Recuperado de espasmo na coluna, Marcelo deve enfrentar o México

Às vésperas do duelo com o México, nas oitavas-de-final, segunda-feira, o Brasil está quase certo de que terá Marcelo entre os titulares. Contra a Sérvia, no meio de semana, o ‘moleque de Xerém’ sofreu um espasmo na coluna e deu lugar a Filipe Luís, sendo, em seguida, medicado. Mas os médicos trataram do problema e estão otimistas quanto à presença do lateral-esquerdo na primeira fase do mata-mata da Copa do Mundo, na Rússia.

No treino desta sexta-feira, em Sochi, o craque apareceu no gramado, mas usando chinelos. Foi poupado da atividade regenerativa. Conversou com Tite e logo retornou à fisioterapia.

– Após a chegada e o descanso, Marcelo está em tratamento, apresentou boa melhora, seguirá em acompanhamento – disse a assessoria da CBF, quinta-feira.

Um dos líderes da Seleção, Marcelo, jogador do Real Madrid, foi capitão na estreia no Mundial, diante da Suíça, e disputou todas as partidas da fase de grupos.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Valle Express atrasa pagamento de junho, e dívida é de quase R$ 1 milhão; Abad defende

Em crise financeira, o Fluminense ainda vê seu principal parceiro, a Valle Express, atrasar três meses de pagamento. Os cheques pré-datados, forma combinada para cumprimento do compromisso, de abril (R$ 250 mil), maio (R$ 300 mil) e junho (R$ 350 mil) estão em aberto. A dívida é de R$ 900 mil.

Desde o anúncio do acordo, nas primeiras semanas do ano, somente as parcelas de janeiro e fevereiro caíram nos cofres do clube. Em março, embora com alguma dificuldade, a empresa conseguiu regularizar a pendência, depois de um atraso de onze dias. Desta vez, nenhuma previsão para acertar o valor devido foi estipulada.

A inadimplência da Valle, para Pedro Abad, precisa ser compreendida. O presidente defende e elogia o patrocinador, com quem tem contrato até 2020 e que deve pagar, no total, R$ 20,1 milhões ao Fluminense.

– Valle apostou no Fluminense. É difícil arranjar patrocinador privado no Brasil. Eles vieram, com um planejamento bom a eles e ao clube. Qualquer questão que envolva o que foge ao normal, precisa ser tratada com cuidado. Assim como o clube pede que alguns entendam as dificuldades financeiras, temos de ter o mesmo procedimento. O comercial e o financeiro estão cuidando.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

No Shakthar, Wellington Nem garante prioridade ao Fluminense em retorno ao Brasil

Atrás de atacantes velozes, o Fluminense deveria apostar em Wellington Nem, de 26 anos? Talvez. O certo é que, do lado de lá, há interesse. Com contrato com o Shakhtar Donetsk até 2020, o jogador admite o sonho de retornar ao Fluminense, quando decidir deixar a Ucrânia. A paixão pelas três cores, inclusive, tem sido repassada ao filho, Miguel. O vídeo em que ambos cantam o hino do clube é a prova.

– Todos sabem do carinho e do respeito que tenho pelo Fluminense. É o clube que me formou, que me deu a oportunidade de aparecer para o mundo. Conquistei títulos importantes lá, e o reconhecimento da torcida nós vemos diariamente nas redes sociais. Isso é muito gratificante para qualquer jogador. Sem dúvida, quando eu decidir voltar a jogar no Brasil, é o clube que eu escutaria a proposta com mais carinho, mas sem fechar portas para qualquer outra instituição. Quanto ao meu filho, ele sempre me vê assistindo aos jogos do Fluminense e ensino ele a ser um verdadeiro tricolor de coração – conta.

Recuperado de lesões e preparado para a nova temporada, Nem diz que recebeu sondagens para deixar o Shakhtar. Mas os ucranianos são conhecidos por fazer ‘jogo duro’ com quem tenta contratar seus jogadores, principalmente quando houve investimento por eles, como no caso do ex-tricolor.

– Sondagens sempre chegam, inclusive de clubes brasileiros, mas sabemos que o Shakhtar é um clube que dificilmente libera seus jogadores por valores abaixo do que investiu por eles. Tenho contrato por mais dois anos aqui e espero ainda conquistar coisas importantes com a camisa do Shakhtar.

Revelado em Xerém, Wellington Nem defendeu o Fluminense em 2012 e 2013, quando foi negociado para a Ucrânia. Por aqui, atuou em 67  jogos e marcou 16 gols. No ano passado, vestiu a camisa do São Paulo, mas fez apenas 23 partidas e balançou as redes uma vez.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Atração da FluFest, Sérgio Mallandro chama torcida para festejar ‘116 anos de sucesso’

O aniversário do Fluminense está vindo aí! Dia 21 de julho, Laranjeiras sediará a FluFest 2018, que promete reunir centenas de tricolores para comemorar os 116 anos do clube. Os festejos começam às 9 horas e invadem a madrugada, no Salão Nobre. Enquanto, durante o dia, as atrações são reencontros de ex-jogadores, jogos-festivos e até a despedida de Ricardo Berna, à noite, a Blitz assume o palco, trazendo um show repleto de hits da antiga e canções de arquibancadas: E mais: ainda há espaço para o humor, responsabilidade de Sérgio Mallandro, que apresentará seu stand-up comedy.

Fanático pelo Fluzão, o humorista gravou um vídeo para convocar a torcida a participar do evento, cujo tema é a história tricolor no Maracanã. As colaborações, via crowdfunding, podem ser feitas até 18 de julho (clique aqui para mais informações) e rendem diversos brindes. Assista a gravação:

LEIA MAIS: Blitz, de Evandro Mesquista, fará show na FluFest 2018
LEIA MAIS: Ferrugem foi cotado para FluFest, mas Blitz é confirmada e convoca torcida
LEIA MAIS: Aos 38 anos, Ricardo Berna encerrará carreira na FluFest: ‘Marco para mim’
LEIA MAIS: Brindes da FluFest, livro e pôster têm capas escolhidas pela torcida
LEIA MAIS: Centenas de tricolores se mobilizam, e FluFest bate meta a um mês do prazo
LEIA MAIS: Jogos-festivos com ídolos, shows da Blitz e de Sérgio Mallandro: tudo sobre a FluFest 2018

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

A pedido da CBF, Fluminense analisa México, próximo rival do Brasil na Copa: ‘Ataque veloz’

Em parceria com a CBF, cada clube que disputou a Série A em 2017, exceto o Flamengo, ficou encarregado de observar, a partir de outubro, uma ou duas Seleções da Copa do Mundo, realizada na Rússia. Em sorteio, o México se tornou responsabilidade dos analistas de desempenho do Fluminense. Curiosamente, o Brasil enfrenta os mexicanos nas oitavas de final, segunda-feira.

– Observamos alguns jogos feitos pela equipe do México, como contra Polônia, Bélgica, algumas partidas amistosas. Ali fizemos uma análise, bem preliminar, do que poderia acontecer, de algumas formações, formas de jogar. Observamos, também, que o forte deles é o ataque, muito veloz. Com Vela, Lozano e o Chicharito Hernández, que são jogadores de muita velocidade e que podem nos causar algum problema – alerta Alex da Costa, analista de desempenho.

Os relatórios elaborados foram enviados à CBF antes do Mundial, que começou há duas semanas, e se somaram aos detalhes destrinchados pelo CPA (Centro de Pesquisa e Análise) da Seleção.

– Foi uma análise mais prévia, feita com antecedência. O pessoal da comissão do Tite, o Fernando e o Maurício Dulac, coordenadores, dão prosseguimento à análise. Estão lá na Rússia, fazendo as observações. Com certeza, já reuniram todas as informações para o Brasil. Foi um trabalho que o Fluminense teve a honra de participar. E, por sorteio, casou de ser um trabalho com certa relevância, porque é um adversário de oitavas de final – disse Fábio Moreno, auxiliar-técnico, destacando a importância do projeto:

– CBF, hoje, principalmente com a chegada do Tite e do Edu Gaspar, tem dado todo suporte e fomento para o desenvolvimento dessa área. Cada vez mais, o futebol evolui e essas informações têm sido mais determinantes para o resultado. Não é à toa que o Brasil vem fazendo grande campanha, por conta, também, do trabalho dessas pessoas que cercam o futebol.

Com a novidade, a CBF procura dar a chance de os profissionais do país apresentarem seu trabalho e, com visões diferentes sobre cada participante do torneio, impedir que algum detalhe escape aos seus olhos.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

 

 

Thiago Silva marca contra Sérvia, entra para história da Seleção e renova memórias de Moscou

Na despedida da fase de grupos, nesta quarta-feira, o Brasil enfrentou a Sérvia, precisando, pelo menos, de um empate para se classificar ao mata-mata da Copa do Mundo, na Rússia. Quem começou a construir o placar foi Paulinho, encobrindo o goleiro do adversário. Mas quem deu tranquilidade à Seleção, em um momento em que o rival encontrava espaços para pressionar, foi Thiago Silva, ex-Fluminense. Final: 2 a 0.

Tão julgado pelo choro em 2014, mesmo sem jogar a semifinal contra a Alemanha, o zagueiro tem provado por que merece a confiança de Tite. É o brasileiro mais regular do Mundial. O destaque até aqui foi premiado com a cabeçada certeira que guardou o nome do ‘Monstro’ na história da Seleção. Tornou-se o único defensor a marcar gols em Copas diferentes – 2014 e agora.

A atuação segura e o gol renovam as memórias que Thiago Silva tem de Moscou. As antigas são amargas. Em 2005, quando defendia o Dínamo de Moscou, ficou cinco meses hospitalizado, em razão de tuberculose. O quadro grave levou médicos a sugerir a retirada do pulmão, o que acabaria com sua carreira. Mas a família impediu.

Foi quando apareceu Ivo Worttmann, com quem o craque do PSG trabalhou nos tempos de Juventude. O treinador conseguiu um especialista para tratar e curar o zagueiro. No ano seguinte ao diagnóstico, a caminhada de Thiago no futebol foi reiniciada. Retornou ao Fluminense, onde deu os primeiros passos, e brilhou, ao lado do mesmo técnico que o ajudou a se recuperar da doença.

– Um dos piores momentos da minha carreira e vida pessoal foi aqui. Graças a Deus, agora está sendo bem proveitoso para mim. Não só em Moscou, mas na Rússia, em geral, tenho tido equilíbrio muito grande e os jogos vão me dando confiança – disse o camisa 2, na zona mista.

Ele merece! Continuará ‘voando’ e, dia 15, na grande final, volta a Moscou para terminar de escrever essa nova história.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

 

Fluminense se aproxima do segundo reforço da era Marcelo Oliveira

Acordo seria por duas temporadas podendo ser renovado por mais uma.

O Fluminense está próximo de acertar o segundo reforço da era Marcelo Oliveira. Após anunciar o retorno do zagueiro Digão, o Tricolor está perto de anunciar o atacante Luciano, atualmente no Panathinaikos Grécia, mas que se destacou no Brasil atuando pelo Corinthians.

Segundo o site Globoesporte.com, o acordo já estaria encaminhado, faltando apenas a assinatura do contrato, que seria por duas temporadas com a possibilidade de renovação por mais uma.

Como se trata de uma negociação internacional, caso seja contratado, Luciano só poderá ser inscrito após a abertura da janela, que será no dia 16 de julho.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Daniel Augusto Jr. 

Digão prefere Fluminense ao Vasco e acerta retorno às origens

Com as saídas de Luan Peres, vendido para o Club Brugge (Bélgica), e Nathan Ribeiro, emprestado para o Kashiwa Reysol (Japão), o Fluminense, com poucas opções para a zaga, anunciou o retorno de um velho conhecido da torcida. Aos 30 anos, Digão deixou o Cruzeiro para voltar a vestir a camisa do clube onde foi revelado, em 2009. As partes definiram empréstimo até o fim do ano.

Segundo o jornalista Samuel Venâncio, da Rádio Itatiaia, Vasco e Vitória estavam interessados no jogador, sem espaço na Raposa, onde estava há uma temporada. O rival fez proposta, mas Digão recusou e preferiu acertar com o Fluminense. O reforço foi indicado por Marcelo Oliveira e se junta ao elenco nos próximos dias.

Nos seus quatro anos nas Laranjeiras, Digão levantou três taças: Campeonato Brasileiro de 2010 e de 2012 e o Carioca de 2012. Ajudou, ainda, na campanha contra o rebaixamento, em 2009, ano em que subiu para o profissional. Fez, no total, 92 jogos e marcou quatro gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

 

 

 

Fluminense define alvos no mercado, e Paulo Angioni enfatiza: ‘Dentro do orçamento’

Ao se apresentar à imprensa, Marcelo Oliveira concordou com a necessidade de contratações e disse que impôs, em conversas com o presidente, essa condição para embarcar no desafio. O elenco enxuto foi, inclusive, alertado por Abel Braga, ex-técnico, depois da derrota para o Santos, por 1 a 0, antes da parada para a Copa do Mundo.

Ainda há três semanas até o reinício do Campeonato Brasileiro, contra o Vasco, dia 19 de julho. O período servirá para Oliveira expor suas ideias e enquadrar os jogadores em seu estilo de jogo. Mas, também, para a diretoria analisar o mercado. Meio-caminho da missão foi percorrido: os principais focos foram estabelecidos. A busca é por dois atacantes e um meia.

Quem está à frente do processo é Paulo Angioni. A ideia é trazer um centroavante para reserva de Pedro (o atual é João Carlos) e um atacante veloz para disputar vaga com Marcos Júnior, Matheus Alessandro, Pablo Dyego, Robinho e, quando estiver recuperado, Marquinhos Calazans. Por fim, um armador, afinal, o grupo dispõe só de Sornoza e Luquinhas.

– Quando conversávamos, ele (Marcelo Oliveira) perguntou se havia possibilidade de uma ou outra contratação, e ele estipulou três. Eu disse que sim. Até pela relação que temos, conseguiríamos viabilizar alguns nomes dentro da realidade. Esse é o compromisso. A operação tem de ser dentro dos limites e do orçamento do Fluminense – ressaltou, em entrevista, o diretor-executivo de futebol.

– Precisamos de três jogadores. Me apresentaram alguns nomes, eu tinha outros na cabeça que estavam nessa lista. Por questão interna, vamos aguardar e ver se fechamos essa negociação – despistou o treinador.

Se recorrer a jogadores do exterior, o clube terá de esperar a abertura da janela, em 16 de julho, para registrá-lo. Para inscrever os reforços no Campeonato Brasileiro e Sul-Americana, únicas competições que o Fluminense ainda disputa, as datas para inscrições valem até 4 de setembro e 72 horas antes do primeiro jogo da segunda fase, respectivamente.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Angioni discorda de rótulo de ‘ultrapassado’ e vê chance de inovar no Fluminense

Na terça-feira, a imprensa e os torcedores, enfim, conheceram quem ocupará as vagas de Paulo Autuori e Abel Braga, que entregaram o cargo em maio e junho, respectivamente. Enquanto Marcelo Oliveira é a grande novidade do Fluminense, onde trabalhará pela primeira vez, Paulo Angioni, apresentado no mesmo dia, é personagem conhecido nas Laranjeiras, por onde acumula outras três passagens.

Experiente, Angioni se disse capaz de implantar uma nova forma de se fazer futebol. É, inclusive, seu principal objetivo e o motivo pelo qual concordou em retornar ao clube. Ao expor como pode contribuir, destaca que o esporte é um meio extremamente capitalista e que, se alcançar o plano traçado, pode mudar este quadro.

– Não vim aqui por desafio. Vim por duas razões. Primeiro, nasci Fluminense e não é clichê. Segundo, o Fluminense tem uma das coisas mais lindas do futebol: o futuro em curso. Se forem analisar a complexidade que é disputar um Brasileiro, que é literalmente capitalista, com a disparidade na distribuição de receita, tem 10 ou 12 equipes que entram para sofrer. Tive três temporadas no Bahia. Cheguei lá na Série B, subi para a Série A e sei a dificuldade de se manter. E onde está a beleza do que o Fluminense pensa? Naquilo que o futebol brasileiro esqueceu: a formação do jogador. O futebol brasileiro erra quando encerra a maturação aos 19 ou 20 anos. Se o Fluminense conseguir êxito no Brasileiro, vai patentear uma nova forma no futebol, na qual o grande capital não vai influir tanto no andamento de uma competição. Se isso vier a se consolidar, teremos um futebol menos sofrido e mais eficaz. Por isso, entendi que o Fluminense era um projeto interessante para mim – explica.

Embora se julgue instruído para inovar, o diretor-executivo relembra episódio de 2014, última vez em que esteve à frente do futebol do Tricolor, quando ganhou o rótulo de ‘ultrapassado’. As críticas partiram de grupos políticos. O profissional, entretanto, discorda.

– Não vou entrar no mérito de quem me chamou de ultrapassado. Costumo respeitar a opinião dos outros. Agora, o que significa isso? A palavra “ultrapassado”, para mim, é um pouco pejorativa. Ultrapassada é aquela pessoa que para de pensar, que deixa de evoluir, que vira velho. Não me enquadro nisso. Eu sou uma pessoa que gosta de exercitar o diálogo, criei seminário durante três anos e conversava sobre futebol com jovens. Eu me incluo no “novo” porque eu exercito isso. Eu sou estudioso. Criei um dos maiores fóruns de debate sobre futebol no país. Respeito a opinião de cada um, mas, com certeza, não sou ultrapassado – garante.

Quanto à ‘inter-temporada’ do Fluminense, iniciada em 26 de junho, Paulo Angioni avisa que a ideia de jogos-treinos foi colocada em pauta. O time retoma sua campanha no Campeonato Brasileiro enfrentando o Vasco, em São Januário, dia 19 de julho.

– Primeira conversa que tive com ele (Marcelo Oliveira), estavam esboçando programação e me parece que tem dois jogos-treino, em princípio, podendo ser três, neste período.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!