fbpx

Desde que o Brasileirão passou a ter G-6, a média para ficar entre os seis primeiros é de 60 pontos

Ocupando a 4° posição, com 29 pontos conquistados em 18 jogos disputados, o Fluminense começa a vislumbrar uma vaga na Libertadores do próximo ano, confira a análise.

Desde 2016 que o futebol brasileiro tem pelo menos sete representantes na principal competição das américas, sendo seis pelo Brasileirão e um pela Copa do Brasil – este número pode chegar a nove, caso os campeões da Libertadores e Sul-americana também sejam tupiniquins. –

No caso do Campeonato Brasileiro, os quatro primeiros vão direto para a fase grupos, enquanto o quinto e o sexto, a princípio, disputam as fases preliminares. Já que se o Campeão da Copa do Brasil terminar entre os seis primeiros, automaticamente uma vaga será aberta, virando G-7.

Nas últimas quatro temporadas, o sexto colocado que mais pontuou obteve 63 pontos, e o menor 56. Confira abaixo

2019 – 6° São Paulo (63 pontos)
2018 – 6° Atlético-MG (59 pontos)
2017 – 6° Flamengo (56 pontos)
2016 – 6° Athlético-PR (57 pontos)


A partir dessa perspectiva, temos uma pontuação média de 60,2 pontos para terminar o Brasileirão entre os seis melhores. Faltando um jogo para fechar a primeira metade do Campeonato, o Fluminense pode terminar o turno com:

29 pontos (em caso de derrota para o Fortaleza)
30 pontos (em caso de empate com o Fortaleza)
32 pontos (em caso de vitória sobre o Fortaleza)


Em uma projeção onde repita a mesma campanha no returno, o Tricolor terminaria o Brasileirão com 64, 60 ou 58 pontos. E com base nas pontuações das últimas temporadas, a equipe voltaria a disputar a Libertadores após sete anos.

Vale ressaltar que estas análises levam em conta apenas as campanhas no Brasileirão já que as chances podem ser ainda mais potencializadas, uma vez que pode o G-6, pode virar G-9.

foto: divulgação









Análise – Voltar à Libertadores pode render ao Flu um ‘Patrocínio Master’, entenda.

Nada como aproveitar a boa fase do time e, talvez, mais do que isso, o nível do futebol brasileiro para falar sobre um projeto ambicioso, que para alguns é improvável, mas para outros, realista.

Acredito que o título possa até gerar, de certa forma, uma polêmica, mas garanto que é apenas mais um incentivo à reflexão. Já que, sem dúvidas, “Libertadores” e “Patrocínio Master” é algo que vaga no subconsciente do torcedor Tricolor, uma vez que não os ver a bastante tempo.

Afinal qual a relação entre esses dois?, Surgiria um patrocinador master apenas pelo fato do Flu por voltar a disputar a competição? São alguns dos possíveis questionamentos. Mas, há uma perspectiva até simples nessa discussão, que é: A cota de premiação.

Como revelado em algumas de suas coletivas, o presidente Mário Bittencourt afirmou que não há empresas interessadas em pagar o que a diretoria julga justo pelo espaço nobre da armadura Tricolor. Os valores pretendidos giram em torno de 10 a 12 milhões de reais anuais.

Pois bem, é fato que uma volta ao principal torneio do continente, possa fazer com que possíveis interessados invistam a quantia mínima atual pedida, até porque a visibilidade será alta. Mas, se nos atermos apenas ás cotas de premiação dada somente na fase de grupos, o Fluminense teria uma quantia de R$ 16,32 milhões (na cotação atual). Já que de acordo com o regulamento de pagamentos da Conmebol para a edição deste ano, cada clube tem direito a US$ 3 milhões, referente a cada partida como mandante.

Em rápida comparação, o Tricolor, para conseguir essa mesma bolada na Sul-americana, competição que vem disputando com mais frequência, precisaria chegar à semi-final, para somar US$ 2,57 (R$ 13,98 milhões, na cotação atual).

É verdade que a moeda brasileira encontra-se bem desvalorizada em relação a moeda americana, porém, para que os valores pagos na segunda fase da competição (a primeira é a chamada ‘pré-libertadores’) sejam menores do que o valor pretendido pelo Flu, o câmbio teria que ter uma queda considerável.

Logo podemos definir, á grosso modo, que o patrocinador master do Flu, pode ser ele mesmo. Já que o dinheiro não vem, basta ir até ele. É fácil? Não! Mas é aí que entra o ponto citado no início do texto, o chamado ‘projeto ambicioso’.

A última vez que o Flu disputou uma Libertadores, foi há 7 anos, em 2013 e nas últimas cinco temporadas em que brigou contra o rebaixamento viu seus 11 rivais – levando em conta o grupo dos chamados ’12 grandes’ – jogarem ao menos uma vez o torneio.

E porque agora seria o momento de virar essa chave, quebrar essa pestia e voltar a participar da Libertadores? Bom, a resposta poder ser o que se encontra, também, presente no primeiro parágrafo: O nível do futebol brasileiro.

Mesmo sendo um clichê, é inegável que o torcedor é uma espécie de ’12° jogador’. Um personagem que não atua nas quatro linhas, mas tem o poder de influencia-la. Porém, a falta do público dos estádio, por conta da pandemia, nivelou ainda mais o futebol tupiniquim, uma vez que a diferença dentro de campo passa a ser exclusivamente a atuação das equipes. E é esse fator, que torna o esporte em 2020 mais igualitário, mesmo que por baixo.

Com isso, concluo que, diante do que está sendo apresentado, ou talvez, do que não está sendo apresentado pelos demais 19 participantes da Série A, o Fluminense tem claras condições de voltar a jogar Libertadores em 2021. Há quem ache uma completa ilusão e há crie expectativas, as formas de chegar estão aí, são as mesmas das outras temporadas. O caminho será fácil? isso é obvio que não. Mas com certeza menos difícil já é.

Se você chegou até aqui, agradeço. E repito, o intuito dessa análise é apenas gerar reflexão e debate entre os torcedores da torcida mais bonita do mundo. Saudações Tricolores!

Por: Moises costa
Foto: ge.globo/editoria de arte






Sobre o Flu voltar a disputar a Libertadores, Mário Bittencourt destaca: “É mais do que necessidade”

Após mais de quatro meses, o Presidente Mário Bittencourt concedeu coletiva, nesta sexta-feira (08), no CT Carlos Castilho. E Dentre os assuntos abordados, o mandatário foi perguntado sobre o fato do Fluminense ser o único dos chamados 12 grandes a não disputar a Libertadores, nos últimos cinco anos.

Para o mandatário, o Fluminense, pela história que possui, não pode ficar de fora da Libertadores, competição que o clube não disputa desde 2013, e reconhece que a ausência do clube no torneio “é um dado negativo”

– É mais do que necessidade, é um direito nosso. A gente é muito grande para fica de fora dessa competição (Libertadores). Nos últimos cinco anos o Fluminense é o único dos 12 que não disputou a Libertadores. Isso é um dado negativo para nós, mas é um dado estatístico que estou anotando aqui para levar para nossas discussões internas, porque eu sabia que a gente não tinha disputado, só não tinha me atentado para esse fato. –

A sete anos sem disputar a Libertadores e a cinco brigando contra o rebaixamento, o clube viu seus principais adversários, tanto no âmbito estadual, quanto nacional, jogarem pelo menos uma vez a principal competição do continente. Ao todo 13 equipes Brasileiras participaram do torneio, 2015 a 2020, e nenhuma delas é o Fluminense.

Confira o Ranking de participações de clubes Brasileiros na Libertadores entre 2015 e 2020.

Grêmio – 5 (2016, 2017, 2018, 2019, 2020)
Palmeiras – 5 (2016, 2017, 2018, 2019, 2020)
Flamengo – 4 (2017, 2018, 2019, 2020)
São Paulo – 4 (2015, 2016, 2019, 2020)
Corinthians – 4 (2015, 2016, 2018, 2020)
Atlético-MG – 4 (2015, 2016, 2017, 2019)
Santos – 3 (2017, 2018, 2020)
Internacional – 3 (2015, 2019, 2020)
Athletico-PR – 3 (2017, 2019, 2020)
Cruzeiro – 3 (2015, 2018, 2019)

Chapecoense – 2 (2017, 2018)
Vasco – 1 (2018)
Botafogo – 1 (2017)
Fluminense – 0


Foto: Alexandre Vidal

Há sete anos o Flu conquistava sua última vitória na Libertadores

Há exatos sete anos, no dia 8 de maio de 2013, o Tricolor conquistava sua última vitória na Libertadores, sobre o Emelec, do Equador, por 2 a 0. Com o resultado o Flu reverteu a derrota sofrida no jogo de ida (2 a 1) e avançou às quartas de final da competição, onde viria a ser eliminado pelo Olímpia, do Paraguai. (0x0 e 1×2)

Cerca de 15 mil Tricolores compareceram ao Estádio São Januário naquela noite e viram Fred, aos 28 minutos do 1° tempo e Carlinhos, aos 39′ do 2° tempo, marcar os gols que deram a vitória e a classificação ao Flu.

Confira os gols de Fluminense 2 x 0 Emelec – Libertadores 2013

Foto: Globoesporte

Egídio diz, em entrevista, que almeja conquistar a Libertadores vestindo a camisa do Flu

Entrevista ao Esporte interativo, neste sábado (02), o lateral-direito, Egídio revelou que ainda almeja em sua carreira conquistar a competição mais importante do continente, a Libertadores. O defensou ainda projetou o título vestindo a camisa Tricolor. Confira

Problema nacional: brasileiros passam em branco fora da casa tanto na Libertadores como na Sula 2020

O Fluminense foi eliminado da Copa Sul-Americana ao empatar em 0 a 0 com o La Calera, no Chile, na última terça-feira (18), porém, o fraco desempenho não foi exclusivo do Fluminense. Todos os times brasileiros que entraram em campo, tanto pela Libertadores, como pela Sul-Americana em 2020, não marcaram um gol sequer.

Foto: Reprodução/Seleção SporTV

Internacional e Corinthians que entraram em campo pela Libertadores não marcaram nenhum gol em solo estrangeiro. Pior para o Corinthians, que foi eliminado assim como o Fluminense, na primeira fase, ao perder por 1 a 0 no Paraguai e ganhar por 2 a 1 em São Paulo. Sendo eliminado pelo gol qualificado, assim como o Fluminense.

Já pela Sul-Americana, Atlético-MG, Fluminense, Fortaleza, Goiás e Vasco, também não marcaram nenhum gol fora de casa. O Vasco no entanto, passou de fase por ter ganhado em casa.

Já Atlético-MG, Fortaleza e Goiás, ainda vão disputar a vaga dentro de casa. Situação difícil é a do Galo, que precisa reverter um placar de 3 a 0.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Fonte: Seleção SporTV

Grêmio realiza treino no CT do Flu antes da decisão na Libertadores

O time do Grêmio utilizou as dependências do CT do Fluminense, Carlos Castilho, para realizar os últimos ajustes da equipe antes de encarar o Flamengo pela partida de volta da semifinal da Libertadores.

A equipe gaúcha que já havia realizado uma atividade em um dos campos do CT Tricolor na última segunda-feira (21) retornou ao Carlos Castilho nesta terça-feira (22) para o apronte final.

Ídolo de boa parte da torcida Tricolor, o técnico gremista, Renato Gaúcho, esteve na sala de entrevistas do CT, onde concedeu a última coletiva antes da decisão desta quarta-feira (23) às 21h e 30, no Maracanã.

Foto: Marcelo Neves/O Globo

Como o primeiro jogo, no Sul, terminou empatado em 1 a 1, a equipe gaúcha precisa vencer a partida por qualquer placar ou empate com dois gols ou mais para avançar à final. Empate em 0 a 0 garante o Flamengo e, um novo 1 a 1 leva a decisão para os pênaltis.

Há onze anos, o sobrenatural de Almeida entrava em campo e o Fluminense fazia história na Libertadores

Foto:Pedro Kirilos/Photocamera

21 de maio de 2008, Fluminense x São Paulo no Maracanã. Um dos jogos mais épicos daquele time e que hoje completa 11 anos daquela classificação histórica.

Após perder de 1 a 0 no Morumbi, o Fluminense precisava reverter o placar no Maracanã e, abriu o placar logo cedo, com Washington.

O São Paulo empatou o jogo já na metade do segundo tempo – fazendo com que o Flu precisasse de mais dois gols para se classificar. A resposta veio no minuto seguinte ao empate, com Dodô fazendo o dois a um.

Ainda faltava um golzinho, que veio de uma forma inesquecível: aos 47 do segundo tempo, na última bola do jogo, Thiago Neves cobrou escanteio e Washington desviou de cabeça, no ângulo, garantindo o tricolor na semifinal daquela competição. Histórico, heróico..

Disputando a Libertadores, LDU vêm ao Rio e treina no CT do Flu

Foto: Divulgação

Clube foi carrasco do Tricolor nos anos de 2008 e 2009.

Um adversário muito marcado na história do Fluminense, a LDU, terá o destino cruzado com o do Tricolor novamente.

Próximo adversário do Flamengo na próxima quarta-feira (13) pela Taça Libertadores da América, a LDU fará parte de sua preparação no CTPA (Centro de Treinamento Pedro Antônio).

O clube equatoriano chega na manhã desta segunda-feira (11), no Rio de Janeiro, e vai treinar à tarde no CT do Fluminense.

A LDU e um dos maiores carrasco do Tricolor, quando tirou dois títulos internacionais das Laranjeiras, após ganhar as finais da Libertadores e Copa Sul-Americana do Fluzão em 2008 e 2009 respectivamente.

Você lembra? Há sete anos atrás, Fluminense vencia o Boca Juniors na Bombonera

Foto: Nelson Perez / FFC

Pela fase de grupos da Libertadores de 2012, o Tricolor conseguiu um resultado histórico em território argentino

Era dia 07 de março de 2012. Com um elenco recheado de estrelas, o Fluminense entrava na temida La Bombonera para enfrentar um Boca Juniors invicto há 36 jogos. A partida era válida pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores daquele ano. Contando com uma grande atuação da dupla Deco e Fred, o Tricolor das Laranjeiras – algoz dos ‘hermanos’ na competição em 2008 -, venceu por 2 a 1 e entrou para a história como um dos poucos brasileiros a bater os ‘xeneizes’ em território argentino.

Após cobrança de falta de Deco, Fred subiu mais que a defesa adversária e abriu o placar para o Fluminense, levando os mais de três mil tricolores ao delírio. Jogando melhor que o Boca, o time do técnico Abel Braga sofreu uma ‘blitz’ no final do primeiro tempo, mas viu em Diego Cavalieri um salvador naquela noite. Porém, no início da segunda etapa, os ‘xeneizes’ conseguiram o empate com Somoza, que aproveitou-se de uma cobrança de falta de Riquelme que bateu na trave e sobrou limpa para o volante argentino.

Apesar de ter sofrido o empate e ver a torcida adversária cantar ininterruptamente, o Fluminense não se intimidou e mostrou porque era a equipe do momento. Aos 10 minutos, veio o gol da vitória. Cavalieri cobrou tiro de meta, Fred desviou e a bola sobrou para o veloz Wellington Nem, que avançou e cruzou na medida para Deco estufar as redes do Boca. Fluzão 2 a 1 em plena Bombonera.

O jogo seguiu lá e cá, com o Tricolor carioca se mantendo no ataque e não deixando os argentinos gostarem do jogo. Nos minutos finais, assim como foi na etapa inicial, o Boca Juniors passou a pressionar, mas esbarrou novamente em grandes defesas de Cavalieri. Aos 47, a bola sobrou limpa para Riquelme, que arrematou firme em direção ao gol. Foi então que Digão se jogou na frente e evitou que o craque deixasse tudo igual novamente.

No fim, triunfo histórico para o Fluminense, que se lançou de vez como um dos favoritos a conquistar a Taça Libertadores em 2012. Entretanto, a campanha naquele ano não terminou de maneira feliz. O responsável pela eliminação do clube das Laranjeiras foi exatamente o Boca Juniors, que venceu o jogo de ida das quartas de final por 1 a 0, na mesma Bombonera, e arrancou um empate por 1 a 1 no Engenhão, com um gol de Santiago Silva aos 45 do segundo tempo. Em contrapartida, o time de Abel Braga sagrou-se campeão brasileiro naquele ano.

Top