Análise: Fluminense faz primeiro tempo muito ruim, melhora no segundo mas saí derrotado da Colômbia

O Fluminense realizou seu primeiro jogo fora de casa na Copa Sudamericana e não foi o que o torcedor esperava. Com um primeiro tempo muito abaixo, o tricolor sofreu 2 gols e teve que correr atrás do resultado mas não conseguiu furar o bloqueio adversário e no fim do jogo tomou o 3º gol do Jr Barranquilla e acabou derrotado por 3 a 0, com isso caiu para 3ª posição no grupo.

Abel Braga manteve o time que enfrentou o Santos, analisado pelo Tática Didática, com a volta de Ganso ao time titular, o meia tinha sido poupado na partida do Brasileirão. O Fluminense tinha menos posse de bola e também errava muitos passes, Yago não dava sequência as jogadas ofensivas e o tricolor perdia nas divididas com a zaga colombiana, Ganso jogava mais a frente e Árias fechava as linhas de marcação. Abel encontrou uma forma do camisa 10 jogar os 90′, sem muita obrigação de marcar o meia tricolor consegue se poupar durante a partida e com isso tem mais liberdade para jogar.

Antes do gol adversário o Fluminense adiantou suas linhas e pressionava o Jr na sua defesa e foi assim que os colombianos chegaram ao gol. André e Yago subiram para pressionar, a equipe colombiana conseguiu sair jogando e com um passe em profundidade, achou o extremo nas costas da última linha, e com uma passe para trás Moreno finalizou sem chances para Fábio. A defesa estava desorganizada e André deu muito espaço para o atacante finalizar dentro da área. No 2º gol o Fluminense errou uma saída de bola e André acabou fazendo a falta, fora da área, mas o juiz marcou pênalti, Borja bateu bem e fez o gol.

No segundo tempo Abel tirou os dois laterais, improvisou Nino na lateral direita e abriu os extremos com Luis Henrique e Árias na amplitude, com Ganso e Cano centralizados, em alguns momentos o Fluminense se organizava ofensivamente e defensivamente no 1-4-2-4. O extremo tricolor, Luis Henrique, criou boas chances mas não foi possível sair o gol. Árias também melhorou na segunda etapa mas acabou cansando e foi substituído, Manoel sentiu uma contusão e deu lugar a Martinelli, com isso Yago foi para a lateral direita e Nino voltou pra zaga.

O Fluminense conseguiu finalizar mais e ter mais posse porém sem perigo ao gol colombiano, Fred entrou no lugar de Cano, que não estava em um bom dia, e buscou bastante o jogo. Teve uma oportunidade ao finalizar de voleio em cima do goleiro adversário. Ganso também teve a chance de diminuir o placar em cobrança de falta, mas o goleiro fez ótima defesa.

Com a derrota o Fluminense caiu para a 3ª colocação com 3 pontos, e precisa vencer seus jogos em casa para sonhar com a classificação, já que apenas o 1º colocado do grupo se classifica a próxima fase, Abel terá trabalho para organizar melhor sua equipe nas partidas fora de casa, onde o tricolor tem péssimo aproveitamento. Pela Sudamericana o Fluminense volta a jogar no Maracanã na próxima rodada contra o União Santa Fé da Argentina.

Análise: Com grande atuação de PH Ganso, o Fluminense domina Oriente Petrolero e vence na estreia da Copa Sul-americana.

Abel Braga repetiu o modelo de jogo que deu o título do Campeonato Carioca no empate contra o Flamengo, sem Nino, suspenso, Calegari, poupado e Felipe Melo machucado o Fluminense começou no 1-3-4-1-2, com Árias e Cano no ataque.

Com muito mais posse de bola o tricolor dominava a partida e teve as melhores oportunidades, Ganso foi o melhor em campo e apareceu seja na 1ª fase de construção, ou organizando o meio de campo nas transições ofensivas. Árias também tinha bastante liberdade e flutuava das extremas para o centro do campo, dificultando a marcação do adversário. 

Yago e André participavam das ações ofensivas, assim como os laterais Samuel Xavier e Cris Silva, e em uma dessas jogadas saiu o gol do Fluminense, Yago arriscou de fora da área e o goleiro do Oriente Petrolero espalmou mal para frente, Cris Silva bem posicionado finalizou para o gol praticamente vazio fazendo 1 a 0 para o tricolor. O segundo gol não demorou para sair, Árias carregou a bola da extrema para o meio e deu o passe para Ganso, que com um toque de maestro achou Samuel Xavier na direita, o lateral de primeira rompeu a linha adversária e encontrou Árias nas costa da última linha, que finalizou forte sem chances para o goleiro.

Com o 2 a 0 no placar, o Fluminense voltou para o segundo tempo seguro e sem forçar muito, poupou seus principais jogadores e numa infelicidade do zagueiro adversário fez o 3 com um gol contra. Vale observar que a equipe tricolor consegue realizar triangulações com aproximação de seus jogadores de meio e atacante, envolvendo o adversário e conseguindo gerar superioridade numérica no último terço do campo.

O Fluminense conseguiu um bom resultado e como se classifica apenas o 1º colocado de cada grupo é importante vencer e com uma boa diferença de gols, ainda é uma longa caminhada mas o tricolor tem tudo para chegar ao título internacional tão desejado pela torcida.

Análise: Fluminense joga muito mal, sofre dois gols e no fim, com gol de Cano, se classifica para a final do Carioca 2022.

Em jogo de muitos erros, sonolento, mal nas transições e sem inspiração no meio de campo o Fluminense sofreu dois gols, e teve que buscar o gol da classificação que veio de forma dramática com gol de German Cano aos 52′ do segundo tempo.

O tricolor entrou em campo com a mesma formação da primeira partida, só Nino que deu lugar a Lucas Claro, foi uma ausência. Ainda sem Luís Henrique o Fluminense tinha muita dificuldade na trasição ofensiva, sem velocidade pelos lados do campo não conseguia chegar ao ataque. Embora Willian ficasse aberto pela direita, abrindo espaços para Calegaria infiltrar pelo meio e Pineida na esquera, o Fluminense não levava perigo ao gol adversário, além de errar muitos passes e permitir os contra-ataques do Botafogo.

Árias tentava as jogadas pela extrema e flutuava pouco pelo meio, com isso o Fluminense dependia de Martinelli e André na criação, o colombiano até teve boas oportunidades mas finalizava mal, acabou sendo substiuído no intervalo, acredito até por questão física do que por qualidade técnica e função na partida.

Já no segundo tempo o treinador Abel Braga abriu mão dos 3 zagueiros e colocou Ganso em campo, o Fluminense tinha mais criatividade e controlava o meio campo mas não tinha intensidade e com isso cedia ao Botafogo espaços para contra atacar. Ganso jogava nas entrelinhas do Botafogo e buscava ações ofensivas, Nonato, que também entrou no intervalo, errava muitos passes

Já no fim da partida em falta cavada por Fred, que entrou minutos antes do 2º gol do Botafogo, cavou uma falta no 2º terço do campo e deu ao Fluminense a possibilidade de jogar a bola na área adversária, Yago cruzou na 2ª trave e Ganso finalizou no travessão, a bola sobrou para Cano que empurrou para o gol da classificação.

O Fluminense volta a campo para a final do Carioca 2022 contra o Flamengo, é a 3ª final entre as duas equipes de forma consecutiva. O Flamengo vai em busca do tetra consecutivo e o Fluminense querendo quebrar a hegemonia rubro-negra nas últimas temporadas.

Análise: Fluminense joga mal mas vence o Botafogo no 1º jogo da semifinal do Carioca 2022

Em um jogo que Abel Braga não teve Felipe Melo e Luiz Henrique, o Fluminense teve mais posse e saiu vitorioso do Nilton Santos, abrindo vantagem na semifinal do Carioca 2022. John Árias fez o gol da vitória e ajudou ao tricolor a chegar na 6ª vitória consecutiva em clássicos.

O Fluminense começou o jogo com bastante toque de bola e com suas linhas altas, coisa que não se via nas partidas anteriores, Árias era quem mais se aproximava do gol e flutuava entre as linhas da defesa do Botafogo, o tricolor criava muitos espaços mas esbarrava no último passe, com isso o Botafogo recuperava a bola e saia em velocidade criando perigo em alguns momentos. O modelo com 3 zagueiros de Abel Braga contava com Manoel centralizado dando liberdade para Nino e David Braz construírem as jogadas na 1ª fase de construção.

Calegari e Pineida tiveram espaços como alas mas erravam muito nos cruzamentos e nas infiltrações em profundidade, por outro lado Martinelli e André ficavam presos a marcação do meio campo adversário e não conseguiam chegar a frente no ataque. Cano e Willian se esforçavam mas poucas vezes levaram perigo.

Já no segundo tempo os volantes do tricolor jogaram mais a frente, criando oportunidades e conseguindo pisar na área, mas erravam na finalização ou no último passe. Com a entrada de Ganso no lugar de David Braz, o treinador Abel Braga abriu mão dos 3 zagueiros e fez com que o camisa 10 comandasse o meio de campo, em uma dessas jogadas a bola girou passando por Paulo Henrique Ganso e chegou até Nonato, que havia entrado na vaga de Martinelli, o volante bem próximo da área deu passe a Yago, que nessa altura jogava de lateral-direito no lugar de Calegari, e de 1ª encontrou Árias nas costas da última linha adversária, o colombiano não desperdiçou e marcou o gol.

O Fluminense demonstra que tem uma equipe tecnicamente boa, com opções e precisa corrigir pequenos detalhes ao longo da temporada, além de ser muito forte defensivamente seja com a zaga titular ou reserva, a classificação na final do Carioca está bem encaminhada mas precisa ter atenção ao segundo jogo para não repetir o vexame da eliminação na Libertadores 2022.

Análise: Fluminense vai mal no 1º tempo, melhora no 2º e constrói boa vantagem na Libertadores.

Com o Nilton Santos lotado o Fluminense venceu o Olimpia/PAR por 3 a 1, Cano (2x) e um golaço de Luiz Henrique, conseguindo boa vantagem para o jogo da volta no Paraguai. Com um 1º tempo um pouco abaixo e sofrendo um gol na falha de Fábio o tricolor teve dificuldades mas controlou o jogo no 2º tempo e saiu vitorioso.

Abel Braga manteve o time com seus volantes na criação e Willian na extrema, mantendo Martinelli e Árias no banco de reservas, mas o que se viu foi o tricolor fechando a defesa com uma última linha de 5 jogadores, 4 jogadores no meio e apenas Germán Cano a frente, entregava a bola para o Olimpia e esperava o momento certo para atacar pelos lados com Luiz Henrique e algumas vezes com Calegari. O Fluminense tinha mais chances porém pecava na criação, mesmo com espaços cedidos pelo adversário.

Em bola parada ensaiada o Fluminense abriu o placar, após escanteio de Yago, Luiz Henrique desviou na 1ª trave e Cano, livre de marcação na 2ª trave, fez o gol. Esse tipo de jogada já tinha acontecido minutos antes mas sem finalização, mostra que Abel Braga treina bem sua equipe e varia suas jogadas de uma partida para outra. Cinco minutos após abrir o placar em uma saída de bola precipitada o goleiro Fábio “entregou” a bola ao atacante Gonzalez que sem marcação e sem o goleiro empurrou para o fundo das redes empatando o jogo. A partir daí o Fluminense sentiu o gol e teve dificuldades.

Na segunda etapa Abel colocou Martinelli no lugar de Yago dando mais intensidade e criatividade ao meio-campo, o Fluminense controlou as ações e chegou ao 2º gol logo no início com uma jogadaça de Luiz Henrique pela extrema direita. Abusando do 1×1 a joia de Xerém passou por 2 marcadores e entrou na área dando umas um drible, deixando o adversário no chão, e finalizou no canto do goleiro. Uma verdadeira obra de arte.

O tricolor carioca chegou ao terceiro gol com Cano, novamente, após jogada de contra ataque iniciada por Árias, o colombiano e Willian trocaram de lado e o Fluminense teve mais qualidade na saída de jogo.

O jogo de volta acontece no Paraguai na próxima semana e o Fluminense tem uma preocupação, após forte entrada do adversário Luiz Henrique foi substituído com fortes dores no tornozelo esquerdo. Hoje podemos afirmar que o Fluminense tem um ótimo elenco e com a vantagem construída tem tudo para garantir sua vaga na fase de grupos da Libertadores 2022.

Análise: O que esperar do Olimpia/PAR adversário do Fluminense na 3ª fase da Libertadores 2022?

O Fluminense recebe o Olímpia, do Paraguai, nesta quarta-feira, 09, para a primeira partida da 3ª fase da Pré-Libertadores. Neste vídeo destacamos como joga o Olimpia, seu modelo de jogo, fraqueza e virtudes.

Uma equipe bem organizada que tenta se impor fisicamente mas sede espaços nas transições defensivas, vai obrigar o Fluminense a ser mais criativo do meio para frente, talvez seja um jogo para Abel Braga abrir mão dos 3 volantes e jogar com um de seus meias, Ganso ou Nathan, porém também pode utilizar Martinelli na vaga de Yago Felipe, já que a revelação de Xerém é um jogador mais versátil, onde consegue criar, vide jogo contra o Millonarios analisado aqui pelo Tática Didática, e também é eficiente na marcação.

O Olimpia atua no tradicional 1-4-4-2, com duas linhas de 4 e as vezes na organização defensiva fica com uma linha de 5 no meio de campo, ofensivamente explora os lados do campo e chega com jogadores no último terço tentando buscar superioridade numérica já dentro da área adversária. Em alguns momento do jogo realiza a pressão pós-perda da bola e recuperar a posse já no campo ofensivo.

Acredito que o Fluminense seja superior mas vai precisar jogar um futebol mais ofensivo para tentar furar a defesa paraguaia, será um jogo mais complicado, com um adversário mais forte e que conhece a Libertadores, além de ser uma revanche para o tricolor, eliminado nas quartas-de-final em 2013 com Abel Braga também no comando do Fluminense. O clube das Laranjeiras precisa fazer o resultado no Nilton Santos para encaminhar a classificação a fase de grupos da competição.

ANÁLISE: MILLONARIOS 1 X 2 FLUMINENSE | LANCES | BRILHO DE FÁBIO | GRANDE VITÓRIA NA LIBERTADORES

Com brilho de Fábio, estrela de Luis Henrique e Cano, raça de David Braz e lesão de Fred o Fluminense vence o Millonarios fora de casa e leva a vantagem para o Rio de Janeiro. Abel fez boas mudanças e teve um Fluminense mais intenso no segundo tempo.

Abel iniciou a partida no 1-3-4-3 mas o que foi visto na partida foi um Fluminense se defendendo no 1-4-1-4-1 com Felipe Melo a frente da defesa e Fred dando o primeiro combate. A equipe tricolor sofreu com as bolas longas do Millonarios e foi assim que saiu o gol da equipe colombiana. Após escanteio ofensivo do Fluminense o goleiro recuperou a posse e lançou para o ataque pegando a defesa tricolor em inferioridade numérica, com belo chute Sosa abriu o placar.

Com mais posse de bola o Fluminense conseguiu explorar a última linha do adversário, como vimos na análise do Tática Didática, primeiro com belo lançamento de Luís Henrique para Willian, que finalizou para fora e depois a joia tricolor encontrou Fred nas costas da defesa, mas o ídolo tricolor sequer conseguiu finalizar, após a arrancada o camisa 9 se machucou e saiu de campo sem conseguir andar direito. O Fluminense se manteve no ataque e com uma jogada ensaiada de lateral, analisada pelo Tática Didática no jogo contra a Portuguesa pelo Carioca 2022, David Braz não aproveitou o arremesso de Cris Silva mas ficou na área e após bate-rebate a bola sobrou para o zagueiro que empatou o jogo.

No segundo tempo Willian deu lugar a Árias e mais uma vez o colombiano entrou bem e foi responsável por transições em velocidade, gerando muito perigo ao gol adversário. Quem também brilhou foi o goleiro Fábio, que defendeu um pênalti cometido por Yago e deu um animo maior ao tricolor que partiu para o ataque. Luís Henrique, Árias e Cano se movimentavam bem e após entrada de Martinelli o Fluminense chegou a virada, belo passe do volante quebrando linhas para Luís Henrique, que não foi fominha e tocou ara Cano sem goleiro marcar.

Abel Braga tem repertório de jogadas, modelos de jogo e o elenco em suas mãos, chegou a 8ª vitória seguida, deixou o tricolor com a vantagem para o jogo da volta e ainda contou com a sorte de ter um jogador a mais na maior parte do jogo, além da contusão de Fred. A entrada de Cano como titular era um pedido da torcida e deixa a equipe com mais velocidade e intensidade.

Análise: Como joga o Millonarios/COL, adversário do Fluminense na Libertadores da América 2022?

O Fluminense inicia sua caminhada para a “Glória Eterna” na maior competição das Américas, e pela primeira vez joga a fase preliminar após terminar em 7º lugar no último Campeonato Brasileiro. Vai até a Colômbia enfrentar o Millonarios, há mais de 2000m acima do nível do mar.

O time colombiano tem como maior caraterística explorar a última linha do adversário, com passe em profundidade e atacando os espaços livres, tem variações táticas em todo jogo, onde se inicia no 1.4.2.3.1 e varia para o 1.5.4.1 quando se está organizado defensivamente. Vem de 4 vitórias consecutivas no campeonato nacional e tem velocidade pelas extremas.

Joga em transição ofensiva tentando gerar superioridade numérica quando ataca e é lento nas transições defensivas dando espaços nas entrelinhas e nas laterais. Procura ficar muito com a bola e busca uma certa intensidade, poucas vezes pressiona o adversário na saída de bola.

O Fluminense tem uma equipe mais qualificada mas deve encontrar dificuldades na partida, acredito que será um jogo muito estudado e com poucas chances para ambas as equipes, um empate seria o placar mais provável mas se tratando de Libertadores tudo pode acontecer.

Análise: Fluminense chega 5ª vitória seguida, joga bem e mostra opções para Abel Braga.

O Fluminense iniciou a partida com uma equipe alternativa, apenas Cris Silva do time titular começou jogando, e a formação que Abel Braga levou para o jogo contra a Portuguesa foi um 1-3-5-2, mantendo o esquema com 3 zagueiros e mostrando que treina titulares e reservas da mesma forma, buscando o entrosamento de sua equipe.

Nonato e Martinelli foram os volantes com Nathan na criação, Árias ficou mais com atacante porém flutuou bastante nas entrelinhas, os volantes pisaram muito na área mostrando uma característica interessante de intensidade e boas jogadas. O Fluminense pressionou a saída de bola do adversário e conseguiu recuperar a posse e buscar uma nova ação ofensiva levando perigo ao adversário. Cris SIlva pisou muito na área e Calegari pelo lado direito foi bem ofensivo.

Abel Braga mostra que tem o elenco nas mãos e tem muitas variações durante a partida, como sair do 1-3-5-2 para o 1-5-4-1 com os alas fechando a última linha e Cano a frente, buscando a velocidade dos extremos e gerando ações ofensivas de muita qualidade. O gol do Fluminense também sai de uma jogada treinada, analisada na partida contra o Madureira pelo Tática Didática, onde o lateral é cobrado dentro da área e um dos zagueiros raspa a bola para o atacante finalizar. No gol David Duarte, de um 1,93m, desvia a bola para Cano dominar, girar e marcar o gol.

Ganso teve sua primeira oportunidade no ano e entrou jogando como referência, a torcida pede o meia, e Abel deu alguns minutos para o camisa 10, poucos minutos, mas foi visto que em alguns jogos poderá ajudar o tricolor a ser mais criativo com passes em profundidade ou elemento surpresa no ataque.

Podemos ver o Fluminense com muita coisa para evoluir porém com um elenco que a cada jogo se entrosa e mostra que pode brigar por títulos, também temos que falar sobre Abel Braga, que mostra conhecer muito sobre seus jogadores e as características de cada um, fazendo o tricolor ser uma pedra no sapato dos clubes de maior investimento como o Flamengo.

Análise: Com grande atuação de Felipe Melo e Nino, Fluminense vence a 4ª seguida e chega a vice-liderança do Carioca.

De virada e com grande partida de Felipe Melo e Nino, o Fluminense venceu o Botafogo por 2 a 1 no Nilton Santos e chegou a vice-liderança do Campeonato Carioca. Uma partida ruim no 1º tempo mas a equipe melhorou no 2º tempo e saiu com a vitória no clássico.

Abel Braga repetiu a equipe que iniciou a partida contra o Flamengo no final de semana, mantendo o esquema com 3 zagueiros e com Fred no comando do ataque. Mas em campo foi visto um Fluminense com Felipe Melo a frente da zaga, Cris Silva bem aberto pela esquerda e Samuel Xavier por dentro. O tricolor criou boas chances com Willian e Luís Henrique mas sofreu o gol após escanteio e falha de marcação de Fred e Felipe Melo.

Uma característica marcante nesse time de Abel é a bola longa, seja com Felipe Melo, Nino ou David Braz, o Fluminense arrisca nos passes longos, tentando surpreender a última linha adversária. Na organização defensiva os laterais recuavam formando uma linha de 5 na última e na organização ofensiva, se formava outra linha de 5, agora com os laterais em amplitude.

Já no segundo tempo com as alterações o Fluminense ficou mais intenso e marcando o Botafogo no seu campo de defesa, pressionando a saída de bola e forçando o erro do adversário. E foi assim que saíram os gols do tricolor, marcados por Willian e Lucas Claro, onde houve pressão ao portador da bola, recuperação da posse e escanteio após a ação ofensiva. Cano entrou no lugar de Fred e foi muito participativo, em breve será o titular, está melhor física e tecnicamente que o camisa 9.

O Fluminense consegue repetir as escalações e dar algum entrosamento para a equipe visando o confronto contra o Millionario da Colômbia pela Libertadores. Ainda precisa de ajustes mas podemos observar uma equipe competitiva e com seu modelo de jogo bem definido.