fbpx

Empréstimo expira, e Júnior Dutra, Kayke e Léo são dispensados

A barca que deixará o Fluminense na virada do ano ganhou mais três nomes. Com empréstimo encerrado, Júnior Dutra, Kayke e Léo não renovaram contrato e foram dispensados. Durante o ano, nenhum deles conseguiu se firmar; pelo contrário, desagradaram a maioria da torcida. Os jogadores, exceto o lateral-direito, que está livre para assinar um novo compromisso, retornarão aos clubes aos quais estão vinculados.

Júnior Dutra, que pertence ao Corinthians e tem 30 anos, foi anunciado em meados de julho. Não marcou nenhum gol em 18 jogos. Principalmente com a “queda livre” do time no segundo semestre, virou alvo de reclamações dos torcedores. Em enquete realizada pelo portal Globoesporte.com, foi o mais votado para deixar o elenco. O que se cumpriu.

Kayke, 30 anos, chegou ao Fluminense em agosto, época em que a diretoria buscava um reserva para Pedro, que havia sido convocado para a Seleção e era sondado por grandes da Europa. Embora seja contratado do Yokohama Marinos, do Japão, o centroavante estava emprestado ao Bahia, que o repassou ao Tricolor. Também não anotou gols, mas jogou bem menos que Dutra: apenas nove partidas, inclusive a última rodada do Brasileirão, contra o América-MG.

Sem contrato com Flamengo, que o cedeu ao Fluminense, Léo, 27 anos, está desempregado. Segundo o empresário, que confessou, há alguns dias, ser pequena a chance de permanência nas Laranjeiras em 2019, há interesse de times europeus. Com a lesão de Gilberto, assumiu a vaga e fez 23 jogos, igualmente sem gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: LANCE!

 

 

Léo diz que jogou em “alto nível” em 2018 e torce por renovação com o Fluminense

Sem contrato com o Flamengo, que o emprestou ao Fluminense até dezembro, Léo ainda não sabe onde jogará no próximo ano. Mesmo que possa assinar um novo vínculo sem custos, o clube não se posicionou, por ora, sobre uma possível permanência do lateral-direito. Ele, segundo empresários, recebeu sondagens do exterior.

– Estamos trabalhando para que essa definição (quanto à renovação) saia o quando antes. Meu desejo é fazer o ano de 2019 muito forte, jogando e sendo decisivo. Estou muito motivado para que 2019 seja especial para mim – disse, em entrevista ao portal “Futebol Interior“.

Léo, 27 anos, chegou em fevereiro e, ao fazer um balanço da temporada nas Laranjeiras, aprovou seu trabalho nos 23 jogos em que atuou. O jogador assumiu a vaga a partir da lesão de Gilberto, sofrida em agosto, mas acabou também se ausentando por problemas físicos.

– Foi uma passagem muito especial no Fluminense. É um dos gigantes do nosso futebol. Foi um ano bom para mim individualmente também. Pude jogar em alto nível quando tive oportunidade e estou feliz por isso. Estou muito feliz por ter vestido a camisa do Fluminense e ter ajudado a equipe a conquistar uma vaga na Copa Sul-Americana.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense vende Léo ao São Paulo por R$ 3 milhões

Quarta-feira, o São Paulo anunciou Léo, de 22 anos, como reforço para a próxima temporada. Emprestado pelo Fluminense, ele jogou no Bahia em 2018 e, agora, assina por quatro anos com o clube do Morumbi. Considerado uma aposta para o futuro, o jogador brigará pela vaga com Reinaldo e Edimar. Técnico da equipe, André Jardine avalizou a contratação.

Ao vender o percentual de 50% que detinha sobre o lateral-esquerdo, o Fluminense lucrou R$ 3 milhões, quantia já usada na regularização dos salários atrasados. Revelado em Xerém, Léo jamais conseguiu se firmar no time carioca e convivia com a desconfiança da torcida, principalmente em 2017. Ele rompe um contrato com o clube que, inicialmente, vigoraria até dezembro do ano que vem.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Procurado por clubes europeus, Léo pode acertar permanência sem custos

Com dúvidas quanto ao futuro de Gilberto, o Fluminense vê caminho livre para negociar a permanência do reserva, Léo, emprestado até dezembro, para 2019. A partir da virada do ano, ele também estará sem contrato com o Flamengo. Consequentemente, poderá assinar, sem custos, um novo vínculo. Todavia, a diretoria ainda não o procurou.

Apesar da facilidade de se resolver o caso, a tendência, de acordo com empresários, é de que o jogador não defenda o Tricolor na próxima temporada. Ele recebeu sondagens de clubes europeus, mas segue à espera de uma decisão do Fluminense, onde, desde fevereiro, quando foi contratado, jogou 23 vezes e não marcou nenhum gol.

Devido ao edema ósseo no joelho de Gilberto, Léo assumiu a lateral-direita em agosto. Porém, também em razão de lesão, desfalcou o time em alguns jogos e obrigou Marcelo Oliveira a promover improvisações, deslocando Jádson, Matheus Alessandro ou Dodi para o setor. Até que Igor Julião agradou, passou a ganhar mais chances e chegou a terminar o ano como dono da vaga.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: LANCE!

São Paulo negocia compra do passe de Léo

Atrás de uma vaga na fase de grupos da Libertadores, o São Paulo começa a planejar o elenco para o ano que vem e acrescentou o nome de Léo, do Fluminense, ao radar de possíveis reforços. Durante a temporada de 2018, o lateral-esquerdo, revelado em Xerém, defendeu o Bahia, com quem firmou contrato de empréstimo até dezembro. Fez 58 jogos e nenhum gol.

As negociações, que vêm evoluindo para a compra do passe pelo São Paulo, nasceram de um interesse de tempos no jovem de 22 anos. Os direitos econômicos estão separados em 50% para o Fluminense e 50% para o empresário, Gerson Oldenburg. Segundo ele, existe uma espera pelo fim do Campeonato Brasileiro para que o futuro de Léo seja resolvido. Pessoas ligadas ao atleta apostam que a decisão sairá pouco depois da última rodada.

A vaga na lateral-esquerda do São Paulo, hoje, pertence a Reinaldo. Caso acerte com o clube do Morumbi, Léo, num primeiro momento, dividirá a reserva com Edimar, que não agrada os são-paulinos.

Depois de ser promovido ao profissional do Fluminense, em 2015, Léo acabou emprestado ao Londrina, em 2016, onde acumulou boas atuações. Retornou em 2017, mas não vingou e ainda lidou com grande desconfiança da torcida. Tem vínculo com o time carioca até dezembro de 2019. 

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Jádson improvisado, Léo no banco: M. Oliveira avalia manter time que venceu o Nacional

Léo se curou de um edema na coxa, razão de sua ausência desde a goleada sobre o Paraná, mas pode ficar no banco no jogo de ida do confronto diante do Atlético-PR, pela Sul-Americana. A ideia do Marcelo Oliveira é manter o time que venceu o Nacional, semana passada, no Uruguai: improvisando Jádson na lateral-direita e reforçando o meio-campo com Airton. Na ocasião, o dono da vaga até viajou com a delegação, mas sequer foi relacionado. A decisão deve ser tomada na tarde desta terça-feira, quando o time treina na Vila Capanema, casa do Paraná Clube.

– Senti um pouquinho (no clássico contra o Vasco). Normal, pelo tempo parado. Mas estou bem, apto para atuar os 90 minutos. Vai depender do treinador. Por mim, eu jogaria. Vou me esforçar como tenho me esforçado – declarou o jogador, que atuou na derrota de sábado, por 1 a 0, pelo Brasileirão.

O técnico vem tendo dor de cabeça com o setor desde as contusões de Gilberto e, depois, Léo. No empate em 1 a 1 com o Nacional, testou Matheus Alessandro. Em Montevidéu, porém, deslocou Jádson para a vaga e, para melhorar a marcação, começou com Airton.

Nesta manhã, o clube divulgou a entrada de mais dois jogadores na lista da Sula: Bryan Cabezas e Igor Julião, que se torna mais uma opção para Marcelo Oliveira na ala-direita.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

 

Preocupado com pressão da torcida na Baixada, Léo sonha com Sula: “Queremos fazer história”

Escolhido para conversar com a imprensa antes da viagem ao Paraná, Léo conhece bem o clima na Arena da Baixada, onde o Fluminense joga nesta quarta-feira, pela Sul-Americana. Ao longo dos cerca de três anos que defendeu o Atlético-PR, o lateral-direito se acostumou à temida grama sintética. Esta, inclusive, não é, segundo ele, o maior problema que o time enfrentará na ida da semifinal do torneio.

– A gente não costuma pensar em grama. Sabemos que lá é complicado, mas o importante é que estamos concentrados. Creio que a dificuldade é a torcida, que vai encher e joga junto os 90 minutos. A gente tem que ficar tranquilo, esquecer a torcida. Dentro de campo são só os jogadores. Quanto mais esquecer a parte de fora, melhor para gente – explicou, nesta manhã.

Nas quartas-de-final, o Furacão sofreu para eliminar o Bahia, mesmo decidindo em casa. Perdeu por 1 a 0 no tempo normal e confirmou a classificação apenas nos pênaltis. No entanto, Léo reconhece o talento de alguns jogadores e alerta para os cuidados que se deve ter com a postura que o rival adotará.

– Sabemos que eles estão num bom momento, com bons jogadores. Pablo, Nikão, Paulo André… Temos que estar focados. Também temos nossas qualidades.  O que eu falo para a equipe é manter tranquilidade. Eles vão querer vir para cima nos primeiros minutos. Temos que ter paciência. Vai ser um jogo bom. Vamos pensar na gente.

Numa temporada em que poucos confiavam em algo maior, o elenco tem a chance de provar seu valor e conquistar uma taça que quase foi parar nas Laranjeiras em 2009, quando aconteceu a derrota para a LDU. Trata-se, portanto, de um momento especial, principalmente, para a torcida, que carece de protagonismo desde a Copa do Brasil de 2015. Foi a última vez que o clube disputou um título de importância no cenário do futebol.

– Pela situação na Sul-Americana, a gente acaba focando. A gente quer fazer história na Sul-Americana. No Brasileiro, sabemos que os clubes de baixo estão chegando perto, mas agora temos que pensar na quarta e depois pensamos nos próximos jogos – disse, antes de completar:

– A gente vai para o jogo, independentemente da competição, com o pensamento de vencer. Infelizmente, não estamos tão bem no Brasileiro como na Sul-americana. Nem sempre conseguimos o que a gente quer. Mas temos que voltar a vencer no Brasileiro para sair dessa situação. E queremos atingir 100% na Sul-Americana.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

Candidato à vaga de Léo, Airton cobra “inteligência” para eliminar o Nacional

Quanto ao time que começará o duelo desta quarta-feira, contra o Nacional, a maior incerteza é sobre a presença de Léo, desfalque na semana passada por edema na coxa. Marcelo Oliveira trabalha com a ideia de improviso e, nos dois treinos no Uruguai, testou algumas opções. A poucas horas da partida, que determinará um dos classificados à semifinal da Sul-Americana, o principal candidato à vaga é o volante Airton.

– A pressão será muito grande. A torcida deles fica muito em cima, mas sabíamos que isso aconteceria, então nos preparamos. Mostramos amadurecimento e inteligência fora de casa nas outras fases. Temos que focar nisso e jogar futebol – avisou.

Na ida, no Nilton Santos, o camisa 5 entrou no segundo tempo e reforçou a marcação. Inclusive, completou, neste sábado, seu décimo jogo com a camisa verde, branca e grená. Caso ele seja mesmo o escolhido do técnico, a tendência é que Jádson assuma a lateral-direita. No empate em 1 a 1, a missão ficou para Matheus Alessandro.

– Estamos prontos. Treinamos bem e sabemos que, se colocarmos tudo em prática, temos grandes chances de conquistarmos nossos objetivos. Será um jogo muito difícil e precisaremos mais que do que nunca de cabeça no lugar e inteligência – alertou.


Provável escalação:

Júlio César; Gum (Paulo Ricardo), Ibañez e Digão; Léo (Airton), Richard, Jadson, Sornoza e Ayrton Lucas; Everaldo e Luciano.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Marcelo Oliveira mantém incertas escalações de Gum e Léo em jogo decisivo da Sula

Gum (entorse no joelho e inchaço no tornozelo) e Léo (edema na coxa), que se recuperaram de seus problemas físicos, ainda são dúvida no Fluminense, que tem jogo decisivo, contra o Nacional, pela Sul-Americana, nesta quarta-feira. Embora treinem com o time desde domingo, os jogadores correm o risco de começar no banco. À imprensa, no Uruguai, Marcelo Oliveira detalhou ambos os casos.

– Léo preocupa um pouco mais. Ainda está um pouco inseguro e temos a chance de testá-lo pela última vez nesta terça para decidir. Sobre o Gum, a expectativa é melhor. Ele está sentindo um pouco o tornozelo, mas é um tipo de lesão que dá para jogar. Gum se posiciona muito bem, é importante, experiente. Vamos aguardar. O importante é entrar forte, com bom equilíbrio entre a defesa e o ataque – disse.

Gum tem Paulo Ricardo como reserva imediato. Foi ele, inclusive, que comandou a defesa na goleada para o Santos, sábado, pelo Brasileirão. No entanto, caso a ausência de Léo seja confirmada, a solução é improvisar, o que vem acontecendo desde a derrota no clássico contra o Flamengo, há duas semanas. Gilberto, dono da vaga, está lesionado. Marcelo Oliveira revelou que testou algumas alternativas, mas escondeu a escalação que vai a campo logo mais.

– Tenho ideia, sim (de possíveis substitutos). Já treinamos uma outra opção. Só não vou falar agora. Posso escalar um time aqui hoje e depois jogar com outro. Temos opções, será uma improvisação. Não há um lateral de ofício, um ala. Mas temos confiança naqueles jogadores. Hoje um atleta precisa jogar em mais opções e isso nos anima muito, nos dá confiança de que qualquer um que entrar, entrará com força total – falou.

A delegação chegou ao Uruguai na segunda-feira, quando fez o primeiro treino em terras estrangeiras. Na terça-feira, além do reconhecimento do gramado do Parque Central, palco do duelo, houve nova atividade. Precisando vencer ou empatar por dois gols ou mais, o Fluminense, inicialmente, deve adotar uma postura mais cautelosa.

– Acho que não vai ser um jogo assim, de sair para cima. Vai ter uma marcação forte. Nacional tem como característica jogar para frente. Já percebemos isso no Rio de Janeiro, eles não abriram mão de atacar. Vai ser um jogo equilibrado, de marcação forte, competitivo. Temos que estar atentos e criar uma estratégia boa. Se durante o jogo precisarmos mudar, sair com tudo, vamos fazer. Mas tem que ter o momento certo para isso.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Gum e Léo são novidades em primeiro treino no Uruguai e dependem de M. Oliveira para enfrentar o Nacional

Ainda que como dúvidas, Gum e Léo se juntaram à delegação que foi ao Uruguai nesta segunda-feira, de olho no duelo contra o Nacional, pela Sul-Americana. Poucas horas depois da viagem, os jogadores fizeram, no estádio Luiz Franzini, o primeiro treino em solo uruguaio. Ambos, que se recuperam de lesões, estiveram presentes na atividade tática. A tendência é que eles entrem em campo na quarta-feira. 

– A gente trabalhou com os dois, acho que estarão aptos a jogar. Tenho certeza de que vai ser uma ajuda muito importante – revelou Jádson, em entrevista à imprensa no Uruguai.

Gum sofreu uma entorse no joelho direito no jogo de ida, há uma semana. Também houve inchaço no tornozelo da mesma perna. O zagueiro, inclusive, foi poupado da goleada para o Santos, pelo Brasileirão, no fim de semana, assim como os demais titulares. 

Léo, por sua vez, se ausentou da primeira partida, no Nilton Santos, por conta de um edema muscular. Na ocasião, sua vaga ficou para Matheus Alessandro. Nas outras vezes em que esteve impedido de atuar, deu lugar a Matheus Norton, que sobrou da relação de Marcelo Oliveira.

Nesta terça-feira, o time fará novo treinamento e, também, o reconhecimento do gramado do Parque Central, palco do encontro que decidirá o classificado à semifinal da Sula. Será quando o técnico definirá quem começa jogando.


Confira os relacionados:

GOLEIROS: Júlio César e Rodolfo 

LATERAIS: Ayrton Lucas, Léo e Marlon

ZAGUEIROS: Digão, Gum, Ibañez e Paulo Ricardo

VOLANTES: Airton, Caio, Dodi, Jadson e Richard

MEIA: Sornoza

ATACANTES: Everaldo, Junior Dutra, Luciano, Marcos Jr. e  Matheus Alessandro.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top