fbpx

Governo do Rio planeja volta do futebol com torcida, já durante primeira fase de flexibilização

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, incluiu em seu pacto social pela saúde e pela economia do estado o retorno de eventos esportivos, como o futebol, com público de até 50% da capacidade dos estádios.

Apesar de se basear em três bandeiras de flexibilização a partir de dados da curva de contágio da covid-19 e não ter uma data limite, o plano tem gatilhos de flexibilização, e, já na primeira fase prevê o retorno do público aos estádios, desde que seja respeitado o distanciamento social de dois metros na “bandeira amarela”, que depende da taxa de ocupação dos leitos de UTI chegar entre 70% e 90% (está atualmente em 86%) e a curva de crescimento de novos casos cair na média semanal.

O pacto que foi feito pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais (Sedeeri) em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde, inclui a aplicação de testes em todos os profissionais envolvidos, além da aferição de temperatura dos torcedores e profissionais de imprensa, além da desinfecção total dos estádios e materiais esportivos.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Fonte: UOL Esportes

Governador anuncia escolha de Fluminense e Flamengo para gerir o Maracanã

Fluminense e Flamengo se uniram para levar ao Governo do Rio de Janeiro, na quinta-feira, uma proposta pela gestão do Maracanã. Mais cedo, o governador Wilson Witzel gravou um vídeo em Boston, nos Estados Unidos, anunciando que a dupla assumirá o comando, pelo menos, pelos próximos seis meses. Há a possibilidade de prorrogar a cessão por mais 180 dias, a fim de que a nova licitação, que sairá após mais de um ano, seja elaborada sem pressa.

– Tenho a grata satisfação de anunciar que, após um processo transparente e ético, o Maracanã está sendo devolvido ao futebol carioca. Os vencedores do consórcio que vai administrar o Maracanã são Flamengo e Fluminense. Eles terão 180 dias para administrar o estádio e prorrogável por mais 180 dias. É o tempo que teremos de, também em um processo transparente e ético, fazer uma nova parceria público-privada definitiva por 35 anos. Ganha o estado do Rio de Janeiro – disse Witzel.

Os clubes vão desembolsar, mensalmente, R$ 2 milhões, que correspondem aos custos fixos do estádio. Além disso, pagarão ao Governo, por mês, o valor de R$ 166.666,67 para ser repassado ao complexo Célio Barros e Júlio Delamare.

Os parceiros estão liberados para explorar o Maracanã Tour, desde que transfiram 10% do lucro mensal ou um mínimo de R$ 64 mil para o Governo. Uma das ideias levadas em consideração é disponibilizar a arena para shows, como forma de torná-la mais rentável. Vasco e Botafogo, embora excluídos do projeto, não serão proibidos de mandar jogos no local.

Após o rompimento divulgado em meados de março, a Odebrechet vai deixar a administração do Maracanã no dia 18 de abril. A expectativa é de que os substitutos sejam efetivados já no dia 19.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top