“Não era nem pra chamar”, diz Marcão sobre pênalti contra o Flu

O pênalti marcada a favor do Atlético-MG, que originou o gol de empate da equipe mineira, foi o principal assunto na coletiva do técnico do Fluminense, Marcão, após a partida. O treinador que normalmente evita falar sobre arbitragem, questionou não só a marcação, como também a “interferência” do VAR no lance:

É lógico que a gente vai falar do árbitro de vídeo, sr. José Cláudio Rocha Filho, que chamou o árbitro para um lance como esse. A gente nunca reclama de arbitragem, mas a gente não pode deixar de comentar, de falar. Quando se tem alguma dúvida, tudo bem, mas não houve dúvida alguma. Não era nem para (o VAR) chamar para um lance desses – disse o treinador.

Foto em destaque: Mailson Santana/FFC

Análise: Fluminense faz gol logo no início, segura o Internacional e vence no Maracanã confronto direto por vaga na Libertadores 2022.

Em um jogo onde o tricolor mostrou muita raça e muita vontade mas deixou a desejar na parte técnica, saiu com a vitória e deu mais um passo importante para a classificação à Libertadores do próximo ano.

Com Wellington na vaga de André, suspenso, e Calegari no meio de campo no lugar de Martinelli, machucado, o Fluminense tinha Yago Felipe na criação, sendo o responsável pela 2ª fase de construção e chegando muito ao ataque. Fred jogando mais fora da área foi o responsável pela primeira grande chance do Fluminense.

 

Logo com 1’ de jogo saiu o gol. Fred puxa a marcação e tenta o cruzamento, o zagueiro do Internacional coloca a mão na bola e a arbitragem confirma o pênalti, o atacante tricolor bate com categoria e abre o placar no Maracanã. A partir daí o que se viu foi um Fluminense recuado e esperando o momento certo para matar o jogo, no maior estilo do reativo como é conhecido do tricolor. Como já vimos no Tática Didática.

Na organização defensiva o Fluminense ficava com uma linha de 5 no meio de campo e posicionou os seus extremos para sair em velocidade e realizar as transições com poucos toques na bola e efetividade, mas esbarrou na qualidade técnica de seus jogadores.

Uma vitória importante e que põe o Fluminense de vez na briga por uma vaga na Libertadores 2022.

Análise: Fluminense faz jogo seguro e vence o América/MG no Maracanã com gols de Luiz Henrique e Fred

Em um jogo seguro taticamente, com mais posse de bola, determinação e superioridade, o Fluminense venceu o confronto direto contra o América/MG e chegou a 7ª colocação do Brasileirão.

Com a volta de Luiz Henrique e Fred ao ataque, o Fluminense iniciou o jogo no 1-4-3-3, na organização ofensiva, já na organização defensiva ficava no 1-4-4-2 com Caio Paulista fazendo uma dupla de ataque com Fred, iniciando a marcação em bloco médio, o Fluminense tem muito repertório, como mostramos no vídeo do Tática Didática. Caio e Luiz Henrique trocaram em muitos momentos do jogo de lado. O tricolor também jogou com seus laterais em bastante amplitude, fazendo com que o adversário abrisse o meio de campo para infiltração dos volantes do Fluminense, foi visto durante o jogo Yago, André e Martinelli chegando na área.

O gol tricolor marcado por Luiz Henrique saiu de uma falta cobrada dentro da área e um erro defensivo do América/MG, realizando uma linha de impedimento errada, o atacante tricolor ficou livre na área e aproveitou o passe de Nino para marcar com o gol livre, o VAR conferiu se havia impedimento no lance mas foi validado.

Na segunda etapa o Fluminense mesmo em vantagem marcava no último terço do campo pressionando a saída de bola do adversário. Vencendo por 1 a 0, o Fluminense passou a marcar no 1-4-1-4-1, com André de 1º homem de meio campo e Fred como o único jogador à frente. Árias entrou no lugar de Luiz Henrique, cansado, e jogou aberto pela extrema esquerda, realizando boas jogadas, nesse momento o tricolor jogava de forma bem ofensiva e com vontade de matar o jogo.

Fred voltou a marcar de pênalti após jogada em profundidade de Cazares para Árias. O equatoriano bateu a falta rápido, criando o espaço com um passe em ruptura nas costas da defesa e encontrou Árias, que foi derrubado na área.

O Fluminense fez um jogo muito seguro e venceu o confronto direto na briga por uma vaga na Libertadores, sem dúvida dá uma esperança ao torcedor do tricolor por dias melhores.

Marcão lamenta gol sofrido de bola parada: A gente sabia do perigo dessa bola parada, mas infelizmente entrou”

O Fluminense foi até Caxias do Sul para enfrentar o Juventude na noite desta quarta-feira (17), e acabou derrotado por 1 a 0.

Após a partida o técnico Tricolor, Marcão, lamentou o gol sofrido, principalmente por vir de uma jogada em que segundo o técnico, a equipe havia se preparado:

– A gente tinha treinado, se preparado pra essa bola parada deles, mas, mais uma vez infelizmente entrou. O que a gente pode fazer é continuar trabalhando. A bola parada, o setor defensivo, a questão dos atacantes. É continuar trabalhando. É hora de a gente dar tudo – declarou o treinador.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC

Análise: Fluminense consegue sua primeira virada com Marcão e vence o Palmeiras no Maracanã

Na base da raça e da vontade o Fluminense interrompe a série invicta, 6 jogos, do Palmeiras, surpreende e vence no Maracanã com dois gols do Yago Felipe.

Como mostramos no vídeo semana do Tática Didática, o Fluminense de Marcão tem muita dificuldade quando sai atrás do placar e hoje com uma escalação mais cuidadosa não seria surpresa um empate ou mais uma derrota. Mas o que se viu foi um Fluminense com dificuldades e em contrapartida com muita vontade de vencer e buscar sua vaga na Libertadores.

Sem Nino, André e Luis Henrique, o treinador tricolor optou por Lucas Claro, Wellington e Caio Paulista, respectivamente, em seus lugares para o início da partida e a volta de Fred ao time titular. O Fluminense teve muita dificuldade na pressão ao portador da bola, na 2ª fase de construção e dava muito espaço ao adversário. Com as mudanças, o Fluminense voltou a atuar no 1-4-1-4-1, formação muito parecida com o da partida contra o Athlético/PR, analisada aqui pelo Tática Didática.

Fred fazia marcação na primeira linha e Wellington ficava a frente da última linha defensiva. Na 1ª fase de construção, sem André, os zagueiros se revezavam na saída de bola, sendo David Braz o mais acionado, o Palmeiras deixava o Flu construir desde sua defesa.

Já no segundo tempo Marcão optou pela volta de Gabriel Texeira aberto nas extremas e explorando as costas da última linha defensiva do adversário, com muita velocidade o Fluminense teve bons momentos e conseguiu finalizar no gol. Com a saída de Árias e a entrada de Cazares, o tricolor começou a iniciar a 2ª fase de construção com Yago Felipe e foi assim que em dois chutes de fora da área saíram os gols da vitória do Fluminense

Marcão consegue uma sobrevida no comando do Fluminense e o tricolor carioca ainda sonha com uma vaga direta na próxima Libertadores.

Análise: Fluminense controla o jogo, finaliza mais e consegue a vitória com gol nos acréscimos.

Em jogo realizado no Maracanã, o Fluminense venceu mas ainda não convenceu seu torcedor de que esse time pode conseguir uma vaga na Libertadores 2022.

Marcão optou por mudar a forma do Fluminense jogar, como adiantamos aqui no Tática Didática. O tricolor começou a partida com dois atacante e Luiz Henrique, que vinha atuando como extremo, mais recuado ao lado de John Árias na criação de jogadas ofensivas. André e Martinelli eram os volantes que se revezavam na 1ª fase de construção.

https://youtu.be/PymCxqgQTyM

Nino por sua vez aparecia como construtor de jogadas, realizando passes em ruptura e gerando ações ofensivas. Em uma dessas jogadas o Fluminense chegou ao gol. O zagueiro tricolor na 2ª fase de construção faz um passe em ruptura para o lateral-direito Samuel Xavier, que em profundidade encontra Fred dentro da área para finalizar, mas o gol acaba sendo anulado por impedimento de Samuel Xavier na origem do lance. É importante destacar a atuação de Fred nessa jogada, onde atrai a marcação de 3 jogadores do Sport abrindo espaço para infiltração do lateral-direito na última linha defensiva do adversário. Essa forma que Nino atua pode ser visto no vídeo do Tática Didática, onde analisamos de forma individual o zagueiro.

Na segunda etapa Marcão voltou do vestiário com Cazares na vaga de Árias, tendo assim um armador de jogadas com mais características de meia. O equatoriano entrou bem e fez algumas jogadas perigosas, em uma delas inverteu com Caio Paulista na ponta e cruzou na área para Luiz Henrique finalizar na trave. Fred também foi substituído e o Fluminense voltou a atuar com 3 atacantes, com John Kennedy centralizado.

Gostaria de destacar a grande partida de André, o jovem volante do Fluminense revelado em Xerém é o grande nome da equipe de Marcão. É o responsável por muitas ações ofensivas e defensivas, além de ter ótima leitura de jogo, habilidade, força física e liderança. Sem dúvida é uma das revelações do campeonato.

O gol do Fluminense saiu de uma jogada onde Marlon tinha a possibilidade de levar a bola no fundo, entrar na área ou cruzar. Sem pressão, o lateral tricolor conseguiu um bom cruzamento e o zagueiro David Braz entre a linha defensiva do adversário finalizou, garantindo a vitória nos acréscimos. 

O Fluminense consegue uma vitória importante e que mantém vivo o sonho de uma vaga na Libertadores do próximo ano.

Marcão vê time com poucas chances, mesmo com superioridade numérica: “a gente tentou de tudo, mas fomos pouco efetivos”

A derrota do Fluminense por 1 a 0 para o Ceará gerou um clima de insatisfação muito grande entre a torcida Tricolor, principalmente por conta do time não conseguir criar chances mesmo estando com um homem a mais.

Na coletiva pós jogo, o próprio treinador concordou na falta de criação do time, mesmo com a superioridade númerica:

É lógico que a gente teve poucas chances de gol, mesmo depois (da expulsão). A gente tentou tudo, tirou o André, colocou um meia (Gustavo Apis), colocou o Arias para correr atrás da segunda linha deles… Mas a gente criou pouco, teve uma (chance) com o Fred, com o Gustavo (Apis), com o Lucca no final (gol anulado)… A gente queria fazer essa jogada de lado para fazer correr a linha deles. No final, a gente acabou criando essas bolas por dentro, mas fomos pouco efetivos – disse o treinador.

Foto em destaque: Mailson Santana/FFC

Análise: Um jogo em que o Fluminense foi mais uma vez pouco criativo, não marcou gols e perdeu a partida mesmo com um jogador a mais.

Com a volta de Nino a zaga tricolor o Fluminense rifou menos a bola, tentando construir desde sua área porém errava muitos passes e deixava o Ceará contra-atacar. O zagueiro do Fluminense participou também da segunda fase de construção, como já vimos no vídeo de análise aqui no Tática Didática.

Árias foi mais criativo na partida de hoje, buscando mais o jogo e tentando realizar as transições em velocidade, mas pecou muito nos erros de passe no último terço, facilitando a recuperação de bola do adversário. O colombiano parece estar fora de posição como observamos no jogo anterior, analisado aqui no Tática Didática.

O Fluminense encontrava espaços para jogar nas duas laterais do campo, principalmente após a expulsão de Gabriel Dias. Tanto Marlon pela esquerda quanto Samuel Xavier pela direita não exploravam esse espaço e os extremos não apareciam para o jogo nessa situação, o Fluminense rifava a bola na área mas sempre a perdia por estar em inferioridade numérica ou pelo cruzamento mal feito.

Com a entrada de Fred no segundo tempo e a permanência de Abel Hernadez no ataque, o Fluminense fixou uma linha de 4 na frente, como ocorreu no jogo contra o Santos, analisado aqui pelo Tática Didática. Como o tricolor era pouco criativo e suas linhas ofensivas estavam distantes, não conseguiu  ter sucesso com essa formação. Parece em alguns momentos que essa variação tática do Marcão é na verdade um desespero em tentar marcar um gol e empatar a partida.

Marcão insiste demais em Caio Paulista e tira a principal característica de Luiz Henrique, o 1×1 ofensivo, forçando um extremo fechar linhas e o desgastando quando vai ao ataque.

O Fluminense precisa ter algum tipo de reação se quiser buscar essa tão sonhada vaga na Libertadores do próximo ano, para isso o treinador tricolor terá que fazer “mágica” com os atletas que tem.

Marcão iguala número de jogos de 2020, e Fluminense volta a mirar vaga na Libertadores

A vitória maiúscula no Fla-Flu do último sábado foi o 14º jogo de Marcão à frente do Fluminense na atual temporada. Mesmo número de partidas que o treinador comandou a equipe em 2020, após a saída de Odair Hellmann. Querido pelo grupo e com respaldo da diretoria, o técnico, até aqui, tem conseguido repetir o desempenho regular e, mais uma vez, mira uma vaga na Libertadores.

O aproveitamento, por enquanto, é parecido, com a diferença de um triunfo: em 2020, foram sete vitórias, quatro empates e três derrotas (59,2%); e nos 14 jogos de 2021, seis vitórias, também quatro empates e quatro reveses (52,4%).

Os números também são parecidos com os de 2019, quando foi chamado na reta final da temporada, mas com a missão de livrar o time do rebaixamento. Na época, porém, comandou a equipe em 18 partidas, sendo duas como interino, e fechou o trabalho com 51,9% de aproveitamento.

Quando questionado sobre a vontade de assumir o Fluminense desde o início de uma temporada e não só para “apagar incêndio”, Marcão disse estar focado no presente, mas garantiu se sentir mais preparado:

Eu procuro viver o dia a dia, não procuro projetar muito lá na frente, busco terminar essa missão que me foi dada e, então, analisar o próximo ano. Para estar pela terceira vez dirigindo uma equipe grande como o Fluminense, essa pressão toda do nosso torcedor, de mídia externa… Eu tenho que estar preparado e eu me preparei bastante para isso“, disse ao ge.

Fonte: Ge
Foto: Mailson Santana/FFC

Marcão elogia postura do time e lamenta a derrota: “foi no detalhe”

O Fluminense foi até São Paulo, buscando a reabilitação no Brasileirão, no jogo contra o Corinthians, porém, foi derrotado por 1 a 0 e chegou ao terceiro jogo sem vitória. Após o jogo, o técnico Marcão elogiou a postura do time e lamentou a derrota citando principalmente o momento em que saiu o gol corintiano.

Uma bola de mudança de corredor, que teve um corredor que veio de fora da área e a gente não fechou o funil, não acompanhamos o lance. O Danilo Barcelos tentou ajudar fechando esse espaço e acabou sobrando o jogador de trás. Foi no detalhe, como vínhamos falando que seria decidido esse jogo por ser um jogo grande – declarou o treinador que também destacou as oportunidades criadas pela equipe:

Até de certo modo a gente vem criando. Hoje até criou mais que a equipe do Corinthians. A equipe deles deu esse único chute ao gol e foram felizes e eficientes. Falando da nossa equipe, é continuar trabalhando. A gente teve oportunidades no jogo passado, tivemos algumas oportunidades nesse jogo e o que a gente fala é trabalho, continuamos trabalhando. Temos que ter certeza que as oportunidades que vierem a gente estará preparado pra concluí-las em gol – concluiu.

Foto em destaque: Lucas Merçon/FFC