fbpx

Entendeu, Vasco? Maracanã deixa de ser campo neutro no Carioca, e Fluminense garante torcida em setor Sul

A reunião que aprovou a fórmula de disputa do Campeonato Carioca de 2020, segunda-feira, na sede da FERJ, decidiu dar fim à condição de campo neutro para o Maracanã. Desse modo, o Fluminense, administrador ao lado do Flamengo, garante, como mandante, o direito de posicionar sua torcida no setor Sul, como já ocorre no Brasileirão.

— A discussão do lado não é uma guerra de prestígio. É uma questão comercial. Não existe hipótese jurídica de um regulamento interferir nisso. Temos uma permissão de uso que foi prorrogada. Não queremos prejudicar ninguém. Mas o Fluminense não tem como abrir mão disso por questões comerciais. Pagamos para jogar ali, custeamos o estádio. Não existe lógica. No dia em que eu jogo uma decisão, eu tenho que me deslocar, fechar minhas lojas, para atender reivindicação baseada em história? O Maracanã mudou desde a reforma. Não há nada pessoal contra o Vasco. Mas a questão é simples. Botafogo e Vasco não fizeram questão de estar lá porque usam seus estádios. Flamengo e Fluminense fizeram acordo e têm obrigações contratuais – disse Mário Bittencourt.

— É evidente que a torcida do Fluminense, no Maracanã, sempre ficará do lado direito. Foi como exposto pelo presidente do Fluminense. Eu penso que a lógica está situada no fato de que hoje o Fluminense está dentro do estádio dele — completou Rubens Lopes, presidente da federação.

A polêmica acerca do lado Sul do estádio marcou a final da Taça Guanabara deste ano, em fevereiro. Após batalha judicial entre os clubes, foram geradas liminares pelo fechamento dos portões e, depois, pela liberação da entrada de torcedores, com a bola rolando.

— Nossa preocupação é que houvesse um embate como o que nos levou a cenas horríveis como as que aconteceram no clássico. Aquilo foi uma das piores coisas que aconteceram, por uma divergência boba. Ao menos, eles deram a entender que chegaram a um atendimento — declarou Lopes.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense se opõe, mas clubes e FERJ aprovam fórmula do Carioca 2020; veja grupos e 1º adversário

O Campeonato Carioca ganhou nessa segunda-feira uma nova fórmula de disputa para 2020 – aprovada pela maioria dos clubes e pela FERJ, mas contrariada unicamente pelo Fluminense. A edição, que começa no dia 22 de janeiro, terá 12 participantes divididos em dois grupos.

  • Primeiro turno: duelos entre equipes de grupos diferentes
  • Segundo turno: duelos entre equipes do mesmo grupo

Nas taças Guanabara e Rio, os dois melhores colocados de cada chave fazem as semifinais e final. A decisão do geral apresenta novidade: se um time vencer os dois turnos, será o campeão carioca. Com uma ressalva.

Se um clube que não conquistou nenhuma das etapas possuir número de pontos superior (considerando o torneio inteiro), disputará a finalíssima em duas partidas frente ao vencedor dos dois turnos, com quem fica a vantagem do empate. Em caso de um campeão por turno, eles duelam pelo título em dois confrontos e sem “regalia” para lado algum.

Todos os clássicos, semis e finais terão árbitro de vídeo, com uma novidade proposta pela federação: permanência de representantes dos rivais na sala de exibição do VAR.

Também ficou acertado que os duelos decisivos acontecerão apenas em estádios com capacidade acima de 40 mil lugares: Nilton Santos e Maracanã.


GRUPOS E ESTREIA DO FLUMINENSE

Foi definido que o primeiro adversário do Tricolor, localizado no grupo B, será a Cabofriense, fora de casa. Ainda não há local, data e nem horário confirmados.

  • Grupo A: Flamengo, Botafogo, Bangu, Cabofriense, Boavista e x (América, Americano, Friburguense, Macaé, Nova Iguaçu e Portuguesa).
  • Grupo B: Vasco, Fluminense, Volta Redonda, Resende, Madureira e y (América, Americano, Friburguense, Macaé, Nova Iguaçu e Portuguesa).

FLUMINENSE NO CARIOCA 2019

Nesse ano, o Time de Guerreiros chegou à final da Taça Guanabara, mas perdeu para o Vasco por 1 a 0 em jogo marcado por queda de braço entre as diretorias sobre lado das torcidas, culminando na determinação judicial para portões fechados. Entretanto, quando a bola já rolava, a Justiça permitiu a entrada de torcedores.

O Fluminense ainda caiu para o Flamengo, por 2 a 1, na semifinal da Taça Rio. E, na fase final, empatou em 1 a 1 com o Rubro-Negro, sendo eliminado em razão da vantagem dada ao adversário pelo primeiro lugar na classificação geral.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense estreia com goleada no Cariocão Feminino

As meninas do Fluminense entraram em campo na manhã deste sábado (21), quando estrearam pelo Campeonato Carioca Feminino.

Jogando dentro de casa, nas Laranjeiras, as Guerreiras estrearam com o pé direito e aplicaram uma sonora goleada no Brasileirimho, por 8 a 0.

Os gols foram anotados por: Gabriela (2x), Natasha (3x), Rubens, Rayane Arruda e Thayná.

Presidentes dos quatro grandes do Rio se reúnem pela primeira vez para tratar do Carioca 2020

Na manhã desta terça-feira, dia seguinte à cerimônia que celebrou o encerramento do Carioca 2019, os presidentes dos quatro grandes do Rio de Janeiro se reuniram com Rubens Lopes e Leonardo Ferras, representantes da FERJ, para começar a tratar da próxima edição do campeonato.

Baseado no anúncio do presidente da CBF, Rogério Cabloco, de que os estaduais terão, a partir do ano que vem, 16 datas, em vez de 18, os dirigentes consideram a elaboração de um novo formato de disputa.

Foi combinada uma agenda mensal. Assim, os mandatários se reencontrarão em maio, já com sugestões de novidades. Estas, se aprovadas, serão levadas aos parceiros comerciais.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Gilberto analisa presença na seleção do Carioca 2019

Foto: Divulgação/FFC

Eleito o melhor lateral direito do Campeonato Carioca, sendo o único jogador rede linha do Fluminense presente na seleção, o lateral direito Gilberto destacou o principal quesito que o fez estar presente nos melhores do campeonato.

O jogador ainda avaliou que o Campeonato foi o dia que atuou pelo Fluminense a competição onde ele teve uma maior participação no ataque:

– Com certeza que jogando pelo Fluminense, esse foi o Campeonato onde eu tive uma maior liberdade para atacar. Com isso eu pude fazer mais gols e, acho que essa foi a principal diferença – destacou Gilberto.

Fernando Diniz se esquiva de projeções, e Gilberto dá o tom para o Brasileiro: “A gente entra para vencer”

Eleito o melhor técnico do Campeonato Carioca, Fernando Diniz compareceu à premiação desta edição, realizada numa casa de shows na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, nessa segunda-feira. Ele chamou a atenção, especialmente, pelo estilo de jogo implementado no Fluminense. Porém, confessou que se surpreendeu com o reconhecimento. Os premiados, além de um troféu, faturaram R$ 10 mil.

– Não esperava. Quase sempre (o melhor) é um que chega à final ou o técnico campeão. Estou lisonjeado, muito feliz de estar no Rio, que respira o futebol.

A poucos dias da estreia no Campeonato Brasileiro, o treinador destacou o bom início de ano da equipe, que permanece viva, ainda, na Copa do Brasil e Sul-Americana. Todavia, esquivou-se de projeções para a sequência da temporada.

– Não gosto de fazer previsões. O Fluminense vai entrar para disputar jogo a jogo, como sempre entra. A gente não tem como fazer uma previsão neste momento. Fizemos um bom Campeonato Carioca, estamos bem na Copa do Brasil… Temos que focar no que temos de melhor e buscamos trazer alegria para o nosso torcedor.

Também figurando a seleção de melhores do campeonato, o lateral-direito Gilberto deu o tom da postura do time no Brasileirão. A primeira rodada está marcada para o domingo do dia 28, contra o Goiás, no Maracanã.

– Brigaremos por tudo porque a gente entra em campo para vencer. A gente sabe que o Campeonato Brasileiro é o mais difícil. Até porque tem times com grande elenco que entram na frente. Mas a gente vai em todos os jogos para ganhar.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FERJ divulga seleção do Carioca com dois representantes do Fluminense

Com o encerramento do Campeonato Carioca, conquistado pelo Flamengo nesse domingo, a FERJ divulgou a seleção dos destaques da edição 2019. A premiação ocorrerá em cerimônia nesta segunda-feira, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.

Mesmo sem vencer nenhum dos turnos, o Fluminense tem dois representantes na formação do time: o lateral-direito Gilberto e o técnico Fernando Diniz. Flamengo, Vasco e Bangu também emplacaram jogadores na lista. Veja a escalação completa abaixo:

 — Foto: Reprodução

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Rodolfo falha, Fluminense empata com o Flamengo e dá adeus ao Carioca 2019

Num jogo com VAR acionado duas vezes e enorme pressão adversária, o Fluminense empatou com o Flamengo em 1 a 1 e deu adeus ao Campeonato Carioca. Foi o quarto encontro entre os rivais no ano e a segunda eliminação para o Rubro-Negro, que espera o vencedor de Vasco x Bangu, amanhã, na final dos dias 14 e 21 de abril.

A superioridade rubro-negra apareceu nos 20 minutos iniciais e tirou o sossego da zaga. Como consequência, o gol marcado por Willian Arão, aos 8′. Porém, após reclamações dos tricolores, o juiz Bruno Arleu de Araujo revisou e, em razão da falta de Léo Duarte em Rodolfo, invalidou o lance. Na jogada seguinte, Gilberto atingiu o rosto de Renê, que pediu VAR acusando cotovelada. Foi aplicado apenas o cartão amarelo.

Àquela altura, o Flu permanecia sofrendo com os espaços fechados, enquanto o Fla avançava com facilidade. A ponto, inclusive, de trocar passes na área sem ser incomodado.

Cumprindo o “estilo Diniz”, o time procurava sair com a bola no pé, mas era quase sempre impedido dada a marcação alta do Flamengo, ficando preso no campo defensivo.

Não é fácil segurar a mesma intensidade por um longo tempo, e o Rubro-Negro cedeu. Nesse momento, o Tricolor encontrou um gol, com Gilberto, após o mesmo evitar que o rival abrisse o placar. Bruno Henrique chamou Caio Henrique para dançar e finalizou. A redondinha sobraria para Uribe se o colombiano não fosse travado. Na sequência, Caio cruzou para Gilberto, sozinho, cabecear à la um centroavante.

“Não desisti da torcida. Fiz o gol, pensei em não comemorar. Mas fui lá, comemorei com eles. Só peço que não desistam da gente. Não só de mim, mas do time. Passamos por momentos difíceis, mas estamos batalhando e jogando com raça”, desabafou o camisa 2, na saída para o intervalo.

O segundo tempo começou com o Fla afiado. Bruno Henrique saiu cara a cara com Rodolfo, que defendeu, em dois tempos, chute fraco do adversário. Mas o Flu respondeu, com Luciano pegando de primeira, cruzado, para grande intervenção de Diego Alves.

Allan, que entrou no lugar de Daniel, também levou perigo à meta rubro-negra. Ele viu uma brecha e, de longe, mandou um foguete que passou sobre o gol.

Retomando o domínio do clássico com o recuo do Fluminense, o Flamengo esbarrou duas vezes no zagueiro Nino, nas finalizações de Renê e Arrascaeta. Porém, a equipe não resistiu à pressão. Gabriel chutou em cima de Rodolfo e a bola passou entre o arqueiro e a trave, morrendo no fundo da rede.

Pareceu que, após o empate, o Tricolor se perdeu em campo. Erros em jogadas simples foram cada vez mais comuns, inclusive com um quase gol contra de Caio Henrique em passe para Rodolfo. Precisando vencer, o Flu não conseguia chegar ao ataque, mesmo com as entradas de Calazans (Dodi) e João Pedro (Nino). Ambos, aliás, mal apareceram no jogo.

O descontrole desviou para o lado emocional e causou discussão com dedo na cara e palavrões entre Fernando Diniz e Gilberto, depois do técnico chamar a atenção do jogador. O juiz encerrou o duelo aos 49.

“Jogo para esquecer. Estamos frustrados com a eliminação. Queríamos ser campeões carioca, começar o ano com o pé direito. A equipe se entregou, fez o que podia. Infelizmente, não foi possível”, disse Everaldo, ao deixar o campo.

A missão agora é pela Copa do Brasil. Na terça-feira, às 19h15, o Time de Guerreiros enfrenta o Luverdense, com quem empatou em 0 a 0 no meio de semana, em busca de vaga na quarta fase.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Rodolfo revela conselho de Diniz para Fla-Flu e contesta declaração de Cuéllar: “Vamos entrar para ganhar o jogo”

Rodolfo quer travar o clima tenso que vem marcando os duelos entre Fluminense e Flamengo em 2019. Nesse sábado, os rivais jogam o clássico mais decisivo do ano até o momento, valendo vaga na final do Campeonato Carioca. E, segundo o goleiro, a recomendação de Fernando Diniz é ignorar o juiz, as provocações e apenas jogar bola.

– Depois do último Fla-Flu, conversamos bastante. Diniz e a comissão técnica conversaram conosco para, nesse jogo, esquecermos um pouco isso e só sabermos de jogar bola. Temos que colocar tudo na ponta da chuteira e eu, da luva. Temos que esquecer o juiz, deixar ele apitar, independentemente se terá erro ou não. Temos que esquecer provocação do Flamengo. Temos que entrar para ganhar esse jogo – disse, em entrevista nesta sexta-feira.

Uma declaração do volante Cuéllar, do Fla, gerou a primeira polêmica do quarto reencontro entre os times. Ele disse que seu clube carrega a “obrigação” de ser campeão carioca, após a conquista da Taça Rio. Rodolfo lembrou que os rubro-negros têm os tricolores pelo caminho.

– Se ele está falando da obrigação deles de vencer… Eles vão pegar o Fluminense. Eles têm que passar pela gente primeiro. Tudo vai ser decidido amanhã. Se ele falou que eles têm obrigação… A gente vai entrar para ganhar o jogo.

Vencer hoje representa, também, fôlego ao caixa do Fluminense, que vive crise financeira. Só pela ida à final, embolsaria R$ 1,5 milhão, podendo ainda receber R$ 3,5 milhões em premiação caso se torne o ganhador desta edição do torneio. Mas Rodolfo garante que a questão extracampo, sobretudo quanto aos salários atrasados, não acompanha os jogadores no Maracanã.

– Questão financeira aqui no Fluminense já é questão desde 2017. Eu vim para cá para jogar. Conquistei a titularidade, estou tendo continuidade, graças a Deus, e procuro honrar a camisa do clube independentemente do que possa acontecer a mais. Vou entrar em campo querendo ganhar do Flamengo, sem pensar em dinheiro, sem pensar em mais nada, pois estou representando muita gente ali dentro do campo.


CONFIRA MAIS RESPOSTAS DO GOLEIRO RODOLFO:

Ausência de Paulo Henrique Ganso

– Fará falta, principalmente, na criação. Ganso é um excepcional jogador e nos ajuda muito na criação do meio. E agora vem nos ajudando também na marcação. Está evoluindo bastante nisso. Será uma perda grande, mas tenho certeza que quem entrar vai dar conta do recado, como os que estão entrando, que estão entrando bem.

Tensão nos Fla-Flus

– Clássicos são muito complicados. Tem a rivalidade dentro de campo e você não quer perder de jeito nenhum. Então acaba passando para outros fatores além do jogo. Temos que trabalhar isso para não acontecer mais. Temos que saber de jogar bola. Não temos que ficar brigando dentro de campo. É esquecer juiz, esquecer adversário e jogar bola para ganhar o jogo.

Desgaste pelas viagens

– Viagem após viagem você fica cansado. Chegamos quinta-feira após a meia-noite, nem vi meus filhos e já tivemos que vir para o treino para depois concentrar. Acaba gerando um pouco de estresse também.

Trabalho psicológico

– É para esquecermos o que possa nos prejudicar, como arbitragem, rivalidade dentro de campo, que sempre nos deixam mais tensos. Nos ajuda bastante. Para esse jogo, terá um papel essencial.

Pontos fracos do Flamengo

– Como o Flamengo tem pontos vulneráveis, temos também. Viemos estudando eles desde o primeiro jogo, o Diniz vem passando vídeos… Assim como eles devem estar nos estudando também. Diniz está sempre reformulando o trabalho dele no dia a dia, aprimorando, passando coisas novas, para podermos driblar os adversários.

Gols no fim

– Provavelmente por conta do cansaço que bate no fim do jogo. Os times se desgastam muito e chega no fim do jogo e bate aquela desatenção. Nosso time tem que estar atento em todos os minutos do jogo. Sempre que você tiver desatento no fim do jogo, você tomará um gol. Ainda mais em um clássico.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Com improvisação e Daniel no meio-campo, Fluminense deve repetir escalação de quarta-feira

Assim como o Flamengo, que sacou Gabriel para pôr Uribe, o Fluminense deve ir a campo neste sábado com apenas uma mudança em relação à escalação do jogo no meio de semana. Fernando Diniz perdeu Paulo Henrique Ganso por expulsão no último encontro entre os rivais. A vaga, logo, deve ser de Daniel. Confira os relacionados:

São diversos os desfalques para o clássico, principalmente na zaga. Machucados, Digão, Léo Santos e Paulo Ricardo não jogam. Sobram só Matheus Ferraz e Nino, que serão titulares, além do reserva Frazan.

Com o volante Airton também lesionado, o treinador, já no empate em 0 a 0 com o Luverdense, precisou recolocar Caio Henrique no meio-campo, ao lado de Bruno Silva, e improvisar Ezequiel na lateral-esquerda. Essa composição deve ser repetida mais tarde.


Veja a escalação provável:

Rodolfo; Gilberto, Matheus Ferraz, Nino e Ezequiel; Bruno Silva, Caio Henrique e Daniel; Luciano, Yony González e Everaldo.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top