fbpx

Julgados pelo STJD, Digão e Frazan estão liberados para enfrentar o Atlético-MG

Enquanto capitão tricolor pegou um jogo de suspensão, que já foi cumprido, jovem zagueiro foi absolvido

Foto: Lucas Merçon / FFC

Nesta sexta-feira (9), Digão e Frazan foram julgados pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pelas expulsões na derrota por 2 a 1 para o Vasco, em São Januário. Enquanto o capitão tricolor foi expulso após receber o segundo amarelo por entrada em Bruno César, o jovem zagueiro levou o vermelho direto por falta cometida em Yago Pikachu. Na ocasião, os atletas do time protestaram bastante contra a punição da arbitragem, principalmente Bruno Silva e Paulo Henrique Ganso.

Os dois zagueiros foram julgados por ‘jogada violenta’ ou ‘ato desleal’. Digão pegou um jogo de suspensão, já cumprido por ter recebido o cartão vermelho. Frazan, por sua vez, foi absolvido. Dessa forma, os dois estão liberados e poderão enfrentar o Atlético-MG, neste sábado (10), às 21h (de Brasília), no Independência. O duelo será válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Digão lamenta racismo sofrido por Pablo Dyego no Uruguai: “Isso nos incomoda demais”

Pablo Dyego disse ter sido vítima de racismo, pela primeira vez, no Uruguai, à época do primeiro jogo contra o Peñarol, no fim de julho, pela Sul-Americana. Aos 25 anos e com clubes de EUA, Canadá, Suécia e Polônia no currículo, o atacante afirmou que nunca havia sofrido discriminação racial explicitamente.

– Teve um episódio agora que aconteceu no Uruguai, em que eu sofri racismo, eu e alguns companheiros que também ali estavam. Infelizmente essa é a realidade que a gente vive hoje em dia, em um mundo tão moderno. Me deixa triste, até. Porque nunca tinha sofrido assim, de forma tão explícita, como sofri lá no Uruguai. Mas é levantar a cabeça e não deixar essas coisas ruins marcarem a gente – explicou ao “Saudações Tricolores”.

Em entrevista no Centro de Treinamento nesta quarta-feira, Digão detalhou e revelou a reação do colega ao episódio. O zagueiro passou pelo mesmo problema em solo uruguaio.

– Infelizmente, é uma coisa que dificilmente vai mudar. Eu sofri no ano passado, em um jogo contra o Defensor pela Sul-Americana. Cara ficou provocando o tempo todo. Me chamou do que vocês sabem. Eu fiz um gol e fiz um coração para ele para provocar. É uma coisa que não tem como controlar. Chamaram o Pablo de macaco lá no treino após o jogo. Ele entrou muito triste no vestiário. É algo que a gente não espera. Quero que essas coisas parem. Estamos em 2019. Isso nos incomoda demais.

Em maio, na virada por 5 a 4 sobre o Grêmio, Yony González ouviu falas racistas de gremistas presentes à Arena. Inicialmente condenado a pagar multa de R$ 30 mil, o clube gaúcho recorreu e, no início do mês passado, conseguiu a absolvição.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Ex-companheiro, Digão abre as portas do Flu para Fred: “Que venha ser feliz aqui”

Foto: Ricardo Ayres/Photocamera

Antes mesmo de assumir à presidência do Fluminense, Mário Bittencourt já falava do desejo da volta de Fred ao Tricolor. Fato que parece cada vez mais próximo.

O desejo no entanto, vai além dos torcedores e diretoria, e os próprios jogadores já parecem fazer ‘campanha’ pela volta do ex capitão Tricolor.

Ganso, foi um dos casos. Em sua chegada trocou diversos elogios com o camisa 9 e chegou inclusive a deixar claro a vontade de formar parceria com Fred.

Outro, Digão, que em coletiva nesta quarta-feira, deixou claro a vontade de contar com Fred de volta ao Flu:

– É ídolo do clube, é um ídolo para mim. Se vier, vai ser muito bem recebido. As portas estão abertas. Espero que ele volte. Se ele não estiver feliz lá, que venha ser feliz aqui no Fluminense – disse o atual capitão Tricolor.

Vale ressaltar que Digão já atuou ao lado de Fred não só no Fluminense, como também no Cruzeiro, clube onde o atacante tem contrato até o final de 2020, porém, uma transferência já no início do ano não é descartada.

Fonte: Globoesporte.com

Digão reitera gratidão ao Fluminense e afirma: “Clube que tenho no coração”

Capitão do Tricolor carioca, zagueiro destacou que “não pensou duas vezes” quando recebeu a proposta para voltar quando ainda estava no Cruzeiro

Foto: Lucas Merçon / FFC

Criado nas categorias de base do Fluminense, Digão retornou de empréstimo junto ao Cruzeiro no ano passado e renovou por mais um ano para continuar no clube em 2019. Campeão brasileiro e carioca em 2012, o zagueiro não esconde a ligação que tem com o Tricolor. Muito pelo contrário. Sempre que possível, demonstra sua gratidão e deixa claro que o coração pesa quando se fala de Fluminense. Após a vitória sobre o Internacional na última rodada do Brasileirão, o defensor revelou que recebeu propostas de outras equipes quando ainda estava no Cruzeiro, mas optou por vestir a camisa verde, branca e grená mais uma vez.

“Clube que me identifico muito. A palavra que define o que sinto pelo Fluminense é gratidão. O que tenho hoje devo ao clube. Cheguei com 13 anos. Tinha outras propostas para sair do Cruzeiro. Quando surgiu o convite do Fluminense, eu não pensei duas vezes. É o clube que tenho no coração e vou levar para o resto da minha vida. É gratidão mesmo”.

Recuperado totalmente da lesão que o deixou de fora do time por alguns meses, Digão reassumiu a braçadeira de capitão e aos poucos vai retomando as boas atuações. O zagueiro é presença certa na dificílima partida contra o Atlético-MG, em Minas Gerais, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. Cariocas e mineiros se enfrentam no próximo sábado, às 21h (de Brasília). Para aumentar a distância para a zona de rebaixamento, o Fluminense precisa conquistar um bom resultado diante do Galo, atual quarto colocado da competição.

Capitão do Flu, Digão elogia atuação da equipe e demonstra alívio com a vitória

Zagueiro teve um bom desempenho ao lado de Nino, seu companheiro na defesa tricolor

Foto: Lucas Merçon / FFC

Depois de sete jogos de jejum, o Fluminense enfim voltou a vencer pelo Campeonato Brasileiro. Enfrentando o Internacional, que mandou à campo uma equipe reserva, o Tricolor triunfou por 2 a 1 e conquistou os três pontos dentro do Maracanã. Com o resultado, a equipe foi para a 16ª posição e deixou a zona de rebaixamento momentaneamente. Em uma noite inspirada, o Flu criou diversas chances de gol e poderia ter saído de campo com um placar mais elástico.

Após a partida, o zagueiro Digão, capitão do time, falou com os jornalistas e elogiou a atuação dos companheiros, apesar das oportunidades desperdiçadas principalmente na primeira etapa. De acordo com o defensor, a vitória foi importante para dar um alívio para o Tricolor, que não conseguia repetir no Brasileirão as boas atuações da Sul-Americana.

“Era uma coisa que nos incomodava. Estávamos bem na Sul-Americana, mas no Brasileirão não estávamos conseguindo vencer. Hoje fizemos um jogo muito bom. O Inter é um time muito qualificado. Tivemos chances no primeiro tempo e não fizemos, mas voltamos melhor e conseguimos fazer os gols”, disse.

O Fluminense volta a campo somente no próximo sábado (10), quando enfrenta o Atlético-MG, fora de casa, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 21h (de Brasília).

Contra o Corinthians, Digão pode bater recorde de Gum com a camisa do Fluminense

Com 16 jogos pelo Tricolor, zagueiro está a uma partida de igualar e a duas de passar o recorde do ex-jogador da equipe na Copa Sul-Americana

Foto: Lucas Merçon / FFC

De volta após sofrer com uma lesão que o deixou de fora por um bom tempo antes da parada para a Copa América, Digão está muito próximo de atingir um recorde pelo Fluminense. Revelado nas categorias de base do clube, o zagueiro chegou aos 16 jogos com a camisa tricolor na Copa Sul-Americana, ficando atrás apenas de Gum, que já deixou o clube, e atuou em 17. Portanto, caso o defensor atue nas partidas de ida e volta contra o Corinthians, pelas quartas de final da competição, ele assumirá a liderança isolada de jogadores que mais vezes entraram em campo pelo clube das Laranjeiras na Sula.

Atualmente na Chapecoense, Gum teve momentos marcantes pelo Fluminense, principalmente em 2009, ano de sua chegada, quando marcou o primeiro gol na vitória por 2 a 0 sobre o Cerro Porteño-PAR no Maracanã, que resultou na classificação do Tricolor para a final da Sul-Americana daquele ano.

João Pedro segue de fora, mas Digão retorna contra o Peñarol; veja como o Flu deve ir a campo

Tricolor tem partida importante pelas oitavas da Copa Sul-Americana

Foto: Lucas Merçon / FFC

Nesta terça (30), o Fluminense encara o Peñarol pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa Sul-Americana. A bola rola às 21h30 (de Brasília), no Maracanã. Mais de 25 mil ingressos já foram vendidos. Como venceu por 2 a 1 o duelo de ida, no Uruguai, o Tricolor carioca pode até perder por 1 a 0 que se classifica para as quartas da competição. Para a partida, o treinador Fernando Diniz seguirá sem poder contar com João Pedro. O jovem atacante, fora desde que levou uma pancada no tornozelo direito contra o Vasco, ainda não está totalmente recuperado e novamente desfalcará a equipe.

Em contrapartida, o Flu terá o retorno do capitão Digão, que não atuou contra o São Paulo pelo Brasileirão por estar cumprindo suspensão. Diante deste cenário, Diniz deve manter Marcos Paulo no time titular e mandar a campo uma equipe praticamente igual a que triunfou em Montevidéu, com exceção do lateral-direito Gilberto, que livre de dores entra no lugar de Igor Julião, que teve boa atuação no duelo de ida.

Com isso, a provável escalação do Fluminense fica assim: Muriel; Gilberto, Digão, Nino, Caio Henrique; Allan, Daniel, Paulo Henrique Ganso; Marcos Paulo, Yony González e Pedro.

Em má fase no Brasileirão, Fluminense terá desfalques contra o São Paulo

Time de Fernando Diniz teve Digão e Frazan expulsos no segundo tempo na derrota para o Vasco

Foto: Lucas Merçon / FFC

Sem vencer há oito jogos, o Fluminense encontra-se em uma situação delicada no Campeonato Brasileiro. De 33 pontos disputados, a equipe de Fernando Diniz venceu apenas nove, o que o deixa na beira da zona de rebaixamento, na 16ª posição, podendo inclusive entrar no Z4 dependendo dos resultados da rodada. Porém, a dor de cabeça não para por aí.

Na derrota por 2 a 1 para o Vasco, o Tricolor teve Digão expulso após receber dois cartões amarelos. Então, o treinador colocou Frazan no lugar de Nenê para garantir a segurança defensiva do time. Entretanto, poucos minutos depois, o zagueiro acabou sendo expulso em um lance um tanto quanto controverso, fazendo com que o Fluminense terminasse a partida com dois jogadores a menos.

Precisando urgentemente vencer para respirar no Brasileirão, o clube das Laranjeiras não poderá contar com os dois defensores na próxima rodada, onde enfrenta o São Paulo, no Maracanã. Como Matheus Ferraz está lesionado, e Léo Santos ainda se recupera de uma contusão, Diniz provavelmente precisará improvisar algum atleta. Como opção, o técnico tem o volante Yuri, que foi titular contra o Vasco, e o jovem Luan, de 18 anos, zagueiro de origem que foi integrado ao elenco profissional antes da parada para a Copa América.

Foto: Lucas Merçon / FFC

Digão se diz recuperado de lesão e projeta melhora pós-Copa América: “A gente merece”

Sem jogar desde o dia 10 de março devido a uma fratura na fíbula da perna esquerda, Digão voltou aos treinos com o restante do elenco no início da semana. Com a ausência de Matheus Ferraz, lesionado, o camisa 26 formará dupla com Nino, no que depender dele, já na retomada do Campeonato Brasileiro, em 15 de julho, contra o Ceará, no Maracanã.

— Estou curado, me recuperei bem e agora é só focar nessa volta. Acredito que estarei pronto. Vai depender muito do treinador, mas tenho treinado bem com os companheiros. Espero aproveitar essas três semanas que ainda temos de preparação para chegar bem e estar à disposição do treinador – disse.

Apesar do bom desempenho em campo, a equipe comandada por Fernando Diniz encerrou o primeiro semestre à beira da zona de rebaixamento, com apenas 8 pontos. A parada para a Copa América, além de facilitar a recuperação da condição física de Digão, pode servir para o Tricolor evoluir para a sequência da temporada.

— Por eu ter ficado muito tempo parado, tenho que chegar no nível dos meus companheiros. Vejo como boa a parada para a Copa América, vou ganhar um tempo legal para trabalhar. Esses elogios que vocês (imprensa) vêm fazendo são fruto de trabalho, de muito treinamento pesado. A tendência é melhorar a cada dia. Espero que a gente termine o ano muito bem. Acho que a gente merece – opinou.

A entrevista do zagueiro, nesta terça-feira, estreou a nova sala de imprensa do clube, no Centro de Treinamento. Prata da casa, ele lembrou a estrutura nas Laranjeiras e estabeleceu uma comparação com os dias de hoje.

– Fico feliz em inaugurar essa bela sala, ficou muito bonita mesmo. Parabéns aos envolvidos. Uma honra para mim. Fico feliz em ver o clube crescendo a cada dia. Ter aquela salinha de imprensa lá em Laranjeiras e hoje ver isso aqui é muito gratificante.


LEIA MAIS RESPOSTAS:

Possíveis contratações: “Vejo como positivas, são muito bem-vindas. O ano é muito longo, campeonato disputado…”.

Eleição de Mário e Celso: “São velhos conhecidos, estão voltando para casa e conhecem muito bem o clube. O grupo os recebeu muito bem. Acredito que vai ser uma boa gestão. Estaremos dispostos a ajudá-los no que for preciso”.

Atrasos salariais: “Foi feita essa reunião. Lógico que eles precisam de tempo para trabalhar. Logo, logo as coisas vão se resolver para termos um bom ambiente de trabalho e ter a cabeça só em jogar futebol, sem ficar pensando nessas questões extracampo”.

Erros do 1º semestre: “O professor cobra muito da gente e dele mesmo. Essa parada veio em boa hora para a gente sentar, conversar e trabalhar duro para corrigir os erros”.

Rodízio de jogadores: “Fico muito feliz pelo Nino e pelo Frazan, que tem entrado muito bem nos jogos. O campeonato é longo, temos duas competições importantes. Vamos precisar de todo mundo. Tem as lesões, que acontecem naturalmente… Mas quem tem entrado, tem correspondido bem”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Digão garante apoio do grupo a Rodolfo: “Não estamos aqui para julgar”

Flagrado em exame de doping por suposto uso de cocaína, o goleiro Rodolfo negociou com a diretoria, por norma legal, a suspensão do contrato com o Fluminense. Ele não pediu a contraprova, onde poderia contrariar o resultado do primeiro exame, o que indica que assume culpa.

Poucas horas após a veiculação da notícia, o zagueiro Digão, um dos líderes do elenco, postou em rede social mensagem de apoio ao companheiro.

– Bora, irmão. Você é guerreiro! Sei que o momento é delicado, mas se mantenha firme. Não estamos aqui para te julgar e sim para estender a mão. O grupo está com você.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top