fbpx

Agenor comemora chegada de novos reforços e projeta clássico contra o Vasco

Dono da meta tricolor, goleiro analisou postura necessária para conseguir bom resultado em São Januário e respirar no Brasileirão

Foto: Lucas Merçon / FFC

Depois de um empate frustrante dentro de casa contra o Ceará, o Fluminense virou a chave e começou a preparação para o clássico contra o Vasco, no próximo sábado (20), às 11h (de Brasília), em São Januário, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na 15ª posição com apenas nove pontos conquistados até aqui, o Tricolor precisa de um bom resultado para se distanciar da parte de baixo da tabela e respirar na competição.

Nesta quinta (18), Agenor concedeu entrevista coletiva após o treinamento no CTPA e projetou o duelo contra o Cruzmaltino. De acordo com o goleiro, o jogo será bastante disputado e as duas equipes buscarão a vitória.

“Podemos esperar um clássico bastante disputado, com as duas equipes buscando a vitória. É um horário atípico, sábado, 11h. Mas já jogamos neste horário, não é novidade. Nesta semana treinamos mais pela parte da manhã. Fizemos uma boa semana de trabalho, visando o próximo jogo. Esperamos chegar em São Januário e fazer uma boa partida”.

Perguntado sobre a postura necessária para bater o Vasco, o atual titular da meta tricolor destacou que é importante manter o estilo de jogo passado por Fernando Diniz independentemente do panorama que se desenhar durante a partida.

“Postura tem que ser da maneira que viemos jogando, imponto nosso ritmo de jogo, nossa maneira de jogar. Sabemos que clássico é diferente, ainda mais fora de casa. Mas independentemente do adversário, não podemos mudar o que viemos treinando desde o início do ano. Temos que chegar em São Januário, fazer uma boa partida e buscar os três pontos”.

Agenor também comentou sobre o fato do Fluminense acabar sofrendo gols em quase todos os jogos. Para ele, é necessário corrigir falhas na origem das jogadas, para assim evitar que a defesa seja vazada de forma ‘boba’.

“Viemos tomando muitos gols, mas não são em situações criadas. São situações que acontecem no jogo. No último foi um bate e rebate na área e o cara fez um gol de bicicleta. Cada gol que tomamos existe um por quê. E estamos corrigindo esses por quês. Determinadas partidas que fizemos deixamos a desejar seja em marcação, posicionamento, imposição. Isso tudo agrava na hora de tomar gol. Gol quando toma é o detalhe final. Mas a origem da jogada é que faz toda a diferença. Temos que corrigir esses detalhes. Incomoda bastante, não só a mim. Sabemos que podemos melhorar, e temos que melhorar”.

Veja outros assuntos comentados na coletiva de Agenor:

Nenê e Wellington Nem

“Um cara superbacana (Nenê). Já conhecíamos ele de outros clubes. Grupo recebeu ele da melhor maneira possível. Já chegou, treinou. Se vai jogar ou não é com Diniz. Se começar jogando, vai nos ajudar bastante, se entrar no decorrer, também. Não temos que pensar só nesse jogo do Vasco. A nível de campeonato fortalece ainda mais o elenco. Temos o Ganso, o Daniel, o Allan, que ajudam bastante. Quem ganha é o Fluminense. Temos que tirar proveito de ter esses jogadores”.

“Todo jogador que tenha qualidade é muito bem-vindo. Ele (Nem) vindo é um baita de um reforço. Todos sabemos da qualidade dele. É mais um cara que temos que tirar proveito. Campeonato longo e disputado como Brasileiro, fortalecer cada posição do elenco o Fluminense fica mais fortalecido”.

Rodolfo

“É um cara muito bacana. Independentemente do que aconteceu, temos total confiança dele. Já falamos com ele após o episódio. O grupo inteiro está solidário. Sabemos a dificuldade que ele vem passando. Entendemos que podemos contribuir com ele com mais coisas, mas vamos deixando ele no tempo dele. No momento ele fica mais com a família, recluso aos advogados. E a partir do momento que ele conversa conosco, abraçamos ele da melhor maneira possível. Afinal de contas, foi um fato isolado. Mas por trás desse fato ele é uma grande pessoa, um pai de família. O grupo é o mais acolhedor possível com ele”.

Auto-avaliação

“Avalio que venho fazendo uma sequência boa. Os erros que aconteceram fui o primeiro a colocá-los. Sempre converso com o treinador de goleiros e com o Diniz, sempre procuro tirar o máximo dos dois para que os erros cometidos não venham a acontecer. Mas de modo geral venho fazendo uma ótima sequência”.

Muriel

“Fico feliz com o Muriel comigo aqui. Nos criamos na base do Inter. Temos dez anos de convivência, passamos praticamente a infância inteira juntos, subimos ao profissional juntos. Quando soube que ele viria, conversamos. Quem ganha é o Flu. Sei da capacidade dele, sei que Flu espera bastante dele. Ele sabe também das disputas que terá aqui, do tamanho do clube”.

Desempenho x Resultado

“Estamos fazendo bons jogos e os números às vezes não correspondem. Hoje o mais importante para o Fluminense é somar pontos, ganhar partidas. Temos sim que jogar bem, continuar com a postura que estamos jogando, só que ganhando jogos. É uma cobrança interna nossa”.

Desfalques de Allan e Ganso

“São posições que vêm fazendo a diferença. Sabemos da qualidade do Allan e o quanto ele cresceu durante a temporada. Faz diferença dentro de campo. Entendo que temos jogadores que fazem a função dele. Todo mundo que entra vai manter o padrão de jogo que viemos mostrando. É torcer para quem entrar fazer o melhor jogo possível e que possa nos ajudar dentro de campo”.

Pressão sobre Fernando Diniz

“O grupo inteiro tem ciência. Sabemos que no Fluminense a pressão é grande. Viemos jogando bem, mas temos que focar em ganhar partidas, somar pontos. O Fluminense não pode ficar na situação que se encontra na tabela, temos que estar na parte de cima. Claro que a pressão sobre o treinador é grande. Mas o Diniz é um cara especial, nos trata com bastante atenção e carinho, independentemente da pressão que vem sofrendo. O grupo reconhece isso, abraça ele desde que chegou aqui. Nesse sentido, o grupo passa bastante tranquilidade para ele, para que possamos buscar os resultados que precisamos”.

Peso

“Não gosto muito de falar sobre essas coisas. Fui bastante cobrado desde o início. Hoje me encontro, sim, no meu peso. Pode pegar os números aqui. Sei da cobrança que tenho no Fluminense. Hoje me sinto titular no Fluminense, mas não me sinto acomodado. Procuro a cada dia melhorar mais, evoluir como pessoa. Após a parada pude voltar abaixo do peso. Não ligo muito para essas críticas. Procuro sempre focar no meu trabalho no dia a dia. Procuro tirar o máximo do preparador de goleiros, do Diniz. Sigo tranquilo, independentemente das críticas, me preocupo sempre no próximo jogo. Minha preocupação agora é o Vasco e é isso o que tenho que fazer”.

Agenor enaltece contratação de Muriel e afirma: “Vai nos ajudar muito”

Atual titular da meta tricolor, goleiro irá reencontrar companheiro; os dois atuaram juntos no Internacional

Foto: Lucas Merçon / FFC

Criticado por parte da torcida, Agenor ganhou forte concorrência no Fluminense. Com o doping de Rodolfo, o Tricolor agiu no mercado e anunciou a contratação de Muriel, irmão de Alisson, goleiro da Seleção Brasileira. O arqueiro, que foi revelado pelo Internacional e estava no Belenenses-POR assinou por três anos e meio com o clube das Laranjeiras.

Perguntado sobre o novo ‘concorrente’, Agenor mostrou-se bastante contente em rever o companheiro, com quem atuou no Colorado, e rasgou elogios ao jogador de 32 anos, que em janeiro superou nada menos do que Iker Casillas e foi eleito melhor goleiro do mês em Portugal.

“Fico feliz de estar trabalhando novamente com o Muriel. quem tem a ganhar é o Flu, porque ele é um baita de um goleiro. Sei que quando ele tiver a oportunidade, ele vai corresponder também. A contratação dele agrega valor ao grupo e vai nos ajudar muito”, afirmou.

Muriel durante treino aberto nas Laranjeiras (Foto: Lucas Merçon / FFC)

Por que não Marcos Felipe?

Após a liberação de De Amores e Rodolfo sendo flagrado no doping, o Fluminense viu em dois dias, suas quatro opções para o gol, sendo reduzida para apenas dois, sendo eles Agenor e Marcos Felipe.

Conforme o Canal Flu News vem noticiando, Walter, arqueiro do Corinthians, pode estar próximo de ser anunciado como o novo reforço para o gol tricolor. Porém, enquanto a chegada de um novo camisa um ainda não é oficializada e Agenor já mostrou que é um goleiro irregular, eis a pergunta: Por que não utilizar Marcos Felipe?

Atualmente com 23 anos, o jogador passou pelas categorias de base da seleção brasileira sub-17 e sub-20, atuando em nove e seis jogos, respectivamente por cada categoria.

Marcos em treinamento com a seleção sub-20 (Foto: GloboEsporte.com)

Em 2017, quando fez seu primeiro jogo como profissional ainda com Abel Braga no comando, Marcos defendeu um pênalti em jogo do Campeonato Carioca disputado contra o Volta Redonda, em Moça Bonita e na ocasião, o Flu ganhou por 3×0.

Em todo o seu período de Fluminense, apenas em 2015, ele saiu do clube e defendeu o Macaé por empréstimo. Lá, ele também chegou a defender algumas penalidades.

Marcos Felipe defende pênalti pelo Macaé na Série B em 2015 (Foto: GloboEsporte.com)

Muitos torcedores se questionam o porque ele nunca recebeu novas oportunidades no time tricolor. Até porque, um goleiro de nível de seleção de base, serve para o Brasil mas não serve para o Flu? Quem acompanha os vídeos de treinamentos divulgados pelo clube, observa-se que Marcos Felipe é um dos melhores fisicamente.

Você também é a favor de dar uma chance ao goleiro?

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Agenor e Fernando Diniz se livram de julgamento no STJD por expulsões contra o Bahia

Expulsos na derrota por 3 a 2 para o Bahia, pela 6ª rodada do Brasileirão, o goleiro Agenor e o técnico Fernando Diniz seriam julgados pelo STJD nesta sexta-feira. No entanto, advogado do Fluminense argumentou ao órgão que o clube não recebeu notificação dentro do prazo de 3 dias e livrou os tricolores dos tribunais.

Agenor se adiantou em pênalti naquele duelo e, de acordo com o Código Brasileiro de Justiça Desportivo (CBJD), impediu “de qualquer forma, em contrariedade às regras de disputa do jogo, uma oportunidade clara de gol”.
Poderia pegar gancho de três jogos.

Na ocasião, anulada a primeira cobrança, defendida pelo goleiro, o juiz autorizou uma segunda, já com Rodolfo debaixo das traves. Gilberto, dessa vez, marcou.

Por sua vez, o treinador havia sido indiciado por desrespeitar os árbitros e invadir o local reservado a eles, incluindo o campo. A suspensão poderia chegar a nove jogos, sendo seis pelo artigo 258 e três pelo 258-B.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Agenor agradece voto de confiança de Diniz e comenta sobre diretoria: “Tem que fazer a parte dela”

Goleiro tricolor despistou sobre questão política envolvendo o clube e frisou que os atletas se entregam e se empenham 100%

Foto: Lucas Merçon / FFC

Mesmo após a falha na derrota por 3 a 2 para o Bahia, Agenor foi mantido como titular da meta do Fluminense para o duelo decisivo contra o Cruzeiro pelas oitavas da Copa do Brasil. Mesmo com a eliminação nos pênaltis, o goleiro teve boa participação após defender a penalidade cobrada por Sassá no tempo normal. De acordo com o jogador de 29 anos, existem lições que podem ser tiradas do adeus tricolor, como por exemplo a necessidade de fazer um bom resultado dentro de casa, diferentemente do que aconteceu no Maracanã, quando o time de Fernando Diniz ficou apenas no empate em 1 a 1 com a equipe mineira.

“A maior lição que a gente tira é fazer o dever de casa. Temos de entrar ligados na partida. Foi uma eliminação que custou caro, temos de pegar lições para aplicar no Brasileiro”.

Agenor fez questão de agradecer o voto de confiança dado por Diniz. Para ele, a importância do treinador é enorme, tanto para o desenvolvimento do trabalho como para a superação após o erro cometido contra o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro.

“Eu agradeço a confiança do Diniz. Ele que me trouxe pra cá, já nos conhecemos há bastante tempo, com ele tentando me levar para outros clubes, mas isso não foi possível em outras ocasiões. Agradeço a confiança que ele vem me passando, os ensinamentos para o time. Na Bahia eu tive uma falha e reconheci esse meu erro, mas não é porque eu falhei lá, que isso vai me abalar de alguma maneira. São situações que a gente passa. Lá atrás ficamos expostos, então o erro vai ter mais destaque, só que eu fico tranquilo porque sei que eu posso ajudar ainda mais o time e fico feliz pela atuação, mas infelizmente não conseguimos nos classificar. Agora é pensar no Flamengo”.

Perguntado sobre qual será a escalação do Fluminense para o clássico contra o Flamengo, no próximo domingo (9), às 19h (de Brasília), no Maracanã, o goleiro desconversou e garantiu que tudo começará a ser definido no treinamento desta sexta, no CTPA.

“Não foi nos passado nada ainda (sobre a escalação). A partir de amanhã (sexta-feira) vamos trabalhar o time que joga o clássico. Mas quem entrar vai dar conta do recado”.

Por fim, Agenor comentou sobre a agitação que vive o clube das Laranjeiras neste momento. Seja no lado da política, já que no sábado (8) serão realizadas as eleições presidenciais, como no aspecto financeiro, onde existem débitos muito grandes a serem quitados com atletas e funcionários, como salários, direitos de imagem e CLT. O arqueiro afirmou que apesar de toda a polêmica, os jogadores vem fazendo sua parte, e que a diretoria deve fazer o mesmo.

“A eleição é do clube e somos do futebol. Cabe a nós ganharmos os jogos. Cabe à diretoria e ao presidente que entrar, resolver essas coisas extracampo. O grupo está ciente, mesmo com as dificuldades, estamos correspondendo. Apesar da classificação não ter vindo, não faltou empenho e entrega. Mais importante é a gente separar que, o time está lutando dentro de campo, e a diretoria tem que fazer a parte dela”.

Agenor analisa atuação do Fluminense contra o Atlético Nacional: “Jogamos da maneira que tinha que jogar”

Goleiro tricolor afirmou que time se postou bem e descartou qualquer relaxamento mesmo com a grande vantagem no agregado do confronto

Foto: Lucas Merçon / FFC

Após aplicar uma goleada de 4 a 1 sobre o Atlético Nacional no Maracanã, o Fluminense foi para o jogo da volta com uma ampla vantagem sobre o adversário. Em Medellín, o time de Fernando Diniz sofreu um gol logo nos minutos iniciais, mas soube fazer valer a superioridade no placar agregado e, mesmo abdicando de seu estilo de jogo, saiu de campo classificado. Depois da partida, o goleiro Agenor analisou a atuação da equipe e descartou qualquer relaxamento por parte dos jogadores. De acordo com ele, a dificuldade que foi imposta pelos colombianos já era esperada.

“A gente sabia que a partida aqui seria difícil, sabíamos da qualidade do Atlético Nacional e em nenhum momento, nos sentimos cômodos na partida. Jogamos da maneira que tinha que jogar, criamos algumas situações de gol e ali atrás, o time se portou bem e conseguimos sair com a classificação”.

Nas oitavas da Sul-Americana, o Fluminense enfrentará o tradicional Penãrol-URU. A primeira partida será no Uruguai e a segunda no Brasil, no Maracanã. O elenco tricolor segue na Colômbia até a madrugada de sexta-feira, quando viaja para Curitiba, onde visita o Athletico-PR pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

Apesar da falha, Agenor deve seguir titular do gol Tricolor

Foto: Mailson Santana/FFC

Titular das últimas três partidas do Fluminense na temporada, o goleiro Agenor viveu um dia pra se esquecer na última rodada, contra o Bahia.

O goleiro que falhou no segundo gol da equipe baiana, quando foi desarmado pelo atacante Gilberto após tentar driblar o jogador adversário, ainda foi expulso no segundo tempo quando tomou um amarelo por reclamação no pênalti marcado para o Bahia e logo na sequência ter levado o segundo cartão por se adiantar na cobrança, deve ser mantido como titular do gol Tricolor na partida desta quarta-feira (29) diante do Atlético Nacional, da Colômbia, pelo jogo de volta da segunda fase da Copa Sul-Americana.

Assim como fez com Rodolfo, que foi mantido como titular mesmo após algumas falhas, a comissão técnica pretende manter Agenor para dar moral ao goleiro e não queima-lo junto ao torcedor.

Vale destacar que o arqueiro sofreu gols em todas as partidas que disputou – derrota de 3 a 2 para o Flamengo; vitórias de 4 a 1 diante do Cruzeiro e Atlético Nacional, e na derrota de 3 a 2 para o Bahia.

Vale destacar ainda que no próximo domingo (2), na partida contra o Athletico Paranaense, o goleiro terá que ser obrigatoriamente substituido por estar suspenso pelo cartao vermelho levado na partida anterior.

Agenor falha, é expulso, e Fluminense perde para o Bahia por 3 a 2

Embalado com a goleada na Sul-Americana, o Fluminense não repetiu nesse domingo a atuação que encantou o Maracanã no meio de semana. Foi à Arena Fonte Nova enfrentar o Bahia pela 6ª rodada do Brasileirão e, especialmente por conta de falhas individuais, sofreu sua quarta derrota no campeonato.

É verdade que Fernando Diniz contou com o importante retorno de Pedro, recuperado de pancada na perna esquerda. Por outro lado, Allan e Luciano, suspensos, não viajaram a Salvador. Desgastado pela sequência de jogos, Paulo Henrique Ganso começou no banco. Assim, o meio-campo, com Daniel e Léo Artur discretos no primeiro tempo, perdeu em criatividade.

Apesar de possuir o controle da posse de bola, o Tricolor esbarrou na marcação alta. Até por isso, a maioria dos passes era trocada entre os zagueiros e o estreante volante Yuri.

Eram poucas chances para ambos os lados. Bastou um contra-ataque com a zaga desarrumada para Artur abrir o placar para os donos da casa. A resposta veio em seguida, com Pedro cobrando pênalti em cima de Yony González.

Seguindo à risca a proposta de saída de bola de pé em pé, o goleiro Agenor acabou se complicando algumas vezes. Insistiu e, numa terceira oportunidade, foi desarmado por Gilberto, que recolocou o Bahia em vantagem: 2 a 1.

“Não foi falha. Eles têm esse método de trabalho, têm confiança em fazer. Tenho que pressionar mesmo, forçá-los a tomar a decisão errada”, disse Gilberto após o fim da etapa inicial.

Na volta do intervalo, Diniz apostou em Ganso e Marcos Paulo para buscar, ao menos, o empate. Não deu tempo nem de esboçar reação: o juiz, com auxílio do VAR, assinalou penalidade para o Bahia alegando toque no braço de Gilberto.

O xará do lateral-direito bateu para defesa de Agenor. Mas o goleiro, segundo a arbitragem, se adiantou. Logo, o juiz mandou repetir a cobrança e ainda aplicou o segundo amarelo para o arqueiro, que acabara de ser advertido por reclamação. Na segunda tentativa, com Rodolfo debaixo das traves, o atacante fez 3 a 1.

A injeção de esperança nos tricolores saiu dos pés do xodó João Pedro. Ele pegou rebote dado pelo goleiro do Bahia, Douglas, depois de cobrança de falta de Ganso: 3 a 2. Entretanto, o Fluminense parou por aí, mesmo com o acréscimo de 8 minutos.

Sem passar no Rio, a delegação viaja para a Colômbia, onde reencontra o Atlético Nacional na quarta-feira em busca da confirmação da vaga nas oitavas da Sula. No Brasileirão, o próximo compromisso é domingo que vem, contra o Athlético-PR, na Arena da Baixada. Com apenas 6 pontos, o Time de Guerreiros encerra a rodada na 14ª posição.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Agora titular, Agenor rasga elogios a João Pedro e destaca bons resultados do Fluminense

Goleiro também fez questão de enaltecer Rodolfo e Marcos Felipe, seus companheiros de posição no Tricolor carioca

Foto: Mailson Santana / FFC

Desde que assumiu a titularidade no Fluminense, Agenor viu a equipe elevar o nível de atuação e aplicar duas goleadas em sequência: 4 a 1 contra Cruzeiro (Brasileirão) e Atlético Nacional-COL (Copa Sul-Americana). Com atuações seguras, o goleiro substituiu bem Rodolfo, criticado por parte da torcida, e segue na busca de se firmar no gol tricolor. Porém, de acordo com o arqueiro, a equipe não pode ‘relaxar’ pela boa fase e deve seguir trabalhando para conquistar mais resultados positivos.

“O Brasil inteiro já olha o Fluminense de outra maneira. Mas a gente não pode cair em armadilha, tem de trabalhar. Temos de pensar que o Brasileiro é longo e precisa de regularidade”.

Agenor aproveitou para comemorar a titularidade no time de Fernando Diniz, mas também fez questão de enaltecer Rodolfo e Marcos Felipe, seus companheiros de posição. Ele afirmou que qualquer um que estiver em campo estará apto para defender o Fluminense.

“Fico feliz de ter entrado, a equipe ter ganhado jogos e jogado bem, acima de tudo. Me sentir titular, confesso que não. Temos que sentir jogo a jogo. Próxima partida se tiver de jogar vou dar 100%. Quem escala é o Diniz. Se o Rodolfo ou Marcos Felipe jogarem, certamente Fluminense estará bem servido também”.

Perguntado sobre João Pedro, o goleiro rasgou elogios a joia tricolor, decisivo nas últimas três partidas. De acordo com o atleta de 29 anos, o jovem tem uma ótima cabeça, porém não pode ser ‘mimado’ e sim motivado para continuar trabalhando e evoluindo.

“Todo mundo sabe da qualidade dele no dia a dia. Cabe a nós mais velhos tentar segurar a euforia dele para que a cada jogo possa crescer ainda mais. Vai ter um baita futuro pela frente, cabe a ele a cada jogo amadurecer ainda mais. Cabe a quem está de fora não ficar mimando muito ele, pode contagiar de uma forma negativa. Tem um futuro brilhante pela frente. Se continuar com essa cabeça que tem no dia a dia, tem muito a crescer. Só depende dele. Temos de dar o suporte, aproveitar o momento que ele está aqui e tirar o máximo de proveito”.

Agenor aproveitou a coletiva para agradecer o apoio da torcida, que encheu o Maracanã na última quinta-feira e apoiou o time durante os 90 minutos.

“Motivação que torcedor tem nos passado a cada jogo é o reflexo do que estamos fazendo no campo, o time vem numa crescente muito boa, em um momento importante do ano, isso contagia todo mundo, não só o torcedor mas a gente também. É super importante ter esse apoio”.

Por fim, o titular da meta tricolor analisou o esquema tático imposto por Fernando Diniz e destacou que o mesmo é essencial para o bom desempenho futebolístico que o elenco vem apresentando nos jogos.

“O esquema tático favorece o time como um todo. Claro que tem situação de jogo que a gente tinha posse de bola, os números altos, mas não fazia o gol. Agora tem feito a diferença que a bola está entrando, ressaltando ainda mais o nosso trabalho. Lógico que estamos aproveitando a fase do menino que está entrando”.

Agenor agrada e deve ser mantido entre os titulares

Foto: FFC

Agenor realizou contra o Cruzeiro sua segunda partida com a camisa tricolor, na primeira com um time alternativo o Flu perdeu para o Flamengo por 3 a 2, diante do time mineiro foi diferente, Vitória tricolor por 4 a 1 deixando Fernando Diniz satisfeito.

“O Rodolfo é um goleiro muito especial, vencedor. Por tudo o que ele passou na vida. O Agenor também estava precisando voltar, porque tem um potencial muito grande. Ele estava pronto e foi muito bem. Temos dois goleiros e contamos com os dois” comentou Fernando Diniz.

Na avaliação da comissão técnica, Agenor se mostrou muito seguro quando foi exigido e deve ser mantido para a partida diante do Atlético Nacional da Colômbia pela Copa Sulamericana. O goleiro projetou o confronto destacando a confiança do time após a grande vitória sobre o Cruzeiro.

“O torcedor estava vendo os números, mas não estava vendo os resultados dentro de campo, que são as vitórias. Acho que contra o Cruzeiro na quarta-feira passada ficou escancarado a nossa superioridade. Agora traduzimos a superioridade em gols. Então isso motiva mais o nosso time e os torcedores. Sabemos que vamos ter um jogo difícil, mas temos que fazer nosso dever de casa. É uma partida de 180 minutos e precisamos avançar”

O elenco iniciou nesta segunda-feira a preparação para a partida da competição sulamericana, vale lembrar que o Flu não terá Pedro que não foi inscrito.

ST,

Guga Assis

Top