fbpx

Colunas

“Nós iremos achar o tom, um acorde com lindo som…” Opinião Rodrigo Amaral


Vida louca vida, vida breve… cantaria Cazuza numa música épica, mas como bom sambista que sou, enveredo pelos acordes do cavaco e melodia do Fundo de Quintal, pois hoje já são mais de 20 mil choros que não tocarão o meu bandolim, isolamento social, consciência pessoal para o bem de uma comunidade que luta pelo pão de cada dia, com a fé que trás no peito sendo sua maior companhia, consciência essa que muitos não conseguem entender, quem não pode ficar em casa por não ter uma reserva financeira, ou um emprego que faça “home office”, acaba sucumbindo, ou se despe de qualquer vaidade e pede ajuda para sobreviver ou se veste com as roupas de Jorge e se arma para essa batalha, com máscara, álcool gel, fé e esperança, com a certeza de que é isso que tem que ser feito, já dizia Herbert de Souza, o querido Betinho, “quem tem fome tem pressa”.
E o famoso esporte bretão? Não é um ofício de primeira necessidade, não, mas…. vejam esses números extraidos de um relatório de 2019 da CBF, que interessantes:
Clubes profissionais: 742
Clubes amadores: 385
Contratos profissionais: 22.177
Vínculos não profissionais: 38.309.
Ou seja, 1.127 clubes e 60.486 familas dependentes dos clubes.
Os dirigentes ficam entre a cruz e a espada, pois sabem a gravidade da coisa, uns com mais outros com menos consciência humanitária, mas não se pode vendar os olhos e nem se deixar enganar, planos de contingências devem ser discutidos numa cadeia de responsabilidades e o bom senso mensurado sendo o norte, pedindo licença a Shakspeare, Voltar ou não voltar, eis a questão, que pode ser e deve ser mais profundo, Voltar quando? De que forma? Quais protocolos a tomar? Seria sensato a volta dos jogos com público? Num mundo onde nada se cria e tudo se copia, que olhemos mais uma vez para o velho continente, onde passos estão sendo dados, assim como observamos no início dessa calamidade pública chamada pandemia.
Que os Deuses do Futebol possam iluminar as mentes de todos os organizadores e amantes desse esporte que une, que trás felicidade e empregos, na direção correta.
REPINICADAS
O GRES PARAISO DO TUIUTI anunciou seu enredo para 2021, “Soltando os bichos”. Assim como:
●GRES UNIDOS DO VIRADOURO, Enredo: Não há tristeza que possa suportar tanta alegria’
● GRESE IMPÉRIO DA TIJUCA, Enredo: “Samba de Quilombo: A Resistência pela raiz”

Opinião- Presidente Mário Bittencourt perfeito nas suas ações.

Amigos tricolores.

Quero deixar meu posicionamento a respeito de como o Presidente Mário tem lhe dado com esse problema da pandemia no Futebol e de forma geral.

A meu ver ele está perfeito, um posicionamento claro de como o Fluminense pensa, não podemos colocar o ser humano em risco, o futebol só pode voltar quando existirem as autorizações necessárias para que se faça isso com segurança, para não fazermos parte de uma irresponsabilidade e que percamos mais vidas.

A verdade que o Presidente vem articulando muito bem todas as questões do Fluminense, e explana muito bem a posição do clube e o porque, está de parabéns em todas as ações que tem feito. Por tanto não concordo com o texto que o meu amigo Marco Veloso colocou mais cedo no Canal FluNews, deixando claro que é uma opinião exclusivamente dele, e que não reflete o que pensa o Canal Flunenws aliás canal esse que tem preocupação máxima com as vidas das pessoas em primeiro lugar.

Em relação ao Mário ir ou não ir na reunião na federação ou com o Prefeito, foi uma posição dele Mário, eu Alexandre Vilella provavelmente iria pra reforçar tudo que penso e até convencer os outros que não existe condição de voltar com o futebol nesse momento de pico das mortes, pois se isentando da reunião nós como já ficamos numa zona de desconforto com a federação sempre, aliás de 1986 pra cá 4 títulos estaduais, aí pergunto a vocês, ou somos muito ruins por 4 décadas ou pela falta de bom relacionamento acabamos sempre preteridos e prejudicados.

Talvez até não adiantasse nada o Mário ir lá, acho que nossa imagem na federação é morta e continuará morta infelizmente, pra ganhar um carioca vamos ter que jogar demais e de tal forma que o juiz não terá condições de nos prejudicar, fora isso será muito difícil vencermos um estadual novamente e se vencer será pontual, infelizmente é esse cenário no estadual.

Por tanto em resumo, o Presidente está muito bem a frente as decisões do Fluminense nesse caso e em todas as ações que vem comandado, parabéns Presidente.

E outra coisa meus amigos, o futebol sem torcida é praticamente o mesmo que nada, não se tem graça alguma, é um cenário triste, feio e devastador, pra ser sincero pra mim futebol sem torcida é um desprazer, imaginem as arquibancadas vazias escutando todo mundo falando, algo realmente lamentável.

Outra coisa, Flamengo à frente de um movimento desses, nessa fissura para voltar, tá desesperado? Não é milionário, deveria se preocupar com as vidas, aliás o episódio do ninho tá aí né, e o Vasco (cujo Presidente é médico) como um mendigo atrás do Flamengo pra ver se sobra alguma migalha, certo estão Fluminense FC e Botafogo de estarem de fora de um movimento desses.

Estou a vontade pra falar isso pois a pandemia está acabando comigo, pois a minha fonte de renda está parada, dependo do comércio, mas mesmo assim não coloco essas questões acima da vida.

E pra finalizar não tem que se colocar política partidária aqui no Canal Flunews, não me interessa se a pessoa é Bolsonaro ou se é de esquerda, isso é uma opção de cada um, e a meu ver todos tem que serem respeitados, porém não tem que ter esse tipo de colocação num site tricolor, não se pode misturar isso no Canal Flunews, portanto essa é minha posição final sobre tudo isso.

Abraço

Alexandre Vilella

Opinião – Fluminense está equivocado em se posicionar de forma radical

Vice Presidente do Fluminense ao se pronunciar contra Governo Federal e clubes co-irmãos , joga para galera e age de forma equivocada .

Talvez tentando embarcar no momento de pequeno declínio popular do Presidente da República naquela data e aproveitando se do fato de duas agremiações rivais estarem reunidas com nosso representante máximo do executivo da Federação. Dr Celso Barros me fez questionar sobre como se deve, o Fluminense e quem está a frente do clube agir .

Deixar sua posição pessoal sobre retorno ou não do futebol Brasileiro nesse momento é algo salutar e compreensivel, até porque ele é médico e tem alguma capacidade mínima para nesse contexto dar seu parecer , e ele diz priorizar vidas humanas num contexto e é até de se admirar e tem até uma lógica , disso ele não fugiu . Mas há outros pontos que analisei que vejo imprudência nas declarações dele .

Um ponto relevante mediante tudo isso é a marcação política dele. Tal como Raí do São Paulo critiquei muito , Celso não irá fugir a isso . Citar termos ao fim da postagem como “Gripezinha” deu ênfase num posicionamento particular político dele , ou seremos ingênuos !? Não! Ele da uma cutucada no nosso Presidente, mas ao Lula , condenado, ele até hoje replica em suas redes sociais . Direito dele mas cabe registro .

Mas antes fosse só isso. Foi além , aliás se fosse isso não me daria o trabalho de escrever , era completamente inteligente ignorar .

A questão está a volta ou a viabilidade de se retornar as atividades esportivas , discussão de calendário , e da volta de jogos com ou sem público! Opa pera lá!
Como assim ?! Não estava lá não sabe detalhes do que foi conversado e ataca a Flamengo e Vasco a troco de nada e sendo contra a volta do Futebol , esporte esse que é a mola propulsora das finanças do Clube e da existência do Clube , o Fluminense é pioneiro tem que estar discutindo na CBF , na FERJ e em qualquer dos Governos a viabilidade do retorno das atividades desportivas , se vai ser em Junho, Julho , Agosto ou Setembro , ele deve estar inserido nesse contexto e não simplesmente marcar uma posição contrária de forma mimada e teimosa retumbando o famoso #fiqueemcasa como se o mundo pudesse parar , discutir se pode ou não ter jogos e dar condicões a isso é fundamental, que seja sem público, que se faça testes nos atletas , levem soluções inteligentes e tentem ajudar nesse processo .

O Fluminense deu uma grande mancada nesse posicionamento , vejo com tristeza que a demagogia patife e o lobby corrente do momento político aproveitando-se dessa crise na saúde tenha atingido em cheio Laranjeiras , pois sabe-se que essa é a posição de nosso Presidente em exercício Mário Bittencourt também, lamentavelmente.

Erra o Fluminense em não tentar entrar nessa discussão e achar soluções, se fechar num casulo trazendo a política do politicamente correto só para não “mancharem” sua imagem e deixar protagonizar Flamengo e Vasco , e pior ainda trazendo uma luta politica do assunto para alfinetar rivais fora de campo .

A vida tem que continuar , o Futebol tem que continuar , há de se adaptar a uma nova realidade , hoje não pode ter público, não tenha , mas gradativamente e de forma responsável esse retorno se torna vital, ou há interesse em não retonar ou arrastar o máximo que puder ?!

Por isso vejo de forma lamentável o posicionamento do Fluminense e seus respectivos gestores em exercício.

Por Marco Velloso

Opinião – André F. de Barros – “O amor (ao Fluminense) em tempos de COVID-19 – Passagem (8)”

“O amor (ao Fluminense) em tempos de COVID-19 – Passagem (8)”


Você sabia que, no time campeão estadual de 1980, o lateral-direito tricolor (Edevaldo) envergava a camisa 2, o zagueiro central (Tadeu), a 3, o quarto-zagueiro (Edinho), a 5, o lateral-esquerdo (Rubens Galaxe), a 4 e o volante (Deley), a 6?
Você sabia que, na maior parte do tempo, no timaço de 83/84/85, o lateral-direito tricolor (Aldo) envergava a camisa 4, o zagueiro-central (Duílio), a 2, o quarto-zagueiro (Ricardo), a 3, o lateral-esquerdo (Branco), a 6 e o volante (Jandir), a 5?
Você sabia que, nos jogos decisivos de 1984, Paulo Vítor não sofreu nenhum gol? No Campeonato Brasileiro, foram duas semifinais contra o Corinthians – sendo uma vitória em São Paulo (0x2) e um empate no Rio (0x0) – e duas finais contra o Vasco – com uma vitória do Flu (0x1) e um empate (0x0). Já no Campeonato Carioca, foram duas vitórias consecutivas – contra Vasco (2×0) e contra Flamengo (1×0).
Você sabia que, no triênio 83/84/85, os gols decisivos do Fluminense ocorreram na baliza à direita das cabines de rádio? Recordar é viver: Assis contra o Flamengo (1983), Romerito contra o Vasco (1984), Assis contra o Flamengo (1984), Romerito contra o Bangu (1985) e Paulinho contra o Bangu (1985).
Você sabia que Assis marcou o gol do bi aos 30 minutos do segundo tempo, e Paulinho, o do tri aos 31 minutos do segundo tempo?
Você sabia que, embora o saudoso Assis tenha sido imortalizado como “Carrasco do Flamengo”, Paulinho foi o único jogador do Fluminense a marcar gol nos três triangulares decisivos? Recordemos: ele marcou gol contra o Bangu em 1983, contra o Vasco em 1984 e contra o Bangu em 1985.
Você sabia que o Danilo Félix é um Mário Bittencourt que sabe informática?
Você sabia que o Mário Bittencourt é um Danilo Félix que sabe juridiquês?
Saúde e paz para todos.

Política no Flu

Opinião: “Grounds of impeachment”

Sr. Presidente Mário Bittencourt, sirvo-me deste para dirigir-me, brevemente, a Vossa Senhoria.

Embora não tenha o conhecimento e a erudição de Vossa Senhoria, eu já li, na íntegra, “O Federalista no 10”. Também já dei uma boa vasculhada nos precedentes dos casos de Andrew Johnson, Richard Nixon, Bill Clinton e ,agora, Donald Trump.

Se o Fluminense perder para o Moto Clube, Sr. Presidente, passarei em revista, palavra por palavra, “The Federalist Papers”. Com certeza James Madison, Alexander Hamilton e outros Founding Fathers, extravasando dos estreitos limites do Estatuto do clube, hão de me prover com “… grounds of impeachment…” ante a sua reiterada e gigantesca incompetência.

Ouso dizer que, pela primeira vez, Vossa Senhoria será emparedado por um plebeu.

Por amor ao Fluminense, hei de provar, além de qualquer dúvida razoável, que Mário Bitcoin é mais um farsante na infinda lista de embustes que nos perseguem.

Será a mais elevada missão de minha vida!

Opinião: apertem os cintos… O Presidente sumiu

No final de 2013 – no rumoroso “Caso Lusagate” -, Flamengo e Portuguesa cometeram erros crassos na escalação de jogadores que, ao cabo de contas, livrariam o Fluminense de um merecido rebaixamento para a segunda divisão. A Procuradoria de Justiça Desportiva, por dever de ofício, denunciou os dois clubes. O Regulamento do Campeonato era solarmente claro e, por isso, só cabia um resultado ao final, a punição dos dois clubes. Embora o momento recomendasse discrição e sobriedade, o Fluminense interveio no procedimento como “terceiro interessado”. Estava montado o picadeiro para a atuação do talentoso – e ambicioso – advogado do Fluminense, o Sr. Mário Bittencourt. Aquela pantomima, a um só tempo, projetou nacionalmente o ilustre causídico e tornou o Fluminense objeto da ira da imprensa desportiva e das torcidas adversárias. Em suma, por vaidade, ganhamos, mas perdemos. Poderíamos ter levado a causa no silêncio dos sábios.

Mais de seis anos depois, a Procuradoria de Justiça Desportiva denunciou, também por dever de ofício, o mesmo Flamengo devido a gritos de guerra homofóbicos desferidos por sua torcida contra a nossa. Ultrajado, o Fluminense mandou para representá-lo no Tribunal…. NINGUÉM. PQP! Quanta falta nos fez a argúcia e o proselitismo do Sr. Mário Bittencourt. O Flamengo foi absolvido!

Dois pesos e uma medida?

Não, de jeito algum!

Diferentemente do que acreditam os mais incautos, há método nisso. E não se baseia no interesse do Fluminense F.C.

Aliás, o Sr. Mário Bittencourt me lembra o Aldo, lateral-direito dos anos 80, só aparece na boa.

A diferença é que o Aldo deu muitas alegrias à torcida.

Ex presidente Peter Siemsen responde sobre entrada na justiça contra prestação de conta de seu último mandato

Ex presidente do Fluminense, Peter Siemsen, obteve na justiça uma liminar que impediu o conselho deliberativo do Fluminense a executar a votação de seu último mandato, em 2016.

A votação aconteceria nesta sexta-feira (29), mas uma ordem expedida pela juíza Anna Eliza Duarte Diab Jorge, da 22ª Vara Civel, impediu a ação.

Siemsen usou suas redes sociais ainda na tarde desta sexta-feira (29) para responder a ação:

Veja a publicação completa clicando aqui

Liminar impede votação de reabertura de contas do último ano do mandato de Peter Siemsen

O ex presidente do Fluminense, Peter Siemsen, conseguiu via liminar judicial, a suspensão da reabertura de votação das contas referentes a 2016 – último ano de sua gestão, que seria realizada nesta sexta-feira (29).

A decisão foi concedida pela juíza Anna Eliza Duarte Diab Jorge, da 22ª Vara Civel, com o argumento de que Siemsen não teve o devido tempo para apresentar sua defesa, uma vez que o ex presidente alega ter sido notificado da reunião somente na última segunda-feira (25) e recebido apenas 72 horas para apresentar documentos.

A votação, em 2017, foi feita por contraste visual, e não por contagem dos votos de cada conselheiro. Os favoráveis foram convidados a levantar a mão. Ao constatar maioria, o presidente do Conselho encerrou o tema.

Diante de grandes erros contábeis, as contas foram receitas e mudaram drasticamente, mudando de um superávit de R$8 milhões para um déficit de R$13 milhões.

Uma reunião ainda tentou ser organizada na época em que Pedro Abad presidia o clube, porém, a mesma terminou em agressão física entre os conselheiros.

Caso o balanço seja reprovado, Peter Siemsen pode ser responsabilizado pelos prejuízos ao clube.

Ainda de acordo com a decisão da magistrada, uma reunião de conciliação foi agendada para o dia 14 de fevereiro de 2020.

Confira a decisão na íntegra:

” Pretende o Autor a concessão de tutela de urgência para suspender a realização de assembleia extraordinária convocada pelo Conselho Deliberativo do Fluminense Football Clube, ora 1º Réu, pelos fundamentos expostos na inicial. Para concessão da medida de urgência requerida, impõe-se a caracterização dos requisitos previstos no art. 300, do NCPC: a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo. A probabilidade que autoriza o emprego da técnica antecipatória para a tutela do direito invocado na inicial se traduz na probabilidade lógica, isto é, o direito se afigura provável, a partir da análise das alegações e das provas que instruem a inicial. O perigo de dano e o risco ao resultado útil do processo, requisitos dispostos pelo legislador de forma alternativa, estão associados à urgência e devem ser interpretados como o perigo na demora, ou seja, há urgência quando a demora na tutela do direito possa comprometer sua própria realização, imediata ou futura.

A prova documental acostada aos autos demonstra a franca inobservância pelos Réus dos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa, previstos no art. 5º, inciso LV, da CRFB. Os documentos de fls. 92/95 comprovam que o Autor foi cientificado da realização de assembleia extraordinária do Conselho Deliberativo do Clube, cuja pauta seria o reexame das contas prestadas pelo Autor, na condição de Presidente do Fluminense Football Clube, relativamente ao ano de 2016, sem prazo suficiente para apresentar defesa. A notificação foi encaminhada ao Autor por email subscrito pelo 2º Réu, em 25/11/2019, concedendo-lhe o prazo de 72 horas para apresentação de documentos que entendesse pertinentes à sua defesa, prazo claramente exíguo e que não encontra previsão no Estatuto do Clube, muito menos na lei.

Não há, também, indicação da data em que seria realizada a assembleia e não foram especificadas as razões que conduziriam à nova análise das contas. O email encaminhado pelo 2º Réu em 27/11/2019, somente neste informada a data da assembleia, apenas indica a existência de ´erros materiais´, o que em nada se traduz.

Note-se que os documentos de fls. 101/107 comprovam que estas foram regularmente aprovadas pelo Conselho Fiscal e pelo Conselho Deliberativo, além de ter sido objeto de apuração através de inquérito civil, arquivado por ausência de provas de irregularidades. E, ainda, não está acompanhada do termo de convocação dos conselheiros, na forma do art. 30, do Estatuto do Clube, a fim de que tenha conhecimento o Autor de seu conteúdo. Ademais, eventual reexame das contas já aprovadas pode gerar, em tese, responsabilidade civil do Autor, o que configura perigo de dano. Presentes, pois, os requisitos legais.

Isto posto, DEFIRO a medida de urgência requerida para suspender a realização da reunião extraordinária convocada pelo Conselho Deliberativo do Fluminense Football Clube, convocada para 29/11/2019, às 19:30 horas, sob pena de multa única no valor de R$ 100.000,00. Citem-se e intimem-se, com urgência, face à proximidade da data, por OJA. Certificado o correto recolhimento das custas, expeça-se o respectivo mandado. Encaminhe-se cópia desta decisão para o Plantão Judiciário. Designo audiência de conciliação para o dia 17/02/2020 às 14:50 hs, na forma do art. 334, NCPC.

Os Réus deverão comparecer à audiência de conciliação designada, acompanhados de advogado ou de Defensor Público, cientes de que seu desinteresse na autocomposição deverá ser comunicado a este Juízo, por petição, com no mínimo 10 (dez) dias de antecedência, contados da data da audiência (art. 334, §5º, NCPC). Neste caso, não se realizando a audiência, na forma do art. 334, §4º, inciso I, NCPC, o prazo para contestar correrá da data do protocolo do pedido de cancelamento (art. 335, inciso II, NCPC). Havendo, contudo, interesse dos Réus na tentativa de composição consensual, será mantido o ato designado e o prazo de 15 (quinze) dias para oferecimento da contestação computar-se-á da data da audiência (art. 335, inciso I, NCPC) “.

Top