“Morre o Rei do Futebol Pelé aos 82 anos”

“Morre o Rei do Futebol Pelé aos 82 anos”

1976 – Fluminense 2 x 0 PSG – Gil, Pintinho, Pelé e Dirceu (foto)

Tricampeão mundial com a seleção brasileira estava internado havia um mês para tratamento de um câncer no cólon e faleceu nesta quinta-feira, aos 82 anos.

A família ainda não divulgou detalhes sobre o velório, mas uma estrutura foi montada na Vila Belmiro nos últimos dias para receber a vigília. O sepultamento ocorrerá em Santos.

Foi-se o mito, mas fica uma lenda!!!

Nososs sentimentos à família e amigos!

Equipe Canal Flunews.

Ex candidato a presidência do Fluminense solta nota após a eleição. Por Wagner Aieta

Boa noite Amigo(a)Tricolor.

Como você sabe, eu deixei de lado um trabalho sério, árduo e dispendioso de mais de um ano para minha candidatura à Presidência do Fluminense, com intuito de facilitar a unidade da oposição. Infelizmente, mesmo após o meu afastamento, os projetos pessoais continuaram sendo priorizados e com isso a minha inciativa acabou sendo utilizada somente para viabilizar as outras duas pré-candidaturas individualmente. Se estivéssemos juntos não tínhamos garantia de vitória, mas certamente o cenário e o resultado seriam completamente diferentes. Farei uma avaliação completa do processo eleitoral, inclusive com detalhamento de tudo o que ocorreu nos bastidores, por meio de alguns canais que gentilmente me convidaram para falar.

Nos próximos três anos, assim como sempre fiz, continuarei torcendo para a conquista de vitórias e títulos, apoiarei tudo o que for feito de bom para o Clube, bem como criticarei e denunciarei tudo que for contrário aos interesses do Fluminense.

Da mesma forma, darei continuidade desde já ao trabalho de aglutinação e união de grandes tricolores, lideranças e segmentos do clube, com intuito de vencermos as próximas eleições e implementarmos as transformações e melhorias que o Fluminense necessita. Se você tem vontade de participar desse projeto institucional de construção coletiva de longo prazo para o Clube, peço que me procure.

Não é porque o Presidente do clube foi reeleito que deixarei de lado tudo que vinha alertando, denunciando e combatendo sobre suas ações e práticas. Resultado eleitoral não legitima nem apaga atos de uma gestão ultrapassada, irresponsável e completamente amadora, inclusive porque infelizmente os eleitores não tem a plena noção da real situação do clube. Um dia a conta chega e sem pedir licença. Já vi esse filme reiteradas vezes e não quero ver de novo no Fluminense.

O Fluminense precisa de quem não precisa do Fluminense.

Sts.

Ademar Arrais

ELEIÇÕES: Três chapas são protocoladas no Fluminense, saiba tudo!

O Fluminense vai realizar eleições no próximo dia 26.11.22 , na sede do Clube em Laranjeiras.

As chapas para concorrer a Presidência do Clube sao: Mário Bittencourt (atual Presidente) protocolada dia 12.11.22, Rafael Rolim e Marcelo Souto protocolaram no dia de hoje 15.11.22 junto a secreraria do clube as chapas com os nomes dos 200 sócios para compor o Conselho Deliberarivo.

Após a entrega a secretaria do clube faz um pente fino, para verificar se todos os sócios proprietários ou contribuinte estão aptos para participar da chapa segundo o estatuto e se foram cumpridas todas as formalidades previstas no Estatuto. Caso, ocorra algum problema ou vício, o Estatuto prevê o prazo de 72h para correção. Se a chapa não cumprir alguma exigência dentro do prazo , pode ser indeferida.

Ultrapassadas todas as etapas , as chapas deferidas são fixadas em local público na sede em Laranjeiras, a fim de convocar e dar ciência a todos os associados do Fluminense para a realização do pleito

Eleições 2022

Cobertura Canal Flunews

ALERJ VOTA DIA 22/09 A PL 6118/22 – REFERENTE A PUNIÇÃO DAS TORCIDAS ORGANIZADAS – RJ – Coluna Wagner Aieta

ALERJ VOTA DIA 22/09 A PL 6118/22 – REFERENTE A PUNIÇÃO DAS TORCIDAS ORGANIZADAS – RJ

Na próxima quinta-feira dia 22 de setembro de 2022 será votada na ALERJ a PL 6118/22 que trata da ANISTIA dos CNPJs das TORCIDAS ORGANIZADAS do Estado do RJ para as punições aplicadas.

O intuito é que seja dada a punição para o infrator pessoa física (CPF) e não para a instituição como é feito normalmente pelo MP-RJ.

As Torcidas Organizadas tem suma importância numa partida de futebol, são Elas que fazem a festa na arquibancada, fora as ações sociais que fazem  em seus Núcleos e comunidades do RJ.

Espero que os Deputados presentes para a votação deem a tão sonhada anistia para as Torcidas, não se pode punir as instituições que possuem milhares de membros e função de meia dúzia que resolveram fugir as regras de apenas torcer e incentivar seu Clube de coração.

A princípio por parte do Fluminense FC apenas a TO YOUNG FLU está com punição.

Saudações Tricolores

“A CRÔNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA” – Coluna Wagner Aieta

“A CRÔNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA”

A expectativa em torno do nome do Sr. Pedro Antônio como possível candidato à presidência do Fluminense FC foi parar no ralo ontem à noite numa Live no Canal do Jorand.

Internamente no Canal Flunews a nossa Diretora Presidente Cilene Fernandes sempre foi firme em afirmar que o Sr. Pedro Antônio não viria candidato a Presidente.

Foram meses e meses dando a entender que viria, amarrando por completo a oposição contra o atual gestor e mantendo-se numa redoma sem sequer tentar conduzir conversas com opositores que já estavam se manifestando ou se preparando para o próximo pleito.

Muitas Lives explicando o caos financeiro em que se encontra o Fluminense FC, muitas Lives falando que encomendou um projeto de SAF, muitas Lives contando fatos que ocorreram dentro do clube quando participou das gestões Peter e Abad, inclusive expondo o clube no relato que “na folha de pagamento tinha até garotas de programa”.

Pra que isso? Para acabar de vez com a expectativa de algumas pessoas que contavam com sua candidatura?

Sinto muito por alguns grandes amigos que foram de peito aberto e hoje estão sem chão devido a esse pronunciamento do Sr. Pedro Antônio.

Como dizia o Tricolor Chico Buarque: “Apesar de você amanhã a de ser outro dia”

Quanto a oposição que ainda está na luta por um Fluminense FC vitorioso e profissional o caminho é a UNIÃO, sem ego, sem rusgas passadas e principalmente com o pensamento que o Fluminense FC está acima de tudo.

Finalizando,

O FLUMINENSE PRECISA DE QUEM NÃO PRECISA DO FLUMINENSE!!

Saudações Tricolores.

“O GOLPE NA OPOSIÇÃO” – Texto Antony Moreira (Frete Ampla Tricolor) – Por Wagner Aieta

Fluminense: eleição 2022 – O golpe na oposição (por Antony Moreira)

Ontem à noite, o Sr. Pedro Antonio anunciou em Live promovida pelo Canal do Marcelo Jorand (Youtube) que não será candidato à presidência do nosso Fluminense Football Club.

Enfrentar a perda de um ente querido é um duro golpe…”opositor”, um dos melhores, pois segundo dito em inúmeras “Lives” ao longo deste ano, proporcionou infinitas pesquisas sobre os sombrios números do Fluminense, que tanto vêm sendo manipulados pela gestão, deixando na esperança da torcida um gostinho de “quero mais”.

Para os mais “calejados”: zero de surpresa.

Afinal, nunca se lançou de fato, tampouco descartou o próprio nome em tempo de uma coalizão, da qual poderia ter feito parte, ainda que como background ou criando pontes tão importantes para o destino do amado clube tricolor. Sim Tricolor, a final, o resto são apenas times de três cores…

Nos momentos finais dessa mesma Live (onde “anunciou” que não viria candidato), corrigiu ao apresentador Marcelo Jorand, dizendo que “nunca dissera ser candidato” e que “talvez o fosse”.

O “talvez” é um quase! E o “quase” anunciado faltando pouco mais de 2 meses para a eleição no clube, é um duro golpe na oposição que, poderia ter se unido em prol de um Fluminense protagonista nos campeonatos que disputa e não ficar esperando o possível profeta – rei da Matemática financeira e conhecedor (como poucos) dos caminhos para a transformação do FFC em Sociedade Anônima do Futebol.

Deixamos nosso torcedor, com a amarga ilusão de que chegar a disputar uma Libertadores, onde somente do Brasil classificam-se 7 ou 8 times num total de 20, deixou de ser glamour há alguns anos: é obrigação.

Uma semifinal (perdida) de Copa do Brasil passou a ser motivo de comemoração, num time que só a lateral esquerda (entre Cris Silva, Pineida e Caio Paulista) custou mais de 18 milhões de Reais, além de vermos nossas promessas serem vendidas para pagar por eles…ou melhor…pagar?

Onde estão os balancetes de 2022? Transparência abaixo de zero da atual gestão.

O que fez o Pedro Antonio durante quase 2 anos? Atrair para si um “quase protagonismo” de uma oposição que nunca saiu do papel. Ficou sempre no quase.

Um texto de Sarah Westphal, que fala justamente sobre o quase, é explícito:

“Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas ideias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono”.

Pois é amigos! Quem quase ganhou ainda joga…quem quase morreu ainda está vivo!

E a oposição ainda está viva! É formada por tricolores que desejam (alguns viram e outros tem anseio de ver) o Fluminense realmente protagonista!

É hora de juntar os cacos, as melhores ideias dos grupos políticos e desses cacos montar um plano coeso de pessoas que tem aversão ao quase e põe a pratica na frente da teoria e do ego.

Sim” há muita gente que pensa o Fluminense grande e vencedor dentro e fora dos campos. Há dinheiro a circular pelos novos desenvoltos do futebol brasileiro, digo em SAF ou as novas ligas em criação. Há solução! E há muitas cabeças pensantes e de ação que podem e vão levar o Fluminense com seriedade.

Para finalizar meu caro Sr. Pedro Antonio (a quem tenho admiração e respeito pelo nosso CT), como diria o mestre e também tricolor Chico Buarque, “apesar de você amanhã há de ser outro dia”!

O tricolor Antony Moreira é Advogado, reside em Portugal, pertence à FluLisboa e é membro da Frente Ampla Tricolor

“Descanse em paz eterno Tricolor” – Por Wagner Aieta

Aos 84 anos morre em SP Jô Soares.

O apresentador, humorista, ator e escritor Jô Soares morreu às 2h30 desta sexta-feira (5), aos 84 anos. Considerado um dos maiores humoristas do Brasil, o apresentador do “Programa do Jô”, exibido na TV Globo de 2000 a 2016, estava internado desde 28 de julho no Hospital Sírio-Libanês, na região central de São Paulo, onde deu entrada para tratar de uma pneumonia.

A causa da morte não foi divulgada. O enterro e velório serão reservados à família e amigos, em data e local ainda não informados.

O anúncio da morte foi feito por Flávia Pedra, ex-mulher de Jô, e confirmada em nota pela assessoria de imprensa do Hospital Sírio-Libanês

Texto extraído do site GE. https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/08/05/jo-soares-morre-em-sao-paulo-aos-84-anos.ghtml

“O Estádio que o túnel engoliu” – Texto Argeu Affonso (In Memorian) arquivo Canal Flunews         

  

O Estádio que o túnel engoliu.  

 O túnel Catumbi-Laranjeiras merecia ser um daqueles projetos que o povo pitorescamente chama de “obra de Igreja”.

 

 “ De Histórias do Fluminense… Patinava no mesmo lugar desde 1947, quando o Rio ainda era município com prefeito nomeado. Emancipou-se a cidade, tornou-se um florescente estado e o novo governo – por fé, superstição ou lá o que seja – decidiu mudar  o seu nome, consagrando-o a Santa Bárbara. Na verdade, as obras nada ou pouco andavam pois era um tal desabamento de abóbadas, ocasionando entre os operários vítimas fatais nunca devidamente contabilizadas. Mudou-se o nome, fez-se num local estratégico uma capelinha para abrigar a imagem da santa e, como complemento, a célebre pintora Djanira providenciou o afresco daquela que protege os pobres mortais dos raios, trovoadas e, por extensão, de uma gama de acidentes. Aí tudo deslanchou sem maiores percalços, até que quase 20 anos depois era concluída a tão almejada ligação norte-sul. Que substituiria o trajeto centenário, que ia do Rio Comprido (via Barão de Petrópolis), passando pelo sopé de Santa Teresa e culminado na Rua de Laranjeiras pela descida da Mário Portela.  Havia restado um problema: o do escoamento do tráfego que pelo novo túnel desaguaria em Laranjeiras, no rumo direto a Botafogo. E, como já diziam os antigos sábios, a solução mais simples para um problema complicado é geralmente a mais desastrosa. Assim foi. Para duplicar a Pinheiro Machado seria necessário desapropriar casas e, o que era mais trágico, cortar parte substancial de majestosa entrada do Fluminense e uma nesga de seu estádio. Mais os jardins do Palácio Guanabara. Foram vãs as tentativas dos poderes do clube de sensibilizar os gestores públicos, que bateram o martelo e determinaram como indenização uma parte em dinheiro e um terreno onde ensaiava o tradicional bloco carnavalesco Canarinhos das Laranjeiras. Outra vítima inocente que hoje continua usando o mesmo nome tradicional, mas tem agora sua sede em… Jacarepaguá. Coisas do destino: em 26 de agosto de 1963, pouco antes da fase final  da desfiguração destruidora do estádio que ele, com seus recursos, construíra em 1917, morre Arnaldo Guinle. Pelo menos Deus poupou-o do imenso desgosto de ver o estádio do Fluminense – o mais bonito do Brasil, o primeiro de concreto, o primeiro a abrigar jogos da seleção brasileira e o único abençoado diretamente pelos braços abertos do Cristo Redentor – ser engolido por um túnel. 

 Arnaldo Guinle idealizou o que seria o novo Fluminense – clube que se iniciara com o século XX e que deveria projetar-se no mínimo para mais cem anos – mas nem de longe pretendeu fugir às suas raízes familiares. Prevaleceu o francesismo dos Guinles, mesclado ao conceito fechado dos tradicionais clubes ingleses. Conceito que inclusive marcava o Fluminense como um “football club”.

 O patrono assim queria e assim patrocinou um conjunto arquitetônico assinado por Hypolito Pujol, dentro do estilo que pontificaria no Hotel Copacabana Palace, no Palácio das Laranjeiras e até mesmo no palacete do clã Guinle-Gaffrée-Paula Machado, ali na esquina de Dona Mariana com São Clemente, em Botafogo.

Teria que ser um complexo em que tudo se encaixasse e se harmonizasse, lado a lado o esportivo e o social. O planejado foi cumprido à risca. O futebol recebeu os mesmos requintes da sede, tendo ambos os setores entradas majestosas. A face social, na Álvaro Chaves, exatamente como é hoje; a destinada ao público ficava ampla na rua que anos depois se chamaria  Pinheiro Machado. Não esta Pinheiro Machado que conhecemos hoje: ela era uma via de mão dupla, larga o bastante para os raros fordecos que por lá passavam. O estádio ficava recuado cerca de dez metros na calçada de pedras portuguesas, com o anel de arquibancadas fechando o círculo de localidades destinadas ao público torcedor. Essa magnitude foi desfigurada (melhor,  destruída) nos anos 60 quando o governo do Rio – numa solução simplista para um difícil problema urbanístico – cortou a nossa praça de esportes, a mais bonita do Brasil, para alargar a Pinheiro Machado em nome do desafogo do trânsito que passou a fluir pelo recém-inaugurado túnel Santa Bárbara.

 Daquela monumental fachada só restam fotos, mostrando seu acabamento apurado, as artísticas grades de ferro batido, os desenhos do chão de pedras portuguesas. O espaço era tão amplo que a rapaziada e os desocupados o elegeram cenário de suas “peladas”. Os desafios de bola de meia se eternizavam, de manhã até altas horas, para desespero da vizinhança. Para atender aos justificados protestos, o vice-presidente de patrimônio Affonso de Castro resolveu colocar no local a placa: “Aqui é proibido jogar futebol”.

Estávamos no final da década de 20, de vacas magras e jejum de títulos para o time tricolor. De imediato e em revide, os punidos com a resolução do dirigente providenciaram um cartaz, colocado bem abaixo do outro: “E lá dentro, também”. Foi o que bastou para que no dia seguinte Affonso de Castro mandar sumir com a placa oficial e a “pirata”. E assim os peladeiros recuperaram seus domínios até que os governantes nos anos 60 fizessem o mais bonito  estádio do Brasil ser engolido pelo túnel”.

 

 É proibida a reprodução total ou parcial do texto, por qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização. Direitos autorais reservados.

Muito obrigado Dr. Celso Barros (texto Frente Ampla Tricolor) – Por Wagner Aieta

Agradeço ao Antonio Gonzalez e a Frente Ampla Tricolor por ter dado a permissão para que eu pudesse publicar esse excelente texto no Canal Flunews.

O meu muito obrigado também ao Dr. Celso Barros, que graças a ele a geração de Torcedores do Fluminense do século XXI não ficaram sem um ídolo por décadas assim como eu!!

Segue o excelente texto.

Muito obrigado Dr. Celso Barros (por Frente Ampla Tricolor)

Faltam poucas horas para a aposentadoria do maior ídolo da história do Fluminense neste século XXI, o artilheiro, o grande artilheiro Frederico Chaves Guedes, o nosso Fred.

Mas, mesmo o momento refletindo a emoção da despedida impossível se faz não voltar no tempo, há 13 anos… em 2009.

Recordar é viver!

No dia 27 de fevereiro de 2009, o Jornalista Leandro Menezes assinava para o goloboesporte.globo.com a matéria que levava consigo o seguinte titular:

“Fred é jogador do Flu por cinco anos”!!!

O subtítulo afirmava que “Atacante assina pré-contrato e aguarda a homologação do fim do vínculo com o Lyon para poder ser anunciado e apresentado oficialmente”.

E no 1º parágrafo do texto constava: “O atacante Fred, do Lyon, assinou nesta sexta-feira um pré-contrato com o Fluminense. Segundo o coordenador de futebol tricolor, Alexandre Faria, o jogador vai defender o clube por cinco temporadas. Para assinar o vínculo definitivo o atleta ainda aguarda a homologação da sua rescisão com o clube francês na Federação Francesa de Futebol, o que deve acontecer na próxima terça-feira. Ele poderá ser apresentado neste mesmo dia.”.

A própria redação da globo.com anteriormente abria o jogo em 20 de janeiro de 2009: “Lyon libera Fred e Fluminense abre as portas, mas mantém os pés no chão”. O jogador havia sido liberado pelo clube francês.

O jornal L’Équipe se manifestou a respeito: “O jogador confirmou, em entrevista ao jornal L’Équipe, que Fluminense e Palmeiras largaram na frente.

  • Nunca tive contatos com Cruzeiro, São Paulo ou Stoke City (ING). Comecei a conversar com Palmeiras e Fluminense, mas ainda não houve proposta concreta. Elas podem chegar amanhã ou mais tarde. Eu espero. Quanto aos clubes europeus, não posso dizer nada sobre negociações. Meu objetivo é o de permanecer na Europa, mas preciso mesmo de uma equipe onde eu reencontre minha melhor forma e o prazer de jogar. Além disso, quero voltar à seleção brasileira, e isso será mais fácil no Brasil. – declarou.”.

(época em que disputávamos jogadores com o Palmeiras… ultimamente com o América Mineiro)

Uma novela. Digna do horário nobre tipo Pantanal.

Até que 4 de março, daquele 2009, o portal UOL publicava a matéria assinada pelo Jornalista Pedro Ponzoni:

“Fluminense encerra novela e anuncia contratação de Fred”.

“Enfim, acabou a novela. O Fluminense anunciou oficialmente a contratação de Fred, que havia se desvinculado do Lyon-FRA na última semana. O atacante assinará contrato por cinco anos com o Tricolor e será apresentado nesta quinta-feira, ao meio-dia, nas Laranjeiras.”.

A nossa torcida enlouqueceu: “É o Fred!”.

“Sorria! É tempo de sorrir sorria!”: Assim pensava a geração de torcedores que tinha seus quarenta e poucos anos e já havia vivido contratações como as do Félix, do Flávio, do Manfrini, do Gil, do Rivelino, do Paulo Cézar, do Claúdio Adão, do Whashington, do Assis, do Romerito e do Renato Gaúcho, todos craques que vieram de fora, alguns com o perfil intacto, todos sabendo o real tamanho do nosso clube. Agora é a hora do Fred.

E o Fred chegou, no latim ficaria claro: Vini, vidi e vici…

Assim diziam os periódicos do dia 5 de março:

“Bastava Fred ameaçar mexer os lábios para os torcedores irem ao delírio. Foi este o tom apresentação do atacante ao Fluminense. Visivelmente desconcertado com tanto ‘paparico’, o jogador se emocionou ao proferir as primeiras palavras como tricolor.

“Só quero agradecer essa recepção maravilhosa. Nunca vivi uma coisa tão gostosa e prazerosa. Cheguei a me arrepiar. É bom demais e fico muito mexido em viver esse calor novamente. Isso me faz feliz”.”.

Ali nascia uma grande história de amor que amanhã chegará ao mais alto da montanha.

Fred, o ídolo, vai se retirar do futebol profissional.

13 anos desse amor intenso.

Ele mesmo disse no dia 18 de agosto de 2010, quando antecipou a sua renovação e passou a receber o equivalente ao que ganhava o Deco:

“Quero ser campeão, fazer história no Fluminense, me tornar um ídolo, ser um grande jogador para a história do clube”.

Missão cumprida.

Sim, mas a primeira missão cumprida foi a de quem possibilitou a vinda do jogador.

O grande responsável de hoje podermos, nós os tricolores, dizer em vida que vimos um dos maiores ídolos da história do Fluminense em campo, tem nome e sobrenome:

Dr. Celso Barros!

Ou simplesmente o mesmo Celso Barros que em 1999, em um dos piores momentos da história do clube, estendeu as mãos ao clube, arregaçou as mangas e contribuiu ao soerguimento da instituição.

Ou o, carinhosamente chamado pela torcida, Tio Celsão. Que foi quem permitiu ao Fred encontrar pelo caminho jogadores do quilate de um Conca, de um Deco, de um Thiago Neves, de um Jean, de um Emerson, de um Whashington Coração Valente, de um Diego Cavalieri e treinadores da envergadura de Muricy Ramalho e Abel Braga.

Durante 13 anos pensamos e cantamos “o Fred vai te pegar”… Mas não podemos esquecer do verdadeiro autor que possibilitou essa música.

A história do Fluminense não pode, nem vai ser reescrita por atos de covardia, menos ainda por espelhos cheios de sombras de vaidades mentirosas.

Nesse instante de louvor e justo agradecimento ao ídolo Fred, a Frente Ampla Tricolor se levanta e de pé aplaude, agradecendo, ao Dr Celso Barros não somente pela contratação do magistral artilheiro dos 199 gols (até hoje), mas também por toda a trajetória como apaixonado tricolor, benfeitor que escreveu, por direito e honestamente, o seu nome na nossa história.

Finalizando, o excelente cronista André Barros, do Canal Flunews, escreveu no dia 18 de dezembro de 2018:

“Acho avaliação de dada pessoa – ou fato – à luz da História requer distanciamento crítico e neutralidade, atributos que aumentam à medida que o tempo passa.

Nessa linha, consta que, indagado, em 1972, sobre os efeitos da Revolução Francesa, que tivera lugar em 1789, o premiê chinês Zhou Enlai teria dito algo como “… é muito cedo para tal avaliação […] são necessários, pelo menos, 500 anos para tal…”.

Trazendo tal raciocínio para o Fluminense, não são necessários 500 anos para que se reconheça que o Dr. Celso Barros foi – e é – um dos mais influentes tricolores do primeiro
quartil do século XXI. E, embora não seja uma unanimidade, é o único tricolor vivo que pode se dirigir à torcida falando “… olho no olho…”. Repito: é o único, goste-se dele ou não!”.

Dr. Celso Barros:

A FRENTE AMPLA TRICOLOR LHE AGRADECE

“Movimento Artístico Tricolor faz nesse sábado mutirão para pintura da Praça Poeta Duque Costa em Laranjeiras”

O Movimento Artístico Tricolor fará no próximo sábado dia 25 de junho a partir das 8:00h um mutirão para pintura e revitalização da Praça Poeta Duque Costa em Laranjeiras próximo ao Fluminense FC nas cores verde, branco e grená.

Os interessados em colaborar é só chegar no local que fica na Rua Pinheiro Machado próximo a descida do viaduto do Túnel Santa Bárbara sentido Fluminense FC.

O que é o Movimento Artístico Tricolor (foto)

Antes de novo projeto foi feito esses (fotos)

Os projetos foram aprovados e autorizados pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.