”, sei lá;

b-) Pedro Abad está envolvido nisso até o pescoço, pois era um condestável da gestão do Peter//Flusócio.

Não há terceira alternativa. Ou, como diria o ilustrado Peter Siemsen: tertium non datur.

Translúcidas apurações internas não bastam, Presidente Pedro Abad. Implicaria varrer o lixo pra debaixo do tapete. Haja tapete!

Sessenta e dois anos depois, Abad, inspire-se em Nikita Khrurshev. Só neste particular, fique bem claro isso. Denuncie, Presidente, bote a boca no trombone! Diferencie-se de Peter Siemsen.

Ou, se preferir o silêncio e a rasa politicalha da Flusócio, o senhor entrará para a História como um partícipe na fraude e na ruína tricolor.

Saudações tricolores!

André Ferreira de Barros tem 50 anos, acompanha o Fluminense em estádios desde a final da Taça Guanabara de 1975 e acha que a Flusócio tem que deixar o Tricolor e tentar a sorte no Boavista, para o infortúnio do simpático clube da Região dos Lagos.

Parabéns aos Guerreiros

 

Marcelo Jorand e André Ferreira de Barros

Avançavam as últimas primárias do Partido Republicano. Repórteres, então, resolveram fustigar James Baker. “E se ‘A’ for eleito Presidente dos Estados Unidos? E se o eleito for ‘B’?”. Com a pertinácia que lhe é peculiar, o ex Secretário de Estado dos E.U.A respondeu: “Nada muda! Os Estados Unidos são à prova de idiotas…”.

Galera, é forçoso reconhecer que o time do Fluminense vem surpreendendo, positivamente, a todos nós.

Júlio César vem, pouco a pouco, ganhando a confiança da torcida tricolor. Gilberto, noves fora a patacoada no jogo contra o Cruzeiro, vem dando conta do recado. Gum… bom, Gum é Gum, o Guerreiro Gum! Ele tem lugar cativo no coração da galera e, quando sair, do time já terá entrado para a História. Renato “Calopsita” Chaves, quando não se acha o novo Franco Baresi, dá pro gasto. Luan Peres – ou qualquer outro zagueiro que complete a trinca – até agora não deu sustos. Ayrton “Beijinho” é, seguramente, uma das duas maiores revelações do futebol brasileiro em 2018. Marlon, quando entra, mantém o nível do titular. Richard é um volante austero, mas importantíssimo para o time. Jadson queimou a língua de 99,99% dos torcedores. Ele joga tanto quanto Wendell, mas com menos máscara. Marco Jr. quando se concentra em jogar bola, o faz com eficiência.

Júnior Sornoza merece um parágrafo à parte. Como joga bola esse equatoriano! Mesmo sabotado pelo Pedro Abad – que poderia presenteá-lo com um companheiro de criação no meio-campo -, Sornoza é incansável no leva e traz (a bola). E não é só transpiração, não! Tem muita inspiração o Papá!

Pedro, evidentemente, também merece um parágrafo à parte. Ele enverga a mais pesada camisa do Fluminense, a número 9. Não por causa do Dourado, claro, mas devido ao Fred. Guardadas as sacrossantas proporções, tem se saído muito bem o garoto. É a outra grande revelação do futebol brasileiro em 2018. E mais, além de competência, ele parece ter estrela em jogos cascudos. Pedro “Vai te Pegar” já enfiou bola na rede de Flamengo, Vasco, Botafogo, Cruzeiro, São Paulo e Chapecoense (aqui comparada aos grandes por razões óbvias).

Claro, o Abelão também merece um parágrafo particular – ou melhor, um artigo particular, só pra ele. Nós, cinquentões, colocamos o Abel no patamar de Carlos Alberto Parreira (1984) e Nelsinho Rosa (1980 e 1985). Abelão faz o time tricolor jogar no limite do limite. Parece que a garotada corre por ele. Mas Abel não é um mero incentivador, apenas um cara bom de grupo. Abel é muito mais, arrumou o time – e isso não é pouco!

De mais a mais, o Fluminense tem o peso de sua centenária camisa, um peso de entortar o varal.

A gana dos jogadores somado ao excelente trabalho do Abel somado ao peso de nossa camisa impulsionou o Fluminense à vice-liderança do Campeonato Brasileiro. Aliás, temos um encontro marcado com a liderança em Brasília, no Fla x Flu. E sou mais o Fluminense!!!

Voltando a James Baker, o Fluminense é forte, é fortíssimo, mas, infelizmente, não é à prova de incompetentes.

E não faltam incompetentes na Diretoria do Fluminense!

Já ouvimos um zumzumzum sobre as vendas do Pedro, do Ayrton e do Sornoza.

Putz Grilo!!

Desmancha-prazeres!!

Como dito num “live do Jorand”, “… o Fluminense não ganha por causa da Flusócio, ganha APESAR da Flusócio…”.

Saudações tricolores!

Fluminense pode ter clássico na segunda fase da Sul-Americana; veja possíveis cruzamentos

Classificado à segunda fase da Sul-Americana por eliminar o Nacional de Potosi, em maio, o Fluminense conhecerá seu próximo adversário nesta segunda-feira, em sorteio marcado para Luque, no Paraguai. A cerimônia está agendada para 21h, quando a bola já estará rolando no jogo contra o Paraná, pelo Campeonato Brasileiro.

No pote 2, o clube sabe que decidirá a vaga fora de casa e que pegará ‘pedreira’ nesta nova etapa do torneio, que recomeça depois da Copa do Mundo, entre os dias 18 de julho e 1º de agosto. Da mesma forma que pode reencontrar a altitude, o Fluminense corre o risco de esbarrar com Vasco ou Botafogo, rivais no Rio, protagonizando, portanto, clássico regional na Sula. Além dos tradicionais Peñarol e Nacional, do Uruguai, e Cerro Porteño, do Paraguai.


POTE 1

Banfield (Argentina)
Cólon (Argentina)
Jorge Wilstermann (Bolívia)
Bolívar (Bolívia)
Botafogo (Brasil)
Vasco (Brasil)
Deportes Temuco (Chile)
Junior Barranquilla (Colômbia)
Millonarios (Colômbia)
Santa Fe (Colômbia)
El Nacional (Equador)
Sport Huancayo (Peru)
Cerro (Uruguai)
Defensor (Uruguai)
Nacional (Uruguai)
Peñarol (Uruguai)

POTE 2

Fluminense (Brasil)
Bahia (Brasil)
Atlético-PR (Brasil)
São Paulo (Brasil)
San Lorenzo (Argentina)
Defensa y Justicia (Argentina)
Lanús (Argentina)
Deportivo Cuenca (Equador)
LDU (Equador)
General Díaz (Paraguai)
Sol de América (Paraguai)
Nacional (Paraguai)
Rampla Juniors (Uruguai)
Boston River (Uruguai)
Deportivo Cali (Colômbia)
Caracas (Venezuela)


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Rumo a Curitiba: desfalques contra o Grêmio devem ser relacionados

Enquanto perde Pedro, com estiramento na coxa, Abel Braga ganha três opções para escalar o time que enfrenta o Paraná, às 20h desta segunda-feira, em Curitiba. Gum, Marcos Jr. e Pablo Dyego treinam com bola desde sexta-feira e, provavelmente, estarão na lista de relacionados para a nona rodada do Campeonato Brasileiro. Os três desfalcaram o Fluminense contra o Grêmio, quarta-feira, por problemas físicos. O camisa 7, por sua vez, sofria de dores lombares e, inclusive, ficou fora até do duelo com a Chapecoense, dia 26 de maio.

– Estou recuperado. Já vinha tratando há algum tempo. Estou apto para jogar segunda-feira – garantiu Marcos Jr., vice-artilheiro tricolor no ano, em entrevista ao programa ‘Os Donos da Bola’, da BAND.

Sexta-feira, quando se juntou ao grupo que retornou de Porto Alegre, o trio fez um trabalho técnico, ao lado de reservas e de Dodi, titular no meio de semana. Sábado, o foco da atividade foi o mesmo, com jogadas pelas laterais, cruzamentos, chutes de longa distância e dois-toques. O elenco ainda treina mais uma vez, neste domingo, no CT da Barra, antes de embarcar para Curitiba.

Provável Flu: Júlio César; Renato Chaves, Gum e Luan Peres; Gilberto, Richard, Jadson, Sornoza e Marlon; Marcos Jr. e João Carlos.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Gilberto fala de lesões no time e confessa que Pedro deve ficar parado por longo tempo

Figura mais importante do Fluminense em 2018, Pedro viu sua grande fase ser interrompida por uma lesão. No jogo contra o Grêmio, sofreu estiramento na coxa esquerda, problema que ameaçava o centroavante desde meados de maio. Até o momento, nenhum prazo foi dado para o retorno do jovem aos gramados. Gilberto, no entanto, ao falar de como a situação tem sido encarada internamente, adiantou que o período fora de combate deve ser longo.

– Ele ficou chateado. Ainda não tive oportunidade de conversar com a parte médica, mas parece que vai ficar um bom tempo parado. Conversamos muito com ele. Torcemos para que se recupere o mais rápido possível, pois é muito importante para o time – disse.

O elenco enxuto propõe a Abel Braga um desafio: montar o time com o que tem de melhor. A tarefa, por si só complicada, tende a ser mais difícil com a maratona de partidas e o calendário apertado do futebol no Brasil. Assim como em 2017, o Fluminense tem de conciliar Campeonato Brasileiro com Sul-Americana, que recomeça depois da Copa do Mundo, e superar a barreira das contusões, que vêm provocando desfalques nas Laranjeiras.

– Trabalhamos muito a prevenção para não sentir na hora do jogo. Como ponto importante, tivemos poucas lesões e esperamos manter isso, porque Brasileirão é difícil – admite Gilberto.

As perdas por lesões, no entanto, estão longe de ser um problema. O camisa 2 do clube aposta na qualidade de seus companheiros que substituem os machucados.

– Afeta pouco. Os jogadores que entram estão dando conta do recado. Marlon está muito bem. João (Carlos) entrou bem também. Tem outros jogadores que jogaram pouco, mas treinam bem, como Airton, por exemplo. Quando tiverem oportunidade, ajudarão.


Confira mais falas de Gilberto:

Análise do jogo contra o Grêmio

Sabíamos da dificuldade de jogar contra o Grêmio lá, é um time que toca muito a bola. Montamos uma estratégia, que era jogar no contra-ataque. No primeiro tempo, não deu muito certo. Conversamos no intervalo e, no segundo tempo, voltamos melhor. Caprichamos no contra-ataque.

Projeção para duelo com o Paraná, segunda-feira

O Brasileirão é assim. Na partida seguinte, um contraste, um time que está brigando na parte de baixo da tabela. Não sabemos como eles vão vir, se vão esperar ou vir para cima. Mas temos que entrar ligados. Abel ainda vai conversar conosco sobre a estratégia.

Fla-Flu em Brasília

Minha opinião é indiferente. Lógico que preferimos jogar no Maracanã por não viajar, mas é um estádio bom, gramado bom. Eu, particularmente, gosto de jogar no Mané Garrincha. Não vai fazer muita diferença.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Lançada para a Copa, camisa inspirada na Seleção de 1916 divide tricolores

Às vésperas da Copa do Mundo, desta vez na Rússia, o Fluminense se juntou à Liga Retrô e, nesta quarta-feira, lançou uma camisa inspirada na Seleção de 1916. O modelo é formado por listras verticais em verde, amarelo e branco, com o escudo do clube. As peças, nas versões masculina e feminina, são limitadas e podem ser encontradas na Loja do Fluminense (clique aqui para conferir). O preço varia entre R$ 149,90 e R$ 159,90.

A camisa para os tricolores torcerem no Mundial, que se inicia, para o Brasil, em 17 de junho, dividiu a torcida. Uns elogiaram, outros criticaram. Veja alguns dos comentários nas redes sociais:

https://twitter.com/emelinmerola/status/1002004707689353218

https://twitter.com/caxito/status/1001936675910684672

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fluminense põe dois nomes em pauta para vaga de diretor-executivo de futebol

Nas Laranjeiras, dois nomes foram colocados em pauta para a vaga de diretor-executivo de futebol, antes ocupada por Paulo Autuori, que confirmou sua saída na segunda-feira. Os candidatos ao cargo são, por ora, mantidos em sigilo e devem ser procurados por Pedro Abad. A diretoria entende que o ideal é definir o contratado até a parada para a Copa do Mundo, em meados de junho.

Enquanto Autuori ameaçava deixar o Fluminense, o clube iniciou buscas no mercado e viu Rodrigo Caetano como opção. O profissional, porém, acertou com o Internacional. Especulou-se, ainda, que Ricardo Gomes, sem time, e Fernando Gonçalves, ex-coordenador de psicologia do Flamengo, fossem os pretendidos. Mas, embora cogitados num passado recente, estão fora dos planos no momento.

O certo é que o perfil do novo integrante da alta cúpula tem de ser o mesmo do antecessor, atuando como elo entre elenco e direção, e que a missão será manter a tranquilidade no futebol.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Aos prantos, Pedro deixa o campo com dores na coxa e pode ser desfalque até a Copa

Nesta quarta-feira, na Arena do Grêmio, uma cena preocupou os tricolores. Vivendo a melhor fase da carreira, aos 20 anos, Pedro encontrou a primeira pedra no caminho: machucou-se aos 16’ do segundo tempo, quando pediu para sair por causa de desconforto na coxa esquerda. A dor da lesão e da interrupção de grande momento profissional levaram o centroavante às lágrimas.

O artilheiro do Campeonato Brasileiro, com cinco gols, deixou o gramado carregado em maca. Segundo estimativa de Abel Braga, sem respaldo de algum exame, Pedro desfalca o time por até três semanas, o que o tiraria dos jogos até a parada para a Copa – a partir do dia 14 de junho.

– Lesão de três semanas, talvez duas. Ele é jovem, não machuca muito. Destino é um negócio. Na hora em que ele foi atendido, no primeiro tempo, por levar uma pancada na cabeça, ficou tonto. Falei para ele sair. Se tivesse saído, não teria tido a lesão. Ele quis ficar, foi uma pena. Tem de começar a medir um pouco: às vezes é melhor perder jogador em um jogo do que em cinco ou seis – disse o técnico.

Xodó da torcida, o camisa 9 será avaliado nesta quinta-feira, no Rio, para descobrir a gravidade da contusão. Ele, que havia sentido o mesmo problema contra o Atlético-PR, há cerca de duas semanas, saiu da Arena mancando.

Na ausência de Pedro, a lógica aponta para titularidade de João Carlos, único reserva da posição. O jogador terminou o confronto em Porto Alegre, válido pela 8ª rodada e que acabou empatado em 0 a 0. Entre críticas e elogios, recebeu mais comentários positivos dos torcedores.

– A gente vai procurar superar. É o negócio: sem o Pedro, joga o João Carlos. Não sei se terei banco. Pablo Dyego pode atuar ali, mas não é de ficar centralizado – explicou Abelão.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Top