fbpx

Rodrigo Caio critica postura do Flu no clássico

foto: Divulgação/CRF

Marcado por tumultos do início ao fim, o Fla-Flu da última quarta-feira (27) foi de ânimos exaltados do início ao fim, contando ainda com dias expulsões, uma para cada lado.

Vencedores do clássico, os jogadores do Flamengo criticaram a postura dos Tricolores em campo e “culparam” os jogadores do Flu pelo clima quente da partida:

– Cara, é complicado. Tem jogadores que passam do ponto em muitos momentos. A gente entra para jogar futebol, e tem gente que entra em campo para lutar. Eu vejo dessa forma – Comentou Rodrigo Caio ao final da partida

Autor do primeiro gol do jogo, Renê, seguiu a mesma linha do companheiro e ainda foi além: se disse curioso para escutar a preleção do Fluminense:

– Para falar a verdade, sou até curioso para ouvir (preleção), não sei se o treinador pede. Não é possível, um minuto de jogo e eles já estão arrumando confusão – disse o lateral

Já Everton Ribeiro preferiu seguir por outra linha e ressaltou a importância do clássico, onde na visão do meia todo mundo deixa os 100% em campo:

– A gente sabe que tem que dar o exemplo ali dentro, mas às vezes acaba passando do ponto. Acho que todo mundo quer ganhar, jogar 100%, independentemente se vale uma vaga ou é um jogo normal do campeonato. Fla-Flu vai ser sempre pegado – disparou o meia

Confusão no Maraca pode levar a exclusão do Flu no Carioca

Foto: Lucas Merçon / FFC

TJD enquadrou o clube no artigo 231 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD)

A confusão que marcou a final da Taça Guanabara pode render uma severa punição ao Fluminense.

De acordo com o UOL Esporte, o procurador geral do TJD (Tribunal de Justiça Desportiva), André Valentim, já formalizou uma denuncia e enquadrou o clube das Laranjeiras no artigo 231 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva). Caso seja aceito, as penas passam a valer antes mesmo do julgamento.

Ainda de acordo com a reportagem, uma condenação pode resultar na exclusão do clube do Campeonato Carioca.

Em contato com o UOL, Valentim informou o motivo da denuncia:

– Eles foram para a Justiça Comum antes de irem até a Justiça Desportiva. É a primeira vez que aplico esse artigo. Quem fala o que quer, escuta o que não quer – informou o procurador.

Ainda de acordo com Valentim, todo o material já está nas mãos do presidente do TJD.

Em tumulto, torcedores se machucam e são encaminhados a hospital

A ordem judicial que previa portões fechados no Maracanã, que sediou a final da Taça Guanabara, seria cumprida, após o juiz do JECRIM (Juizado Especial Criminal) vetar documento que contrariava o estabelecido. Contudo, os vascaínos, barrados nos acessos às arquibancadas, confrontaram a Polícia no local e deram início a um enorme tumulto. Reação se deu, por exemplo, com bombas de efeito moral e gás de pimenta.

Aos 30′ do primeiro tempo, com um cenário um pouco mais tranquilo, o desembargador Andre Emílio Ribeiro permitiu a entrada do público para assistir ao clássico vencido pelo Vasco por 1 a 0. FERJ anunciou 29 mil presentes.

– É uma vergonha para o futebol, para a sociedade, para as torcidas. Jogar uma parte da final da Taça Guanabara para depois chegar a torcida no meio do jogo é uma coisa vexatória – disse Fernando Diniz.

Foram 29 torcedores socorridos na confusão generalizada desta tarde. Destes, dois – um com ombro deslocado e outro ferido na perna por bala de borracha – precisaram ser levados ao Hospital Souza Aguiar, no Centro. Seus nomes não foram revelados.

Preocupado com o clima que se desenhava para o duelo, a PM optou por aumentar o efetivo que atuaria na região.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Reunião do conselho termina em confusão no Flu

Um opositor da atual gestão teria agredido fisicamente um integrante da Flusócio.

A reunião que votaria a aprovação de contas do Fluminense em 2017 teve de ser suspensa devido a uma confusão que terminou chegando às vias de fato.

De acordo com pessoas presentes na sessão, os ânimos se exaltaram com provocações de ambas as partes – oposição e situação – chegando ao ápice quando um opositor desferiu um soco em Marcos Vinícius Caldeira, conselheiro e apoiador à gestão Abad.

Caldeira deixou o salão nobre das Laranjeiras com o nariz sangrando, fato que fez os ânimos se exaltar em ainda mais, só tendo fim com a intervenção de seguranças do clube.

Esse impasse foi o estopim para que o ambiente ficasse tenso, já que o Conselho Fiscal do Flu apontou que o superávit apresentado não corresponderia à realidade.

Em defesa da veracidade dos números relativos ao último ano de Peter Siemsen no comando do clube, Pedro Antonio, virtual candidato da situação à presidência, subiu na tribuna e discursou em defesa da aprovação das contas do último exercício, ainda que as de 2016 sigam sob suspeição.

Uma nova reunião deve ser agendada, mas por hora segue sem uma data definida.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Top