fbpx

Empate de Flu e Atlético aumenta crise entre Mário Bittencourt e Celso Barros

O empate em 1 a 1 com o Atlético-MG, no último sábado (16), no Maracanã, serviu para aumentar ainda mais o abismo na relação entre os dirigentes. Isso porque, por decisão do presidente tricolor, o vice-geral não recebeu a sua cota de ingressos e não foi ao jogo.

A informação foi divulgada inicialmente pelo “Globoesporte” e confirmada pelo Jogo Extra, que apurou que a situação entre os dirigentes está cada vez mais insustentável. A tendência é pelo afastamento de Celso até o término desta edição do Campeonato Brasileiro.

Tanto Mário quanto Celso têm direito a uma cota de ingressos, válidos para camarotes ou setores populares do estádio, que podem ser distribuídos para convidados. Mesmo sem eles, Celso poderia estar presente por ter uma credencial de entrada no Maracanã, mas decidiu por não estar presente para não causar atritos.

Pessoas próximas aos dirigentes veem esse “racha” como um problema grave na luta contra o rebaixamento e temem que possa atrapalhar os jogadores.

Fonte: extra

Próximo adversário do Flu, Botafogo tem treino invadido por torcedores

Foto: Reprodução/Vídeo

Vivendo um péssimo momento no Campeonato Brasileiro, onde vem de quatro jogos sem vencer, vendo a zona de rebaixamento cada vez mais próxima, o Botafogo teve o treino da trade desta quarta-feira (2) invadido por membros da torcida organizada do clube.

O técnico Eduardo Barroca tomou as “dores” dos jogadores e conversou com os invasores ainda no gramado, ocasionando uma certa discussão ainda no gramado.

O próximo jogo do Botafogo é exatamente o clássico contra o Fluminense, no próximo domingo (2) às 16hrs, no estádio Nilton Santos.

O Fluminense viveu situação parecida no último sábado (28), quando membros de uma organizada invadiram o CT para cobrar mais atitude dos jogadores.

No jogo seguinte, o Fluminense venceu o Grêmio por 2 a 1 e deu uma acalmada nos ânimos. Mesmo assim, torcedores ainda cobraram o atacante João Pedro, que saiu para jantar com o família após a partida.

Em meio à crise, Fluminense adota silêncio para tentar sair do Z-4

Foto: Divulgação/FFC

Após a derrota de 3 a 0 para o Goiás, no último domingo (22) no estádio Serra Dourada, em Goiânia, o Fluminense retornou à zona do rebaixamento, um ponto atrás do CSA, primeiro time fora do Z-4.

Além do resultado, a forma apática que o te apresentou, incomodou e muito a torcida, que passou a cobrar a atitude da direção do clube, como por exemplo, a demissão do técnico Oswaldo de Oliveira.

Buscando evitar um aumento na crise, a diretoria Tricolor adotou o silêncio.

Com dois jogos num intervalo de no máximo três dias de um para o outro, haverá apenas uma coletiva de imprensa, marcada para quarta-feira (25).

Não se sabe porém quem falará com a imprensa, mas dificilmente será o técnico Oswaldo de Oliveira, que deverá falar normalmente com os jornalistas na coletiva pós jogo.

Adversário do Tricolor, Atlético Nacional vem ao Rio em meio à crise

Foto: Divulgação

Após o revés em casa neste domingo (19) diante do Deportivo Cali por 3 a 1, o Atlético Nacional deve vir ao Rio de Janeiro para o duelo contra o Fluminense, na próxima quinta-feira (23), sem treinador.

Isso por que, de acordo com informações de alguns portais colombianos, o técnico brasileiro teria entregado o cargo ainda no vestiário.

O Área Deportiva, por exemplo, cravou que Autuori não comandará a equipe no jogo contra o Fluzão.

Ainda de acordo com os portais colombianos, a direção do Atlético ainda tenta fazer com que o treinador mude de ideia e siga no comando da equipe.

Diniz admite que situação do Flu é pior do que imaginava

Foto: Divulgação/FFC

Ainda de acordo com a visão do treinador, o problema atual se avolumou ao longo do tempo.

Como de praxe, em dias que antecedem há uma partida, o técnico do Tricolor, Fernando Diniz compareceu a entrevista coletiva. Nela, o treinador comentou sobre o atual momento vivido pela equipe das Laranjeiras, onde na visão do treinador, se avolumou ao longo do tempo:

– O clube não está passando por um momento de dificuldade por uma coisa que aconteceu ano passado ou esse ano. São problemas que foram se avolumando ao longo do tempo e uma hora cobram. Está sendo cobrado. Mas precisamos trabalhar internamente que a equipe renda no campo – comentou o treinador.

Diniz ainda afirmou que embora já soubesse do momentos conturbado do clube, a situação é pior do que ele imaginava. Contudo, o treinador destaca a importância de deixar a equipe blindada dos problemas:

Internamente, tem coisas um pouco a mais do que eu imaginava, mas eu não estou assustado de maneira nenhuma. Isso não vai sumir em um passe de mágica, então temos que saber lidar e trabalhar para que a equipe não seja afetada de uma forma negativa – finalizou o treinador.

Tentado permanecer a par da crise, a equipe Tricolor volta à campo nesta sexta-feira (22) para enfrentar o Bangu, às 21hrs, no Maracanã, pela abertura da Taça Rio. Na partida que marcará a estreia de Paulo Henrique Ganso com a camisa do Fluzão.

Amil corta plano de saúde do elenco e de funcionários, denuncia conselheiro

A crise financeira está gerando consequências que vão além do que se vê nas quatro linhas. Em razão de atraso nos pagamentos, a Amil cortou o plano de saúde do elenco e de funcionários tricolores. A denúncia, segundo o EXTRA!, partiu de Antônio Gonzalez, conselheiro ligado ao grupo ‘Unido e Forte’, contrário à gestão. O novo drama nas Laranjeiras foi, inicialmente, veiculado pelo NETFLU, ao qual o Fluminense enviou uma resposta.

– O Fluminense confirma o atraso e avisa que está trabalhando ininterruptamente para regularizar o quanto antes. Se possível antes do fim da semana. As situações emergenciais estão sendo tratadas caso a caso – diz o comunicado.

A dívida na CLT está prestes a completar dois meses, enquanto os direitos de imagem não são depositados há quase três.

Paralelamente a isto, existe, ainda, o impasse com a Sanatto, empresa terceirizada que é encarregada da limpeza nas Laranjeiras. Os atrasos sequer têm previsão de serem regularizados. O que leva funcionários a esboçar uma greve, visto que, do total de 60, apenas 10% foram ao trabalho no início da semana passada.

Em contato com o UOL, a assessoria do clube enxerga a ação como uma iniciativa de alguns empregados e, ao confirmar a pendência financeira com a parceira, ressalta que “está conversando para sanar a questão”.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Autuori reclama da Conmebol e ameaça não viajar a Bolívia

Viagem do Tricolor segue marcada para a tarde desta terça-feira.

Diante do conturbado momento político que atravessa a Bolívia, com manifestantes fechando as estradas por conta da disputa por royalties de uma reserva de gás situada entre os estados de Chuquisaca e Santa Cruz. Diante de tal situação, o diretor de futebol do Flu, Paulo Autuori, cobrou um posicionamento da Conmebol, e, não descarta cancelar a viagem:

– Seguimos esperando um posicionamento (da Conmebol) que vem sendo adiado. Se a gente vai depender de uma aeronave que não faz parte do nosso planejamento, por mim, abortaríamos esta viagem. Não podemos colocar em risco a segurança do nosso grupo por conta de um jogo. Dependemos de um posicionamento da Conmebol – Declarou Autuori.

Apesar do jogo do Tricolor ser em Potosí, o Fluminense havia planejada a logística passando por Santa Cruz de la Sierra, que fica em Santa Cruz, e Sucre, antes de chegar no local da partida.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Lucas Merçon
Top