fbpx

Loja online? Uniforme? Fluminense cria suspense em post e torcedores levantam hipóteses

Uma simples imagem, publicada neste domingo, provocou suspense nas redes sociais do Fluminense. A postagem dá indícios de que a loja online, planejada há anos, está perto de se tornar realidade. Mas há quem veja o post como um indicador do lançamento dos novos uniformes, que serão votados, provavelmente, nesta terça-feira, dia 31, no Conselho Deliberativo.

Em janeiro, Marcus Vinícius Freire, ex-CEO do clube, revelou que a Under Armour apresentou a coleção de 2019/2020 ainda nos Estados Unidos, durante a pré-temporada. Além de estar à par do andamento deste processo, o profissional, demitido há mais de dois meses, impulsionou a ideia de, enfim, levar o Fluminense para o mundo do e-commerce.

– E-commerce é uma das fontes de receita dos clubes do mundo inteiro e está dentro dos nossos planos. Os jogadores experimentaram as peças novas para 2019 nos Estados Unidos, uma coleção completamente diferente e que pode ser vendida no mundo inteiro – afirmou, à época.

Em breve contato com a reportagem do Canal FluNews, Marcus Vinícius, que está fora do Rio, prefere, pelo menos por enquanto, o silêncio quanto a assuntos relacionados ao Tricolor.

– Não gostaria de comentar os atuais problemas do Flu. Acho que quem está lá agora é que deve responder. Enquanto fui CEO, dei todas as entrevistas pedidas – justificou.


Veja a publicação e algumas suposições:

https://twitter.com/Arifigueiredof/status/1023675562651516931

https://twitter.com/dybalaffc/status/1023674847774351361


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

Marcus Vinícius Freire deixa o Fluminense e agradece chance: ‘Experiência incrível’

Uma cadeira ficou vaga nas Laranjeiras. Nesta sexta-feira, o Fluminense comunicou o desligamento de Marcus Vinícius Freire, que atuava como diretor-executivo. Pedro Abad e o ex-cartola decidiram, em comum acordo, pela saída:

– A enorme experiência do Marcus Vinícius no ambiente esportivo foi decisiva em algumas decisões estratégicas do clube nos últimos meses e na caminhada para tornar a gestão do clube mais profissional. Além disso, Marcus participou ativamente da montagem da equipe de executivos, com destaque para as contratações do Paulo Autuori e Emanuel Rego. Agradeço a ele por ter acreditado no projeto do clube e desejo muito sucesso nos seus próximos desafios – diz o presidente.

Embora sequer tenha completado um ano no clube (chegou em julho de 2017, ou seja, ficou por nove meses), Marcus, ex-superintendente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), se disse honrado com o convite e agradeceu a oportunidade.

– Foi uma experiência incrível em um mercado que, para mim, era instigante pelas possibilidades de mudanças. Gostaria de agradecer ao presidente Pedro Abad o honroso convite para ser o Executivo profissional deste tradicional clube. Vou buscar novos caminhos e desafios, mas afirmo que, mesmo de longe, estarei torcendo para que o clube encontre o seu equilíbrio – afirma.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

CEO planeja usar Maracanã como “casa” Tricolor em 2018

Para isso, segundo o dirigente, será necessário uma média de 18 mil torcedores por jogo.

O CEO Tricolor, Marcus Vinicius Freire revelou que planeja usar o Maracanã como a “casa” do Fluminense ao longo da temporada 2018. Contudo, de acordo com Freire, é necessário que o torcedor Tricolor comparece aos jogos no estádio, onde a diretoria conta com uma média de 18 mil torcedores por jogo, para que o Fluminense não tenha prejuízo com os custos do estádio.

– Temos o interesse do Maracanã ser nossa casa, mas, para isso, não podemos ficar pagando para jogar. Temos trabalhado muito nesse item para, junto com o Maracanã, achar a melhor saída. Para o jogo ser acima do 0 a 0 na parte financeira, precisamos ter, ao menos, 18 mil torcedores – destacou o dirigente.

Ainda de acordo com Freire, o preço do ingresso para a estreia do time na Copa Sul-Americana, na próxima quarta-feira (11) já está definido:

– Para quarta, o preço definido está em R$ 50. Vamos usar a configuração que temos pensando no melhor para a redução de custo e aumento de receita – completou Freire.

Vale destacar que o Fluminense já vem utilizando como medida para diminuir os custos da operação, abrir apenas a parte inferior do estádio, esquema que deve continuar sendo utilizado para a estreia da Sul-Americana.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Foto: Divulgação
Fonte: Lance !

 

Fluminense conta com apoio da torcida para viabilizar o uso do Maracanã em 2018

Os altos custos e prejuízos no Maracanã em nada mudaram a decisão do Fluminense, que confirma o Maior do Mundo como sua casa em 2018. A diretoria estuda colocar em prática mais medidas que reduzam o gasto operacional. A mais recente novidade estreou domingo, quando apenas o anel inferior foi aberto ao público.

Aliás, o número de pagantes do jogo contra o Nova Iguaçu, pela Taça Rio, bateu pouco mais de 3 mil. Ou seja, outro déficit para a conta, agora de quase R$ 300 mil. Dada a necessidade da presença em massa da torcida, Marcus Vinicius Freire fez apelo aos tricolores.

– O Fluminense ficou feliz da vida em voltar ao Maracanã, quer que o estádio seja sua casa pelo menos até o fim do ano e convoca a torcida para ajudar nessa empreitada. Precisamos ter um público mínimo para cobrir os gastos. Estamos contando com isso – afirmou.

Diretor-executivo do clube, Freire revela estar tentando encontrar meios para tornar o Maracanã viável até o final da temporada. Ele, depois, ainda reforça o pedido à torcida.

– Queremos apostar nesta parceria. Estamos fazendo um trabalho para redução de despesas, para que seja viável jogos mesmo com menos público. Só que esperamos jogos com públicos maiores que os de domingo. Convocamos os guerreiros tricolores para ajudar o clube a voltar ao Maracanã – disse.

Os novos cálculos apontam para uma média de público entre 12 e 13 mil, que geraria lucro aos cofres de Laranjeiras. A estratégia do Tricolor é abrir somente o anel inferior nos jogos de menor apelo e, em clássicos e duelos com times grandes do Brasil, utilizar também os setores superiores.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Top