fbpx

Fluminense volta a atrasar salário e funcionários voltam a ficar preocupados


FOTO DE LUCAS MERÇON/ FLUMINENSE FC

O presidente do Fluminense, Mario Bittencourt vem trabalhando duro para profissionalizar a gestão do tricolor e com isso fazer com que o clube se torne bem visto entre os dirigentes e empresários de atletas.

Mas este não é um trabalho tão fácil de se realizar e alguns empecilhos surgiram desde que o mandatário assumiu o cargo e um deles volta a assombra os corredores do clube, a falta de pagamento em relação a salários atrasados.

No momento, o Fluminense ainda não quitou os salários de dezembro que continuam atrasados, além disso os funcionários dos esportes olímpicos também ficaram ser receber pelas férias e agora o clima de incerteza e preocupação começam a tomar forma.

Vale lembrar que o problema financeiro do Fluminense vem desde gestões anteriores e que Mario Bittencourt conseguiu resolver alguma das pendências deixadas pelo ex-presidente Pedro Adab.

Amil corta plano de saúde do elenco e de funcionários, denuncia conselheiro

A crise financeira está gerando consequências que vão além do que se vê nas quatro linhas. Em razão de atraso nos pagamentos, a Amil cortou o plano de saúde do elenco e de funcionários tricolores. A denúncia, segundo o EXTRA!, partiu de Antônio Gonzalez, conselheiro ligado ao grupo ‘Unido e Forte’, contrário à gestão. O novo drama nas Laranjeiras foi, inicialmente, veiculado pelo NETFLU, ao qual o Fluminense enviou uma resposta.

– O Fluminense confirma o atraso e avisa que está trabalhando ininterruptamente para regularizar o quanto antes. Se possível antes do fim da semana. As situações emergenciais estão sendo tratadas caso a caso – diz o comunicado.

A dívida na CLT está prestes a completar dois meses, enquanto os direitos de imagem não são depositados há quase três.

Paralelamente a isto, existe, ainda, o impasse com a Sanatto, empresa terceirizada que é encarregada da limpeza nas Laranjeiras. Os atrasos sequer têm previsão de serem regularizados. O que leva funcionários a esboçar uma greve, visto que, do total de 60, apenas 10% foram ao trabalho no início da semana passada.

Em contato com o UOL, a assessoria do clube enxerga a ação como uma iniciativa de alguns empregados e, ao confirmar a pendência financeira com a parceira, ressalta que “está conversando para sanar a questão”.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top