fbpx

Apesar da derrota, Diniz cita superioridade no clássico e vê Fluminense no caminho certo

Foto: Lucas Merçon / FFC

Treinador tricolor também lamentou a confusão entre os clubes em relação ao Setor Sul, além de comentar possível retorno de Gilberto contra o Bangu

A derrota por 1 a 0 para o Vasco na decisão da Taça Guanabara foi a segunda de Fernando Diniz no comando do Fluminense. A primeira havia sido também para o Cruzmaltino e pelo mesmo placar. Porém, o revés na final parece não ter abatido o treinador. Em entrevista coletiva concedida após a partida, Diniz elogiou a atuação da equipe e julgou o Tricolor mais superior do que na semifinal contra o Flamengo.

“Se formos falar de desempenho e não falar de resultado, não abalou em nada. Tivemos uma superioridade maior do que contra o Flamengo, tivemos diversas chances de gol e perdemos o jogo em uma bola parada. Quanto ao time, foi muito bem preparado. Fiquei satisfeito”.

O técnico falou sobre a coincidência de ter perdido para o Vasco novamente em uma bola parada. No primeiro jogo entre as equipes, no Mané Garrincha, o Cruzmaltino triunfou com um gol de pênalti.

“O Vasco tem uma bola parada forte. Foi uma coincidência. Do jogo de hoje para o de Brasília nosso time evoluiu bastante. Praticamente conseguimos anular todas as chances do Vasco e eles ganharam em uma bola parada”.

Perguntado sobre a confusão envolvendo o Setor Sul do Maracanã, que começou na sexta-feira e se estendeu até os 35 do primeiro tempo do confronto, Diniz disse que isso não atrapalhou a preparação da equipe, mas que o ocorrido foi uma ‘vergonha’. Além disso, pediu mais carinho para com o Campeonato Carioca.

“Isso não teve interferência na preparação do time. Não são coisas que gostamos, ficamos incomodados, mas trabalhamos muito bem a questão e os jogadores fizeram uma boa partida”.

“É uma vergonha para o futebol, para a sociedade, para as torcidas. Jogar uma parte da final da Taça Guanabara de depois chegar a torcida no meio do jogo é uma coisa vexatória. O que me motiva é o futebol em si. E aqui ser uma cidade maravilhosa, que respira futebol. Isso é maior que a desorganização do campeonato. Por isso que os torcedores ainda vêm. Mas poderia ser um espetáculo mais bem tratado”.

O treinador tricolor falou sobre a possível estreia de Ganso, na próxima sexta-feira (22), contra o Bangu. De acordo com ele, não há nada garantido, apesar de existir a chance. De acordo com ele, Gilberto, fora há seis meses, pode retornar.

“Ainda não está confirmada a estreia do Ganso. Tem chance de estrear. Tem chance do Gilberto voltar. O Allan chegou, também pode ficar à disposição”.

Por fim, Diniz fez um balanço sobre os dois meses no comando do Fluminense e disse ver o elenco no caminho certo para fazer um grande trabalho.

“Gostei muito do que vi. Pelo tempo que estamos juntos, o que o time fez é digno de muitos elogios. Mas a distância do que podemos melhorar é muito grande também. Quando tivermos semanas mais cheias para treinar, a melhora será acentuada”.

 

Fernando Diniz indica equipe que duelará com o Vasco neste domingo

Embalado com o triunfo no clássico contra o Flamengo, o Fluminense se prepara para encarar mais um rival, agora na decisão da Taça Guanabara. A equipe precisa vencer o Vasco para se sagrar campeã, neste domingo, no Maracanã, em jogo com portões fechados. Em caso de empate, haverá pênaltis.

Com caxumba, Mascarenhas segue como desfalque e dá a vaga a Marlon. O volante Caio, reserva, está com a mesma infecção. Também suplente, o jovem João Pedro sofreu entrada dura de Bruno Silva em atividade no CT e torceu o tornozelo esquerdo. A escalação deve ser a igual à de quinta-feira.


Rodolfo; Ezequiel, Matheus Ferraz, Digão e Marlon; Airton, Bruno Silva e Daniel; Luciano, Everaldo e Yony González.

Confira a lista de relacionados:

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com. 

Encantado por Ganso, Diniz vê mais potencial no brasileiro do que via em Xavi

Treinador foi fundamental para a chegada do jogador ao Flu.

Um dos maiores e responsáveis pela ida de Ganso ao Flu, o técnico Fernando Diniz se mostrou encantado com o futebol do meia, e, em entrevista ao jornalista Mauro César Pereira, da UOL e dos Canais ESPN, revelou que vê mais potencial no meia brasileira do que via em Xavi, ex jogador do Barcelona:

Ele não tem obrigatoriedade de entrar na área, e tem mais de Xavi do que de Zico. Ele tem mais genialidade do que tinha o Xavi, pode fazer coisas que Xavi não fazia. Falo do potencial. Se conseguirmos ajudá-lo a botar pra fora esse potencial… Ele tem genialidade, é um jogador incomum. O futebol ficou mais físico e às vezes não comporta as qualidades que tem. Uma equação que não é das mais fáceis, mas se jogar bem será bom para todos nós, principalmente para o futebol. Ele faz coisas que nos estimulam a gostar de futebol, e o Brasil perdeu jogadores com essa característica. É um talento diferente – destacou o treinador.

A estreia de Ganso pelo Fluzão já está sendo costurada para acontecer na primeira partida da Taça Rio, em jogo contra o Bangu. A partida que estava marcada para Moça Bonita já foi inclusive transferida para o Maracanã por conta da provável estreia do meia.

“O que você está fazendo?”: Dodi explica bronca de Fernando Diniz contra o Fla

Quinta-feira, o Fluminense despachou o Flamengo e se garantiu na final da Taça Guanabara apenas nos acréscimos, com gol marcado por Luciano. Um jogo que marcou, principalmente, o volante Dodi por ser sua estreia no ano.

Ele, que se recuperou de uma lesão no joelho direito, substituiu Daniel, na volta do intervalo. Logo que entrou em campo, o jogador tomou uma enorme bronca de Fernando Diniz, flagrada pela transmissão do Premiere. “O que você está fazendo?”, questionou o treinador.

Ao Globoesporte.com, Dodi disse que encarou a situação com naturalidade e que não se chateou. Após o jogo, inclusive, o jovem conversou e ganhou o apoio de Diniz.

– Aquela cobrança do Diniz é natural, coisa que acontece em todos os treinos e isso se repete nos jogos. Ele sabe tirar o máximo de cada atleta e sabe do nosso potencial, então, ele faz isso para nos incentivar e procurar extrair o máximo do nosso futebol.

Dodi se contundiu em choque com Digão, ainda durante a pré-temporada. O que o levou a desfalcar o time nos sete primeiros compromissos de 2019. O volante se recuperou por meio de sessões de fisioterapia.

– Voltar a jogar é especial, ainda mais se for um clássico. Foi meu primeiro jogo na temporada e estou muito feliz por isso, estava trabalhando firme para me recuperar da lesão o quanto antes e graças a Deus as coisas deram certo. Me sinto bem fisicamente e agora vou trabalhar para não deixar a confiança cair – declarou.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Comentarista detona Abel Braga: “foi a vitória do futebol contra um time covarde”

Foto: Lucas Merçon/FFC

Durante debate no programa “linha de passe” Mauro César não poupou críticas ao treinador.

Após a vitória do Fluminense sobre o Flamengo, muitos comentaristas esportivos criticaram a postura da equipe rubro-negra e sobre tudo do treinador da equipe: Abel Braga.

Um desses comentarista, Mauro César Pereira, dos canais ESPN, não poupou crítica ao treinador durante na edição da última quinta-feira (14) do programa Linha de Passe

Em uma de suas falas, Mauro César chegou a dizer que o treinador é poupado das críticas por parte da imprensa:

– O Abel é tipo o Felipão: por ser um treinador bom de resenha, ele é poupado em relação as críticas. Mas até seus comentários são ultrapassados. Lamentar as chances criadas, que chances ? Uma derrota que serve de aprendizado… jogar no contra ataque ? É inadmissível um time do tamanho do investimento do Flamengo, jogar no contra ataque – disse Mauro.

Em certo momento do programa, o comentarista ainda enalteceu o trabalho de Fernando Diniz, chegando a dizer que a partida foi: “uma vitória do futebol contra a covardia”.

– o jogo do Flamengo foi covarde, enquanto o Fluminense, mesmo com jogadores tecnicamente inferiores, tentava ficar com a bola, tentava propor o jogo. Não liquidou a partida antes por que faltava exatamente do meio para frente essa categoria. Espero que o Fluminense conquiste coisas boas, pois vence o futebol. Hoje foi uma vitória do futebol contra um time covarde – falou o comentarista

Ainda de acordo com o jornalista, o trabalho realizado por Abel Braga até o momento é um regresso em comparação aos trabalhos realizados por Dorival Júnior e até mesmo Maurício Barbieri, ex treinadores do Flamengo.

Após vitória, Diniz defende seu estilo de jogo: “Assumo riscos pelo que acredito”

Foto: Lucas Merçon/FFC

O comandante reforçou que o resultado do clássico veio pelo trabalho e esforço da sua equipe.

Por Rômulo Morse

O Fluminense dominou o Flamengo na emocionante vitória por 1 a 0, no Maracanã, pela semifinal da Taça Guanabara, com gol de Luciano aos 48 minutos da segunda etapa. Um dos responsáveis pelo placar positivo, o técnico tricolor, Fernando Diniz, reforçou a ideia de jogo praticada pelos seus comandados.

“Quando o resultado vem, os comentários sobre o time são positivos. Se o resultado fosse negativo, estaríamos sendo criticados agora. Mas, além do resultado do jogo, tenho convicções muito fortes e assumo riscos pelo que acredito. Gosto de correr riscos que acho pertinentes. Foi conversado no intervalo que, se o jogo continuasse 0 a 0, seríamos mais agressivos em campo. Fomos coroados com o trabalho coletivo e esforço dentro de campo em busca do resultado até o fim”, afirmou o treinador.

Diniz reforçou o pensamento abordando o aspecto defensivo da sua equipe, que, segundo o próprio, é essencial para o seu estilo. Além disso, já mudou o foco para o próximo duelo: a final do turno contra o Vasco.

“Uma das características de uma equipe que gosta de ter a posse de bola e jogar junto é marcar em conjunto. Procuramos adiantar o time e pressionar juntos. Se deixarmos espaços por dentro, seremos presas fáceis. Estamos no início de trabalho e temos coisas ainda para melhorar. Vamos descansar para o jogo de domingo com o Vasco. Agora o time precisa virar a página e pensar no Vasco.”

O Fluminense fará o clássico decisivo contra o time de São Januário no Maracanã, às 17h. O time de Alberto Valentim superou o Resende na outra semifinal e possui a melhor campanha na competição. Apesar disso, não haverá vantagem e caso o jogo termine empatado, a decisão irá para as penalidades.

Diniz analisa Fla-Flu, comenta situação do CT e garante manutenção do estilo de jogo

Foto: Lucas Merçon / FFC

Treinador tricolor falou sobre o rival da semifinal, a tragédia ocorrida no Ninho do Urubu, e peças chave do elenco 

Nesta quarta-feira (13), Fernando Diniz concedeu a última entrevista coletiva antes do clássico contra o Flamengo pelas semifinais da Taça Guanabara. No CT do Fluminense, o treinador abordou diversos temas, principalmente os direcionados ao Fla-Flu desta quinta (14), às 20h30, no Maracanã.

A partida contra o Rubro-Negro, que aconteceria no último sábado, acabou sendo adiada devido ao trágico incêndio no Ninho do Urubu, que vitimou 10 jogadores da base do Flamengo. Ao comentar sobre o ocorrido, Diniz se solidarizou com as vítimas, mas preferiu não associar a tragédia ao jogo.

“Um jogo de futebol… o lado psicológico sempre tem um fator muito decisivo. Isso que aconteceu é algo que transcende ao futebol. Eu nem quero entrar nisso… A tragédia foi sobre a vida das pessoas. Fiquei muito entristecido com tudo o que aconteceu, mexe com a gente. O jogo, nesse sentido, nem é o mais importante. Não gostaria de associar a tragédia com o jogo. Ele vai acontecer e quem for melhor vai ganhar. O fato foi à parte. A sociedade de maneira geral tem de saber usar o que aconteceu para evitar que se repita”.

O técnico também deu um recado direto às autoridades ao pedir ‘bom senso’ em relação ao CT Pedro Antônio, que por não ter alvará da Prefeitura e certificado do Corpo de Bombeiros corre até risco de interdição.

“Se a gente perder esse espaço para treinar, preocupa e muito. Vamos treinar onde? Com boas condições aonde? Espero que isso não aconteça. Vocês estão aqui e observam que não há refeitório e tampouco alojamento. O que temos aqui são os campos e os vestiários. Em termos de segurança para quem está aqui, aparentemente, não temos problema. Espero que haja bom senso. Não vai ser tirando o Fluminense daqui que daremos condições de segurança. Quem está aqui está com boas condições para desenvolver o seu trabalho”.

Perguntado sobre o Flamengo, Diniz elogiou a equipe adversária e seu poder de decisão, mas fez questão de afirmar que o estilo de jogo do Fluminense será mantido. Além disso, garantiu que os titulares serão definidos momentos antes do confronto.

“Penso jogo a jogo, mas o nosso estilo segue e serve em todas as situações. O time tem jogado bem. Temos de tomar muito cuidado com o Flamengo e estamos tomando todos os cuidados para a gente se precaver. Eles têm grandes jogadores, um grande investimento e um treinador estrategista. Estamos atentos, mas dentro das nossas características. Além disso, tentamos melhorar cada vez mais para o nosso estilo fique cada vez mais sólido”.

” A formação a gente vai decidir só um pouco antes do jogo. A gente tem algumas situações. O estilo vai ser mantido. A melhor maneira de se precaver contra o Flamengo ou o Barcelona é jogar da maneira que se treina todos os dias. A gente fez ajustes diante do River e conseguimos um placar dilatado pois encaramos com seriedade e estudamos. Com o Flamengo, temos mais informações. Para fazer frente, temos de fazer o que sabemos de melhor. Mudar para enfrentar um adversário, no fundo, você está se fragilizando. É assim que penso o futebol”.

Diniz já disputou Fla-Flus como jogador. Porém, esse será seu primeiro como treinador. De acordo com ele, o clássico tem um sabor diferente, pois ‘mexe com o Rio de Janeiro’.

“Sempre é diferente. Eu adorava jogar. Confesso a vocês que estou com muito prazer de participar agora como técnico. O jogo mexe. O Rio respira o futebol de forma diferente, a gente percebe nas ruas. Tem um charme envolvendo a sigla Fla-Flu. É muito bom poder participar”.

Questionado sobre a entrada de Bruno Silva em João Pedro, o comandante minimizou o acontecido e descartou qualquer maldade do volante no lance.

“A primeira coisa é que não teve maldade no lance. Eu estava perto, isso é o mais importante. Circulou algo interno nosso, não era para circular nas redes sociais. Bruno é um grande profissional, se empenha para poder render. João Pedro é um jovem promissor. Não teve maldade no lance, eu estava ali e não vi maldade. Bruno treina, de fato, muito duro. Se tivesse maldade, eu teria corrigido. Bruno pediu desculpa e, internamente, está tudo bem. Não foi nada grave com o João Pedro, daqui a pouco ele está de volta e vai nos ajudar na hora certa”.

Por fim, Fernando Diniz analisou as situações de Pedro e Gilberto, além de falar sobre Ganso e Luciano, outras peças fundamentais no elenco tricolor em 2019.

“Pedro ainda está distante de retornar. Gilberto está evoluindo muito bem. O departamento médico faz um trabalho fantástico com o Gilberto, que participa de alguns treinamentos comigo. Não quero dar previsão para não frustrar torcedor”.

“Ele (Luciano) tem características pessoais que se igualam ao que eu penso sobre o futebol. O jeito e o esquema lhe favorecem. Ele é técnico e, com isso, consegue explorar o talento que tem”.

“À priori, o estilo dele (Ganso) se adapta muito bem ao que o Fluminense tem jogado. É um time que tem a bola e troca passes. Ele tem um encaixe em andamento com o Fluminense. Agora, precisa ter a adaptação dele ao futebol brasileiro, a convivência interna. Estou esperançoso em oferecer um bom ambiente e que ele possa devolver isso dentro do campo”.

Jogada perigosa que nada: para Diniz saída de bola do Flu é fruto de muito trabalho

foto: Lucas Merçon

Saída de bola tem deixado alguns torcedores sem fôlego.

A vitória do Fluminense por 5 a 0 sobre o River-PI, chamou a atenção não só pelos quatro gols, como também pela característica jogadas dos times comandados por Diniz: a posse de bola inclusive no sistema defensivo.

Em um dos lances de saída de bola deixou muitos torcedores sem fôlego, quando Luciano deixou de calcanhar para Rodolfo, que mesmo sendo pressionado pelo atacante rival, não deu chutão. Saiu jogando com um totozinho por cima do adversário.

No entanto, para o treinador a jogada não assusta e é fruto de muito trabalho:

– A nossa saída de jogo é muito treinada. Em alguns momentos, fica um pouco mais arriscada, mas de maneira geral, meu comportamento é de ficar tranquilo, pois é muito treinado para ser realizado no jogo – comentou o treinador.

Com Digão e Yony em Brasília, Diniz considera escalar força máxima em clássico contra o Vasco

No sábado, o Mané Garrincha sedia o clássico entre Fluminense e Vasco, que decidem o primeiro lugar no grupo B da Taça Guanabara. O líder ganha a vantagem do empate e pegará um clube pequeno na semifinal, marcada para o dia 10.

Na chegada a Brasília, o técnico Fernando Diniz disse que considera escalar força máxima para o jogo. Ele, porém, não revelou se haverá jogadores poupados, tampouco a escalação que mandará a campo. 

A novidade entre os relacionados é Digão, que não atua desde a estreia na temporada, frente ao Volta Redonda, em razão de um estiramento na coxa direita.

— Podemos repetir a escalação, podemos poupar jogadores. Vamos conversar internamente com todos os departamentos envolvidos e depois tomar a melhor decisão. Mas os dois cenários são possíveis. Ainda não sei o que faremos – disse o treinador, na quarta-feira.

Com desgaste muscular, Yony González era dúvida, mas deve começar jogando. Ele havia sentido dores na perna esquerda, região da virilha, na goleada sobre o Americano. O problema persistiu contra Portuguesa e Madureira. Mesmo com dois amarelos, Airton também deve ser escalado.

A delegação viajou completa nesta sexta-feira, inclusive com possíveis desfalques no fim de semana, uma vez que o Fluminense não volta ao Rio após duelar com o rival. A próxima parada é o Piauí, onde a equipe encara, na terça-feira, o River, pela primeira fase da Copa do Brasil. 

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.


Em seu quarto jogo, Diniz deve mandar à campo pela primeira vez uma formação repetida

foto: Lucas Merçon / FFC

O jogo contra o Madureira nesta quarta-feira (30) marca a quarta partida de Fernando Diniz à frente do comando técnico do Fluzão. E embora ainda esteja no início do trabalho, essa deverá ser a primeira vez que o técnico irá repetir uma formação.

Na primeira rodada, Diniz nos pode escalar alguns jogadores que não estavam regularizados, casos de Yony, Matueus Gonçalves, Caio Henrique, Nathan Ribeiro e Marlon. Já no segundo jogo, com todos regularizados, o treinador mudou o time com a entrada de Yony no comando de ataque e, ainda teve que substituir Digão, que saiu machucado no primeiro jogo. Já no terceiro jogo, outra mudança: Ibanez, negociando há época com o Atalanta, da Itália, seguer foi relacionado.

Com isso, mesmo que o treinador ainda não tenha o que parece ser a equipe ideal, deve conseguir pela primeira vez em quatro jogos repetir a formação do Tricolor, mandando à campo a seguinte equipe: Rodolfo; Ezequiel, Nathan Ribeiro, Matheus Ferraz e Mascarenhas; Airton, Bruno Silva e Daniel; Everaldo, Yony Gonzales e Luciano.

Top