fbpx

Há 12 anos Tricolor despachava o Boca Juniors e avançava à final da Libertadores

No dia 4 de junho de 2008, o Tricolor encarava o então atual campeão das Américas, pela partida de volta da semi-final da Libertadores, em um Maracanã pulsante.
Após empate heroico por 2 a 2 na La Bobonera, quase 85 mil torcedores empurraram a equipe, que para avançar a decisão bastava apenas uma simples vitória ou empate inferior ao placar do jogo de ida (0 a 0 e 1 a 1).

Depois de um primeiro tempo sem gols, todos os Tricolores ficaram apreensivos logo no início da segunda etapa, quando Palermo abriu o placar, aos 12′ minutos. Sem sentir o baque o Flu foi pra cima e cinco minutos depois (aos 17′) Washington, de falta, igualou o placar.
A partir daí o Maracanã pulsou sob o canto “Horto Mágico”, definitivamente a torcida Tricolor se tornou o décimo segundo jogador naquela noite, foi quando aos 26′ minutos, Conca, virou o placar para o Flu.
Precisando buscar o resultado, o time argentino saiu pro jogo, mas o time comandado por Renato Gaúcho conseguiu administrar a partida. E no apagar das luzes, após saída errada da defesa do Boca, Dodô, aos 47′ minutos, fechou o caixão e sacramentou a classificação para a finalíssima contra a LDU.

Ficha técnica de Fluminense 3 x 1 Boca Juniors – Libertadores 2008

FLUMINENSE: Fernando Henrique, Gabriel, Thiago Silva, Luiz Alberto e Junior Cesar; Ygor (Dodô), Arouca, Cícero, Conca e Thiago Neves (Maurício); Washington (Roger).

Técnico: Renato Gaúcho.

BOCA JUNIORS: Migliore, Ibarra, Cáceres, Paletta e Rodrigues (Boselli); Battaglia, Vargas (Ledesma), Dátolo (Chávez) e Riquelme; Palácio e Palermo.

Técnico: Carlos Ischia

Confira os melhores momentos

Foto: Divulgação

Você lembra? Há sete anos atrás, Fluminense vencia o Boca Juniors na Bombonera

Foto: Nelson Perez / FFC

Pela fase de grupos da Libertadores de 2012, o Tricolor conseguiu um resultado histórico em território argentino

Era dia 07 de março de 2012. Com um elenco recheado de estrelas, o Fluminense entrava na temida La Bombonera para enfrentar um Boca Juniors invicto há 36 jogos. A partida era válida pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores daquele ano. Contando com uma grande atuação da dupla Deco e Fred, o Tricolor das Laranjeiras – algoz dos ‘hermanos’ na competição em 2008 -, venceu por 2 a 1 e entrou para a história como um dos poucos brasileiros a bater os ‘xeneizes’ em território argentino.

Após cobrança de falta de Deco, Fred subiu mais que a defesa adversária e abriu o placar para o Fluminense, levando os mais de três mil tricolores ao delírio. Jogando melhor que o Boca, o time do técnico Abel Braga sofreu uma ‘blitz’ no final do primeiro tempo, mas viu em Diego Cavalieri um salvador naquela noite. Porém, no início da segunda etapa, os ‘xeneizes’ conseguiram o empate com Somoza, que aproveitou-se de uma cobrança de falta de Riquelme que bateu na trave e sobrou limpa para o volante argentino.

Apesar de ter sofrido o empate e ver a torcida adversária cantar ininterruptamente, o Fluminense não se intimidou e mostrou porque era a equipe do momento. Aos 10 minutos, veio o gol da vitória. Cavalieri cobrou tiro de meta, Fred desviou e a bola sobrou para o veloz Wellington Nem, que avançou e cruzou na medida para Deco estufar as redes do Boca. Fluzão 2 a 1 em plena Bombonera.

O jogo seguiu lá e cá, com o Tricolor carioca se mantendo no ataque e não deixando os argentinos gostarem do jogo. Nos minutos finais, assim como foi na etapa inicial, o Boca Juniors passou a pressionar, mas esbarrou novamente em grandes defesas de Cavalieri. Aos 47, a bola sobrou limpa para Riquelme, que arrematou firme em direção ao gol. Foi então que Digão se jogou na frente e evitou que o craque deixasse tudo igual novamente.

No fim, triunfo histórico para o Fluminense, que se lançou de vez como um dos favoritos a conquistar a Taça Libertadores em 2012. Entretanto, a campanha naquele ano não terminou de maneira feliz. O responsável pela eliminação do clube das Laranjeiras foi exatamente o Boca Juniors, que venceu o jogo de ida das quartas de final por 1 a 0, na mesma Bombonera, e arrancou um empate por 1 a 1 no Engenhão, com um gol de Santiago Silva aos 45 do segundo tempo. Em contrapartida, o time de Abel Braga sagrou-se campeão brasileiro naquele ano.

Top