fbpx

Fluminense tem 15 dias para pagar mais de R$4 milhões ao Grêmio

O Fluminense sofreu mais um duro golpe judicial na tarde desta sexta-feira (28), quando o juiz Marcos Antonio Ribeiro de Moura Brito, da 29ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), deu o prazo de 15 dias corridos para o Fluminense pagar uma dívida de R$ 4.572.708,26 ao Grêmio.

A dívida é em decorrência de uma ação, já transitada em julgado, que se originou em uma ajuda ao Fluminense em 2013 em um caso com o Clube dos Treze. Na época, o Grêmio se tornou credor do Fluminense após ter quitado a dívida do clube das Laranjeiras como credor original junto ao Clube dos Treze, em 20 de janeiro de 2013. A dívida inicial foi por causa de um empréstimo feito pelo Clube dos Treze ao Fluminense.

A dívida original era de R$ 2.344.227,33, sendo o Fluminense sentenciado a pagar o valor em dez parcelas mensais e consecutivas, com a primeira 15 dias após o trânsito em julgado do caso. O prazo decorreu, o Flu não entrou com recurso e o trânsito acabou certificado no último 19 de agosto.

Com isto, a primeira parcela deveria ter sido paga até o dia 3 de setembro, o que não ocorreu, vindo o Fluminense a se manisfestar apenas depois do trânsito em julgado.

O Fluminense pediu ainda efeito suspensivo, afirmando que não ocorreu a intimação de seu advogado, que apenas um comunicado, pelo sistema “Push”, teria sido enviado, sem publicação no Diário Oficial, alegando “erro no sistema”. Alegou ainda que há risco de dano grave e difícil reparação, já que o Grêmio deu início à fase de cumprimento de sentença, podendo ser determinada a penhora de valores diante da fragilidade financeira do clube. A desembargadora Maria Augusta Vaz Monteiro de Figueiredo relatou no entanto que há “certidão que informa sobre a regularidade da intimação eletrônica do advogado do recorrente, que se deu de forma tácita, considerando que ele não abriu o portal eletrônico, sendo certo que não há qualquer comprovação de que houve falha no sistema informatizado”.

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Fonte: Lance!

Caso Pedro: dirigentes do Fluminense desaprovam postura do jogador e seu advogado

Além de deixar o torcedor Tricolor bastante contrariado com a ação que moveu contra o Fluminense, o caso Pedro teve uma nova figura: o advogado do jogador, que teve uma postura desaprovada por parte dos dirigentes do Flu.

Carlos Theotonio Chermont de Brito, que além de trabalhar para Pedro trabalha também para o Flamengo, respondeu a um twitter do médico ex Fluminense, Michael Simoni, em tom de deboche segundo alguns diretores do Fluzão.

O clube também não gostou da atitude de Pedro, que esteve na porta do vestiário tricolor na última quarta-feira (12), mesmo dia que acionou o clube na justiça.

Se já soubéssemos disso, com certeza a reação (a ele) teria sido diferente – disse um dirigente Tricolor.

Hoje no Flamengo, Pedro entra na justiça contra o Fluminense

O atacante Pedro que hoje defende o Flamengo entrou na justiça na última quarta-feira (12) contra o Fluminense, em processo distribuído pela 14ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1).

A dívida cobrada pelo jogador é referente a férias proporcionais, verbas rescisórias e até queixas referente a grave lesão no joelho que o jogador sofreu em 2018, onde foram juntados aos autos o laudo médico e recibos da cirurgia por conta do acidente de trabalho. Outras provas, como conversas por Whatsapp com dirigentes tricolores também foi adicionada ao processo que cobra um valor de R$ 2.240.257,08 ao Fluminense.

A audiência já tem data: anteriormente agendada para o dia 5 de maio, a audiência foi antecipada para o próximo dia 24 de março pelo juiz Marco Antonio Belchior da Silveira titular da vara.

De acordo com o portal Lance!, que teve acesso ao caso, há uma chance de conciliação entre as partes já nessa primeira audiência.

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Após tentativas frustadas de acordo amigável, Fred aciona Cruzeiro na justiça

O atacante Fred parece mesmo disposto a deixar o Cruzeiro em 2020. Após diversas tentativas frustadas de acordo amigável para uma rescisão contratual o jogador acionou o clube na Justiça do Trabalho, buscando exatamente a rescisão do vínculo.

O processo que corre na 1ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte já tem até data para audiência marcada: dia 3 de março.

O Cruzeiro ainda não foi notificado sobre a ação e o staff do jogador disse que somente o jurídico poderia responder, indicando um contato com o advogado Fernando Moura. Por sua vez, Moura afirmou que não trabalha com ações trabalhistas e desconhecia o processo.

Marco inclusive será um mês de “justiça” para Fred, uma vez que o atacante tem uma ação marcada para o mesmo mês sobre o processo que o atacante move contra o Atlético Mineiro.

Vale destacar que segundo apuração do Canal Flunews, Fred já tem um acerto apalavrado para ser o principal jogador do Fluminense e grande instrumento para alavancar o programa de sócio torcedor. Contudo, o presidente do Fluzão, Mário Bittencourt, desmente qualquer contato com o jogador, embora confirme um interesse.

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Fonte: Globoesporte.com

Ex técnico do Flu, Marcelo Oliveira entra na justiça por acordo de rescisão não pago

Ex técnico do Fluminense, Marcelo Oliveira, demitido na penúltima rodada do Campeonato Brasileiro de 2018 cobra na justiça cerca de R$1,1 milhão por acordo de rescisão não pago.

O treinador que recebia cerca de R$220 mil mensais entre CLT e imagens, firmou um acordo ainda na gestão Pedro Abad, para receber a rescisão contratual mais os atrasados em parcelas até junho de 2019.

O clube teria cumprido com as primeiras parcelas e seguido com inadimplência nas seguintes. Em 26 de novembro deste ano, já no mandato de Mário Bittencourt, o processo do treinador foi distribuído para a 82ª Vara do Trabalho do Rio cobrando o valor referido de R$1,1 milhão.

A ação no entanto está em fase inicial e uma audiência de conciliação já foi agendada para o dia 21 de janeiro de 2020.

Fonte: Globoesporte.com

Foto em destaque: Alexandre Durão

Fluminense e MPI vão a audiência e negociam acordo por “caso Gérson”

Fluminense e MPI, sediada em Luxemburgo, se reuniram no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, nessa quinta-feira, para uma audiência de conciliação sobre o “caso Gérson”. A empresa cobra dívida gerada pela venda do meia à Roma, em 2015, e conseguiu a penhora (ainda mantida) de quase R$ 12 milhões da transferência de Pedro à Fiorentina.

Ficou decidido, após o encontro de 2h30, que a advogada da MPI vai analisar a proposta dos representantes tricolores, que buscam redução e parcelamento do valor. Há otimismo para a próxima reunião, marcada para segunda-feira. Sem acordo, o Tricolor promete recorrer. Por determinação da juíza Flávia Justus, da 38ª Vara Cível, responsável pelo caso, o processo passará a tramitar em segredo de Justiça.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: GloboEsporte.com.

Dispensado em 2017, Higor Leite ganha processo em que cobra R$ 860 mil do Fluminense

Um dos dispensados em dezembro de 2017, Higor Leite processou o Fluminense pelo descumprimento do acordo de rescisão, depois de receber somente R$ 97 mil de R$ 240.363,93 em cerca de um ano.

Revelado em Xerém, o meia de 26 anos recorreu à Justiça em cobranças trabalhistas, com multa e juros, até a condenação do Tricolor ao pagamento de R$ 860.347,40, por decisão da juíza Cissa de Almeida Biasoli, da 75ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. 

Hoje no Londrina, após rodar por clubes pequenos, Higor soma 21 jogos e nenhum gol pelo Time de Guerreiros.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Paulo Henrique Ganso é intimado por oficial de Justiça na Arena Corinthians

Após o empate em 0 a 0 entre Corinthians e Fluminense, em São Paulo, pelas quartas-de-final da Sul-Americana, Paulo Henrique Ganso recebeu, ainda na Arena, intimação de oficial de Justiça. A assessoria do clube confirmou a informação, dada, inicialmente, pela Rádio Transamérica.

A autoridade chegou ao estádio a poucos momentos de a bola rolar. Convencida pelo Tricolor, esperou o fim do duelo para se reunir com o camisa 10, no objetivo de não desconcentrá-lo.

Enquanto era conduzido pelo agente a uma sala para entrega do documento, o meia se limitou a dizer que a questão era pessoal. Na zona mista, ele, aos risos, optou por não se pronunciar sobre o episódio.

— Você está preocupado com isso, cara? Falemos do jogo. Mas não me atrapalha (em campo), não — disse a um jornalista.

— Jogo tão bom como esse e você (jornalista) vem me fazer essa pergunta –despistou a outro.

Informa o UOL que trata-se de um processo movido por Victoria Lopes de Almeida, mãe de Maria Victoria Lopes de Almeida de Lima, de 7 anos, filha mais velha do jogador. A mulher com quem se relacionou brevemente deseja uma revisão da pensão. Ele tem mais dois filhos, Henrico, de 4 anos, e Stella, de 2, do casamento com Giovanna Costi.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense consegue acordo com Wellington Silva, e Justiça suspende penhora

Graças ao acordo amigável junto a Wellington Silva, dispensado em dezembro de 2017 com mais sete jogadores, o Fluminense conseguiu, na segunda-feira, a suspensão da penhora de R$ 951,6 mil. O montante, a ser pago pela CBF, havia sido bloqueado por decisão do juiz Fábio Correia Luiz Soares, da 56ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho do Rio (TRT-RJ), no dia 4 de junho.

Inicialmente, a ação do lateral-direito cobrava R$ 1,3 milhão do Tricolor, que deve férias, salários, multa indenizatória e 13º. As condições negociadas estão sob segredo de justiça e nenhum dos lados quis se pronunciar oficialmente sobre o caso.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: UOL.

Wendel processa o Fluminense e alega “abalo emocional por não possuir recursos básicos necessários para a sua sobrevivência”

Revelado em Xerém e vendido ao Sporting em janeiro de 2018 por 7,5 milhões de euros (à época, R$ 29,2 milhões), Wendel moveu processo trabalhista contra o Fluminense no dia 3 de abril, através da 58ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. A magistrada Luciana Gonçalves de Oliveira Pereira das Neves julgará o caso em audiência adiada para 17 de junho, a pedido do volante.

A cobrança é referente a(o): cinco parcelas de direitos de imagem (R$ 215 mil); férias (R$ 144.444,00); 13º (R$ 108.333,33); FGTS (R$ 103.999,68); multa de 40% do FGTS (R$ 41.599,87); multa pela rescisão (R$ 82.249,13); e danos morais (R$ 20 mil). O valor pedido é totalizado em R$ 873.959,34.

– O reclamante sofre forte abalo emocional por não possuir recursos básicos necessários para a sua sobrevivência e de sua família, gerando-lhe situação vexatória perante seus credores e à própria sociedade, sendo levado ao desespero, vítima que foi de aflições e angústias, intoleráveis para qualquer ser humano – destaca reclamatória assinada pelos advogados Agnaldo Barreto de Sá Junior e Daniel Viera Rebelo Rodrigues.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top