fbpx

Eleições do Flu devem ocorrer em março

Foto: Divulgação/FFC
Depois de convocada, o prazo para o pleito é de 30 dias.

Já se passou mais de um mês que a Assembléia Geral ocorrida no salão nobre das Laranjeiras aprovou a antecipação das eleições. De lá pra cá, pouca coisa mudou e, o torcedor quer saber: quando será de fato a eleição ?

De acordo com informações do portal Extra, o assunto segue na pauta da diretoria Tricolor que trabalha com a possibilidade de convocar as novas eleições para o último sábado de março.

O portal afirma ainda que a Ata da assembléia já foi registrada em cartório com as devidas alterações do estatuto já modificadas. Feita as devidas alterações, resta agora o anúncio por parte do Presidente Pedro Abad.

Maioria apoia mudança estatutária, e eleição no Fluminense será remarcada

Convocada por Pedro Abad para promover uma mudança no estatuto, a Assembleia Geral ocorreu durante este sábado, nas Laranjeiras, e aprovou a antecipação da eleição, prevista, inicialmente, para novembro. A tendência é que seja remarcada para março. 

– O processo se desenrola de uma forma que precisa ser respeitado. O primeiro passo é registrar essa ata no Registro Civil de Pessoa Jurídica. Depois, sim, podemos divulgar a data da nova eleição. O pessoal trabalhou pesado para fazer esta assembleia em tempo recorde. Precisamos reorganizar o clube para fazer uma outra. Então, não pode ser em um prazo extremamente curto pois os candidatos precisam montar as suas chapas. Um mínimo de apresentação das suas plataformas. Será da forma mais célere que pudermos fazer. Tenho a data que eu quero na cabeça, mas, por respeito ao processo, ela ficará guardada por enquanto – revelou o presidente.

Eram 10.501 sócios aptos a votar. Porém, apenas 994, ou seja, menos de 10% se encaminharam à sede para expressar seu posicionamento quanto à proposta, que divide opiniões entre os personagens mais influentes na política do clube. Foram 812 favoráveis e 179 contrários à antecipação. Houve três nulos. 

A votação terminou às 18h, mas a apuração levou algum tempo até ser iniciada e, depois, concluída. Os sócios assinalaram a opção desejada em uma cédula de papel, colocada numa urna. O resultado saiu por volta de 19h10. 

Oposicionistas até ensaiaram um pedido de recontagem dos votos, mas recuaram da ideia. A assembleia, inclusive, pode virar alvo de ações judiciais, sob a alegação de suposto desrespeito ao estatuto. 

Letícia Tavares, sócia que impetrou processos contra o Fluminense para cancelar a Assembleia Geral, disse que recebeu a carta de convocação para votar e, ao chegar ao local, acabou impedida, uma vez que ainda não tem o tempo mínimo de associação. A reclamação se junta a mais sete ocorrências registradas em ata, segundo o presidente do Conselho Deliberativo, Fernando Leite.

– Existem alguns protestos na ata que devem ser analisados. Pedi a um tabelião para fazer a ata para termos transparências. Alguns sócios reclamaram. Fiz a minha parte de comandar a assembleia. Em dez dias, a ata fica pronta e, apartir daí, o presidente do clube, caso não haja objeção, tomará as providências que achar – declarou.

Pedro Abad deixou seu voto na urna às 11h50 e acompanhou o processo ao longo do dia. Mário Bittencourt, Ricardo Tenório e Celso Barros, o triunvirato que montará chapa para a próxima corrida eleitoral, compareceram à sede. Assim como Pedro Antônio e Cacá Cardoso, que se declararam contra a alteração estatutária. 

— É um passo importante para que o Fluminense possa reconstruir sua história, se recolocar nos caminhos das vitórias, se reconstruir como gigante do futebol brasileiro e resgatar sua alma. Acho que foi muito importante esse primeiro passo. O segundo é a eleição que, possivelmente, vai ser em março — avaliou Mário Bittencourt, em entrevista à VAVEL.

Publicado por: Nicholas Rodrigues.


LEIA MAIS: Pedro Antônio vê renúncia como saída ideal e discorda de Assembleia; “Sou contra rasgar o estatuto”

LEIA MAIS: Ricardo Tenório aprova Assembleia Geral: “Fluminense não aguenta duas eleições num só ano”

 

Pedro Antônio vê renúncia como saída ideal e discorda de Assembleia: “Sou contra rasgar o estatuto”

Pedro Antônio compareceu às Laranjeiras neste sábado para acompanhar a Assembleia Geral, que ocorre desde 9h e se encerrará às 18h. O ex-conselheiro conversou com o Canal FluNews e se posicionou contra a mudança no estatuto sugerida por Pedro Abad. 

– Eu respeito o estatuto. Quem não respeitar a constituição máxima do Fluminense, que é o estatuto, não vai respeitar mais nada – disparou. 

Para o responsável pelas obras no Centro de Treinamento, na Barra, a opção ideal para o Fluminense seria a renúncia do presidente, possibilidade que está descartada.

– O mais importante é que eu sou a favor que o presidente saia. Ele já devia ter saído em dezembro, na reunião (na qual Abad expôs a proposta de antecipação da eleição). Se ele renunciasse, no dia de hoje, poderíamos estar votando um novo presidente – disse.

Pedro Antônio conversa com torcedores nas Laranjeiras. (Foto: Nicholas Rodrigues/Canal FluNews)

Pedro Antônio não assegurou sua candidatura à presidência, mas diz que vem observando possíveis cenários. Questionado sobre um eventual grupo ao qual se filiaria, ele despistou.

— Estou analisando. Vamos ver o resultado agora, como é que seria, quais são as situações. Só tenho um grupo, que se chama Fluminense.

Publicado por: Nicholas Rodrigues.


LEIA MAIS:Ricardo Tenório aprova Assembleia Geral: “Fluminense não aguenta duas eleições num só ano”

LEIA MAIS: Maioria apoia mudança estatutária, e eleição no Fluminense será remarcada

Conselho vota contra, mas Assembleia Geral está confirmada para o dia 26

Em reunião nesta terça-feira, nas Laranjeiras, a maioria dos conselheiros se posicionou contra a Assembleia Geral convocada por Pedro Abad e marcada para sábado, dia 26. A intenção é remarcar a eleição, inicialmente prevista para novembro, para março.

Enquanto 36 membros do Conselho votaram a favor, 43 discordam da decisão do presidente. O placar adverso, porém, não impede a realização da assembleia. Por outro lado, pode ser usado em eventuais ações judiciais.

Favoráveis à Assembleia Geral: Pessoas ligadas à Flusócio, aos Esportes Olímpicos e a Mário Bittencourt, que pretende montar chapa com Celso Barros e Ricardo Tenório.

Contrários à Assembleia Geral: membros da coalizão Unido e Forte, que deixou a gestão em maio de 2018 para se tornar oposição. Formado por Flu 2050, Por Amor ao Fluminense, MR21 e o Esperança Tricolor, o grupo é representado por Cacá Cardoso e Diogo Bueno.

Fernando Leite explicou que marcou o encontro “para dar voz ao Conselho”, uma vez que entende que a assembleia deveria passar primeiro pelos conselheiros. Ele prometeu disponibilizar a ata da sessão para aqueles que desejarem levar o caso à Justiça.

A principal argumentação é a de que a medida fere o estatuto, que prevê que alterações eleitorais só podem valer a partir do mandato seguinte.

Os oposicionistas acusam supostos furos na convocação da assembleia e, baseados em documentos, afirmam que sócios sem o tempo mínimo para voto receberam a chamada para o evento.

“Sócios maiores de 16 (dezesseis) anos, pertencentes ao Quadro Social há mais de 1 (um) ano e há mais de 2 (dois) anos para a categoria de Sócio-Futebol, ambos, ininterruptamente, e em situação regular com o Clube”, diz o estatuto sobre as condições para participar do processo.

Por sua vez, os situacionistas consideram que a mudança estatutária é a única solução para impedir duas eleições num só ano. Aliada a Abad, a Flusócio buscou levar o máximo de integrantes para a votação, no objetivo de vencê-la. No entanto, acabou derrotada no que vê como um fato político criado pela oposição.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Torcedora tem ação judicial negada e Assembléia no Flu é mantida

foto: Divulgação

A ação judicial que visava impedir a Assembléia que irá votar por uma antecipação na eleição do Flu foi rejeitada pela juíza Sylvia Therezinha Hausen de Area Leao, que entendeu que uma possível antecipação da eleição tem total valor legal se for aprovada pela Assembléia.

A magistrada salienta ainda que tal Assembléia não se trata de uma alteração no estatuto.

Vale destacar que o Fluminense através de suas mídias sociais confirmou a realização da AGE para o dia 26 de janeiro. Confirmação essa antes mesmo do resultado ser despachado.

Fluminense confirma Assembléia que tenta antecipar eleição

Apesar da ação judicial que tenta impedir a antecipação da eleição – informação dada em primeira mão pelo Canal Flunews – o Fluminense através de seus canais oficiais, confirmou a realização da assembléia que irá acontecer no próximo dia 26 de janeiro.

Tal assembleia tem como objetivo a reforma do estatuto para que possa antecipar as eleições.

Contudo, vale destacar, que a ação judicial, tem como objetivo a não antecipação da eleição por conta de impedir que os novos sócios estejam aptos a votar. Porém, a torcedora ainda manifesta o desejo da saída imediata do atual presidente, Pedro Abad, mas através da renuncia do mesmo.

Top