fbpx

Fluminense vence Botafogo com gol de Yony González e respira na briga contra o rebaixamento

Na estreia de Marcão como técnico oficial, o Fluminense venceu o Botafogo no Nilton Santos, por 1 a 0, com gol de Yony González, de cabeça, aos 34′ de um primeiro tempo de pouquíssimas chances para ambos os lados. O colombiano, servido por cruzamento de Gilberto, deu fim a jejum de dois meses sem marcar – desde o triunfo por 2 a 1 sobre o Internacional, no Maracanã – e comemorou se “limpando” da “zica”.

— Gol importante para mim, Yony e equipe inteira. É sempre importante ganhar um clássico. Aumenta a moral do time e da torcida — disse Gilberto, no intervalo.

Na segunda etapa, o Tricolor construiu boas jogadas em contra-ataques. Wellington Nem e João Pedro, no fim, chegaram a ficar cara a cara com o goleiro Gatito Fernandéz, mas não liquidaram o Clássico Vovô. O arqueiro alvinegro, inclusive, ainda precisou trabalhar quando Yony finalizou após tirar o zagueiro Gabriel para dançar dentro da área.

Embora estivesse bastante presente no campo do Time de Guerreiros, o rival pouco ameaçou Muriel. Ele, porém, entrou em ação para espalmar cabeçada perigosa de Rodrigo Pimpão, num momento de maior pressão.

O resultado leva o clube das Laranjeiras à 15ª colocação, com 25 pontos – momentaneamente, cinco acima do Z-4, cujo primeiro integrante é o Cruzeiro, próximo adversário, quarta-feira, no Mineirão.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Muriel é eleito “melhor” jogador do Flu em setembro

Foto: Mailson Santana/FFC

As boas atuações de Muriel pelo Fluminense foram reconhecidas não só pela Torcida Tricolor, como também pela CBF, que elegeu o goleiro como melhor atleta do Flu durante o mês de setembro.

O goleiro foi realmente o destaque do Fluzão, garantindo resultados importantes ao time como por exemplo nos dois últimos jogos quando foi fundamental no empate em 1 a 1 contra o Santos e 2 a 1 contra o Grêmio, fazendo grande defesas durante a partida.

O jogador ainda teve uma partida memorável, quando fez uma atuação de gala na partida a contra o Fortaleza, que terminou 1 a 0 para o Flu e Muriel fez uma das maiores atuações individuais desta edição do Brasileirão.

Craque do jogo, Muriel comemora triunfo sobre o Grêmio e elogia postura do Flu: “Raça não pode faltar”

Goleiro tricolor voltou a se destacar com boas defesas e, após a partida, fez questão de dividir os méritos com os demais companheiros

Foto: Lucas Merçon / FFC

Contratado para solucionar o problema no gol do Fluminense, Muriel vem se destacando com defesas importantíssimas cada vez mais. Na vitória por 2 a 1 sobre o Grêmio, o goleiro fez duas boas intervenções e, mesmo sendo vazado no final, levou o prêmio de ‘craque do jogo’ da TV Globo, onde internautas e os próprios comentaristas selecionam o melhor da partida.

Após o triunfo, o arqueiro agradeceu o prêmio e fez questão de dividir o mérito com os companheiros. Além disso, aproveitou para enaltecer a postura da equipe durante os 90 minutos.

“Agradeço a escolha. Qualquer jogador merecia. Não precisávamos sofrer gol no final, mas com a vantagem conseguimos vencer. Momento difícil requer que a gente seja ainda mais forte. Precisamos de todos. Que todos deem o máximo dentro e fora de campo. Que possa ser um marco para os próximos jogos. Às vezes a gente não vai jogar bem, mas essa entrega, essa raça não pode faltar”.

Perguntado sobre a invasão de torcedores no CTPA no último sábado, Muriel disse aceitar a cobrança dos tricolores e afirmou a necessidade de pegar esse episódio e tirar proveito para melhorar dentro de campo.

“A gente aceita a cobrança do torcedor, foram lá outras vezes e conversamos com eles. Mas a gente também não pode generalizar, não foi a torcida do Fluminense, foram algumas pessoas. E nós temos que focar na nossa parte. Temos que dar o máximo, tirar proveito dessa situação, ter mais força ainda e diminuir a margem de erro”.

Oswaldo vê queda de rendimento após 1º gol do Goiás e analisa mês à frente do Fluminense: “Faço o melhor que posso”

Oswaldo de Oliveira demorou a aparecer na zona mista do Serra Dourada para dar explicações sobre a goleada sofrida para o Goiás, por 3 a 0. Ele saiu do vestiário depois dos jogadores e dos dirigentes Mário Bittencourt e Celso Barros. Na análise do jogo, afirmou que o gol marcado por Michael, aos 11′ do primeiro tempo, pôs fim ao que definiu como “melhor início de partida” da equipe.

— Começamos o jogo muito bem, com tudo sob controle. Cometemos erro no primeiro gol e isso acabou tirando a concentração do time. A equipe não conseguiu se encontrar mais. Tentamos revitalizar no intervalo. Em outros dois erros, acabamos dando a chance para o Goiás vencer a partida. Foi o nosso melhor início de partida e, por mais irônico que possa parecer, o pior fim. Nosso time não se encontrou, não se organizou. Estamos tentando resolver essa oscilação. Após o jogo contra o Fortaleza, aconteceu o mesmo diante do Palmeiras. E, hoje, aconteceu após termos vencido o Corinthians. É uma alternância que não pode acontecer.

Nesse fim de semana, Oswaldo completou um mês no comando do Fluminense em sua segunda passagem pelas Laranjeiras. Contratado para substituir Fernando Diniz, dispensado pela má campanha, o treinador de 68 anos venceu duas, empatou uma e perdeu três vezes.

— Faz um mês que cheguei. Hoje foi o sétimo jogo (sexto com ele à beira do campo).  Aconteceu comigo em outras equipes de perder o sétimo jogo, mas ganhar os seis anteriores. Tem muitas situações que não se consegue resolver com um mês de trabalho e sem poder fazer as escolhas que se gostaria. Tento solucionar e fazer o melhor que eu posso. Todos estamos empenhados em melhorar o time – disse.

Em se tratando de um adversário direto na briga contra o rebaixamento, o revés tem um gosto ainda mais amargo para o Tricolor. Com 18 pontos, o time voltou à 17ª posição. Está a um ponto do CSA, o primeiro acima do Z-4.

— Temos de procurar vencer todo e qualquer jogo. Mas hoje era especial. Trabalhamos isso durante a semana, passei isso com veemência, mas, infelizmente, não conseguimos reagir. O Goiás tem bons jogadores e um excelente treinador. Não vinha passando por um bom momento, mas nós não soubemos aproveitar – concluiu o técnico.


LEIA MAIS DA ENTREVISTA DE OSWALDO DE OLIVEIRA:

Pouco tempo à frente do Fluminense: “Cheguei aqui e encontrei a equipe formada e com uma situação que estamos tentamos resolver. Isso já aconteceu em outras oportunidades que, com esse tempo, conseguimos resolver”.

Baixa produtividade: “É uma circunstância dessa situação toda. Eu não programo que o time não chute. Pelo contrário. A gente trabalha muito. Hoje, infelizmente, não conseguimos. Aconteceu de chutar muito em outros jogos”.

Substituições: “Risco que tínhamos de correr. Estávamos perdendo o jogo e o time tinha um a menos. A partir daí, fiz as alterações”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

De volta ao Z-4, Fluminense é goleado pelo Goiás por 3 a 0

A primeira rodada do returno, devido ao triunfo do CSA sobre o Ceará, recolocou o Fluminense na zona de rebaixamento sem que ele entrasse em campo. O cenário ficou ainda mais complicado com a goleada para o Goiás, no Serra Dourada, por 3 a 0.

Pressionado, o Time de Guerreiros não sentiu o calor dos empolgados tricolores na arquibancada e começou mal o jogo desse domingo. Aos 11′, Digão e Frazan “bateram cabeça” e deixaram a bola para Kayke, que chutou para grande defesa de Muriel. Michael marcou na sobra.

Abatido pelo gol, o Tricolor encontrou no caminho o nervosismo. Como consequência, surgiram erros de quem menos se esperava, como Allan, e de quem já se imaginava, como Gilberto.

Só aos 40′ saiu a primeira finalização da equipe carioca, com João Pedro isolando a redondinha. Na saída para o intervalo, Nenê indicou como deveria ser a postura no segundo tempo. “Tem de mover a bola mais rápido. Se ficarmos estáticos, não vamos criar jogadas nem entrar na defesa deles”, disse.

O discurso de nada adiantou. Ainda era o Goiás quem mandava no duelo, que caiu de vez nas mãos esmeraldinas após o gol de cabeça de Rafael Vaz, aos 20′ da etapa decisiva.

Nem com um homem a mais a partir dos 35′, depois da expulsão de Breno, o Fluminense encontrou forças para reagir. De um lado, somente João Pedro e Allan protagonizaram suas jogadas de perigo.

Por outro lado, o adversário seguia dando trabalho a Muriel nas finalizações de Kayke, Michael e Breno. Até que chegou ao terceiro gol, com Yago encobrindo o goleiro, em contra-ataque que nasceu de erro de passe de Nenê. Nos minutos finais, ouviu-se gritos de “Olé” dos torcedores da casa.

Na 17ª colocação com 18 pontos, o clube das Laranjeiras enfrenta, na próxima rodada, o Santos, quinta-feira, na volta ao Maracanã após mais de vinte dias.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Nenê e João Pedro celebram parceria, e meia elogia: “Time se entregou o jogo inteiro”

Abraçados, Nenê e João Pedro falaram à imprensa após o fim do jogo contra o Corinthians, derrotado por 1 a 0 no Mané Garrincha. A dupla celebrou a parceria em campo e destacou a “força do grupo” como elemento crucial na briga contra o rebaixamento. O Fluminense, ainda em busca de maior tranquilidade no Brasileirão, ocupa a 16ª colocação, com 18 pontos.

— Fiquei satisfeito com o resultado, o time se entregou o tempo inteiro. João Pedro era o centroavante e ajudou várias vezes lá atrás. O time está junto, a intensidade melhorou. O time mereceu. Fico feliz de ajudar esse moleque e ele me ajudar – disse o meia.

— Nenê é um excelente jogador, então jogar ao lado dele deixa tudo mais fácil. É a força do grupo. Mostramos mais uma vez que, jogando juntos, vamos conquistar os resultados, o mais importante para a gente sair dessa situação – afirmou o centroavante.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Allan destaca alívio após triunfo e mira arrancada no Brasileirão: “Agora, engrenamos”

O Fluminense saiu da zona de rebaixamento e quebrou a invencibilidade de 14 jogos do Corinthians com o triunfo desse domingo, por 1 a 0, no Mané Garrincha. Na saída de campo, Allan exaltou o desempenhos dos companheiros e disse confiar em arrancada no Brasileirão.

— Não só a minha (atuação foi boa), mas a de todos. Muita dedicação, acho que a gente tem que jogar assim todos os jogos, com o coração mesmo. Nosso momento não é dos melhores, mas a gente vai sair dessa. Se Deus quiser, vamos dar continuidade e vai dar tudo certo. Agora, engrenamos.

Para esse jogo, Oswaldo de Oliveira apostou numa escalação diferente da habitual. Pôs Yuri ao lado de Allan para liberar Paulo Henrique Ganso, autor do gol, para mais próximo da área. Tal esquema, de acordo com o técnico, demorou a ser usado por ausência de jogadores por lesão.

— Hoje usamos essa formação diferente, a primeira vez que a gente joga assim nessa temporada. Temos que ajustar umas coisinhas, mas hoje foi um ufa. Não dá muito para comemorar essa vitória, foi um ufa mesmo — concluiu Allan.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top