Abelão considera resultado ‘mentiroso’ e define performance do time: ‘Aula de futebol’

A bola pune. É a frase que melhor define o Clássico Vovô desta segunda-feira, vencido pelo Botafogo, por 2 a 1. Embora tenha sido superior durante a maior parte do jogo, o Fluminense desperdiçou chances de gol e, acima de tudo, a oportunidade de encostar nos líderes. O resultado, para Abel Braga, é mentiroso, assim como contra o Corinthians, na primeira rodada.

– Esse resultado é mentiroso. Se fosse empate, seria mentiroso também. Meu time finalizou 21 vezes, 60% de posse de bola. O goleiro (Jefferson) foi um monstro? Foi. Mas teve jogada que ele nem defendeu, chutamos para fora – disse.

A performance do time, talvez a melhor em 2018, impressionou. Orgulhoso, Abelão enalteceu o trabalho do grupo e, inclusive, disse que viu uma aula de futebol no Engenhão.

– O Fluminense, principalmente no 1º tempo, deu uma aula de jogar futebol. Eles foram uma vez e fizeram o gol. Foi brincadeira. No 2º tempo, até o segundo gol, o jogo estava igual. Eu falei para os jogadores que estou orgulhoso. O que os torcedores viram aqui foi fantástico – destacou.

Como nem tudo é perfeito, a parte defensiva é que destoou. Praticamente nulo na partida, o Botafogo ameaçou poucas vezes, mas foi preciso nas oportunidades que teve. Os gols, no entanto, saíram de bola aérea. Mas, na entrevista, o treinador deu um ‘desconto’ à zaga, que teve a entrada de Luan Peres no lugar de Frazan.

– Futebol é assim. Quantos gols de bola parada temos feito esse ano? Uma hora, há desatenção – defendeu, completando:

– Luan não teve culpa em nada, fez um jogo acima do esperado. O Botafogo teve uma jogada muito forte que não conseguiu usar hoje, com Luiz Fernando e Marcinho, e ele se posicionou muito bem.

Confira mais trechos da entrevista:

Jefferson ‘monstro’

Hoje, talvez, se tivesse o titular (Gatito) no gol, tivéssemos ganho. O Jefferson é um monstro. A defesa que ele fez no chute do Sornoza não é possível. A bola não foi reta, caiu um pouco. Eu não acreditei.

Orgulho do time

Tem dia em que você sai decepcionado, vai para casa, tem que tomar uma taça a mais de vinho para poder dormir. Mas estou orgulhoso hoje. Quem vê esse time do Fluminense, que não tem craque, não tem alguém que desequilibre, vê que tem algo a mais nesse time aí. Estou orgulhoso de ser treinador desse time, dessa rapaziada, do ambiente que nós criamos.

Ação ofensiva

Desde o ano passado, não vejo o Sornoza finalizar tanto a gol. Subidas constantes dos laterais. Perdi um jogador de profundidade, que é o Ayrton. Entraram os atacantes, não perdemos o domínio. Mas não conseguimos botar a bola para dentro.

Viagem a Potosí influenciou?

Não vou dar desculpa de nada, de viagem… Nem pensar. Corremos para caramba, jogamos para caramba.

Análise da estreia de Luan Peres

Luan não teve culpa em nada, fez um jogo acima do esperado. O Botafogo teve uma jogada muito forte que não conseguiu usar hoje, com Luiz Fernando e Marcinho, e ele se posicionou muito bem.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Pedro entra na mira do Valencia, da Espanha

Com dez gols em 2018, Pedro, de apenas 21 anos, está brilhando no Fluminense, detentor de 50% dos direitos econômicos. Com a ida de Henrique Dourado para o Flamengo, o novo camisa 9 do time assumiu o posto de goleador e, aos poucos, ganha espaço na vitrine europeia. Tanto que, de acordo com Jorge Nicola, da ESPN, o Valencia está de olho na joia de Laranjeiras.

Os espanhóis monitoram o centroavante há algum tempo e prometem enviar oferta ao Rio de Janeiro. Além da qualidade para estufar as redes, Pedro se destaca pela técnica e, ainda, por servir seus companheiros – são, até aqui, sete assistências.

Em entrevista à Rádio Brasil, no início do mês, o empresário do jovem, Marcio Giugni, dá a entender que alguma sondagem acontece.

– No meio do ano é normal que os clubes da Europa monitorem os jogadores que estão em ascensão no trabalho. Acredito que estejam sendo monitorados todos aqueles que estejam mostrando um bom trabalho no Brasileiro – disse.

Revelado em Xerém, Pedro foi promovido aos profissionais em 2016 e sempre enfrentou a desconfiança da torcida. Agora consolidado como titular, caiu nas graças dos tricolores e ganhou até música, ‘o Pedro vai te pegar’, uma alusão à homenagem a Fred, ex-atleta do clube.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Jorge Nicola / ESPN

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Mãe de Gilberto admite nervosismo por jogo em Potosí e comemora classificação

Antes mesmo do Dia das Mães, Solange, a mãe de Gilberto, ganhou um presentão do filho: a vaga na segunda fase da Sul-Americana. Para comemorar a continuidade no torneio, Solange vestiu a camisa, chamou o caçula, Lucas, e partiu para o aeroporto do Galeão, na sexta-feira, quando a delegação desembarcou no Rio.

A ocasião, inclusive, pedia a presença de pessoas especiais. Afinal, Gilberto retornava de um dos maiores desafios profissionais – atuar a 4.067 metros de altitude. Depois do sofrimento pelo jogo e pela viagem à Bolívia, marcada por imprevistos desde a saída do Brasil, Solange, enfim, pôde celebrar a classificação.

– O melhor presente de Dia das Mães foi ver aquele jogo, a classificação, foi ter dado tudo certo. Fizeram ligação com a tragédia da Chapecoense, eu fiquei muito nervosa. Já era uma grande dificuldade jogar lá e ainda ouvimos muitas coisas ruins. Confesso que foi preocupante, e ele nos surpreendeu, pois achei que não aguentaria tão bem. Foi muito angustiante. Os 90 minutos não passavam. Mas o presente veio antes, e estou muito feliz – disse, em entrevista ao Globoesporte.com.

No bate-papo com o GE, ficou claro que Solange se enche de orgulho para falar do lateral-direito do Fluminense. Peça importante no time em 2018, Gilberto é indicado pela torcida para Seleção. A mãe, ao ouvir os pedidos no aeroporto, se emocionou e relembrou os tempos em que o camisa 2 buscava realizar seu sonho.

– Gilberto nasceu com o propósito de ser jogador, sempre com a bola. E aprendeu sozinho, não tinha crianças para brincar. Ele jogava sozinho e, conforme ia crescendo, procurava as escolinhas de futebol. Eu não pude acompanhá-lo quando começou a ir aos testes, pois meu caçula tinha acabado de nascer. Mas ele foi sozinho atrás do sonho, até ser contratado pelo CFZ (Centro de Futebol Zico). Depois, ele só cresceu. Espero que continue tudo dando certo para ele – torce.

Mesmo com a rotina agitada do futebol, Gilberto se mantém presente quando o assunto é família. Solange destaca, principalmente, o companheirismo com o caçula.

– Ele é um menino de ouro, muito participativo. Muito família e muito preocupado com a gente. Faz questão de estar com a família. É muito determinado. Tem muita preocupação com o irmão caçula, o Lucas, que é tudo para ele. Nosso orgulho.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua vaga na festa de 116 anos do Fluminense!

Comandante do Nacional, Edgardo Malvestiti vê favorecimento ao Fluminense

A queda do Nacional de Potosí na Sul-Americana é, para Edgardo Malvestiti, injusta. Ao analisar a partida, vencida, por 2 a 0, pelo time boliviano, o comandante se disse satisfeito com o desempenho de seus jogadores e foi polêmico. Alfinetou a arbitragem uruguaia e reclamou de suposto favorecimento ao Fluminense.

– Faltou completar as muitas situações de gols. Fizemos uma grande partida. Saímos com um sabor amargo pelo resultado, mas não pelo desempenho. Estou muito orgulhoso. Lamentavelmente, sempre se beneficiam a um rival que tem um poder econômico superlativo, uma estrutura superlativa – afirmou, logo após a eliminação.

Os juízes, aliás, deixaram o campo escoltados pela polícia. A torcida mandante, irritada com a demora do Tricolor na reposição de bola, atirou pedaços de comida e lixo no trio que apitou o duelo na noite de quinta-feira.

Mesmo perdendo, principalmente pela dificuldade encontrada nas alturas, o clube de Laranjeiras se classificou para a segunda fase da Sula.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Ayrton ouve sondagens de Portugal, e Fluminense determina valor para venda

Destaque em 2018, depois de retornar de empréstimo do Londrina, Ayrton Lucas chama atenção na Europa. Porto e Braga, ambos de Portugal, sondaram o estafe do lateral-esquerdo e sinalizaram possível proposta, a ser apresentada em breve. Segundo informou Jorge Nicola, jornalista da ESPN, o Fluminense estipulou o valor de 4 milhões de euros (R$ 17 milhões) para vender o camisa 6, titular absoluto com Abel Braga.

Os times portugueses prometem investir em Ayrton Lucas pois, provavelmente, perderão jogadores da posição. Alex Telles, do Porto, e Jefferson, do Braga, igualmente brasileiros, tendem a rumar para o futebol inglês.

Nesta temporada, o jovem, de apenas 20 anos, atuou em 18 jogos, sem marcar gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Jorge Nicola / ESPN

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fluminense lança escolinha de vôlei para recuperar menores infratores

Na quinta-feira passada, o Fluminense deu um passo à frente no cumprimento do seu papel na sociedade. Foi inaugurada uma escolinha de vôlei no Departamento Geral de Ações Socioeducativas (DEGASE), na Ilha do Governador, com o objetivo de estimular a prática esportivo e recuperar menores infratores. A iniciativa é em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude.

Craque de vôlei de praia, Emanuel Rêgo, agora diretor-executivo de Esportes Olímpicos do clube, destacou o que o esporte pode proporcionar às jovens e espera ver mas trabalhos com este intuito sendo desenvolvidos.

– O papel do Fluminense é o de incentivar jovens. Convênios desse tipo ensinam valores como o trabalho em equipe e a busca pelo sucesso com disciplina e espírito de colaboração. Só posso desejar sucesso para as alunas, professores e todos que colaboram para que projetos como esse tenham cada vez mais êxito – declarou.

A escolinha atenderá 50 jovens, entre 12 e 18 anos, que estejam cumprindo medidas socioeducativas. As aulas acontecerão por duas vezes na semana, às quartas e quintas-feiras, pela manhã. A ação também garante uniforme e material esportivo, como bolas e redes.

– O acesso a projetos esportivos também é parte importante no processo de ressocialização. O ganho para os jovens que participarão dessa iniciativa será enorme – afirmou Wagner Victer, secretário de Estado de Educação.

A parceria é, também, resultado da contrapartida social da Lei de Incentivo ao Esporte e à Cultura, parte importante na manutenção do time feminino do Fluminense na Superliga.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Jogadores valorizam vaga na segunda fase da Sula, e Gum enfatiza ‘experiência de vida’

As dificuldades foram superadas e ficaram para trás, lá na Bolívia. Mesmo com o 2 a 0 do Nacional de Potosí, o Fluminense se garantiu na segunda fase da Sul-Americana e retornou ao Rio de Janeiro, na sexta-feira, aos gritos de ‘time de guerreiros’.

A vantagem conquistada em abril, no Maracanã, com a goleada de 3 a 0, foi fundamental para o clube de Laranjeiras sair classificado de Potosí. Afinal, jogar a 4 mil metros acima do nível do mar é uma batalha. Ou uma experiência de vida, como destacou Gum.

– Dou até risada porque é uma experiência de vida isso aqui. Suportamos como? Com o grupo forte e a união. Falamos que ia ser difícil. Mas o futebol nos proporciona isso. Claro que queríamos jogar no Brasil. Mas, já que estávamos aqui, fomos para o desafio. Sabíamos que sofreríamos juntos e voltaríamos classificados dando risadas de gente que passou mal aqui. Vamos contar para os nossos filhos – disse o zagueiro, na saída do campo.

A viagem da delegação à Bolívia foi marcada por imprevistos desde o Brasil, quando a logística planejada há meses teve de ser alterada, em razão de protestos em Sucre. Quando os jogadores entraram em campo, mais problemas: além da altitude, a má qualidade do campo.

– Inadmissível jogar aqui. Sem altitude, o campo já seria impraticável, essa é a verdade. Mas é parabenizar a fisiologia, pessoal da logística do clube e a gente também, que entrou em campo. Nos superamos, sempre brigando por todas as bolas. Voltar para casa é o melhor presente que temos – declarou o volante, que fez o pênalti que originou o segundo gol do adversário.

Em 2017, na mesma Sul-Americana, os brasileiros conheceram o clima de Quito, no Equador, quando enfrentaram a LDU. No entanto, Júlio César garante que a altitude equatoriana está longe de ser comparada à boliviana. Autor de defesas importantes, o goleiro ressaltou, ainda, a entrega do elenco.

– Olha, é um jogo extremamente complicado. Tivemos a experiência, no ano passado, em Quito, mas isso não tem nada a ver. É 20 vezes pior. O grupo está de parabéns, soube sofrer na hora certa, foi complicado. Você puxa e o ar não vem. Isso porque eu não corro tanto quanto eles (jogadores de linha). Não posso deixar de valorizar a entrega. A união do nosso grupo mais uma vez fez a diferença – frisou o camisa 22.

Renato Chaves seguiu o discurso de seus companheiros e reclamou das condições encontradas nas alturas. O zagueiro, que fez uma grande partida, relatou como sofreu na quinta-feira e valorizou o placar em casa, na jogo de ida.

– Sensação horrível. 4100 metros é complicado, ainda mais num campo desse. Mas soubemos jogar com o placar e hoje fizemos um grande jogo. Tivemos erros, saíram os gols, mas isso não apaga o que fizemos no Brasil. (Acréscimos) A gente já sabia que ele ia dar bastante, já estava prometendo. É complicado demais, o ar é muito seco, dá muita dor de cabeça. Complicado demais. Saímos de cabeça erguida.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Ex-Fluminense, Deco comentará Copa do Mundo pelo SporTV

Craque nos gramados de Brasil afora, Deco promete brilhar, agora, como comentarista. O SporTV contratou o ex-jogador do Fluminense para integrar o timaço de comentaristas para a Copa do Mundo 2018, na Rússia. Seedorf, Petkovic e até o técnico Cuca farão companhia ao português, segundo diz o LANCE!.

Deco participará do programa ‘Seleção da Copa’, apresentado por André Rizek e Marcelo Barreto. Durante o mês do Mundial, a atração irá ao ar diariamente.

Antes de encerrar a carreira, em 2013, o Mago, de 40 anos, fez história nas Laranjeiras. Foram quatro temporadas, 91 jogos, sete gols, dois Campeonatos Brasileiros e um Carioca vestindo verde, branco e grená. Pela seleção de Portugal, Deco disputou, ainda, duas Copas do Mundo – 2006 e 2010.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Paulo Autuori está insatisfeito no Fluminense e ameaça se demitir

Em razão de episódios desagradáveis ao longo do ano, Paulo Autuori ameaça, mais uma vez, deixar o Fluminense, com apenas quatro meses de clube. A gota d’água foi o desligamento de Marcus Vinícius Freire, que comandou as tratativas para a vinda do diretor-esportivo.

No entanto, houve mais alguns acontecimentos que contribuíram para levar Autuori a considerar a demissão. Como, por exemplo, o vazamento de informações sobre o caso Kléber, que encerrou as negociações com o Fluminense por ter sido reprovado nos exames médicos. O atacante sofre de lesão no joelho e estava com um pé nas Laranjeiras, até que sua situação médica veio à tona.

Mais antiga, a polêmica na final da Taça Rio, em março, irritou Paulo. Na festa do título, o dirigente preferia algo mais restrito e acabou surpreendido pela presença de figuras de fora do clube, como Rubens Lopes, presidente da FERJ.

Autuori, que descarta retomar a carreira de técnico no Brasil, disse, à imprensa chilena, estar aberto a conversar, em caso de proposta de fora. Recentemente, a Universidad de Chile demonstrou interesse.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fluminense firma acordo com a Descomplica, nova patrocinadora

No clássico com o Botafogo, às 20h de segunda-feira, a camisa do Fluminense apresentará novidade. É porque, na sexta-feira, o clube anunciou acordo de três meses com a Descomplica, patrocinadora que estampará as costas do uniforme.

Considerando o acordo firmado entre as partes, segundo o Globoesporte.com, a Descomplica pagará valor superior ao da Thinkseg, ex-parceira.

– O Descomplica é uma empresa inovadora, bem posicionada no mercado de ensino e que escolheu a camisa do Fluminense para potencializar sua marca e explorar as oportunidades que o futebol oferece. Isso nos traz bastante satisfação. Tenho certeza de que o retorno para as duas partes será excelente – afirma o diretor de marketing do Tricolor, Lawrence Magath.

Para oficializar a união com o clube de Laranjeiras, a plataforma de ensino online se pronunciou por nota oficial. Nela, a Descomplica afirma que vê o futebol como um caminho para levar educação de qualidade a mais pessoas.

– Acreditamos que educação transforma vidas e sabemos que aprender pode ser fácil, apaixonante e para todo mundo. Unir educação à paixão pelo futebol é uma grande porta para que mais gente conheça o nosso trabalho e tenha acesso à educação de qualidade. Essa inciativa toca em alguns pontos que estão no centro do que é o Descomplica: acreditamos que educação transforma vidas e sabemos que aprender pode ser fácil, apaixonante e para todo mundo – declarou Marco Fisbhen, CEO da empresa.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!