fbpx

Pedro rasga elogios a dupla Nenê e Ganso: “Jogadores de qualidade”

Camisa 9 mostrou-se bastante animado com a parceria dos dois no meio-campo tricolor e afirmou que eles podem jogar juntos

Foto: Lucas Merçon / FFC

A vitória por 2 a 1 sobre o Internacional foi a primeira vez em que Nenê e Ganso jogaram juntos com a camisa do Fluminense. Questionados por muitos, os dois tiveram uma boa atuação e mostraram que podem estar lado a lado no meio-campo tricolor. Após a partida, Pedro reforçou esse coro e rasgou elogios aos companheiros de equipe. Para o centroavante, a dupla tem qualidade de sobra para se entender dentro de campo.

“Sempre bom ter jogadores de qualidade dentro de campo. Os dois se entenderam bem dentro de campo. Mostra que podem jogar juntos. A gente treina para isso. Mas eles estão felizes e jogando bem. Isso que importa pro Fluminense”.

Um dos jogadores mais letais do Fluminense, Pedro quase deixou sua marca contra o Colorado. O centroavante teve três boas oportunidades de balançar as redes, mas acabou travado pela zaga em uma, acertou a trave na outra, e parou em Marcelo Lomba na última. O camisa 9 tricolor ainda poderia ter saído com uma assistência, mas Marcos Paulo desperdiçou uma chance clara após um toque refinado de calcanhar do atacante. 

Ganso elogia nova diretoria e destaca principal diferença para a antiga

Camisa 10 tricolor afirmou que Mário Bittencourt e Celso Barros possuem mais conhecimento futebolístico do que Pedro Abad, ex-presidente tricolor

Foto: Lucas Merçon / FFC

Vivendo momentos conturbados fora de campo, o Fluminense antecipou sua eleição presidencial, que aconteceria apenas no final deste ano. Então, eleitos com a maioria dos votos Mário Bittencourt e Celso Barros assumiram o clube, que passa por uma situação financeira delicada. Contratado ainda pela antiga diretoria, muito criticada pela torcida, Paulo Henrique Ganso destacou a diferença de Pedro Abad para Mário, novo mandatário, e Celso, seu vice. De acordo com o camisa 10, a dupla é experiente e tem um algo a mais em termos de futebol.

“O conhecimento. Mário e Celso sempre trabalharam no meio do futebol. Acho que eles têm mais conhecimento de futebol do que o Abad tinha”, comentou.

Ganso também aproveitou para analisar seus seis primeiros meses com a camisa do Fluminense. Contente com o ambiente no Tricolor carioca, o meia foi só elogios.

“Posso falar que tem sido muito bom. O ambiente que criamos aqui, pelo menos da minha parte, foi maravilhoso. Fui bem recebido e estou podendo contribuir em todos os sentidos”, concluiu.  

Ganso reitera apoio a Diniz e projeta duelo com o Peñarol: “Temos que matar a partida”

Camisa 10 tricolor disse entender as críticas da torcida e reafirmou necessidade de conquistar bons resultados no Brasileirão

Foto: Lucas Merçon / FFC

Nesta segunda-feira (29), o Fluminense encerrou a preparação para a partida de volta contra o Peñarol, válida pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Como venceu no Uruguai por 2 a 1, o Tricolor pode até perder por 1 a 0 que se classifica para a próxima fase. Após o treinamento, Paulo Henrique Ganso concedeu entrevista coletiva no CTPA e projetou o duelo com os uruguaios. De acordo com o meia, a equipe precisará aproveitar mais as chances que aparecerem durante o jogo.

“Eles vêm com uma atenção maior. Na primeira partida, talvez não conhecessem tão bem a nossa forma de jogar. Acho que dessa vez será diferente. Temos que matar a partida. Temos criado muitas oportunidades de gol, mas pecamos no último passe. Assim como foi no primeiro jogo contra o Peñarol. Não tivemos muitas chances, mas matamos a partida”.

O camisa 10 tricolor também aproveitou para dar razão ao torcedor com relação às criticas feitas após a sequência ruim de resultados no Brasileirão. Para ele, o time deve repetir a postura segura que teve na partida de ida contra o Peñarol.

“O torcedor tem razão em criticar a falta de resultados, mas o trabalho o time do Fluminense está apresentando. Contra o São Paulo, tivemos o controle da partida, mas tomamos gols em bolas paradas. Eram gols evitáveis. A gente tem feito um bom trabalho. Contra o Peñarol, tivemos o controle do jogo e segurança, até com a defesa. Temos que fazer isso de novo amanhã”.

Ganso fez questão de reiterar seu apoio ao treinador Fernando Diniz, que vem sendo alvo de muitas críticas por parte da torcida. O meia afirmou que o técnico ainda vai conquistar grandes coisas no comando da equipe.

“O Fernando é uma pessoa espetacular, não só como treinador. Pode conversar sobre qualquer coisa. Ele tenta ajudar o jogador para além do campo, além de treinar e ensaiar jogadas. O trabalho está sendo bem feito, com um futebol que todo mundo gosta de assistir. Ele vai nos ajudar a vencer e ter grandes resultados”.

Questionado novamente sobre a parceria com Nenê no meio-campo tricolor, o camisa 10 disse que a dupla ‘tem tudo para dar certo’ e que não tem problema algum os dois jogadores juntos.

“É uma parceria que tem tudo para dar certo. Nenê é um cara que tem qualidade muito grande. É uma pena que não pôde jogar contra o São Paulo. Vai nos ajudar bastante. No nosso time, ninguém é marcador nato, mas todo mundo se ajuda. Quando ele estiver, não vai ser diferente. Vai nos ajudar na marcação e ali na frente”.

Ganso destacou a necessidade de ter mais atenção na defesa, principalmente na marcação no setor ofensivo, que é onde começa o combate ao time adversário. Para ele, não é justo sobrecarregar os zagueiros e o goleio.

“A defesa começa desde o Pedro, desde a frente. A nossa defesa começa ali. Nossos zagueiros não tem esse peso. Precisamos colocar toda essa dedicação em campo para não sobrecarregar o Muriel”.

Por fim, o experiente meia, que reclamou bastante após a derrota para o São Paulo no final de semana, fez uma análise sobre o desempenho do VAR e o que seria necessário para melhorar efetivamente sua utilização dentro dos campeonatos.

“A gente precisava profissionalizar eles, para melhorar. Para o árbitro ter a segurança do emprego e da responsabilidade que ele tem. Quando profissionalizar, a gente vai ter a utilização do VAR ainda melhor do que está sendo. Pelo receio de tomar alguma punição, é difícil. Quem deveria falar sobre isso é a imprensa mesmo. Qualquer coisa que eu vá comentar sobre o VAR pode ser diferente para outras pessoas. A gente torce para ser o melhor para o futebol brasileiro, mas isso não está acontecendo. Vai da interpretação do próprio árbitro”.

Ganso demonstra indignação e esbraveja contra o VAR: “Sempre marcam contra nós”

Camisa 10 tricolor não escondeu a revolta com o árbitro de vídeo após o pênalti assinalado contra o Fluminense nos acréscimos

Foto: Mailson Santana / FFC

O pênalti marcado contra o Fluminense no último minuto do jogo contra o São Paulo foi motivo de reclamação após a partida. Principalmente na entrevista de Paulo Henrique Ganso na zona mista. Camisa 10 tricolor, o meia reclamou bastante da intervenção do VAR, que fez com que o árbitro revisasse o lance e assinalasse toque de mão de Allan. Então, Reinaldo cobrou a penalidade e decretou da equipe paulista por 2 a 1 em pleno Maracanã.

“Se tiver uma chance contra nós, sempre marcam contra nós. Fazer o que? Agora é continuar trabalhando e pensar em terça-feira”, esbravejou.

Com o resultado, o Fluminense segue na zona de rebaixamento, em 17º lugar. São apenas nove pontos conquistados em 12 rodadas. Agora, o time de Fernando Diniz vira a chave e foca na partida de volta das oitavas da Copa Sul-Americana, contra o Peñarol, na próxima terça (30), às 21h30 (de Brasília), no Maraca. Como venceu no Uruguai por 2 a 1, o Tricolor pode até perder por 1 a 0 que avança às quartas da competição.

Desfalque: Ganso recebe terceiro amarelo e não vai enfrentar o Vasco

Camisa 10 tricolor foi punido após se envolver em discussão com o goleiro do Ceará

Foto: Lucas Merçon / FFC

No duelo que fechou a 10ª rodada do Campeonato Brasileiro, Fluminense e Ceará se enfrentaram no Maracanã e empataram em 1 a 1. Apesar de ter finalizado mais e desperdiçado chances de gol, o Tricolor não conseguiu sufocar a equipe adversária com seu ritmo de jogo e quase perdeu a partida, já que o Vozão chegou a balançar as redes pela segunda vez, mas teve o gol anulado após o árbitro utilizar o VAR e marcar impedimento.

Além do tropeço dentro de casa, o Fluminense tem mais uma notícia ruim. Paulo Henrique Ganso, um dos principais jogadores do time, está de fora do clássico contra o Vasco, no próximo sábado (20), às 11h (de Brasília), em São Januário. O camisa 10 recebeu o terceiro amarelo após se envolver em uma discussão com Diogo Silva, goleiro do Ceará. Após a partida, o meia comentou sobre o tropeço dentro de casa e revelou que não sabia que estava pendurado.

“Ninguém queria o empate. Tivemos chances no primeiro e no segundo tempo. Na verdade, nem sabia que eu estava pendurado. Uma pena que não vou participar do clássico, mas é pensar na Sul-Americana depois”, disse.

Mesmo com o resultado ruim, o Fluminense deixou a zona de rebaixamento. Agora, a equipe de Fernando Diniz está na 15ª posição, com nove pontos somados. Assim como a partida contra o Ceará, o jogo contra o Vasco é essencial para o Tricolor deixar a zona de perigo, já que o Cruzmaltino tem a mesma pontuação e está apenas uma posição abaixo.

No Sacrifício ? Ganso revela ter atuado com desconforto na coxa

Foto: Lucas Merçon/FFC

Autor do gol que garantiu o empate do Fluminense diante da Chapecoense na noite da última quinta-feira (13), na Arena Condá, em Chapecó, Ganso revelou que participou do jogo com um incômodo na coxa.

Ainda de acordo com palavras do próprio jogador em que o Canal Flunews teve acesso, o incômodo relatado por Ganso não era problema para que ele atuasse, e sim o limitava em algumas ações como chutes de fora da área e até mesmo passes com mais força.

O jogador ainda confidenciou que vai aproveitar a parada para a Copa América para melhorar a condição física e aprimorar ainda mais os fundamentos, como o passe e o chute de média e longa distância, chutes esses quem vêm sendo cobrado exaustivamente pelos torcedores.

Ganso é chamado para briga e responde a provocações de torcedores da Chapecoense

Após o empate em 1 a 1 entre Chapecoense e Fluminense, na Arena Condá, torcedores alviverdes provocaram Paulo Henrique Ganso, que dava entrevista ao SporTV. Além de xingamentos, o meia relatou ter recebido cusparadas e, em seguida, disse que esperava uma postura melhor de quem sofreu um duro golpe com a queda de avião na Colômbia, em novembro de 2016.

– Acho que o torcedor da Chapecoense teria que ser muito grato por tudo o que passou. As coisas aconteceram… Eles não deveriam fazer isso, não, mas deveriam agradecer. Todo mundo se pronunciou, todo mundo quis apoiar a Chapecoense em um momento difícil do clube, e eles fazem isso. Antes estavam cuspindo. Mas fazer o quê?! Torcedor é assim.

Interrompido novamente, Ganso viu um torcedor chamá-lo para briga. Respondeu apontando para o escudo do Tricolor e levou a mão aos ouvidos, indicando que queria ouvir mais alto. Foi ele que marcou o gol que deixa o clube a uma posição acima da zona de rebaixamento durante a pausa para a Copa América.

– Vai brigar comigo? Você vai brigar comigo? Olha lá, está me chamando para briga. É brincadeira esse torcedor da Chapecoense. Infelizmente nosso Brasil é assim. Depois quando o pessoal fala desde aqui, eles ficam chateados. Acho que deveriam ter um pouquinho mais de respeito.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.


Experiente, Ganso comenta relação com Moleques de Xerém: “Estou desfrutando muito”

Camisa 10 tricolor também elogiou a boa atuação de Diego Alves, que com boas defesas evitou a vitória do Fluminense no clássico

Foto: Mailson Santana / FFC

Diego Alves. O goleiro do Flamengo foi o nome do Fla-Flu deste último domingo, no Maracanã. Com uma grande atuação, o goleiro fez ótimas defesas, garantiu o empate em 0 a 0 e evitou que o Fluminense saísse de campo com os três pontos. Após a partida, Paulo Henrique Ganso, um dos principais nomes do elenco tricolor, elogiou o desempenho do atleta adversário e lamentou os dois pontos que a equipe deixou de conquistar.

“O mais importante seriam os três pontos. O Diego realmente fez duas ou três defesas muito bonitas, ele salvou o time do Flamengo. Eles tiveram uma bola na trave também, não podemos tirar os méritos deles, mas faltaram esses dois pontinhos pra gente”, disse.

Camisa 10 do time de Fernando Diniz, Ganso alia técnica com experiência. Perguntado sobre sua relação com os “Moleques de Xerém”, que vem sendo importantíssimos para o Fluminense em 2019, o meia disse ser ‘uma honra’ poder passar conhecimento para os jovens e enalteceu a qualidade da base tricolor.

“Uma honra passar um pouco da minha experiência. Estou desfrutando muito jogando com eles (jovens). Terminamos com cinco ou seis da base em campo. Mostra que a base de Xerém é muito forte”, finalizou.

Daniel comemora boas atuações pelo Flu e destaca parceria com Ganso

Meia mostrou-se bastante satisfeito com suas performances pelo Fluminense e frisou que atuar ao lado do camisa 10 é muito bom

Foto: Lucas Merçon / FFC

Quando Paulo Henrique Ganso chegou ao Fluminense, muito se discutiu qual seria o meio de campo formado por Fernando Diniz para ajustar a equipe de acordo com o camisa 10. Aos poucos, o treinador foi achando sua formação ideal e colocando um time veloz e com bom toque de bola. No meio disso tudo, Daniel, que havia sido sacado, recuperou seu espaço e, desde então, vem convencendo com boas atuações. Perguntado sobre o momento que vive com a camisa tricolor, o meia se disse bastante feliz com seu nível de performance e afirmou que sempre acreditou ser possível formar uma parceria bem sucedida ao lado de Ganso.

“Fico feliz de estar dando certo nosso meio de campo, eu e Ganso juntos. Quando ele veio, todo mundo me perguntava como seria jogar ao lado dele e sempre falei que seria muito bom, que poderíamos jogar juntos. Não à toa, estamos jogando juntos e jogando bem. Fico feliz com minhas atuações, contra adversários grandes, hoje estou conseguindo provar meu valor em jogos decisivos”.

Em 2019, Daniel jogou 25 vezes pelo Fluminense. A revelação de Xerém não marcou nenhum gol até aqui, mas deu cinco assistências. Três no Campeonato Carioca, uma na Copa Sul-Americana e uma no Campeonato Brasileiro. Para a partida contra o Athletico- PR, neste domingo (02), às 11h (de Brasília), na Arena da Baixada, o jogador de 23 anos deve comandar o meio de campo do Tricolor carioca, já que Ganso será poupado.

Ganso deve voltar no clássico contra o Botafogo

Foto: FFC

Ganso jogou sua última partida pelo Flu no dia 19 de abril, quando foi substituído na segunda etapa devido a uma contusão na coxa esquerda. Em estágio avançado de recuperação, meia está sendo preparado para o clássico no dia 11 de maio, pelo brasileirão.

O camisa 10 passa pelo período de transição após o problema muscular, com sessões de fisioterapia e exercícios leve, é esperado que ele volte a treinar com o grupo na próxima semana. A comissão técnica e o departamento médico têm a expectativa de que os seis dias sem jogos agilizem o processo de recuperação.

ST,

Guga Assis

Top