fbpx

Fluminense e Cruzeiro encaminham troca de volantes

As condições para a troca entre Fluminense e Cruzeiro estão estabelecidas. Jádson, de 25 anos, vai para Belo Horizonte, enquanto Bruno Silva, de 32 anos, retorna ao Rio de Janeiro. Avançadas, as negociações preveem que as cessões serão definitivas. Ao Superesportes, Itair Machado, vice-presidente de futebol da Raposa, explicou que os clubes vão repassar os percentuais que detêm sobre os jogadores.

– Jadson, volante do Fluminense, vai ser trocado pelo Bruno Silva. Será um pelo outro. Cruzeiro ficará com 75% do Jadson. Por outro lado, cederemos ao Fluminense os 60% do Bruno Silva. Só falta assinar.

Jádson ganhou o aval da Udinese-ITA, que manterá 25% sobre seu passe, para seguir para o Cruzeiro na próxima temporada. O desejo é de anunciá-lo ainda neste ano. Segundo o empresário Carlinhos Sabiá, Bruno Silva ainda conversa com o Fluminense por um acordo quanto a salários. No entanto, existe otimismo na contratação.

Mais dois cruzeirenses interessam para 2019: Digão, emprestado ao Tricolor desde junho, e Ezequiel, prestes a ser dispensado pelos mineiros. O experiente zagueiro permanecerá nas Laranjeiras por mais um ano. Mas o lateral-direito, por sua vez, não decidiu seu futuro. Essas tratativas não têm relação com a troca envolvendo os volantes.

– Nós estamos rescindindo o contrato do Ezequiel e, por acaso, ele recebeu proposta do Fluminense. Tem também uma oferta do Bahia – finalizou Itair Machado.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

 

Fluminense envolverá Jádson em troca por “pacotão” do Cruzeiro

Interessado em reforçar o time com três cruzeirenses, o Fluminense concordou em trocar Jádson, em definitivo, pelo pacotão com Bruno Silva, Ezequiel e Digão. Embora as condições estejam definidas, as diretorias ainda não confirmam o negócio. Paulo Angioni, porém, revelou que a possibilidade de acerto é grande.

Bruno Silva deixará o Cruzeiro, com quem tem vínculo até o fim de 2020, para assinar com o Fluminense em definitivo. Ezequiel, por sua vez, virá emprestado, assim como Digão, que terá o contrato de empréstimo renovado. As negociações devem ser finalizadas na semana que vem. A informação é do jornalista Samuel Venâncio, da Rádio Itatiaia. 

Ao portal Superesportes, o empresário de Jádson explicou que a saída para BH depende de uma liberação da Udinese, que detém seu passe e o cedeu ao Tricolor, sem custos, em dezembro de 2017.

– Não tem nada fechado ainda. Se caminhar, precisamos de uma autorização da Udinese, que é dona de parte dos direitos. Possível tudo é, mas depende das conversas, dos valores – disse.

Aos 32 anos, o volante do Cruzeiro, que viveu seu melhor momento no Botafogo, em 2016 e 2017, pretende recuperar a regularidade. Também sem espaço na Toca da Raposa, o lateral-direito de 25 anos é, segundo o UOL, um pedido de Fernando Diniz.

O experiente zagueiro retornou em junho ao clube que o formou e, mesmo sem estar nos planos de Mano Menezes para a próxima temporada, poderia não permanecer nas Laranjeiras por uma discordância entre os times quanto aos moldes do acordo. Mas a tendência é que a moeda de troca – Jádson – tenha facilitado as conversas.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

Jádson diz que recebeu sondagens, mas projeta permanência no Fluminense

Jádson superou suas próprias expectativas ao se tornar o segundo jogador a mais defender o Fluminense no ano, com 59 jogos, atrás apenas do goleiro Júlio César, com 62. Anotou três gols, dois deles em goleada sobre o Paraná, no Brasileirão. Marcas jamais alcançadas em Botafogo, Udinese (ITA), Atlético-PR, Santa Cruz e Ponte Preta.

– Foi muito especial poder vestir a camisa do Fluminense em 2018 e fazer tantas partidas quanto eu fiz. Para mim, foi o melhor ano da minha carreira. Foi um balanço muito positivo – revelou.

Anunciado em dezembro, ao lado de Gilberto, o volante agradou Abel Braga durante a pré-temporada na Flórida e ganhou a vaga na equipe ainda em janeiro, o que, aliás, o surpreendeu. Precisou de pouco tempo para virar peça-chave no Fluminense, no primeiro semestre.

– Achei que chegaria e demoraria um pouco para me adaptar, para me firmar no time. Foi tudo o contrário do que imaginei. Pude ter uma sequência, fazer bons jogos – relembrou.

Apesar da queda de produção desde a chegada de Marcelo Oliveira, em junho, o clube conta com Jádson para a próxima temporada. E vice-versa. Embora confirme sondagens, o jogador garante foco em realizar um ano melhor coletivamente do que 2018. Há clubes da Turquia e dos EUA interessados.

– Meu plano é continuar no Fluminense, continuar ajudando o time. Quanto a sondagens, procuro não me meter nisso, não tomar parte, porque, enquanto não tiver nada de concreto, não tem por que eu me posicionar em relação a isso. É claro que existe, mas, como não tem nada concreto, não tem por que eu ficar esquentando a cabeça com essas coisas – explicou, finalizando:

– A princípio, estou totalmente focado no Fluminense em 2019, para termos um ano muito melhor do que tivemos esse ano. Espero que possamos dar para a torcida em 2019 aquilo que ficamos devendo em 2018.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Jádson vira alvo de clubes da Turquia e dos EUA

Jádson anotou 57 jogos, sendo o segundo do elenco a mais jogar no ano, atrás de Júlio César (com 60 jogos), e três gols desde que passou a defender o Fluminense, em janeiro, quando assinou até dezembro de 2019. Logo, houve tempo de sobra para que ele mostrasse seu talento e chamasse a atenção no exterior. A semanas do fim do calendário brasileiro, as sondagens começam a chegar ao Rio de Janeiro.

Num primeiro momento, os interessados são o Bursaspor, da Turquia, e o Seattle Sounders, dos Estados Unidos. Embora ainda não tenham formalizado propostas, ambos têm seus planos para o jogador de 25 anos. Enquanto os turcos desejam tê-lo até meados do ano que vem, quando do encerramento da temporada europeia, os norte-americanos consideram comprá-lo.

Na goleada sobre o Paraná, por 4 a 0, ocorrida em outubro, representantes do Seattle estiveram no Maracanã e acompanharam os dois gols marcados por Jádson. Um dia depois, houve uma reunião entre eles e o volante e seus empresários.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Jádson improvisado, Léo no banco: M. Oliveira avalia manter time que venceu o Nacional

Léo se curou de um edema na coxa, razão de sua ausência desde a goleada sobre o Paraná, mas pode ficar no banco no jogo de ida do confronto diante do Atlético-PR, pela Sul-Americana. A ideia do Marcelo Oliveira é manter o time que venceu o Nacional, semana passada, no Uruguai: improvisando Jádson na lateral-direita e reforçando o meio-campo com Airton. Na ocasião, o dono da vaga até viajou com a delegação, mas sequer foi relacionado. A decisão deve ser tomada na tarde desta terça-feira, quando o time treina na Vila Capanema, casa do Paraná Clube.

– Senti um pouquinho (no clássico contra o Vasco). Normal, pelo tempo parado. Mas estou bem, apto para atuar os 90 minutos. Vai depender do treinador. Por mim, eu jogaria. Vou me esforçar como tenho me esforçado – declarou o jogador, que atuou na derrota de sábado, por 1 a 0, pelo Brasileirão.

O técnico vem tendo dor de cabeça com o setor desde as contusões de Gilberto e, depois, Léo. No empate em 1 a 1 com o Nacional, testou Matheus Alessandro. Em Montevidéu, porém, deslocou Jádson para a vaga e, para melhorar a marcação, começou com Airton.

Nesta manhã, o clube divulgou a entrada de mais dois jogadores na lista da Sula: Bryan Cabezas e Igor Julião, que se torna mais uma opção para Marcelo Oliveira na ala-direita.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

 

Atlético-PR usa gramado sintético como trunfo contra adversários, avisa Jádson

Desde o início da Sul-Americana, o Fluminense tem encontrado problemas quando joga na casa do adversário. Superou 4 mil metros acima do nível do mar, em Potosí, e o caldeirão da torcida do Nacional, em Montevidéu. Embora enfrente, desta vez, um brasileiro, terá de se adequar a mais uma adversidade: o gramado sintético da Arena da Baixada, onde a bola rola, na quarta-feira, para a primeira partida da semifinal.

– O Atlético-PR é um time muito forte em casa, muito organizado, e uma das principais dificuldades é o gramado. É muito rápido, facilita bastante o jogo deles. Na época em que eu jogava no Atlético-PR, a gente usava esse artifício contra quem nos visitava. Tem que estar preparado. É uma decisão em dois jogos. Temos que trazer para casa um bom resultado – explanou Jádson, que defendeu o rubro-negro paranaense entre 2015 e 2016.

Diante do clima frio e úmido do Paraná e da condição do solo, que dificultavam o crescimento do gramado, o Atlético-PR decidiu, em 2016, inovar com a grama sintética, com o aval da CBF e da FIFA. À época, a novidade gerou enorme polêmica. Enquanto o volante Jádson vê o campo como uma dificuldade, o lateral-direito Léo aposta que a torcida é a principal aliada do rival.

De acordo com a Revista Galileu, especializada em ciência, este estilo de gramado altera a jogabilidade de um esporte que, às vezes, depende da precisão de um passe e faz a bola perder força e saltar mais. Também aumenta o risco de lesões e, devido à temperatura elevada, pode causar fadiga extra. No último treino no Rio, na manhã desta segunda-feira, os goleiros fizeram uma preparação própria para a grama sintética.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Candidato à vaga de Léo, Airton cobra “inteligência” para eliminar o Nacional

Quanto ao time que começará o duelo desta quarta-feira, contra o Nacional, a maior incerteza é sobre a presença de Léo, desfalque na semana passada por edema na coxa. Marcelo Oliveira trabalha com a ideia de improviso e, nos dois treinos no Uruguai, testou algumas opções. A poucas horas da partida, que determinará um dos classificados à semifinal da Sul-Americana, o principal candidato à vaga é o volante Airton.

– A pressão será muito grande. A torcida deles fica muito em cima, mas sabíamos que isso aconteceria, então nos preparamos. Mostramos amadurecimento e inteligência fora de casa nas outras fases. Temos que focar nisso e jogar futebol – avisou.

Na ida, no Nilton Santos, o camisa 5 entrou no segundo tempo e reforçou a marcação. Inclusive, completou, neste sábado, seu décimo jogo com a camisa verde, branca e grená. Caso ele seja mesmo o escolhido do técnico, a tendência é que Jádson assuma a lateral-direita. No empate em 1 a 1, a missão ficou para Matheus Alessandro.

– Estamos prontos. Treinamos bem e sabemos que, se colocarmos tudo em prática, temos grandes chances de conquistarmos nossos objetivos. Será um jogo muito difícil e precisaremos mais que do que nunca de cabeça no lugar e inteligência – alertou.


Provável escalação:

Júlio César; Gum (Paulo Ricardo), Ibañez e Digão; Léo (Airton), Richard, Jadson, Sornoza e Ayrton Lucas; Everaldo e Luciano.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Jádson ignora má fase do Nacional e pede time concentrado em “clima hostil” no Uruguai

A delegação do Fluminense desembarcou no Uruguai na tarde de segunda-feira e entrou no clima da decisão de amanhã, pela Sul-Americana. Embora esteja em desvantagem na disputa pela vaga na semifinal, o time, segundo Jádson, tem condições de eliminar o Nacional. 

– Temos que nos manter concentrados, fazer nosso trabalho da melhor maneira possível. Tenho certeza de que temos capacidade de sair daqui com um resultado positivo – disse, em primeira entrevista à imprensa em solo uruguaio.

Em contrapartida, o volante se preocupa com a postura de seus companheiros perante a presença da torcida rival, que esgotou os ingressos para o jogo, no Parque Central. É a primeira vez que os tricolores enfrentarão casa cheia nesta edição do torneio. 

– A maior dificuldade que vamos enfrentar é manter a concentração durante os 90 minutos. A gente sabe que será um clima bastante hostil. Eles fazem com que o clima fique assim. A torcida, todos os envolvidos na partida – relembrou.

No entanto, o clube encarou algumas dificuldades até chegar às quartas-de-final da Sula. As altitudes de Potosí e Quito, por exemplo, amadureceram o elenco para mais uma adversidade.

– Nossos jogos da Sul-Americana fora de casa até aqui não tiveram pressão da torcida. Mas pegamos altitude de quase 4 mil metros em Potosí. O fato de termos passado por uma situação como essa e, depois, a altitude em Quito nos credencia para fazer um bom jogo aqui, independente de qualquer coisa externa. Conseguimos fazer um bom trabalho nessas duas adversidades que enfrentamos fora. Tenho certeza de que não vai ser diferente aqui. Temos condições de fazer um bom jogo e sair com a classificação – cravou.

O que, talvez, tranquilizasse o Fluminense para o duelo é a fase ruim do Nacional, que está sem vencer há quatro partidas e, no fim de semana, perdeu a final do Torneio Clausura para o Peñarol. Jádson, porém, minimiza as estatísticas.  

– Os números passados só servem para a história. Na hora da partida, não influencia tanto assim. Influencia mais a nossa atitude, a forma que vamos nos adaptar ao jogo, a pressão deles que vai acontecer. Temos que saber sofrer, estar concentrados e colocar em prática o trabalho dos últimos dias.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Volantes do Flu são monitorados e podem deixar o Tricolor

Richard e Jadson são monitorados por clubes do exterior e do Brasil.

Vivendo um de seus melhores momentos na temporada, o Fluminense corre o risco de ter dois de seus principais jogadores fora da equipe em 2019. Destaques na evolução do time, os volantes Richard e Jadson vêm sendo monitorados por clubes do exterior e do Brasil.

De acordo com o repórter Victor Mendes, da Rede Mais Esportes, Jadson vêm tendo sua situação monitorada por um clube brasileiro e outro da Ásia – ambos não tiveram o nome revelado – contudo, o jogador têm mais um ano de contrato com o tricolor e é visto como parte integrante da formação do elenco.

Já Richard, de acordo com o repórter Lucas Pedrosa, foi observado in loco na noite da última quinta-feira (04) na vitória de 2 a 0 do Fluminense sobre o Deportivo Cuenca, no Maracanã, por Faustino Vinti, representante do Atalanta, da Itália.

Contudo, como a janela de transferências já está fechada, ambas as negociações só poderiam ser concretizadas em 2019.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Divulgação FFC

Dodi volta aos treinos e deve ser relacionado contra o Grêmio

Lesão tirou o volante dos dois últimos jogos.

O Fluminense realizou na manhã desta quinta-feira (27) mais um trabalho de treinamento visando o jogo contra o Grêmio no próximo sábado (29).

Enquanto a maioria dos jogadores ficaram na sala de musculação fazendo um trabalho de reforço muscular por conta da desgastante viagem – Rio de Janeiro / Quito / Chapecó/ Rio de Janeiro – alguns dos atletas participaram de um leve treinamento em um dos campos Campos do CT. Destaque para o volante Dodi, que esteve ausente nos dois últimos jogos (vitórias contra Deportivo Cuenca e Chapecoense) e reapareceu no gramado na manhã de hoje, fazendo todos os movimentos normalmente.

Desta forma é grande a possibilidade do volante ser relacionado para a partida contra o Grêmio, existindo a possibilidade até de começar entre os titulares, uma vez que Jadson desfalca a equipe por suspensão.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Mailson Santana

Top