Flashback: confira as cinco vezes em que o Fluminense foi campeão em cima de um Flamengo favorito

Hoje, o Tricolor disputa o título da Taça Rio no Fla-Flu , às 21h30 (de Brasília), no Maracanã.

O portal Globo Esporte relembra cinco vezes em que o Fluminense entrou como azarão em uma decisão contra o Flamengo, mas conseguiu superar todo o favoritismo do rival e ser o “ai-Jesus” dos Fla-Flus.

1) Título na casa do rival
Em 1941, o Carioca foi disputado em quatro turnos. O Flamengo sobrou nos dois primeiros, que era como uma primeira fase com 10 clubes jogando todos contra todos. Mas na parte final, só com seis classificados, o Fluminense reagiu e, no somatório geral, chegou à última rodada com um ponto na frente na tabela: 44 a 43. E o jogo derradeiro foi justamente um Fla-Flu, no dia 23 de novembro. Para piorar, o clássico era na casa do rival, na Gávea.

2) Título sobre o atual campeão

Em 1973, o Carioca foi disputado em três turnos, sendo o primeiro com 12 clubes, todos contra todos; o segundo com oito, mas no mesmo formato; e o terceiro com oito divididos em dois grupos de quatro. O Flamengo ganhou o primeiro; o Fluminense levou o segundo e o seu grupo no terceiro, enquanto o Vasco venceu a outra chave. Enquanto o Fla ainda passou pelo Cruz-Maltino antes, o Flu foi direto para a final no dia 22 de agosto, no Maracanã.

3) Título sobre máquina dos anos 80


Em 1983, o Carioca foi decidido em um triangular de turno único entre Fluminense, campeão da Taça Guanabara; Flamengo, vencedor da Taça Rio; e Bangu, maior pontuador na classificação geral. O Fla não tinha mais Zico, vendido para a Udinese, da Itália, uma semana antes do campeonato, mas continuava com a base campeã do mundo em 1981, era o atual campeão brasileiro e ainda contratou o então técnico tricolor, Cláudio Garcia, durante o torneio.

4) Título no centenário rival

A “zebra” mais famosa em Fla-Flus todos conhecem. Foi em 1995, em um Carioca disputado por 16 clubes divididos em dois grupos, onde os quatro primeiros de cada chave avançavam para o octogonal final, em turno e returno. O roteiro era parecido ao de 83: o Flamengo que havia contratado nada menos do que Romário, eleito o melhor jogador do mundo na temporada anterior, e com a empolgação do ano de seu centenário. E o Fluminense, que montou um time de jovens e desconhecidos, com o quase aposentado Renato Gaúcho como sua grande estrela.

5) Título sobre rival invicto


Em 2017, o Flamengo já estava investindo pesado e havia acabado de contratar Diego, no semestre anterior, para se juntar a Guerrero e companhia. Ainda não era o badalado time de agora, mas já montava uma equipe forte que foi campeã carioca invicta e ainda chegou às finais da Copa do Brasil e da Sul-Americana. Mas na Taça Guanabara daquele ano, foi o Fluminense que levou a melhor. O time de Abel Braga também começou bem o Carioca, sem sofrer gols, e tinha Sornoza em grande forma.

Guerreiras do Vôlei: time encara Flamengo nesta terça-feira

Hoje tem clássico na Superliga Banco do Brasil.

As #GuerreirasDoVôlei encaram o Flamengo, já de olho nas quartas de final da competição.

A torcida Tricolor vai poder acompanhar a partida, ao vivo, pelo @globoesportecom! #FluNaSuperliga

FOTO DE MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC

Flamengo é absolvido de “ato discriminatório” no FlaxFlu

Em julgamento, maioria dos auditores do TJD-RJ entende que não houve homofobia no grito “time de viado”, mas que episódio contraria regulamento geral de competições

O Flamengo foi julgado nesta quinta-feira, no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro, pelos gritos de “time de viado” por parte de seus torcedores no Fla-Flu do dia 12 de fevereiro, pelas semifinais da Taça Guanabara. O Rubro-Negro foi absolvido no artigo 243-G (ato discriminatório) e condenado a uma multa de R$ 50 mil no artigo 191 (não cumprimento de regulamento da competição) pelo episódio. O clube, que corria o risco de perder os pontos da partida e ser sancionado em até R$ 200 mil pela denúncia, pode recorrer da multa.

No entendimento da maioria dos auditores da 4ª comissão do TJD-RJ, os gritos de “time de viado” não poderiam ser enquadrados como homofobia, “por não ter sido direcionado” a uma pessoa. Porém, entenderam que o episódio fere os regulamentos gerais de competições por terem sido ofensivos à torcida adversária. Foi a primeira vez que um caso relacionado a homofobia no futebol foi julgado por um tribunal desportivo no Rio de Janeiro.

  • No meu sentir, para ser aplicado o 243-G, seria necessário haver um ofendido, assim como houve no caso do goleiro Aranha (episódio de racismo). A decisão do julgamento estabeleceu que o artigo 243-G foi afastado. A aplicação do 191 por ter sido desrespeitado o regulamento geral de competições e da Fifa em relação às tratativas entre torcidas e cânticos que podem levar a uma questão social, sexual, racial… A Fifa coíbe isso – explicou Marcelo Zonermann, presidente da comissão.

Os comentários de teor homofóbico feitos pela equipe da FlaTV durante a transmissão do jogo foram citados na acusação da procuradoria, mas não foram considerados pelos auditores como cabíveis a julgamento.

Fonte: Globo Esporte

Confira os desfalques e arbitragem no FlaxFlu de hoje, no Maracanã

Tudo o que você precisa saber sobre o jogo desta quarta rodada da Taça Guanabara

Fluminense

Quem está fora: Fernando Pacheco e Nino (Pré-Olímpico), Caio Paulista, Evanilson e Marcos Paulo (lesões na coxa), Frazan (lesão no joelho), Yuri (desconforto na coxa direita), Pablo Dyego (problema no pé direito) e Michel Araújo (não regularizado).

Pendurados: ninguém.

Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda
Assistente 1: Diogo Carvalho Silva
Assistente 2: Carlos Henrique Alves de Lima Filho
VAR: Carlos Eduardo Nunes Braga

Fonte: Globo Esporte

Destaques da base se enfrentam no FlaxFlu de hoje no Maracanã

Carrascos no Fla-Flu desde a base, o rubro-negro Yuri César e o tricolor Miguel estreiam no clássico pelo profissional às 20h30 (de Brasília), no Maracanã, com grandes responsabilidades.

Eles são de diferentes gerações, mas já marcaram golaços sobre o rival por outras categorias. Yuri, de 19 anos, tem uma cobrança de falta no ângulo pelo sub-20 como uma de suas grandes pinturas. Por sua vez, Miguel, de 16 anos, já marcou deixando o zagueiro na saudade no sub-15.

Ainda sem estufar as redes pelo profissional, os dois meias podem se inspirar no passado para tentar desencantar no Fla-Flu da quarta rodada da Taça Guanabara. Pode não ser tão bonito como fizeram na base, afinal, gol feio também vale. Qual deles vai ser mais decisivo no clássico? Façam suas apostas!

Fonte: Globo Esporte

“Se fosse o Boavista, seria mesma coisa”, declara Odair sobre FlaxFlu de quarta

Após o último jogo, o treinador Odair Hellmann descartou potencializar o embate diante do rival

— Nosso pensamento não se baseia no adversário. Por coincidência é um FlaFlu. Se fosse o Boa Vista, seria mesma coisa. Ainda estamos construindo um time. O que vamos fazer contra o Flamengo é o que já estava determinado antes, independente do que o adversário vai fazer ou não. Precisamos construir, muitos jogadores não atuaram juntos ainda.

O jogo acontecerá nesta quarta-feira (29), às 20h30 (horário de Brasília), no Maraca, válido pela quarta rodada da Taça Guanavara.


FOTO DE MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC