fbpx

Daniel defende Diniz e vê jogadores como principais culpados: “A gente que entra dentro de campo”

Meia tricolor também foi alvo de protestos da torcida na derrota por 1 a 0 para o CSA em pleno Maracanã

Foto: Lucas Merçon / FFC

Neste último domingo, o Fluminense perdeu por 1 a 0 para o CSA no Maracanã e viu a situação no Brasileirão ir de mal a pior. Com a derrota, o Tricolor entrou novamente na zona de rebaixamento e, com as vitórias de Cruzeiro e Chapecoense, caiu para a 18ª posição, com somente 12 pontos. Agora, o time soma apenas três triunfos em 15 rodadas na competição.

Após a partida, Daniel deu entrevista à Rádio Brasil e comentou sobre as críticas da torcida, que protestaram contra o time e Fernando Diniz. Principal alvo da ira dos tricolores, o treinador foi chamado de ‘burro’ e foi xingado. Para o meia, a irritação dos torcedores é legítima, mas o principal culpado da equipe estar nessa situação não é o técnico, e sim os jogadores.

“A culpa é de nós jogadores. A gente que é o principal, que entra dentro de campo. A gente que tem que aproveitar as chances e infelizmente não conseguiu fazer isso. A torcida cobrar é normal e a gente tem que entender”.

Após críticas da torcida, Allan reitera apoio do grupo a Fernando Diniz: “A gente vai até o fim”

Volante tricolor disse entender protestos dos torcedores, mas destacou que o elenco está fechado com o treinador

Foto: Lucas Merçon / FFC

Vivendo uma situação complicadíssima no Campeonato Brasileiro, o Fluminense voltou a dominar o adversário, finalizou mais de 30 vezes ao gol, mas perdeu. Dentro do Maracanã, o Tricolor viu o CSA, que sequer havia marcado um gol como visitante, vencer por 1 a 0 e caiu para a 18ª posição na competição, sendo ultrapassado por Cruzeiro e Chapecoense.

Bastante irritada com o resultado, a torcida vaiou, xingou e protestou contra o time, que venceu apenas três jogos em 15 rodadas no Brasileirão. O treinador Fernando Diniz foi o principal alvo dos tricolores durante e após a partida. Diante desse cenário o volante Allan, em entrevista à Rádio Brasil, disse entender as críticas da torcida, mas reiterou que o grupo está fechado com o técnico até o fim.

“Eles estão no direito deles, mas a gente ali dentro está junto com o Fernando, a gente vai até o fim. Desde o começo estamos juntos e não é agora que vai ser diferente”.

Diniz lamenta inúmeras chances desperdiçadas e critica erros da arbitragem: “Difícil de engolir”

Treinador também comentou sobre a importância do duelo contra o Corinthians pela Sul-Americana e voltou a elogiar a entrega dos atletas

Foto: Lucas Merçon / FFC

O filme que torcedor tricolor nenhum gostaria de ver se repetiu. Dentro do Maracanã, o Fluminense mandou no jogo, finalizou mais de 30 vezes, teve inúmeras chances de gol, mas acabou perdendo por 1 a 0 para o CSA, que não havia marcado uma vez sequer fora de casa na competição. Com o resultado e com as vitórias de Cruzeiro e Chapecoense, o time de Fernando Diniz caiu para a 18ª posição e viu a situação dentro do Campeonato Brasileiro ficar mais complicada ainda.

Após a partida, o treinador, que foi bastante hostilizado pela torcida após a equipe sofrer o gol da derrota, concedeu entrevista coletiva e lamentou muito o resultado. Perguntado sobre sua situação no comando do Flu, o comandante disse que essa decisão é da diretoria, mas afirmou que seguirá buscando o melhor e citou o ‘descobrimento’ de jogadores que poucos esperavam que tivessem projeção.

“Por enquanto ainda não conversamos. Isso é uma decisão da diretoria. Temos uma cultura do resultado, de fato. Trabalho de uma maneira contundente naquilo que gosto de fazer. Pegamos jogadores desconhecidos e hoje temos atletas convocados, revelação do João Pedro, Marcos Paulo, recuperação do Julião. E os jogadores que foram se destacando a gente perdeu precocemente. Essa situação na tabela é um desafio muito grande. Mas é um time que não oscila, joga e cria. Mas por um erro perdemos a partida. Não falei com ninguém ainda”.

Ao fazer uma análise do jogo, Diniz focou no número de oportunidades desperdiçadas ao longo da partida e destacou que é uma derrota doída, principalmente pelas pouquíssimas vezes em que o CSA atacou.

“A gente teve um volume grande de finalizações, muitas delas chances claras de gol. Me recordo de pelo menos umas sete. Infelizmente, não conseguimos fazer o gol. Não sei explicar porque a bola não entra. Treinamos muito. Fora isso, tivemos dois pênaltis não marcados. Isso é uma crença que eu sempre tenho. Um time que finaliza desse jeito… O CSA só teve uma chance clara, do gol. É difícil perder jogos assim. Jogando dessa forma, acho que a chance de vencer é muito maior do que de perder. Tento o melhor desempenho possível dos jogadores para trazer alegria para o torcedor”.

O técnico tricolor também fez questão de criticar bastante a arbitragem de Wagner Reway e reclamou bastante dos dois pênaltis não marcador a favor do Fluminense. De acordo com ele, os lances são ‘difíceis de engolir’ e influenciaram diretamente no placar final do confronto.

“Sobre o VAR, hoje tivemos dois lances claros, dois pênaltis. Um no Daniel e outro no Ganso. Ainda teve a expulsão do Frazan e do Digão, contra o Vasco. No jogo contra o Goiás, tivemos um gol anulado que foi legítimo. Depois, o gol do Goiás foi em uma falta inexistente. Posso falar isso, mas não tenho mania de perseguição. O jogo de hoje é difícil de engolir”.

Foto: Lucas Merçon / FFC

Veja abaixo outros assuntos abordados na coletiva de Fernando Diniz:

Protesto da torcida

“O torcedor está aborrecido, é natural. Mas ele também está apoiando muito, acreditando. No final do jogo, é normal vaiar, aceitamos. Estamos muito chateados também por o torcedor ter que fazer esse protesto legítimo ao fim da partida. As críticas são justas. Não posso defender o Fluminense, tenho que procurar solução. Temos que corrigir e fazer a bola entrar de alguma forma”.

Pressão no Fluminense

“Em time grande, estamos sempre pressionados. Ainda mais na situação que o Fluminense está. Está todo mundo pressionado. Lido bem com a pressão e não jogo a toalha. Sigo lutando para que as coisas deem certo. Todo mundo está pressionado, e eu ainda mais. Não vou procurar outros culpados. Mas tivemos boas chances hoje e em outros jogos também. O time tem jogado bem”.

Duelo contra o Corinthians pela Sul-Americana

“Todo jogo para gente está sendo um divisor de águas. Foi hoje e será contra o Corinthians. Para recuperar os jogadores temos que conversar e refletir. Estamos procurando melhorar o tempo todo. Estou estudando, vendo jogos de adversários. A gente treina muito, trabalha bastante para corrigir os nossos erros”.

Digão

“O Digão estava com um desconforto, aqueceu e não estava muito confiante. Provavelmente o Digão joga na quinta”.

Utilizar Caio Henrique e Mascarenhas

“Essa alternativa do Caio está sendo vista há muito tempo. O Mascarenhas teve muitos problemas nesses sete meses. E o Caio está bem na posição. É uma alternativa, mas o que a gente vai tentar é criar mais chances e fazer com que ele não tenha chances. Vamos tentar jogar bem lá e ter sorte”.

Comentarista de arbitragem vê penalidades não marcadas em favor do Flu

Foto: Reprodução/Vídeo

O resultado de 1 a 0 do CSA diante do Fluminense na tarde deste domingo (18), no Maracanã, poderia ter sido diferente.

De acordo com o comentarista de arbitragem Sandro Meira Ricci, aconteceram dois pênaltis na partida a favor do Flu e, ignorados pela arbitragem.

Segundo o ex árbitro, Leandro Castán teria sido o autor das duas jogadas. Uma com Daniel e outra em Ganso.

Na primeira, Castán derruba o camisa 20 na linha da grande área. O árbitro até ameaça apitar, mas ignora a jogada.

– O primeiro contato do Luciano Castan é na linha e a linha faz parte da área. Para mim, penalidade não marcada. O árbitro estava bem posicionado, até fez menção em apitar, mas quando o árbitro está na duvida, ele acaba demorando demais. O VAR também ficou na dúvida, e acabou considerando o segundo contato, e não o primeiro – cantou Ricci, alegando ter ocorrido dois contatos na jogada.

Com Ganso, o lance foi ainda mais grave, pois foi na origem da jogada que originou o gol da equipe alagoana.

– Tem contato com o Ganso, sim. Pênalti não marcado. O Ganso valoriza realmente, e isso faz com que o árbitro não marque. Na verdade deveria ser marcado pênalti para o Fluminense, e assim anular o gol do CSA que saiu logo em seguida. Erro da arbitragem – avaliou Ricci.

Mesmo pressionado, Diniz deve seguir como técnico do Flu

Foto: Lucas Merçon/FFC

A pressão no Fluminense aumentou ainda mais com a derrota de 1 a 0 pra o CSA na tarde deste domingo (18) no Maracanã.

Pressionado, o técnico Fernando Diniz foi para a coletiva e deu indícios que acredita na sequência do trabalho:

– Essa situação na tabela é um desafio muito grande. Mas é um time que não oscila, joga e cria. Mas por um erro perdemos a partida. Não falei com ninguém ainda – disse o treinador, que passou a responsabilidade de uma possível saída a diretoria:

Por enquanto ainda não conversamos. Isso é uma decisão da diretoria. Temos uma cultura do resultado, de fato. Trabalho de uma maneira contundente naquilo que gosto de fazer – concluiu Diniz.

Segundo apuração do Canal Flunews, o técnico ainda deve permanecer no cargo, e só seria demitido em caso de uma derrota contundente para o Corinthians, na próxima quinta-feira (22) em confronto válido pelas quartas de final da Copa Sul-Americana.

Ganso sai em defesa de Diniz: “precisamos caprichar mais na hora de finalizar em gol”

Foto: Lucas Merçon/FFC

Após a derrota de 1 a 0 do Fluminense diante do CSA, o meia Paulo Henrique Ganso minimizou a responsabilidade do técnico Fernando Diniz, eximindo o treinador da responsabilidade pela derrota.

De acordo com o camisa 10, os jogadores precisam “caprichar” mais na hora de finalizar em gol:

– Não acredito que seja problema de treinador. A gente teve maior parte do tempo na área do adversário. O que precisa mesmo é caprichar mais na jogada para finalizar em gol – disse Ganso.

Com a derrota, o Fluminense entrou na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e, volta a campo agora, na próxima quinta-feira (22) contra o Corinthians, pela Copa Sul-Americana, em jogo que pode ser determinante para a sequência de Diniz no comando técnico do Tricolor.

Fluminense parabeniza Leandro Euzébio, bi campeão Brasileiro pelo Tricolor

Foto: Divulgação/FFC

Neste domingo, 18 de agosto dos nomes mais vitoriosos do Fluminense nos últimos anos, o zagueiro Leandro Euzébio, completa 38 anos.

Titular nos dois últimos títulos Brasileiros pelo Tricolor, Euzébio ainda conquistou um Carioca com a camisa do Fluzão, onde atuou por três anos: de 2010 a 2013.

O clube não deixou a marca passar em branco e parabenizou o zagueiro pelo aniversário:

Euzébio atuou por 167 jogos durante os três anos que vestiu a camisa verde, branco e grená. E, além dos três títulos, marcou 15 gols pelo Fluzão.

Figura conhecida da política Tricolor, Júlio Bueno falece na manhã deste domingo

Foto: Divulgação

Um dos nomes mais conhecidos no cenário político do Fluminense, Júlio Bueno faleceu na manhã deste domingo, no Rio de Janeiro.

Além de atuar na política do Flu, Júlio Bueno também participou efetivamente da política nacional, sendo inclusive Secretário de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro.

Pelo Flu, Júlio foi vice de marketing e projetos especiais na gestão de David Fischell, além de ter concorrido à presidência do clube em 2010, quando foi derrotado na ocasião por Peter Siensem. Na reeleição de Siensem, Júlio Bueno, desta vez incentivou a candidatura de Deley, quando foram derrotados novamente por Peter Siensem.

A família Bueno manteve raízes ligadas à Laranjeiras, e seu filho, Diogo Bueno foi vive de finanças na gestão Pedro Abad.

Júlio faleceu na manhã deste domingo, aos 64, vítima de um infarto fulminante pouco depois das 7h.

O Canal Flunews manifesta os mais sinceros sentimentos e se solidariza com Diogo Bueno e toda sua família!

Recuperado de lesão, Mascarenhas volta a ser relacionado

Foto: Divulgação/FFC

Recuperado de uma cirurgia no joelho direito, o lateral esquerdo Matheus Mascarenhas da operação e voltou a ser relacionado pelo técnico Fernando Diniz.

O jogador que passou por uma série de problema clínicos, entre eles, até uma caxumba, pouco foi aproveitado por Diniz na temporada.

Mascarenhas, fez um bom começo de ano pelo Fluzão, mas as lesões afastaram o jogador dos gramados, e viu Caio Henrique, meia de origem, se destacar no setor.

Com a recuperação do lateral, a torcida vive a espectativa de vê-lo assumir a condição de titular da posição, com Caio Henrique voltando para sua posição de origem, no meio de campo.

Embora Diniz tenha até testado Mascarenhas entre os titulares em treinos desta semana, a expectativa é que o jogador inicie no banco de reservas, com Caio Henrique sendo mantido na lateral.

Sub-20: Fluminense enfrenta Palmeiras com transmissão em TV aberta

Foto: Divulgação/FFC

O Fluminense entra em campo pelo Brasileirão sub-20 ainda na manhã deste domingo (18) para enfrentar o Palmeiras, em jogo que terá transmissão pela TV aberta.

As equipes entram em campo a partir das 11h e com transmissão ao Vivo pela rede Bandeirantes.

Vindo de vitória de 1 a 0 sobre o Internacional fora de casa no Brasileirão da categoria, o Fluzão foi derrotado por 4 a 1 pelo Resende na disputa do Campeonato Carioca, quebrando uma sequência de oito jogos de invencibilidade na categoria, somando três competições: segundo turno do Campeonato Carioca, o Brasileirão e o Torneio Otávio Pinto Guimarães.

Fluminense e Palmeiras se enfrentam no estádio Luso Brasileiro, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.

Top