fbpx

Alvo do Fluminense, Everaldo acerta com o futebol japonês

Um dos nomes que o presidente Mário Bittencourt tinha interesse em trazer para o Flu para 2020, o atacante Everaldo, definiu o seu futuro para a temporada que vem.

O jogador vai atuar no futebol japonês, no tradicional Kashima Antlers. A informação foi confirmada pelo site Globo Esporte.com.

Mesmo com o interesse real do Flu pelo jogador, o empresário do atleta sempre quando questionado sobre o assunto, afirmou que o atacante seguiria para algum clube fora do país, frustando os planos do tricolor.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Alvo do Flu, Bruno Pacheco está encaminhado com equipe da Série A

Um dos poucos destaques da Chapecoense no ano, o lateral-esquerdo Bruno Pacheco está de saída do time catarinense.

Segundo o jornal O Povo, o Ceará já se acertou com a Chape para comprar o jogador. O clube vai adquirir parte dos direitos econômicos do jogador de 28 anos, que tinha 70% dos seus direitos ligados ao Verdão do Oeste, onde estava desde a temporada passada e pelo qual entrou em campo 105 vezes

O Fluminense foi uma das equipes que sondou o lateral, que foi o lateral líder de assistências no Brasileirão com cinco passes para gol.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Foto: Divulgação/Chapecoense

À espera de Caio Henrique, Flu já monitora Bruno Pacheco

Ainda em compasso de espera enquanto ao futuro de Caio Henrique, o Fluminense já começa a mapear o mercado em busca de uma possível alternativa em caso de negativa do Atlético de Madrid e, Bruno Pacheco, rebaixado com a Chapecoense, surge como alvo no radar do Fluminense.

Com formo noticiou o UOL Esportes, o tricolor monitora a situação do lateral, que apesar do rebaixamento, foi um dos destaques da equipe catarinense, líder de assistência da posição no Campeonato Brasileiro.

Ainda de acordo com a reportagem do UOL, o jogador de 28 anos já está no radar do scout Tricolor desde 2017, quando se destacou pelo Atlético Goianiense.

Apesar de ver como difícil a permanência de Caio, a chegada de Bruno Pacheco pode acontecer mesmo em caso de permanência do atual lateral do Fluzão, até porque, o jogador que seria o possível reserva imediato, Matheus Mascarenhas, viveu quase toda temporada de 2019 no departamento médico e seu preparo físico segue como incógnita para 2020.

Para contar com Pacheco no entanto, o Fluzão terá que negociar com a Chapecoense, clube no qual o jogador tem contrato até dezembro de 2020, além de vencer a concorrência do Atlético Mineiro, que também tem interesse no jogador.

Mário confirma contato por Everaldo: “é um jogador que me agrada muito”

O presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, concedeu coletiva na tarde desta sexta-feira (13) no CT Carlos Castilho, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Em uma das perguntas, o mandatário foi questionado sobre um possível interesse do Tricolor no atacante Everaldo, que disputou o último Campeonato Brasileiro pela Chapecoense.

Sem se esquivar, Mário confirmou o interesse pelo jogador e ainda revelou que o Fluminense já fez um primeiro contato com o atleta:

Foi feito um primeiro contato sim. É um jogador muito interessante. O treinador gosta dele também, mas temos que saber o que ele pretende para o ano que vem – disse o presidente, confirmando ainda que o jogador já estava na mira do clube durante a gestão anterior:

– Pra ser bem sincero, é um jogador que está no scout do clube antes mesmo de eu ser presidente. Porém não foi feito nenhuma proposta e ele acabou indo pra Chapecoense – completou.

Vale destacar que Everaldo pertence ao Querétaro, do México e esteve emprestado pelos mexicanos a Chapecoense.

Criticado pela torcida, Gilberto vê vaias como ‘cobrança de time grande’

Lateral-direito falhou na construção do gol da Chapecoense e foi hostilizado pelos tricolores presentes no Maracanã

Foto: Lucas Merçon / FFC

Alvo das críticas da torcida há algum tempo, Gilberto novamente teve participação negativa em um gol da equipe adversária. No empate em 1 a 1 com a Chapecoense em pleno Maracanã, o lateral-direito falhou na construção da jogada que terminou com a abertura do placar por parte da equipe catarinense. Após o lance, o atleta passou a ser vaiado sempre que tocou na bola.

Após a partida, ao ser perguntado sobre a hostilização dos torcedores, Gilberto lamentou o resultado e comentou sobre as inúmeras vaias vindas das arquibancadas. O jogador disse entender a cobrança e afirmou que em time grande isso é normal.

“Infelizmente não conseguimos o resultado dentro de casa, que era importante para nos afastarmos da zona. Eu e mais companheiros erramos, mas a torcida escolheu a mim. É o futebol, tem que levantar a cabeça. Depois construí jogadas, coloquei meus companheiros na cara do gol”.

“É time grande, né. Sabe como é. Infelizmente o Fluminense não vive seu melhor momento, alguns problemas extra-campo aconteceram durante o ano, e não foi fácil fazer um grande ano. A torcida não está satisfeita com o que está acontecendo. Time grande tem que estar brigando sempre lá em cima. O jogador que erra eles vão cobrar, a gente tem que aceitar e trabalhar para ajeitar essa situação”.

O lateral-direito do Fluminense também falou sobre o que sente o atleta no momento em que passa a ser vaiado pela torcida. De acordo com ele, é complicado pela questão dos familiares, mas, como dito anteriormente, é uma pressão que vai acontecer quando se joga em clubes desse tamanho.

“É difícil, não é fácil ser vaiado. A gente tem família no estádio, tem tudo isso. Mas eu sempre que deixo claro para minha família e amigos que isso é cobrança de time grande. Se eu não render, eles vão me cobrar. Na segunda metade do ano eu vivi momentos ruins, mas também tive momentos bons. Vamos buscar dar a volta por cima”.

Próximo adversário do Flu, goleiro da Chape joga a toalha no Brasileirão

Foto: Divulgação

Próximo adversário do Fluminense, a Chapecoense, ficou no empate em 2 a 2 contra o Goiás no último domingo (20).

O time de Chapecó abriu 2 a 0, mas deixou o Esmeraldino empatar no segundo tempo.

Após a partida, o goleiro da Chapecoense, João Ricardo, foi bem sincero ao final da partida e praticamente jogou a toalha no Campeonato Brasileiro:

Tomamos empate dentro de casa, dentro de casa. Agradecemos o apoio do torcedor que veio, mas ele deve começar a se convencer que no ano que vem o time pode estar na Série B – disse o goleiro à Rádio Oeste Capital.

Fluminense e Chapecoense se enfrentam no próximo sábado (26), às 19h e 30, no Maracanã.

“Jogador tem coração, sentimento e merece respeito”, avisa mulher de Ganso após episódio na Arena Condá

Autor do gol de empate do Fluminense no duelo com a Chapecoense na Arena Condá, Paulo Henrique Ganso deixou o gramado sob xingamentos de torcedores alviverdes. Durante entrevista ao SporTV, ele se disse decepcionado com a hostilização vinda daqueles que receberam enorme carinho nos meses seguintes à queda de avião na Colômbia, em 2016.

Logo após o episódio desta quinta-feira, a esposa do camisa 10, Giovanna Costi, usou rede social para postar uma mensagem de repúdio às provocações. Ela lembrou a preocupação do casal à época da tragédia e revelou os presentes dados pelo clube catarinense ao jogador antes de a bola rolar (confira a publicação na íntegra ao fim da matéria).

– Sei que aquela minoria não é nada perto da união e do amor que a tragédia gerou no Brasil e no mundo. Amamos você, meu amor. E, com certeza, a torcida da Chapecoense é muito mais do que eu (e seu filho, que não entendeu muito bem por que estavam fazendo aquilo com o pai dele) vimos hoje. Jogador também é feito de carne e osso, tem coração, sentimento e merece respeito.

– Sabe o que é mais engraçado? Antes da partida, meu marido (que foi vaiado, cuspido e chamado para briga pelos torcedores) recebeu um presente muito especial, duas camisas da Chapecoense para nossos filhos. Os quais o meu marido recebeu com muito carinho e respeito. Porque cada um oferece aquilo que tem de melhor.

View this post on Instagram

Sabe porque eu sei que doeu toda a covardia de hoje? Porque fui eu quem o acordou, chorando, contando o desastre daquele dia e vi você pular da cama, assustado, desacreditado. Porque fui eu que o vi chorar a dor de seus companheiros de trabalho! Porque essa é a realidade: Todos os jogadores do mundo são companheiros de trabalho, todos têm a mesma rotina, as mesmas dificuldades, as mesmas batalhas a serem vencidas! Eu sei o quanto doeu aquele dia, e todos os outros dias após a tragédia, ver a dor de todos os familiares, de todos os pais, mães, filhos, esposas… Lembro da gente se olhar, e não ter palavras para descrever o sentimento! Lembro de você dizendo que já tinha feito a mesma rota daquele avião um dia, e o pensamento de que: poderia ser eu! Lembro do quanto você rezou por todos, pelas vítimas, pelos familiares, pelos sobreviventes, pelo clube, pela torcida. Lembro do quanto você vibrava a cada clube, pessoas, que se colocavam à disposição pra ajudar o clube, pra apoiar eles e por isso sei que hoje doeu. Mas também sei, que aquela minoria não é nada perto da união e amor que a tragédia toda gerou no Brasil e no Mundo! Amamos você meu amor ❤️ e com certeza a torcida da Chapecoense é muito mais do que eu (e seu filho, que não entendeu muito bem porque estavam fazendo aquilo com o Pai dele) vimos hoje. Jogador também é feito de carne e osso, tem coração, sentimento e merece respeito! Sabe o que é mais engraçado? Antes da partida, meu marido (que foi vaiado, cuspido e chamado pra briga pelos torcedores) recebeu um presente muito especial, duas camisas da Chapecoense para nossos filhos! Os quais o meu marido recebeu com muito carinho e respeito… Porque cada um oferece aquilo que tem de melhor!🙏👏🏻🙌🏻

A post shared by Giovanna Costi G. De Lima (@gicosti) on

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Ganso é chamado para briga e responde a provocações de torcedores da Chapecoense

Após o empate em 1 a 1 entre Chapecoense e Fluminense, na Arena Condá, torcedores alviverdes provocaram Paulo Henrique Ganso, que dava entrevista ao SporTV. Além de xingamentos, o meia relatou ter recebido cusparadas e, em seguida, disse que esperava uma postura melhor de quem sofreu um duro golpe com a queda de avião na Colômbia, em novembro de 2016.

– Acho que o torcedor da Chapecoense teria que ser muito grato por tudo o que passou. As coisas aconteceram… Eles não deveriam fazer isso, não, mas deveriam agradecer. Todo mundo se pronunciou, todo mundo quis apoiar a Chapecoense em um momento difícil do clube, e eles fazem isso. Antes estavam cuspindo. Mas fazer o quê?! Torcedor é assim.

Interrompido novamente, Ganso viu um torcedor chamá-lo para briga. Respondeu apontando para o escudo do Tricolor e levou a mão aos ouvidos, indicando que queria ouvir mais alto. Foi ele que marcou o gol que deixa o clube a uma posição acima da zona de rebaixamento durante a pausa para a Copa América.

– Vai brigar comigo? Você vai brigar comigo? Olha lá, está me chamando para briga. É brincadeira esse torcedor da Chapecoense. Infelizmente nosso Brasil é assim. Depois quando o pessoal fala desde aqui, eles ficam chateados. Acho que deveriam ter um pouquinho mais de respeito.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.


Gum deve ser titular e reencontra o Fluminense

Crédito: Reprodução

A partida desta quinta-feira (13) terá um elemento especial. O zagueiro Gum vai enfrentar o Fluminense pela primeira vez após a saída do clube. O jogador, que vestiu as três cores por 414 jogos é provável titular no time de Chapecó.

Do lado Tricolor, Gum vai ver alguns velhos conhecidos, como o zagueiro Frazan, o lateral Igor Julião, Daniel e os meninos João Pedro e Marcos Paulo. Porém, várias figuras são novas para o zagueiro, Agenor, Nino, Caio Henrique, Ganso, Allan e Brenner.

O zagueiro que veste a camisa número três, tem um gol anotado pela Chapecoense. Pelo Fluminense, ao longo de sua passagem pelo clube que durou nove anos, ele marcou 29 gols em jogos oficiais.

A partida será realizada na Arena Condá a partir das 20h. Ambos os times têm sete pontos no torneio, desta forma a vitória é importante para os dois lados.

Ex Flu, Cavalieri encaminha acerto com a Chapecoense

Foto: Divulgação/FFC

O goleiro Diego Cavalieri, de 36 anos está acertando sua transferência para a Chapecoense.

A informação foi passada pelo repórter Mateus Montemezzo, setorista do Verdão do oeste na Rádio Oeste Capital.

Cavalieri disputou o último Campeonato Carioca pelo Botafogo, onde foi reserva de Gatito Fernandes grande parte do torneio, irá reencontrar caso se concretize a negociação com outro ex Tricolor, o zagueiro Gum, que acertou com a Chape no início deste ano.

Ainda de acordo com Montemezzo, o anúncio do goleiro pode acontecer a qualquer momento.

Top