fbpx

Um jogo. Dois derrotados

Já não é de hoje, aliás, bota tempo nisso, que a falta de inteligência dos dirigentes esportivos brasileiros, no presente caso, dos clubes cariocas e da Federação, tem protagonizado espetáculos dos mais esdrúxulos que não honram à memória e tradição do violento esporte bretão.
Sem fazer muita força, lembro-me do campeonato da dengue, onde tivemos sequência de W.Os., um outro, em que, ao final do jogo, Vasco e Botafogo deram a volta olímpica, cada qual arvorando para si o título daquele ano, ou ainda, o famigerado caixão de 2002.
Enfim, os exemplos são fartos e variados. Sendo que, o que não varia são as causas e efeitos dessa tragédia.
Como causas, impera entre os ineptos dirigentes a máxima da “lei de Gerson.”
Querem medir pequenas vantagens, querendo um dar uma de esperto sobre o outro e, no final das contas, todos saindo perdendo.
No caso em exame, confesso, tenho minhas dúvidas de quem teria razão nessa pendenga do lado da arquibancada.
A princípio, considerando que o Fluminense tinha ordem judicial ignorada pelo Vasco, sou tendente a dizer que assistia direito ao meu tricolor.
Mas, o Vasco, não se fez de rogado e, para não se sentir, sabe-se lá Deus porque, diminuído em sentar no lado Norte, passou a vender os ingressos do jeito que entendia ser.
Aí, foi a vez do Fluminense dar uma de machão. Seu presidente foi à imprensa e, irresponsavelmente convocou a torcida para, em suas próprias palavras, “uma guerra,” aceitando o tal lado Norte, mas já sabendo de antemão, que torcedores vascaínos já teriam adquirido ingressos também para esse setor.
Diria o Capitão Nascimento: “só podia dar merda.”
Em tempo, falava do torcedor. Pois é. Esse personagem tão fundamental ao encanto do futebol foi, literalmente, esquecido nessa tosca queda de braço entre Vasco x Fluminense e Ferj.
Sendo que, ainda que os ineptos dirigentes se esqueçam deles, os torcedores, existe uma prudente legislação que estabelece regras mínimas voltadas para a necessária segurança e conforto do torcedor.
Regras essas ignoradas pelos dirigentes, na sua quedinha de braço particular, mas que, aos 45 do segundo do tempo, diante das inúmeras pataquadas desses ineptos, a justiça fez o que lhe cabe: cumpriu a lei.

Resta indagar: Por que raios de razão Vasco x Fluminense e Ferj não tiveram a capacidade, ainda na sexta-feira, de sentar e fazer um acordo?
Respondo: Por que falta aqueles que estão a frente dessas entidades bom senso e visão. Um quis ser melhor do que o outro. E, todos eles saíram perdendo.

Mais uma triste página desse dantesco campeonato carioca

Fluminense proíbe que funcionários do Vasco vendam ingressos para tricolores nas Laranjeiras

Com o setor Sul, por ora, destinado aos cruz-maltinos, o Vasco enviou funcionários às Laranjeiras para iniciar a venda de ingressos aos tricolores para o setor Norte. Porém, o Fluminense vetou a comercialização por entender que sua torcida deve ser alocada à direita das cabines de imprensa, conforme previsto em contrato com o consórcio que gerencia o Maracanã.

Paralelamente à reunião entre presidentes de Vasco, Fluminense e Concessionária Maracanã, na sede da FERJ,  foram vendidos 18 mil entradas nas bilheterias de São Januário, no próprio palco da final, marcada para este domingo, e pela internet.

Desde a reabertura do estádio, em 2013, os rivais duelaram nove vezes por lá, sendo que o Fluminense ocupou a arquibancada Sul em todas as ocasiões, seja como mandante ou como visitante – como é o caso desta vez.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

 

Em nota, Fluminense repudia possível descumprimento de acordo pelo lado direito do Maracanã

A dois dias de decidirem a Taça Guanabara, Fluminense e Vasco trouxeram à tona uma velha briga, envolvendo o setor Sul do Maracanã. Dessa vez, enquanto o rival, sorteado como mandante do jogo, anuncia que sua torcida ficará à direita das cabines de rádio e TV, os tricolores reivindicam o direito, garantido em contrato com o consórcio do estádio, de ocupar o espaço.

Após declarações de Pedro Abad de que o caso irá à Justiça até que se chegue a uma solução, nesta sexta-feira, o Fluminense divulgou nota na qual repudia possível descumprimento do acordo combinado em 2013. Leia, na íntegra:

“O Fluminense Football Club notificou o Complexo Maracanã Entretenimento (CME), na manhã desta sexta-feira (15/02), para que cumpra o contrato prévio existente entre as partes, que garante o uso do Setor Sul pela torcida tricolor. Em documento enviado ao CME, o Flu alerta para as consequências do descumprimento do Termo Aditivo ao Contrato – em pleno vigor por força de decisão judicial, em caráter liminar, proferida pelo Desembargador Eduardo Gusmão Alves de Brito Neto nos autos do Agravo de Instrumento nº 0015955-76.2017.8.19.0000 – e solicita que seja estabelecido o posicionamento de sua torcida no Setor Sul do Estádio Mario Filho na partida contra o Club de Regatas Vasco da Gama, a ser realizada no próximo domingo (17/02), válida pela final da Taça Guanabara, do Campeonato Estadual de Futebol Profissional do Rio de Janeiro. O CRVG também foi notificado. Desde 2013, no novo modelo do Maracanã, foram nove confrontos entre as equipes no estádio, independente do mandante, todos com os tricolores no Setor Sul. O Fluminense vai lutar para ter seus direitos mantidos, inclusive, indo à Justiça para garanti-los, e espera que Mauro Darzé, em nome do Consórcio Maracanã, se manifeste em relação ao possível não cumprimento do contrato.”

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Ferj define Vasco como mandante e, clube poderá escolher o setor que irá abrigar seu torcedor

De acordo com a federação, sorteio definiu o mando ao Cruz maltino.

O clássico entre Fluminense e Vasco, que irá decidir o título da Taça Guanabara, já começou nos bastidores e, com vitória vascaína. Isso porque, por determinação da Ferj, o clube da cruz de malta poderá escolher o lado em que ficará sua torcida, devendo desta forma optar pelo setor Sul, onde é frequentado costumeiramente pelos tricolores.

De acordo com  Ferj, em sorteio realizado pela própria confederação na última segunda-feira (11), apontou o cruz maltino como mandante da decisão. Podendo desta forma optar em qual setor abrigará sua torcida.

A definição saiu na manhã desta sexta-feira (15) em reunião na sede da própria federação que, além dos presidentes dos clube, também estiveram presentes representantes da polícia e do consórcio Maracanã.

Mesmo com alerta de temporal, Ferj mantém datas da Taça Guanabara

Depois dos jogos serem adiados por conta da tragédia do Ninho, a chuva agora era a ameaça.

Começou a circular na tarde desta terça-feira (12) rumores de qua as semifinais da Taça Guanabara pudessem novamente ser reagendadas.

Depois de serem adiadas por conta da tragédia no Ninho do Urubu, quando um incêndio vitimou 10 atletas da base rubro-negra, o alerta de forte chuva que está previsto para cair na cidade do Rio de Janeiro a partir desta quarta-feira (13) fez com que levantes se a possibilidade de remanejamento BA partida entre Vasco x Resende, previsto para acontecer nesta quarta-feira (13).

Contudo, após uma reunião entre os representantes dos clubes, a Ferj e autoridades do BEPE (Batalhão Especial de Patrulhamento nos Estádios) ficou determinado a permanência do joga entre Vasco e Resende para quarta-feira (13) com o Fla-Flu permanecendo na quinta-feira (14).

A manutenção das datas foi confirmada pela própria Ferj através do perfil oficial da entidade pelo Twitter.

Ainda na tarde desta terça-feira (12) chegou a ser levantada a hipótese de as duas partidas acontecerem no mesmo dia, porém como a própria Ferj explica em seu Twitter oficial, a PM inviabilizou esta opção.

FERJ define grupos, confirma o VAR e mantém formato adotado há dois anos no Carioca de 2019

Embora tenha implantado o VAR, que acompanhará as semifinais e finais de turno e a final-geral (totalizando dez jogos), a FERJ manteve o formato que vem sendo usado desde 2017 no Campeonato Carioca. Uma reunião na tarde desta terça-feira, entre a entidade e os representantes de cada clube da primeira divisão, definiu os grupos B e C. Neste primeiro, ficam Fluminense e Vasco; no segundo, Botafogo e Flamengo.

O encontro também serviu para os cartolas debaterem questões como a data de clássicos. Nesta edição, os rivais se enfrentarão aos fins de semana, como forma de atrair maior público. A exceção é a decisão da Taça Rio, cujo atual campeão é o Fluminense, que deverá ser disputada numa quarta-feira.

– Foi uma tentativa de fazer ter mais público nos jogos, valorizar o produto. Não teve mudança de regulamento, de fórmula de disputa, só o sorteio mesmo. Teve algumas sugestões, eu dei a da rodada dupla, que atrai mais torcedor, diminui custo, gera mais receita para todo mundo. Vai ser analisado em outra reunião para definir o modelo de exploração de receitas novas, pode ser que venha a vingar – comentou Pedro Abad, o único presidente, junto com Nelson Mufarrej, do Botafogo, a comparecer ao compromisso.

O regulamento sofreu questionamentos por, neste ano, deixar Flamengo e Fluminense, campeões de turno, fora da final-geral, entre Vasco e Botafogo – que levou a melhor. Da mesma maneira que, em 2017, o Rubro-Negro acabou levando a taça do Campeonato Carioca, mesmo sem vencer a Taça Guanabara ou a Taça Rio. Mudança de vantagem e data de inscrição são assuntos que serão postos em pauta numa outra reunião até dezembro.

O primeiro rival que cruzará o caminho do Fluminense na Taça Guanabara, onde os times de mesmo grupo se enfrentam, é o Vasco – partida acontece nos dias 2 ou 3 de fevereiro. Na primeira rodada, entre 19 e 20 de janeiro, os tricolores terão o Volta Redonda pela frente. Lembrando que na Taça Rio duelam equipes de chaves diferentes. O fim do Estadual é dia 21 de abril.


  • Cenário 1: Se times diferentes conquistarem as taças Guanabara e Rio, a semifinal-geral será entre eles e os dois melhores colocados na classificação-geral. Os campeões dos turnos têm a vantagem do empate. A final será realizada em dois jogos;
  • Cenário 2: Se o mesmo time conquistar ambos os turnos, ele vai direto para a decisão do estadual. Os quatro melhores colocados na classificação-geral fazem as semifinais. A decisão da vaga entre os dois vencedores e grande final serão em jogo único.

Tabela da Taça Guanabara:

Tabela completa da Taça Guanabara 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com
Tabela completa da Taça Guanabara 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com

Tabela da Taça Rio:

Tabela completa da Taça Rio 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com
Tabela completa da Taça Rio 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com
Tabela completa da Taça Rio 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com
Tabela completa da Taça Rio 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com

Tabela da fase final do Campeonato Carioca:

Tabela da fase final do Campeonato Carioca 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com
Tabela da fase final do Campeonato Carioca 2019 — Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FERJ garante VAR em decisões do Campeonato Carioca em 2019

Uma reunião na FERJ, nesta terça-feira, decidiu pelo uso do VAR no Campeonato Carioca em 2019. A federação se dispôs a assumir os gastos e, entre quatro opções, escolheu a empresa Hawk-Eye Innovations, a mesma contratada para a Copa do Mundo na Rússia, para comandar a estreia do recurso no Estadual.

– Está confirmado, vai ter VAR. Agora vamos marcar uma reunião com a presença do diretor financeiro apenas para acertar a forma de pagamento com a Hawk-Eye. Acertando isso, assinatura do contrato com parecer do departamento jurídico da FERJ – detalhou Jorge Rabello, presidente da Comissão de Arbitragem de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Coaf-RJ).

No ano que vem, a possibilidade de acionar a revisão de lances só existirá em dez jogos: as semifinais e finais de turno, e os quatro jogos da decisão do campeonato. Considerando o valor de R$ 175 mil, cobrado para o treinamento de 25 profissionais, mais os R$ 25 mil por partida, o total do contrato é de R$ 425 mil.

Com o sucesso no Mundial, o VAR foi ganhando espaço no país. Está, desde agosto, disponível na Copa do Brasil. Também estará presente na Libertadores e na Sul-Americana, disputada pelo Fluminense, a partir da fase de quartas-de-final. Mas a nível regional não é novidade: foi utilizado nas finais do Campeonato Pernambucano e Catarinense e num Gre-Nal, pelo Gaúcho.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Paralisação dos caminhoneiros pode suspender rodada do Brasileirão

Paralisações já duram quatro dias.

Diante da greve dos caminhoneiros que iniciaram paralisação em todo o país, a rodada do Campeonato Brasileiro deste fim de semana pode ser adiada pela CBF. A entidade confirmou que monitora a situação, mas por hora as partidas estão mantidas.

No Rio de Janeiro, a Ferj, já anunciou a suspensão de suas competições, contudo, os jogos de Fluminense e Botafogo que acontecem no estado neste fim de semana ainda está mantido por ser de responsabilidade da CBF.

A greve dos caminhoneiros já duram quatro dias pode afetar os eventos em diversas frentes, desde o abastecimento de bares, à logística para deslocamento de efetivo de segurança e o transporte de torcedores.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Foto: Reprodução TV Globo

Paulo Autuori se irrita e desiste de comemorar título no Maracanã

O Fluminense goleou o Botafogo, domingo, por 3 a 0, e se sagrou campeão da Taça Rio. Apesar da importância do título para o clube, passando por problemas extracampo, Paulo Autuori se recusou a participar da comemoração no gramado do Maracanã com o time. Esteve ausente, inclusive, à cerimônia de premiação. A razão, segundo o UOL, é a situação incômoda com a qual o diretor-esportivo lidou.

De acordo com as informações do site, Autuori se irritou com a invasão de cartolas ao vestiário tricolor, nos momentos em que deveria haver maior privacidade.

Enquanto Abel Braga rezava e conversava com o elenco, pessoas ligadas à FERJ e sem vínculo com o Tricolor entravam e saíam do local. Paulo optou por seguir direto para o ônibus da delegação.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top