fbpx

Flu tem prejuízo no ano de mais de 2,4 milhões com o Maracanã

Em 2019, o Fluminense teve novamente a disponibilidade de mandar os seus jogos no Maracanã. Porém, o clube sofreu financeiramente com os custos do estádio. Confira os gastos que o Flu teve em todos os jogos na temporada jogando como mandante.

(Foto: Reprodução) planilha elaborada por Felipe Malamace

Com esses dados, podemos tirar algumas boas conclusões da temporada tricolor:

  • Fora o jogo contra o Antofagasta, em todos os outros jogos da Sulamericana, o Fluminense conseguiu obter lucro. Ressaltando que o jogo contra o Corinthians foi o maior público do Flu no novo Maracanã.
  • Por esse motivo, a Sulamericana é tão importante para o Fluminense hoje em dia. O torcedor abraça a competição continental.
  • O jogo contra o CSA, que o Flu perdeu por 0x1 tendo mais de 30 finalizações, foi o divisor de águas para a torcida. Esse jogo causou a demissão de Fernando Diniz e a torcida nunca mais compareceu como antes.
  • Apesar dos preços promocionais de ingressos, o Flu não conseguiu mais obter lucro com o Maracanã até o fim do Brasileirão, mesmo com a “casa-cheia” nos jogos de reta final.
  • Após a chegada de Oswaldo de Oliveira e Marcão, o futebol do Fluminense caiu muito. O que causou um afastamento da torcida, acostumada com o futebol no estilo Fernando Diniz.

O Flu precisa urgentemente achar uma solução duradoura que acabe com esses prejuízos que o clube tem com o Maracanã. Seja fechamento de setores, melhoras no plano de sócio torcedor, entre outras maneiras. Há de esperar uma nova coletiva do presidente Mário Bittencourt para perguntar sobre.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Fluminense divulga segunda parcial de ingressos vendidos para partida contra Fortaleza

O jogo entre Fluminense x Fortaleza, nesta quarta-feira (4), válido pela 37° rodada do Campeonato Brasileiro marca o último jogo do Fluminense no Maracanã em 2019.

Sem chances de rebaixamento, mas com grandes possibilidades de conseguir uma vaga na Copa Sul-Americana do próximo ano, os jogadores devem contar com o grande apoio do torcedor, que deve comparecer em bom número na despedida da equipe.

Segundo divulgado pelo próprio clube, cerca de 18mil ingressos já foram vendidos para o jogo desta quarta-feira (4) às 21h e 30.

Expectativa ainda é que o número possa ser superior ao do último jogo em casa, quando o Fluzão teve o apoio de mais de 30 mil torcedores na vitória de 1 a 0 sobre o Palmeiras.

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Maracanã tem sido grande problema do Flu no Brasileirão

Uma grande aliado do Fluminense nos últimos anos, o Maracanã vem sendo o grande calcanhar de Aquiles do Tricolor ao longo do Brasileirão 2019.

Além do empate do último sábado (16) contra o Atlético Mineiro em 1 a 1, o Fluzão coleciona alguns fracassos no estádio que nem nos piores pesadelos os torcedores poderiam imaginar.

Logo na estreia o Flu foi surpreendido pelo Goiás, recém promovido à Série A, sendo derrotado por 1 a 0, com direito a pênalti perdido e anulação de gol pelo Var. Porém, o que parecia ser apenas um acidente percurso virou constante, em 16 jogos como mandante até aqui, foram: 4 vitórias, 6 empates e 6 derrotas.

Entre essas derrotas, resultados totalmente inacreditáveis antes do início do Campeonato, como para o próprio Goiás na estreia, além de CSA e Avaí, todas pelo placar de 1 a 0, ainda tivemos os dois 1 a 1 contra Ceará e Chapecoense.

Há cinco rodadas do fim do Campeonato, o Fluzão ainda tem mais duas partidas dentro de casa para buscar a permanência na Série A, Palmeiras e Fortaleza. Pega ainda CSA, Avaí e Corinthians longe do Rio.

Vale destacar que a partida contra o Corinthians, válida pela última rodada do primeiro turno, com mando do Fluminense, foi jogado em Brasília.

Fluminense homenageia Julio Romero

O Fluminense prestará homenagem a Julio Romero, filho do ídolo Romerito, na partida de hoje (02), contra o Vasco no Maracanã. O clube fará homenagens no telão do estádio e um minuto de silêncio.

Julio Romero morreu em um acidente na estrada, na quarta-feira (10/10), em Luque, no Paraguai.

Foto: Arquivo pessoal

É o aí Jesus: jornal desmente teoria do técnico flamenguista

Foto: Divulgação

Após sua equipe exibir um padrão abaixo da média no último domingo (27), quando venceu o CSA por 1 a 0, o técnico rubro-negro, Jorge Jesus, culpou o gramado pelo fraco desempenho da equipe.

Para justificar ainda o ruim estado da grama, Jesus usou como justificativa o fato do Fluminense ter jogado antes do Flamengo, uma vez que o Tricolor entrou em campo no sábado (26) para enfrentar a Chapecoense.

Diante da declaração do treinador, o jornal O Globo fez o levantamento e desmentiu a tese do treinador. De acordo com a reportagem, contabilizando apenas os jogos do Campeonato Brasileiro, Flamengo e Fluminense dividiram o Maracanã na mesma rodada em oito oportunidade, tendo o rubro-negro entrado em campo primeiro em cinco vezes, contra apenas três do Tricolor.

O jornal foi além e contabilizou apenas as rodadas em que Jesus já estava no comando do Fla – contra o Goiás, em 14 de junho, e os números não são tão diferentes assim: em seis partidas no total, quatro vezes o Flamengo entrou em campo primeiro na rodada, e duas vezes foi o Fluminense.

Não tira o Flu da cabeça ? Jorge Jesus “culpa” o Tricolor pelo mal desempenho do Fla

Foto: Divulgação

Após o jogo entre Fluminense e Chapecoense, no último sábado (26) o Maracanã recebeu Flamengo x Avaí no domingo (27). Dois jogos em menos de 24hrs.

Com um futebol abaixo do apresentado nas últimas rodadas, o técnico rubro-negro logo achou um culpado pelo desempenho abaixo do esperado: o Fluminense.

– É impossível ter qualidade de jogo com um gramado desse. Não entendo porque o Fluminense joga sempre antes do Flamengo. Poderia jogar depois – disse o comandante após a partida.

Vale ressaltar que no outro final de semana esse cenário volta a se repetir, quando o Fluminense enfrenta o Vasco no sábado (2) enquanto o Flamengo recebe o Corinthians no domingo (3).

Criticado pela torcida, Gilberto vê vaias como ‘cobrança de time grande’

Lateral-direito falhou na construção do gol da Chapecoense e foi hostilizado pelos tricolores presentes no Maracanã

Foto: Lucas Merçon / FFC

Alvo das críticas da torcida há algum tempo, Gilberto novamente teve participação negativa em um gol da equipe adversária. No empate em 1 a 1 com a Chapecoense em pleno Maracanã, o lateral-direito falhou na construção da jogada que terminou com a abertura do placar por parte da equipe catarinense. Após o lance, o atleta passou a ser vaiado sempre que tocou na bola.

Após a partida, ao ser perguntado sobre a hostilização dos torcedores, Gilberto lamentou o resultado e comentou sobre as inúmeras vaias vindas das arquibancadas. O jogador disse entender a cobrança e afirmou que em time grande isso é normal.

“Infelizmente não conseguimos o resultado dentro de casa, que era importante para nos afastarmos da zona. Eu e mais companheiros erramos, mas a torcida escolheu a mim. É o futebol, tem que levantar a cabeça. Depois construí jogadas, coloquei meus companheiros na cara do gol”.

“É time grande, né. Sabe como é. Infelizmente o Fluminense não vive seu melhor momento, alguns problemas extra-campo aconteceram durante o ano, e não foi fácil fazer um grande ano. A torcida não está satisfeita com o que está acontecendo. Time grande tem que estar brigando sempre lá em cima. O jogador que erra eles vão cobrar, a gente tem que aceitar e trabalhar para ajeitar essa situação”.

O lateral-direito do Fluminense também falou sobre o que sente o atleta no momento em que passa a ser vaiado pela torcida. De acordo com ele, é complicado pela questão dos familiares, mas, como dito anteriormente, é uma pressão que vai acontecer quando se joga em clubes desse tamanho.

“É difícil, não é fácil ser vaiado. A gente tem família no estádio, tem tudo isso. Mas eu sempre que deixo claro para minha família e amigos que isso é cobrança de time grande. Se eu não render, eles vão me cobrar. Na segunda metade do ano eu vivi momentos ruins, mas também tive momentos bons. Vamos buscar dar a volta por cima”.

Entendeu, Vasco? Maracanã deixa de ser campo neutro no Carioca, e Fluminense garante torcida em setor Sul

A reunião que aprovou a fórmula de disputa do Campeonato Carioca de 2020, segunda-feira, na sede da FERJ, decidiu dar fim à condição de campo neutro para o Maracanã. Desse modo, o Fluminense, administrador ao lado do Flamengo, garante, como mandante, o direito de posicionar sua torcida no setor Sul, como já ocorre no Brasileirão.

— A discussão do lado não é uma guerra de prestígio. É uma questão comercial. Não existe hipótese jurídica de um regulamento interferir nisso. Temos uma permissão de uso que foi prorrogada. Não queremos prejudicar ninguém. Mas o Fluminense não tem como abrir mão disso por questões comerciais. Pagamos para jogar ali, custeamos o estádio. Não existe lógica. No dia em que eu jogo uma decisão, eu tenho que me deslocar, fechar minhas lojas, para atender reivindicação baseada em história? O Maracanã mudou desde a reforma. Não há nada pessoal contra o Vasco. Mas a questão é simples. Botafogo e Vasco não fizeram questão de estar lá porque usam seus estádios. Flamengo e Fluminense fizeram acordo e têm obrigações contratuais – disse Mário Bittencourt.

— É evidente que a torcida do Fluminense, no Maracanã, sempre ficará do lado direito. Foi como exposto pelo presidente do Fluminense. Eu penso que a lógica está situada no fato de que hoje o Fluminense está dentro do estádio dele — completou Rubens Lopes, presidente da federação.

A polêmica acerca do lado Sul do estádio marcou a final da Taça Guanabara deste ano, em fevereiro. Após batalha judicial entre os clubes, foram geradas liminares pelo fechamento dos portões e, depois, pela liberação da entrada de torcedores, com a bola rolando.

— Nossa preocupação é que houvesse um embate como o que nos levou a cenas horríveis como as que aconteceram no clássico. Aquilo foi uma das piores coisas que aconteceram, por uma divergência boba. Ao menos, eles deram a entender que chegaram a um atendimento — declarou Lopes.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense perde para o Flamengo e volta a ser ameaçado pela zona de rebaixamento

Deu Flamengo no sexto clássico com o Fluminense em 2019. A derrota no Maracanã, perante maioria rubro-negra, começou a ser desenhada aos 3 minutos, quando Bruno Henrique marcou de cabeça, em cochilo da zaga após cobrança de escanteio. No lance anterior, Yony González havia dado a bola nos pés de Gabriel, dentro da área; Muriel mandou pela linha de fundo.

Logo em seguida, Wellington Nem completou, de voleio, cabeceio de Yony. Diego Alves espalmou, mas a jogada, provavelmente, seria anulada em caso de gol, em razão da posição irregular do atacante. A resposta veio num contra-ataque que terminou com Gabriel frente a frente com Muriel, novamente melhor no duelo com o artilheiro do Campeonato Brasileiro.

Aos 10′, o VAR entrou em ação. Anderson Daronco analisou suposto pênalti de Nino em Gabriel e, dois minutos depois, ordenou o prosseguimento do jogo. O rival seguiu dando trabalho a Muriel. Defendeu finalizações de Éverton Ribeiro e Rodrigo Caio; entretanto, só olhou as perigosas cabeçadas de Frazan e Vitinho.

Na primeira etapa, o Tricolor arrumou duas boas investidas. Wellington Nem arrancou e chutou para Diego Alves espalmar. No fim, Yony González acertou voleio para fora, com o goleiro já vencido.

Os erros depois do intervalo continuaram os mesmos. A marcação alta do Flamengo dificultava a saída de bola do Time de Guerreiros, que acabava se enrolando. Numa das chegadas, saiu o segundo gol: Gérson, revelado pelo Fluminense.

A intensidade rubro-negra caiu e, mesmo assim, o Tricolor pouco conseguiu ameaçar. Pelo contrário: chegou a apenas observar a troca de passes, enquanto a torcida rival cantava “Olé”. Frazan, caído, quase diminuiu, já nos acréscimos, ao finalizar para mais uma boa defesa de Diego Alves.

O segundo revés seguido recoloca o clube das Laranjeiras em condição delicada no Brasileirão, apesar de ainda ocupar o 15º lugar e não sofrer risco de cair para o Z-4. Por outro lado, perde uma posição se o Ceará vencer o Bahia, amanhã, na Fonte Nova, e empata em pontos com o CSA se este vencer o Botafogo no Nilton Santos. O próximo compromisso é diante da Chapecoense, sábado, no Maracanã.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top