fbpx

Diniz: Do inferno ao céu em 90 minutos

A vitória histórica na qual o Fluminense garantiu ontem, teve motivos de sobra para o torcedor poder exaltar o treinador Fernando Diniz. O técnico conseguiu realizar um feito histórico, tendo papel muito importante na construção do resultado.

Ele mesmo afirmou, que no primeiro tempo, errou a estratégia e que o 3×0, poderia ser bem mais. Novamente, sua decisão de pôr três volantes, foi muito criticada.

Diniz levou o torcedor à loucura (Foto: Lucas Merçon/FFC)

Menos mal, que no primeiro tempo mesmo, o Fluminense achou dois gols e saiu jogando melhor. Ao voltar do intervalo, tirou Airton, que novamente fez um jogo muito ruim, não contribuindo em nada e sempre atrasado, pesado e atrapalhado. No lugar dele, Danielzinho, meia que muito se contesta.

Pois bem, com essa mudança, Bruno Silva, que também foi duramente criticado, foi para a sua posição de origem, primeiro volante. Allan, voltou para o segundo volante, sua posição. E Danielzinho, como meia, articulando o ataque e recompondo a defesa, Diniz conseguiu consertar os erros no meio campo no mesmo jogo e foi em busca do resultado, futuramente, histórico.

O treinador ainda mandou bem ao colocar Pedro, que marcou de novo, no lugar de Guilherme, que não foi tão bem em seu primeiro jogo com a camisa tricolor.

Sua teimosia no primeiro tempo, foi recompensada com uma visão de jogo extremamente apurada e que mudou o rumo do jogo para o time das Laranjeiras. Um baile tático na segunda etapa, protagonizada por Diniz. Porém, viu-se novamente que essa formação envolvendo três volantes não funciona muito bem. Ainda há de se encontrar o meio termo e um time ideal sem Ganso, que deve voltar contra o Botafogo.

E há torcedor que peça sua demissão…vai entender…

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Crédito da foto inicial: Lucas Merçon/FFC

O problema não é o VAR. E sim, a arbitragem

O brasileirão começou e o Fluminense tropeçou feio em casa. Uma derrota amarga, com um gol, vamos dizer, ridículo, marcado por Rafael Vaz de falta por baixo da barreira no fim do jogo, levando os 17 mil tricolores ao ódio e a vaiar o time.

Mas o que chamou atenção no Maracanã ontem, foi o VAR. Ou, na verdade, o juíz Dewson Freitas. Uma atuação de chamar muita atenção da comissão de arbitragem da CBF. Erros grosseiros que determinaram o rumo do jogo e afetou muito os jogadores.

Primeiramente, Luciano não participou do lance do gol de Everaldo, em que o juíz, mesmo olhando-o no monitor do VAR, anulou o gol legal, afirmando que o jogador estava na frente do goleiro, participando do lance.

O segundo momento crucial foi na suposta falta marcada onde o Goiás marcou seu gol. Everaldo não fez falta. E ainda levou cartão amarelo por reclamar com a arbitragem.

No primeiro tempo, Bruno Silva sofreu falta dentro da área. Dewson marcou o pênalti. Depois, esperou quase três minutos e foi chamado pelo árbitro de vídeo para um suposto impedimento. No final, o jogador não estava em posição irregular e não estava impedido. Mas o que ele marcou? Só ele sabe.

Apesar disso tudo, ele ainda marcou um pênalti, também no VAR, onde Yago encostou a mão na bola. Cobrança que demorou 30 minutos para ser cobrada por causa da falta de iluminação no Maracanã. E Luciano conseguiu a proeza de perder a penalidade.

Após tantas polêmicas e confusões, é possível que tiremos algumas conclusões. O VAR funciona, isso é óbvio. Mas o despreparo da arbitragem brasileira é inacreditável. Vemos os campeonatos europeus todos utilizando essa tecnologia. Vimos na Copa do Mundo, na Champions League, mas o mais incrível é que no Brasil, o VAR consegue ser estragado. Falta preparo para os árbitros. Como utilizar uma alta tecnologia mas o básico, que é apitar um jogo de futebol estando em cima dos lances, não se faz. Ainda tendo a opção de rever os lances polêmicos e mesmo assim, a justiça não é feita.

O que chegou para ser uma tremenda ajuda, poderá atrapalhar cada vez mais a conturbada arbitragem brasileira.

E estamos só na primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Crédito da Foto: Blog Do Rica Perrone

Compareceu! Confira o público e renda do jogo entre Fluminense e Santa Cruz

O confronto entre Fluminense e Santa Cruz pela quarta fase da Copa do Brasil teve um público maior do que se espera para um jogo ás 21h30 de uma quarta-feira. Vamos aos números:

Público e renda:

Pagante: 19.026
Presente: 19.860
Renda: R$ 454.555,00

Essa foi a última partida do tricolor sob o comando do antigo consórcio do Maracanã. A partir de agora, o clube, juntamente com o Flamengo, irá gerir o estádio.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Crédito da Foto inicial: Lucas Merçon/FFC

Under Armour lança oficialmente a nova camisa do Fluminense

A fornecedora do material esportivo tricolor, a americana Under Armour, anunciou hoje, a nova camisa que será utilizada pelo Flu durante a temporada.

A camisa deverá ser utilizada na estreia do Time de Guerreiros no Campeonato Brasileiro, no dia 28 de abril. As vendas para o público abrem no dia 25 do mesmo mês.

Vale ressaltar que a camisa foi lançada com atraso, sendo prevista para janeiro e só lançada agora. A própria fornecedora já atrasou diversas vezes a entrega do material ao Fluminense e deve deixar de patrocinar o clube em junho de 2020, período no qual encerra o contrato com o clube. A empresa deverá se retirar do futebol nesse ano, mas a possibilidade de uma extensão de contrato com o tricolor não está descartada caso o cenário mude e a demanda seja maior do que a procura, a marca, quem sabe, continue no Flu.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Crédito das Fotos: Under Armour Brasil

Everaldo: A cada dia mais longe do Flu

O destino do atacante Everaldo parece estar praticamente definido. Com contrato até dia 17 de maio, o jogador encaminha para um acerto com o Corinthians.

Conforme já informado, o Fluminense, através de um fundo de investidores, teria os 2 milhões necessários para comprá-lo junto ao Velo Clube-SP. Porém, o timão, além de oferecer 3 milhões, ofereceu um salário maior do que o tricolor.

Everaldo está de malas prontas para o Timão (Foto:Lucas Merçon/Fluminense FC)

Contudo, o próprio empresário do jogador afirmou que além do salário maior, ambos tem medo dos problemas envolvendo os atrasos nos pagamentos mensais, fazendo com que Everaldo se recuse à assinar qualquer vínculo com o Fluminense. Tal negociação caminha para um desfecho, uma vez que o clube já anunciou Ewandro e busca outras opções para o ataque. Recentemente, nomes como Guilherme(Bahia) e Kelvin(Sem clube) estão em pauta.

Com isso, mais uma vez, o Fluminense vira vitrine de jogadores para o futebol. Para que o bom departamento de scout e futebol, que consegue achar bons jogadores ao redor de todo o país, trabalha? Para achar promessas e depois vendê-las e salvar as finanças do clube. Hoje em dia, não há qualquer tipo de identificação e amor à camisa nos jogadores vindo de fora. Muitos usam o clube como válvula de escape e para conseguir jogar com mais frequência.

Pode até haver uma certa simpatia com o clube e torcedores, futuramente, mas devido às condições precárias das finanças tricolores, devendo salários, direitos de imagens, férias etc, o jogador fica impaciente e acaba saindo pela porta de trás. E quem sofre, é o torcedor.

O último que realmente amava o clube, o zagueiro Gum, deixou o clube no final do ano passado após não chegar à um acordo para renovar seu contrato, atitude muito criticada pela diretoria no ano que o jogador completaria 10 anos vestindo a camisa tricolor.

Novamente, o Fluminense consegue dar um tiro no próprio pé.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Crédito da foto inicial: Lucas Merçon/ESPN

Quem deve sair para a entrada de Pedro no time titular?

Conforme já noticiado, o atacante Pedro irá fazer a sua reestreia com a camisa do Fluminense na quarta-feira contra o Santa Cruz pelo primeiro jogo da quarta fase da Copa do Brasil. Só que a principal pergunta feita pelos tricolores é: Quem deve deixar o time para a entrada do P9?

Ao que tudo indica, ele deve começar o jogo no banco de reservas entrando somente no segundo tempo. Mas o que se pergunta é qual dos três homens de frente, Luciano, Everaldo e Yony González, irá deixar o time para que o atacante tricolor entre? Nos primeiros jogos, ele sempre deverá vir do banco de reservas por ainda estar fora de ritmo e sem tempo de bola.

A tendência, é que Everaldo deixe o time, devido ao seu baixo rendimento apresentado nos últimos jogos e também, pelo fato de que o jogador deverá ir para o Corinthians após o término de seu contrato com o Fluminense. Provavelmente, sentiu o caminhão de dinheiro que o espera no Parque São Jorge, uma vez que o clube paulista ofereceu quatro vezes mais do que ele recebe atualmente.

Everaldo deve deixar o time do Fluminense (Foto: Lucas Merçon/FFC)

Luciano, que é o artilheiro e capitão tricolor em 2019, consegue sair um pouco mais da área, ajudando o Ganso na criação das jogadas. Yony, que tem atuado como centroavante, em alguns jogos, é deslocado para jogar nos lados do campo, alternando com o próprio Luciano. Com isso, deixaria Pedro centralizado dentro da área e eles atuando pelos lados do campo mas com uma certa ajuda na criação de jogadas pelo meio.

Saudações Tricolores

João Eduardo Gurgel

Crédito da Foto Inicial: Lucas Merçon/FFC

Top