fbpx

Wellington Silva processa o Fluminense por descumprimento do acordo de rescisão

Dispensado em dezembro de 2017, Wellington Silva cansou de esperar um posicionamento do Fluminense e, na segunda-feira, processou o ex-time. Ele alega descumprimento do acordo de rescisão e cobra R$ 1,3 milhão, valor acordado em março. Segundo a defesa, somente o FGTS e uma parcela do combinado foram saldados. Ainda há dois meses de salários, multa da indenização rescisória, férias e 13º pendentes.

– Tentamos, de todas as maneiras, receber amigavelmente, inclusive repactuando o acordo. Mas o clube informou no momento que estava aguardando o recebimento de várias receitas e, portanto, não tinha como dar qualquer resposta. O atleta já vem aguardando desde março (data do acordo) sem qualquer posicionamento – declarou o advogado Theotonio Chermont.

Anteriormente, Diego Cavalieri, Marquinho, Artur, Higor Leite e Robert também procuraram a Justiça para resolver o caso. Por não honrar as rescisões, o clube vem sofrendo penhoras, o que prejudica, inclusive, o pagamento de salários ao elenco e funcionários atuais, problema recorrente ao longo da temporada.

Daquele grupo dispensado há um ano, apenas Henrique nunca chegou a negociar um trato com o Fluminense e aguarda a conclusão da sentença judicial. Maranhão está emprestado ao Goiás. 

A juíza Rosane Ribeiro Catrib deu ao clube um prazo de dez dias para se pronunciar. Uma audiência está marcada, na 56º Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, para o dia 21 de fevereiro. 

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Flu não cumpre acordo de rescisões e vê dívida crescer

Valor que já supera os R$5 milhões pode ficar ainda maior.

Ao anunciar as rescisões de contrato de Cavalieri, Marquinho, Higor Leite, Robert e Arthur no final de 2017, a diretoria do Fluminense almejava gerar um lucro aos cofres do clube, porém, depois de descumprir o acordo feito com os atletas, a cobrança foi parar na justiça e o que era pra ser um alívio se tornou em mais dívida.

Descontentes pelo não cumprimento do acordo por parte do clube, os atletas procuraram seus direitos na justiça para receberem o valor com multa, juros e à vista.

Desta forma, de acordo com o portal Globoesporte.com, a dívida do clube já aumentou em pelo menos R$5 milhões, com chances de crescer ainda mais.

Ainda de acordo com o portal, o lateral Wellington Silva, dispensado no início de 2017,  também se encontra na mesma situação pode tomar o mesmo caminho dos ex companheiros.

 

foto: Lucas Merçon

Fluminense é acionado na justiça por atraso no pagamento da compra de Ibanez

Clube formador do zagueiro cobra uma dívida de R$ 389.483,88.

O PRS, clube formador do zagueiro Ibanez está cobrando uma dívida de R$ 389.483,88 ao Fluminense pelo descumprimento do acordo feito entre os clubes, onde o tricolor se comprometeu em pagar a multa de R$ 600 mil do jogador em 12 parcelas (a primeira de R$120 mil, mais 10 x de R$30 mil e outra de R$180 mil.).  Contudo, de acordo com a PRS, o Tricolor pagou apenas uma, a primeira, no valor de R$120 mil.

Desta forma, o clube formador do zagueiro recorreu a justiça para receber o valor em atraso: R$ 389.483,88. A ação, datada de 1º de outubro, foi distribuída para a 38ª Vara Cível do Rio de Janeiro.

De acordo com o PRS, pois o Fluminense não respondeu a notificação extrajudicial informando o atraso.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Lucas Merçon

Fluminense se endivida por compra de Dudu e tem mais de R$ 150 mil penhorados

As dívidas nas Laranjeiras aparecem aos montes. É a vez de problemas passados virem à tona. O milhão desbloqueado no caso Diego Souza, ainda em curso na Justiça, teve R$ 156.786,34 penhorados, em decisão tomada pelo juiz José Maurício Helayel Ismael. O motivo é a cobrança do Inter de Limeira pelo que faltou do valor acordado para a venda de Dudu, da base, fechada na gestão Peter Siemsen.

A transação custou R$ 150 mil e foi parcelada em seis vezes. Entretanto, a única parcela paga, na quantia de R$ 40 mil, foi no mês de setembro de 2016, quando o negócio foi sacramentado. Agora, o ex-clube do atacante defende o pagamento do restante – R$ 110 mil – mais acréscimo pelo atraso.

Aos 19 anos, Dudu atua no time de Léo Percovich, mas acumula algumas chances no profissional, ainda quando Abel Braga estava no comando. Jogou sete vezes, inclusive na queda na Copa do Brasil, para o Avaí, quando foi expulso e acabou dificultando a vida do time, e marcou apenas um gol, no Carioca.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Flu x Scarpa: TST mantém bloqueio de R$200 milhões

Valor é referente a multa rescisória do contrato entre o jogador e Fluminense.

A briga entre Fluminense e Gustavo Scarpa parece longe de um fim e, após muitas reviravoltas, os últimos capítulos têm sido favoráveis ao Tricolor.

Após o jogador ter R$200 milhões bloqueados pela juíza Dalva Macedo, foi a vez do ministro Alexandre Agra Belmonte, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), manter o arresto de R$ 200 milhões sobre jogador e Palmeiras.

De acordo com o parecer do magistrado, o caso deveria ser analisado pela segunda instância do Tribunal Regional do Trabalho, onde a ação já tramita, entendendo ainda que tal decisão que dá uma segurança ao Tricolor caso o mesmo venha ganhar a ação, não impede o jogador de atuar pelo Palmeiras.

Vale destacar que o caso segue ainda sem uma decisão definitiva.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Thiago Ferri

 

Juíza determina bloqueio milionário de Scarpa e Palmeiras

A medida é uma segurança caso o Tricolor vença a causa.

O caso Fluminense x Gustavo Scarpa ganhou um novo capítulo nesta segunda-feira (06) e, novamente favorável ao Tricolor.

A juíza Dalva Macedo, atendendo um pedido do Fluminense, determinou como medida de antecipação da tutela, o bloqueio de R$200 milhões de Gustavo Scarpa e Palmeiras como uma segurança ao Tricolor caso esse vença o processo que, segue ainda sem uma decisão definitiva.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Thiago Ribeiro / Agif

Scarpa consegue liminar e suspende contrato com o Flu

Contrato do jogador com o Palmeiras ainda não foi reativado.

A novela envolvendo o meia Gustavo Scarpa ganhou mais um capítulo nesta segunda-feira (25).

Após ter duas decisões favoráveis ao tricolor, o meia conseguiu um habeas corpus conseguindo a desvinculação do Fluminense. Contudo, o contrato de Scarpa com Palmeiras não foi reativado, pois no entendimento do clube paulista a decisão ainda deve ganhar novos capítulos. Dessa forma, Scarpa poderia assinar novo vínculo com qualquer outro clube.

Por sua vez, o Fluminense afirma “lutar por seus direitos” mas não tem a intenção de ter o jogador de volta. A intenção do Tricolor é ter o ganho de causa para lucrar com o atleta em uma possível negociação.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Marcelo Theobald

Justiça derruba liminar que liberou Scarpa

Sem contrato com o Flu, jogador acertou com o Palmeiras.

Fluminense conseguiu uma importante vitória na justiça na tarde desta quinta-feira (15), onde por 5 votos a 4, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro derrubou a liminar na qual liberou o jogador do contrato com o tricolor.

Desta forma, o Fluminense pode ter exigir o retorno imediato do atleta às Laranjeiras, sendo Scarpa obrigado a pagar uma multa diária ao tricolor caso descumpra a determinação.

Contudo, o jogador e seu atual clube, o Palmeiras ainda podem recorrer da decisão junto ao TST (Tribunal Superior do Trabalho), em Brasília.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Top