fbpx

Campeão brasileiro pelo Fluminense, Duílio cita expectativa para o clássico contra o Flamengo: “Tem que jogar para ganhar”

Foto: Matheus Gevaerd

Ex-zagueiro, que foi capitão nos títulos cariocas de 83 e 84, justamente sobre o Rubro-Negro, concedeu entrevista exclusiva ao Canal Flu News

Nesta quinta-feira (14), o Fluminense encara o Flamengo por uma vaga na decisão da Taça Guanabara. O duelo acontece às 20h30 (de Brasília), no Maracanã. Um dia antes do clássico, o Canal Flu News conversou exclusivamente com um ex-jogador que entende muito bem o que é derrotar o rival regional. Duílio, capitão tricolor nos títulos cariocas em 83 e 84 – ambos sobre o Rubro-negro -, e na conquista do Brasileirão, também em 84, comentou sobre sua expectativa para o Fla-Flu e analisou o momento do clube de Laranjeiras.

“A expectativa para o Fla-Flu é grande, é claro. Nós esperamos que o Fluminense jogue como Fluminense pois é um Fla-Flu. Tem que jogar para ganhar. Jogar para eliminar o Flamengo, pois o empate é do Flamengo. A expectativa é muito grande. Que ele possa fazer um bom jogo e sair com a vitória, para que possa decidir a Taça Guanabara”.

Veja abaixo mais tópicos da entrevista com Duílio:

Influência da tragédia no Ninho do Urubu, CT do Flamengo

“Espero que dentro dessa expectativa o Fluminense não se deixe envolver por essa situação que aconteceu no CT do Flamengo, porque não é um problema do Fluminense. Aconteceu uma fatalidade, todos nós ficamos tristes com a perda de vidas e de garotos, mas vida que segue. É um clássico que decide uma vaga para a final e o Fluminense tem que fazer o seu melhor. Espero que isso não abale os jogadores, que eles entrem para fazer o seu melhor e que consigam o resultado que coloca o Fluminense para disputar a final”.

Trabalho de Fernando Diniz 

“Eu acho que o trabalho do Diniz, que foi meu jogador na época que eu era auxiliar e trabalhava no Fluminense, está surtindo efeito. Mas ainda precisa e carece de peças que possam fazer com que dê mais mobilidade e mais corpo à equipe. Para se jogar daquela tem que ter jogadores que entendam o que ele deseja e que não vire uma pelada. Que não usem aquilo como se fosse um brinquedo. A responsabilidade também é do jogador. É uma filosofia que ele implanta e que o jogador tem que fazer o seu melhor. Acho que o Fernando está fazendo um bom trabalho e esse elenco, se jogar da maneira que o Fernando propõe, pode surpreender”.

Sentimento de disputar um Fla-Flu

“Fla-Flu sempre foi um ingrediente dentro das nossas vidas, na época que eu jogava no Fluminense, essencial. Eu sempre disse que quem passou pelo Fluminense, e não jogou um Fla-Flu, não jogou no Fluminense. Acho que um Fla-Flu é tudo que um jogador está em um clube grande como Fluminense pode disputar. Ganhei alguns Fla-Flus, fomos campeões em cima do Flamengo em 83 e 84, perdi uma Taça Guanabara, mas no geral ganhei mais do que perdi. O Fla-Flu era algo que nos motivava, era algo que enchia o Maracanã com 150, 160 mil pessoas. Hoje com 40 mil todo mundo acha que está muito bom… Vamos esperar que, como dizia Nelson Rodrigues: ‘O melhor Fla-Flu está por vir’. Que o resultado seja um fator do trabalho que os jogadores façam em campo, porque era o que nos fazia mexer e correr atrás. Era o Flamengo, dava sempre um gostinho melhor”.

Palpite para o jogo

“Eu não tenho palpite para o jogo, mas desde que o Fluminense ganhe pode ser um gol impedido aos 50 minutos do segundo tempo de mão, porque como eles dizem ‘roubado é mais gostoso’, então vamos nessa”.

Top