fbpx

Daniel defende Diniz e vê jogadores como principais culpados: “A gente que entra dentro de campo”

Meia tricolor também foi alvo de protestos da torcida na derrota por 1 a 0 para o CSA em pleno Maracanã

Foto: Lucas Merçon / FFC

Neste último domingo, o Fluminense perdeu por 1 a 0 para o CSA no Maracanã e viu a situação no Brasileirão ir de mal a pior. Com a derrota, o Tricolor entrou novamente na zona de rebaixamento e, com as vitórias de Cruzeiro e Chapecoense, caiu para a 18ª posição, com somente 12 pontos. Agora, o time soma apenas três triunfos em 15 rodadas na competição.

Após a partida, Daniel deu entrevista à Rádio Brasil e comentou sobre as críticas da torcida, que protestaram contra o time e Fernando Diniz. Principal alvo da ira dos tricolores, o treinador foi chamado de ‘burro’ e foi xingado. Para o meia, a irritação dos torcedores é legítima, mas o principal culpado da equipe estar nessa situação não é o técnico, e sim os jogadores.

“A culpa é de nós jogadores. A gente que é o principal, que entra dentro de campo. A gente que tem que aproveitar as chances e infelizmente não conseguiu fazer isso. A torcida cobrar é normal e a gente tem que entender”.

Após críticas da torcida, Allan reitera apoio do grupo a Fernando Diniz: “A gente vai até o fim”

Volante tricolor disse entender protestos dos torcedores, mas destacou que o elenco está fechado com o treinador

Foto: Lucas Merçon / FFC

Vivendo uma situação complicadíssima no Campeonato Brasileiro, o Fluminense voltou a dominar o adversário, finalizou mais de 30 vezes ao gol, mas perdeu. Dentro do Maracanã, o Tricolor viu o CSA, que sequer havia marcado um gol como visitante, vencer por 1 a 0 e caiu para a 18ª posição na competição, sendo ultrapassado por Cruzeiro e Chapecoense.

Bastante irritada com o resultado, a torcida vaiou, xingou e protestou contra o time, que venceu apenas três jogos em 15 rodadas no Brasileirão. O treinador Fernando Diniz foi o principal alvo dos tricolores durante e após a partida. Diante desse cenário o volante Allan, em entrevista à Rádio Brasil, disse entender as críticas da torcida, mas reiterou que o grupo está fechado com o técnico até o fim.

“Eles estão no direito deles, mas a gente ali dentro está junto com o Fernando, a gente vai até o fim. Desde o começo estamos juntos e não é agora que vai ser diferente”.

Diniz lamenta inúmeras chances desperdiçadas e critica erros da arbitragem: “Difícil de engolir”

Treinador também comentou sobre a importância do duelo contra o Corinthians pela Sul-Americana e voltou a elogiar a entrega dos atletas

Foto: Lucas Merçon / FFC

O filme que torcedor tricolor nenhum gostaria de ver se repetiu. Dentro do Maracanã, o Fluminense mandou no jogo, finalizou mais de 30 vezes, teve inúmeras chances de gol, mas acabou perdendo por 1 a 0 para o CSA, que não havia marcado uma vez sequer fora de casa na competição. Com o resultado e com as vitórias de Cruzeiro e Chapecoense, o time de Fernando Diniz caiu para a 18ª posição e viu a situação dentro do Campeonato Brasileiro ficar mais complicada ainda.

Após a partida, o treinador, que foi bastante hostilizado pela torcida após a equipe sofrer o gol da derrota, concedeu entrevista coletiva e lamentou muito o resultado. Perguntado sobre sua situação no comando do Flu, o comandante disse que essa decisão é da diretoria, mas afirmou que seguirá buscando o melhor e citou o ‘descobrimento’ de jogadores que poucos esperavam que tivessem projeção.

“Por enquanto ainda não conversamos. Isso é uma decisão da diretoria. Temos uma cultura do resultado, de fato. Trabalho de uma maneira contundente naquilo que gosto de fazer. Pegamos jogadores desconhecidos e hoje temos atletas convocados, revelação do João Pedro, Marcos Paulo, recuperação do Julião. E os jogadores que foram se destacando a gente perdeu precocemente. Essa situação na tabela é um desafio muito grande. Mas é um time que não oscila, joga e cria. Mas por um erro perdemos a partida. Não falei com ninguém ainda”.

Ao fazer uma análise do jogo, Diniz focou no número de oportunidades desperdiçadas ao longo da partida e destacou que é uma derrota doída, principalmente pelas pouquíssimas vezes em que o CSA atacou.

“A gente teve um volume grande de finalizações, muitas delas chances claras de gol. Me recordo de pelo menos umas sete. Infelizmente, não conseguimos fazer o gol. Não sei explicar porque a bola não entra. Treinamos muito. Fora isso, tivemos dois pênaltis não marcados. Isso é uma crença que eu sempre tenho. Um time que finaliza desse jeito… O CSA só teve uma chance clara, do gol. É difícil perder jogos assim. Jogando dessa forma, acho que a chance de vencer é muito maior do que de perder. Tento o melhor desempenho possível dos jogadores para trazer alegria para o torcedor”.

O técnico tricolor também fez questão de criticar bastante a arbitragem de Wagner Reway e reclamou bastante dos dois pênaltis não marcador a favor do Fluminense. De acordo com ele, os lances são ‘difíceis de engolir’ e influenciaram diretamente no placar final do confronto.

“Sobre o VAR, hoje tivemos dois lances claros, dois pênaltis. Um no Daniel e outro no Ganso. Ainda teve a expulsão do Frazan e do Digão, contra o Vasco. No jogo contra o Goiás, tivemos um gol anulado que foi legítimo. Depois, o gol do Goiás foi em uma falta inexistente. Posso falar isso, mas não tenho mania de perseguição. O jogo de hoje é difícil de engolir”.

Foto: Lucas Merçon / FFC

Veja abaixo outros assuntos abordados na coletiva de Fernando Diniz:

Protesto da torcida

“O torcedor está aborrecido, é natural. Mas ele também está apoiando muito, acreditando. No final do jogo, é normal vaiar, aceitamos. Estamos muito chateados também por o torcedor ter que fazer esse protesto legítimo ao fim da partida. As críticas são justas. Não posso defender o Fluminense, tenho que procurar solução. Temos que corrigir e fazer a bola entrar de alguma forma”.

Pressão no Fluminense

“Em time grande, estamos sempre pressionados. Ainda mais na situação que o Fluminense está. Está todo mundo pressionado. Lido bem com a pressão e não jogo a toalha. Sigo lutando para que as coisas deem certo. Todo mundo está pressionado, e eu ainda mais. Não vou procurar outros culpados. Mas tivemos boas chances hoje e em outros jogos também. O time tem jogado bem”.

Duelo contra o Corinthians pela Sul-Americana

“Todo jogo para gente está sendo um divisor de águas. Foi hoje e será contra o Corinthians. Para recuperar os jogadores temos que conversar e refletir. Estamos procurando melhorar o tempo todo. Estou estudando, vendo jogos de adversários. A gente treina muito, trabalha bastante para corrigir os nossos erros”.

Digão

“O Digão estava com um desconforto, aqueceu e não estava muito confiante. Provavelmente o Digão joga na quinta”.

Utilizar Caio Henrique e Mascarenhas

“Essa alternativa do Caio está sendo vista há muito tempo. O Mascarenhas teve muitos problemas nesses sete meses. E o Caio está bem na posição. É uma alternativa, mas o que a gente vai tentar é criar mais chances e fazer com que ele não tenha chances. Vamos tentar jogar bem lá e ter sorte”.

Sub-20: Fluminense enfrenta Palmeiras com transmissão em TV aberta

Foto: Divulgação/FFC

O Fluminense entra em campo pelo Brasileirão sub-20 ainda na manhã deste domingo (18) para enfrentar o Palmeiras, em jogo que terá transmissão pela TV aberta.

As equipes entram em campo a partir das 11h e com transmissão ao Vivo pela rede Bandeirantes.

Vindo de vitória de 1 a 0 sobre o Internacional fora de casa no Brasileirão da categoria, o Fluzão foi derrotado por 4 a 1 pelo Resende na disputa do Campeonato Carioca, quebrando uma sequência de oito jogos de invencibilidade na categoria, somando três competições: segundo turno do Campeonato Carioca, o Brasileirão e o Torneio Otávio Pinto Guimarães.

Fluminense e Palmeiras se enfrentam no estádio Luso Brasileiro, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.

João Pedro ganha vaga de Pedro e Nem é testado entre os titulares; veja provável escalação do Flu

Fernando Diniz não poderá contar com Pedro, lesionado, nem com Nenê, expulso após o apito final na derrota para o Atlético-MG

Foto: Lucas Merçon / FFC

Nesta sexta-feira (16), o Fluminense deu sequência à preparação para o duelo contra o CSA, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. As equipes se enfrentam no próximo domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã. Para esta partida, o treinador Fernando Diniz terá dois desfalques. Pedro, lesionado, e Nenê, expulso após reclamar com o juiz depois do apito final na derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG.

A atividade no CTPA foi fechada para a imprensa, mas conforme noticiou o Globoesporte.com, o técnico comandou um treino tático e esboçou a equipe que começará o jogo do final de semana. Para o ataque, João Pedro ganhou a vaga de Pedro, mas as mudanças não pararam por aí. Evoluindo fisicamente, Wellington Nem foi testado entre os titulares no lugar de Marcos Paulo, que caiu de rendimento nas últimas partidas.

Foto: Lucas Merçon / FFC

Outro teste que Diniz fez durante a semana foi o de Caio Henrique no meio de campo e Mascarenhas na lateral-esquerda. Porém, é pouco provável que o treinador opte por esse esquema. O treino deste sábado irá definir a equipe e os relacionados para o embate com o CSA. Fica a expectativa em torno do atacante Lucão, recém-contratado pelo Tricolor. Treinando há duas semanas com o grupo, o jogador pode figurar na lista pela primeira vez.

Desta forma, a provável escalação do Fluminense é a seguinte: Muriel; Igor Julião, Nino, Digão, Caio Henrique; Allan, Daniel, Paulo Henrique Ganso; Marcos Paulo (Wellington Nem), Yony González e João Pedro.

Próximo adversário do Flu, CSA já tem três baixas garantidas para o confronto

Foto: Divulgação

O Fluminense recebe o CSA no próximo domingo (18), no Maracanã, às 16h.

O jogo que é de suma importância para as duas equipes, que atravessam um mal momento na competição, terá desfalques importantes de ambos os lados.

Enquanto o Flu não poderá contar com Nenê suspenso e, Pedro, contundido, o CSA, não terá o meia Didira, suspenso com três cartões amarelos, além do meia paraguaio Julian Benítez e do atacante colombiano Manga Escobar.

Benítez, que chegou a ser titular da equipe alagoana, perdeu espaço com a chegada do técnico Argel Fucks e foi negociado com o Vila Nova de Goiás, para a disputa da série B. Já Escobar, nunca conseguiu se firmar na equipe e, o jogador que tinha contrato até o dia 19 de agosto, já foi dispensado pela direção do clube.

Além do CSA, o Fluminense terá mais dois confrontos importantíssimos na sequência do Brasileirão, Avaí, também no Maracanã, e Fortaleza, fora de casa. Antes ainda terá o confronto contra o Corinthians, para decidir uma vaga na semifinal da Copa Sul-americana.

Fluminense sofre nova derrota no Brasileiro feminino sub-18

Foto: Laís Patricio/FFC

A Guerreiras do sub-18 do Fluminense voltaram a campo na tarde da última terça-feira (13) e sofreram um novo revés, jogando novamente no Estádio Manuel Ferreira, em Bálsamo, São Paulo, sede fixa do grupo.

Após perderem para o São Paulo no último domingo (11), de virada, por 3 a 1, na estreia da segunda fase do Campeonato Brasileiro feminino sub-18, as meninas do Flu enfrentaram o Vasco, e foram derrotadas novamente de virada, dessa vez por 2 a 1 e, se complicaram para conseguir classificação à terceira fase da competição. O gol do Tricolor foi marcado pela meio campo Larissa

Sem pontuar em duas rodadas da segunda fase do torneio, as Guerreiras tem agora que vencer o último jogo da fase, contra o Iranduba (AM), já nesta quinta-feira (15), e torcer para que haja um vencedor na outra partida do grupo, entre Vasco e São Paulo.

Fluminense perde na estreia da segunda fase do Brasileirão Feminino sub-18

Foto: Laís Patrício/FFC

O Fluminense fez sua estreia na segunda fase do Campeonato Brasileiro Feminino sub-18 no último domingo (11) contra o São Paulo, pelo grupo H, no Estádio Manuel Ferreira, em Bálsamo, São Paulo.

O Fluzão chegou a sair na frente do placar, com o gol anotado por Kailane, aos 35 minutos do primeiro tempo, mas sofreu a virada ainda na primeira etapa, sendo ampliado o resultado na etapa complementar, terminando o jogo com vitória paulista por 3 a 1.

A reabilitação já pode vir na próxima terça-feira (13), quando as Guerreiras voltam a campo no clássico contra o Vasco, também no Estádio Manuel Ferreira, em Bálsamo, São Paulo, onde é a sede do grupo.

Após derrota para o Galo, Diniz lamenta chances desperdiçadas e reforça confiança no trabalho

Treinador tricolor ainda destacou que crê na confiança da diretoria e elogiou o desempenho dos atletas, que jogaram de “igual para igual” com o Atlético-MG em pleno Independência

Foto: Mailson Santana / FFC

No último sábado, o Fluminense foi até o Independência e perdeu por 2 a 1 para o Atlético-MG. Com o resultado, a equipe ficou estacionada na 16ª colocação com apenas 12 pontos somados no Campeonato Brasileiro. Mesmo com uma boa atuação e tendo dominado o time da casa em grande parte do primeiro tempo, o Tricolor não conseguiu transformar o desempenho em gols e acabou sofrendo as consequências, expondo mais uma vez o principal problema que Fernando Diniz vem enfrentando nesta primeira temporada como treinador do clube.

Após a derrota – a oitava em 14 jogos -, o técnico concedeu entrevista coletiva e fez uma análise da partida. Para ele, o maior erro do Fluminense foi não ter conseguido abrir o placar quando esteve melhor postado que o Galo, principalmente na primeira etapa.

O principal pecado do time hoje foi não ter feito os gols na hora que estávamos bem melhor no jogo. Ele (técnico do Atlético) veio com uma estratégia de marcar em cima e variou a marcação. Jogamos no campo do Atlético os 30 primeiros minutos inteiros. Se eles tivessem marcado lá em cima ficaríamos acuados, não foi o que aconteceu. Os primeiros minutos fomos muito soberanos, tivemos muitas chances de abrir o marcador e não conseguimos marcar. A partir daí o jogo ficou de transição rápida, eles esticaram algumas bolas e levaram vantagens em alguns lances. Eles até terminaram o 1º tempo um pouco melhor que a gente, fizeram o gol. No segundo tempo tomamos o gol muito cedo. Eles recuperaram uma bola em uma saída de jogo nossa, um erro que não costumamos cometer. Fizeram 2 a 0. O jogo ficou bem desenhado. A gente atacando, eles usando contra-ataque, jogo aberto, jogo foi bom“.

Diniz também comentou sobre o resultado do jogo. De acordo com o treinador, a derrota foi injusta, tendo em vista que sua equipe teve uma boa atuação e buscou a vitória.

Na Sul-Americana temos jogado bem, conseguindo os resultados. Contra o Inter jogamos muito bem, era para ter sido um placar bem mais elástico. E hoje, pelo que foi o jogo, não merecemos a derrota, de maneira alguma. E a diretoria deve acreditar que vai dar certo, por isso que eles estão com a gente acreditando no trabalho“.

Perguntado se teme uma possível demissão, o comandante tricolor destacou que o Fluminense vem jogando de igual para igual com grandes potências do futebol brasileiro e o trabalho vem sendo bem feito. Por isso, a diretoria pode confiar que dias melhores virão.

Primeiro que eu acredito muito que vamos sair dessa situação. E o que segura é justamente a consistência de que o time joga bem. Hoje o Fluminense teve mais chance de ganhar que o Atlético. A gente não vai tirar o time da zona do rebaixamento jogando mal. Quando se faz esse tipo de questionamento, a ideia é que se tem é que joga bem, joga melhor, e por isso perde. Não é isso. Na minha cabeça eu tenho a convicção de que o time vai sair dessa situação. Ao mesmo tempo, o time fez grandes partidas na Sul-Americana e não tem nada a ver que um é copa e outro é campeonato“.

O que o treinador pode fazer é aumentar as chances do time ganhar, e isso tem sido feito constantemente. Nós merecemos ganhar do São Paulo e hoje merecíamos no mínimo o empate, na minha opinião. Temos que continuar com o trabalho, que vai dar certo. O time não está oscilando na questão do trabalho, desempenho… Os jogadores estão se entregando, comprando a ideia. De alguma forma, o torcedor também ainda acredita. Agora, temos que sair dessa situação, temos que ganhar jogo. O que segura o trabalho é vir aqui jogar aqui contra o Atlético-MG, como foi contra o Cruzeiro, como contra o Grêmio, e o Fluminense, com as dificuldades financeiras que temos, com a folha salarial que temos, com os jovens que vamos lançando, com os jogadores que vamos melhorando, e consegue enfrentar qualquer time de igual para igual com uma chance maior de ganhar. E isso gera confiança, não desconfiança. Se o time tivesse jogando mal, certamente eu já seria demitido“.

Foto: Mailson Santana / FFC

Veja abaixo mais trechos da coletiva de Fernando Diniz:

Posicionamento de Ganso

Quando o time perde e o time ganha, o Ganso joga parecido. Jogou parecido de como foi contra o Inter, da maneira como ele joga. Nos primeiros minutos tivemos muitas chances de gol justamente pelo Ganso estar jogando em uma zona de flutuação, de achar o passe na frente. Acho que em alguns momentos ele pode ficar mais à frente, mas acho que ele fez uma boa partida, parecida com aquelas que ele vem fazendo. Não acho que isso foi determinante para não termos ganho. Gostei da partida dele, fez as coisas que eu pedi. Ele é um cara que ajuda a articular, dá o passe que fura a primeira linha de marcação e coloca os companheiros em uma situação que é bastante fácil de definir a jogada“.

Modelo de jogo do Fluminense

O time consegue criar e se impor em cima dos adversários justamente por esse modelo de jogo. O time criou muitas chances no 1º tempo justamente porque conseguimos articular o jogo ali de trás. Os benefícios desse tipo de jogo são muito maiores que os malefícios. Acabamos errando no lance que originou o segundo gol, mas é um erro que cometemos muito, muito pouco no campeonato. Se você computar o número de vezes que chegamos na área do adversário e concluímos em gol por causa do estilo de jogo, é muito maior que acidentes que acontecem no meio do caminho“.

Expulsão de Nenê

Ele disse que foi fazer um questionamento normal com a arbitragem, que interpretou de uma outra forma e gerou uma expulsão“.

Peso da sequência de resultados ruins

Uma das coisas que pesa é pela insistência nas perguntas que vocês fazem. Sei que você pode querer mudança, mas a insistência da pergunta fica gerando um questionamento, um questionamento… Queremos mudança no Brasil… Aí você vê o Klopp (técnico do Liverpool). Ficou cinco anos sem ganhar nada lá. O Guardiola, quando você pergunta, ele diz que em um ano não dá para fazer nada. Aqui nós estamos trabalhando há sete meses. Remontamos um time inteiro. O time que jogou o Carioca praticamente mudou as 11 peças. E o time consegue jogar bem“.

Agora, garantia que vai dar certo em termos de resultado, não temos. Garantia é que trabalhamos muito para que o negócio dê certo. O respaldo da diretoria até onde vai? Isso é uma cosia que tem que ver com a diretoria. Eu sinto (respaldo), porque os caras acompanham. Se a gente estivesse jogando mal e criando menos chances que o adversário, a diretoria percebe. É só você ver como viemos jogando durante o ano. Na Sul-Americana temos jogado bem, conseguindo os resultados. Contra o Inter jogamos muito bem, era para ter sido um placar bem mais elástico. E hoje, pelo que foi o jogo, não merecemos a derrota, de maneira alguma. E a diretoria deve acreditar que vai dar certo, por isso que eles estão com a gente acreditando no trabalho“.

 

Allan foca em recuperação no Brasileirão e projeta duelo com o Galo: “Vamos buscar os três pontos”

Volante destacou a importância da equipe aproveitar o embalo após a vitória sobre o Internacional e começar a subir na tabela

Foto: Lucas Merçon / FFC

Neste sábado (10), o Fluminense enfrenta o Atlético-MG no Independência visando conquistar seu segundo triunfo consecutivo no Campeonato Brasileiro. A bola rola às 21h (de Brasília). Vindo de vitória sobre o Internacional, o Tricolor necessita de um bom resultado para seguir se distanciando da parte de baixo da tabela. Um dos principais nomes do time na temporada, Allan pregou foco total para o duelo com o Galo e, após a semana de treinos, destacou que a equipe de Fernando Diniz entrará em campo para conquistar os três pontos.

“Vencemos o Inter no último sábado, mas agora é esquecer e focar no Atlético-MG para conseguirmos a vitória fora de casa. Sabemos da importância do resultado positivo e vamos buscar os três pontos para subirmos na tabela”, afirmou o volante.

O Fluminense viajou para Belo Horizonte após o treinamento desta sexta e inclusive já desembarcou na cidade mineira.

Top