fbpx

Marcelo Souto lança campanha com foco na tecnologia e promete Diniz até o fim do mandato

Foto: Divulgação

O advogado Marcelo Souto, de 33 anos, lançou oficialmente sua candidatura ao cargo de presidente do Fluminense na noite da última terça-feira (28) na Barra da Tijuca.

O candidato prometeu, se eleito, um foco total no futebol e com direito a algumas inovações como a criação de um Centro de Inteligência e Aperfeiçoamento.

– Precisamos de um modelo de jogo enraizado. A forma como o time profissional joga, por exemplo com o Diniz, hoje, será a forma como todos os times da base também vão jogar. O Fluminense vai ser reconhecido por seu modelo de jogo – disse o candidato.

Souto ainda prometeu a manutenção do técnico Fernando Diniz até o final do seu mandato, com o treinador tendo total autonomia para implementar um sistema de jogo único em todas as categorias do clube:

– A minha ideia não é contar com o Fernando (Diniz) só até o final do ano, mas em toda a minha gestão. O futebol brasileiro não funciona dessa forma, mas deveria. Sou contra ter três ou quatro treinadores por ano. O futebol fica totalmente vulnerável – completou.

O advogado que ainda busca as 200 assinaturas para concorrer ao pleito do dia 8 de junho, ainda apresentou seu vice geral, o engenheiro e militar da reserva Ubiratan Oliveira.

Vale destacar que o Marcelo Souto tem que entregar as 200 assinaturas até a próxima quinta-feira (30).

Candidato à presidência, Marcelo Souto responde sobre possível junção de chapas

Foto: Arquivo Pessoal

Motivado sobre uma entrevista em que o ex aliado de Celso Barros, Ademar Arrais, concedeu ao Canal Flunews, onde cobrava uma junção dos grupos políticos de dentro do clube, um dos candidatos à presidência do Fluminense, Marcelo Souto, enviou uma resposta ao Canal explicando o motivo da manutenção de sua candidatura.

Na resposta, Marcelo, fala de “não repetir os erros do passado” para justificar a sua ideia de não unir forças.

Acompanhe o comunicado na íntegra:

Caro Ademar,
na última quinta-feira fui surpreendido com um citação a uma possível conversa e abertura para uma coligação a chapa do pré-candidato Tenório, através de entrevista ao
Canal Flunews.

Gostaria de dizer a você, a quem considero e tenho muito apreço nessa caminhada pela luta a reerguer o verdadeiro Fluminense, o qual todo torcedor do Fluminense almeja, não cometa os mesmos erros que meu grupo cometeu. Sobre o pretexto de evitar que determinadas pessoas chegassem ao poder para uso e benefício próprio, e acreditando numa união com gestão compartilhada nos unimos com o que há de pior dentro do clube. Grupos que querem a perpetuação desse modelo falido, feudos que querem manter seu prestígio e suas benécias.

No último sábado vi pessoas boas tentando me convencer a voltar a cometer o mesmo erro.
Aprendi com os erros, e divido aqui com você. Amigo, errei como líder do meu grupo, acreditei no que você está acreditando nesse momento. Para isso existem os amigos, alerto a você e a todos os outros.

Agradeço o convite a uma possível conversa para coligação da chapa do Tenório composta com que o há de pior dentro do clube, e retribuo o convite a você e todos aqueles que conversaram comigo nas Laranjeiras no último sábado: venham fazer história do nosso lado, venham resgatar o verdadeiro Fluminense, venham livrar o clube dessas malditas amarras, venham combater o bom combate. Se por acaso Deus nos reservar a derrota, nos dará o fardo glorioso de cair em pé, com a cabeça erguida.

Cada dia que passa a torcida tricolor entende quem faz mal ao clube, há poucos dias atrás o “Pequeno Príncipe” fez gesto para um desses grupos, e a repercussão foi horrível. Desconsertado teve que criar um novo post para apagar o incêndio criado, nesse novo post diz que os esportes olímpicos serão autossustentáveis com uso de recursos de leis de incentivo. Será que o pré-candidato não sabe para ter direito a isso, o clube precisa ter as CNDs que não as detém e tão pouco as conseguirá em médio prazo de tempo? Será que desconhece que houve mudança na estrutura do ministério dos esportes, e que na prática estão aprovando menos projetos e com isso, usando menos dinheiro público? Ou será que vale a pena propagar a desinformação e o estelionato eleitoral?

Enquanto nós torcedores somos enganados com essa baboseira eleitoral o clube sangra, mais de 10 M negativos ano de quem arrecada 20 M, até quando aguentaremos isso? Até quando sairá dinheiro do Futebol para cobrir esses passivos?

Encerro esta minha carta a vocês torcedores e sócios do clube, o Fluminense não suporta mais esse modelo. Precisamos olhar para a frente, e focar na nossa razão de existir desde o tempo da nossa fundação, com o jovem Oscar Cox, o Fluminense Football Club. Esse é o verdadeiro Fluminense. Lutaremos até o fim.
Saudações Tricolores.
Pré-candidato Marcelo Souto.
Presidente do Esperança Tricolor
.

“Foco 100% no futebol” e revitalização das Laranjeiras: conselheiro Marcelo Souto anuncia pré-candidatura à presidência

Marcada para o dia 8 de junho, a eleição no Fluminense começa a apresentar seus personagens. Depois de Ayrton Xerez, o conselheiro e advogado Marcelo Souto, ligado ao grupo Esperança Tricolor, anunciou, nesta sexta-feira, a pré-candidatura à presidência. Aos 33 anos, ele busca renovação no cenário político do clube e expõe focos da campanha.


“Foco 100% no futebol”

– Fluminense tem uma dívida enorme, então, temos de saber exatamente qual o passivo. A campanha vai focar 100% no futebol. Esse é o nosso lema. O que não for sustentável será fechado. Temos de fechar o Samorin, por exemplo. Abrir a caixa preta de Xerém. Ninguém sabe o que ocorre lá, parece que tem um monarca lá. Os esportes olímpicos que não gerarem receita serão fechados. Todo o dinheiro que entrar será para pagar dívida e investir no futebol. O Fluminense leva futebol no nome, então, não dá para tirar dinheiro dessa área e colocar em outras que não geram ativos e só geram passivos. Vamos cortar na raiz. Foco único: pagar dívida e futebol.

Revitalização das Laranjeiras

– O Fluminense tem tantos problemas que poderíamos falar por três horas sem parar. Em eleição, tem muito factoide. Todo mundo promete. A nossa lei é a transparência. Além do que falamos, tem outro compromisso: nosso estádio fica em Álvaro Chaves. Meu compromisso é no dia 0 da gestão começar a fazer de tudo possível para colocar Laranjeiras apta a receber jogos pequenos e médios. Os demais, no Maracanã. Aliás, temos de entender esse novo contrato.


Fundado em 2013, o Esperança Tricolor é representado, no Conselho Deliberativo, por somente sete conselheiros. Em 2016, aliou-se a Cacá Cardoso e estendeu o apoio a Pedro Abad à época da união, passado a formar a coalizão Unido e Forte, de onde saiu em menos de um ano de gestão por discordar dos rumos do Tricolor. Dessa vez, Marcelo Souto nega futuras alianças políticas. A chapa, porém, depende de 200 assinaturas para ser oficializada.

– Queremos as pessoas que não estão inseridas no ambiente político do Fluminense. Queremos aqueles sócios contribuintes e proprietários que queiram ajudar. Não queremos um Conselho homologador que só dá “ok” a tudo que o presidente quer. Queremos que se debata e se questione o Fluminense. Por isso, faremos uma campanha nas redes maciça para efetivamente mudar o clube. Por isso, eu avisei os outros pré-candidatos do lançamento do meu nome e deixei claro que não faremos nenhum tipo de aliança. O nosso compromisso é com o Fluminense.


LEIA MAIS RESPOSTAS DE MARCELO SOUTO:

Decisão de concorrer à eleição: “Não foi uma coisa planejada em cima de um nome. É em cima de um projeto propositivo em diversas áreas do clube. Como nunca conseguimos ser ouvidos e nunca tivemos espaço para nada, a marca desse cenário político sem renovação e sem oxigenação, o grupo decidiu lançar um pré-candidato. E houve consenso pelo meu nome. Vamos começar agora a apresentar as nossas ideias, mas a principal é foco 100% no futebol. Tudo o que não for sustentável será cortado”.

Radicalismo em eventual extinção de esportes olímpicos: “Radical do jeito que precisa ser. Não vamos jogar com as palavras para ganhar voto. Não é a nossa. Vamos mudar. Ninguém vira Fluminense para torcer por vôlei ou tênis. Esses esportes têm história, mas temos de olhar primeiro para o clube. Ele está arriscado a ser extinto”.

Reforma estatutária: “Pretendemos fazer uma reforma estatutária grande. O sócio futebol tem de ter voz. O Fluminense não pode ter que ter 200 sócios contribuintes para assinar chapa. O futuro não pode ser decidido pelas mesmas 2 mil pessoas de sempre. O sócio futebol é a essência, tem de ser ouvido. Ele tem de votar, ser votado, ter direito de ser conselheiro. Vamos trazer essas pessoas para dentro do clube. É como o nosso projeto de voto online, que protocolamos em janeiro e não aconteceu nada”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top