fbpx

Vasco anuncia ex Flu Marquinho e fica próximo de fechar com outro ex tricolor

Foto: Divulgação/Vasco

O Vasco anunciou de forma oficial a contratação do meia Marquinho, ex Athletico Paranaense e conhecido no futebol carioca por defender as cores do Fluminense.

Aos 32 anos o jogador voltou ao Flu em 2016 apos se destacar no clube entre 2009 e 2011, quando marcou inclusive o gol de falta do Tricolor contra o Coritiba em 2009 culminando na fuga do rebaixamento da equipe que viria a ser campeão brasileiro no ano seguinte.

Em sua nova passagem pelo Fluzão no entanto, MArquinho não obteve o mesmo sucesso e foi liberado no final de 2017.

Já no Athletico Paranaense, atuou somente na equipe de aspirantes, onde foi campeão paranaense deste ano. Embora tenha sido considerado um dos destaques no título estadual, o meia não teve seu contrato renovado com o Furacão e chega a custo zero na Colina.

No Vasco, Marquinho deve reencontrar outro ex Fluminense: o volante Richard, que deve voltar ao Rio para defender o clube da cruz de malta, emprestado pelo Corinthians, que contratou o volante junto ao Fluminense no final do ano passado por aproximadamente R$11 milhões
no fim do ano passado por R$ 11 milhões
no fim do ano passado por R$ 11 milhões.
no fim do ano passado por R$ 11 milhões.

Fluminense encaminha acordo por dívida de Marquinho

Valor da venda de Richarlison será repassado diretamente ao clube italiano.

Diante de uma grave crise financeira, a diretoria do Fluminense vai se reinventando para realizar o pagamento das dívidas. Uma delas, a que o clube tem referente à negociação do meia Marquinho em 2016, que gira em torno de 1,3 milhão (R$ 6 milhões, na cotação atual), está se encaminhando para um desfecho positivo para a quitação.

Para o acordo, o Tricolor busca encaminhar parte da verba que têm direito na venda de Richarlison diretamente ao clube italiano, isso por quê, o dono da Udinese, Giampaolo Pozzo é pai do proprietário do Watford, Gino Pozzo.

O entendimento entre as partes é fundamental para evitar que a Fifa aplique punição ao Flu. Afinal, sem receber o que tinha direito, a Udinese denunciou o caso.

Da venda de Richarlison do Watford ao Everton, € 50 milhões (R$225 milhões), o Flu terá direito a 10%: 3,75 milhões de euros (R$ 17 milhões). Pagando o acordo à Udinese, ainda sobrariam R$11 milhões aos cofres do Flu.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Nelson Perez

fonte: Globoesporte.com

CAP anuncia a contratação de Marquinho, ex Flu

Jogador assinou com o Furacão até junho de 2019.

O Atlético Paranaense anúnciou nesta segunda-feira (03) a contratação do meia Marquinho, ex Fluminense.

O jogador de 32 anos que já vinha trabalhando no CT do Caju a recuperação de uma grave lesão sofrida no joelho, assinou com o Furacão até junho de 2019. Ele não atua desde o empate do Flu com o São Paulo, em junho de 2017.

Além do Fluminense, Marquinho tem passagem por: Palmeiras, Botafogo, Figueirense, Roma, Hellas Verona, Al-Ittihad, Udinese e Al-Ahli.

 

ST,

Douglas Wandekochen

fonte: Globoesporte.com

Fluminense atrasa rescisões e perde acordo verbal com Henrique; casos podem parar na Justiça

Em dezembro passado, o Fluminense pôs em prática o plano de reduzir a folha salarial de 2018. Como etapa do processo, dispensou oito jogadores e assumiu o compromisso de pagar, somente neste ano, R$ 15 milhões em acordos. Depois de cumprir as primeiras parcelas, o clube se viu impossibilitado de quitar o combinado e atrasou pagamento a seis profissionais. A razão para tal é a crise financeira, que também afeta o elenco, a receber, ainda, um mês na CLT  e de imagem.

As pendências complicaram o que fora negociado verbalmente com o zagueiro Henrique, agora no Corinthians, e o tratado acabou desconsiderado. Pedro Abad admite dificuldades em arcar com essa missão, mas aposta que conseguirá solucionar a situação.

– Começamos o ritmo de pagamento normal, mas depois precisamos interromper. Assim que tivermos recursos, vamos regularizar. Comunicamos a alguns, outros entenderam. Tivemos a compreensão de todos. Há a crença de que vamos resolver. Mas, sim, o problema existe – confessou.

Os combinados, em caso de atraso de pagamento, preveem multa. Aqueles que se resolveram amigavelmente podem, inclusive, parar na Justiça. A diretoria intencionava depositar em abril a maior parte do valor devido, reduzindo o custo das parcelas nos meses seguintes. Para seguir o planejamento, captaria-se dinheiro em um fundo, o que não aconteceu.


Confira quantos meses de atraso a cada jogador:

Artur: Fez acordo extrajudicial. Parcelas de maio e junho estão atrasadas, e a última está combinada para agosto.

Diego Cavalieri: Recorreu à Justiça e cobra R$ 6,1 milhões. Recebeu pouco mais de R$ 1 milhão em fevereiro. Em 15 de abril, uma parcela de R$ 2.325.761,80 deveria ser quitada, mas não foi. A partir de maio, seriam mais 18 parcelas de R$ 145.360,11. Está previsto 30% de multa por inadimplência.

Higor Leite e Robert: Fizeram acordo extrajudicial. A segunda e última estava prevista para 30 de abril, mas não foi cumprida.

Henrique: Como supracitado, o acordo verbal foi desfeito. Segunda-feira, em audiência na 54ª Vara do Trabalho do Rio, a magistrada Katia Emilio Louzada tentou, sem sucesso, a conciliação. O processo segue.

Maranhão: Emprestado ao Goiás até dezembro e termina seu contrato com o Fluminense em maio de 2019.

Marquinho: Fez acordo extrajudicial e espera pagamentos de abril, maio e junho. Parcelamento termina em dezembro de 2019.

Wellington Silva: Fez acordo extrajudicial e espera pagamentos de abril, maio e junho.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Udinese recusa jogadores do Flu por débito de Marquinho

Dívida seria maior que R$5 milhões.

O presidente do Fluminense, Pedro Abad busca uma solução referente a dívida do Tricolor com a Udinese em relação a compra do meia Marquinho, ainda na administração de Peter Siensem, em 2016, onde na época, o então presidente adquiu o jogador pelo valor de €1 milhão (R$4,1 milhões) a serem pagos só em 2017.

Diante do não pagamento por parte do Tricolor, a Udinese recorreu à FIFA que deu o prazo até o final do mês de março para que fosse feito o acerto. Expirado o prazo, Abad procurou o presidente do clube italiano, Gianluigi Pozzo, oferecendo-lhe a prioridade na contratação de algum jogador do Flu como parte do abatimento da dívida, proposta recusada por Pozzo.

Na conversa, Abad explicou a dificuldade financeira tricolor. Pozzo no entanto deixou claro que, neste momento, não tem interesse em nenhum jogador. Dar prioridade de compra ao time italiano era uma alternativa para por fim ao débito de 1,3 milhão de euros (R$ 5,4 milhões, na cotação atual).

Apesar da recusa do cartola italiano, os dirigentes estreitaram a relação e há uma esperança muito grande na direção do Fluminense que o negócio tenha um desfecho positivo.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Divulgação FFC

Prazo de pagamento vence, e Fluminense conversa com a Udinese sobre dívida por Marquinho

A dívida do Fluminense por Marquinho, segundo o determinado pela FIFA, deveria ser paga até o final de março. O prazo venceu, e a pendência ainda está em aberto. o débito, corrigido por juros, é de 1,3 milhão de euros (R$ 5,2 milhões, na cotação atual).

A compra de 100% do meia, acertada à época de Peter Siemsen, custou 1 milhão de euros (R$ 4 milhões, na cotação atual). A quitação deveria acontecer em 2017, na gestão de Pedro Abad, mas as dificuldades financeiras impediram a regularização da situação.

O clube teme uma eventual punição da entidade máxima do futebol e, por isso, retomou conversas com os italianos, em busca de um acordo. A diretoria verde, branco e grená confirma:

“O Fluminense busca acordo com a Udinese, com conhecimento da Fifa, tendo inclusive protocolado petição no processo movido na entidade pelo clube italiano”.

Antes de o caso ser comunicado à FIFA, a Udinese recusou uma proposta do Fluminense. O Tricolor ofereceu parte de eventual futura venda de Richarlison, agora no Watford.

Mesmo machucado, Marquinho figurou a lista de dispensa anunciada em dezembro e deixou o clube. A medida visava reduzir os gastos da folha salarial.

Em sua segunda passagem pelas Laranjeiras, o atleta fez 41 jogos e três gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Fluminense descumpre acordo por Marquinho, e Udinese aciona a Fifa

Marquinho foi contratado, em julho de 2016, e dispensado, em dezembro de 2017. Passou pouco mais de 500 dias no Fluminense, que ainda deve à Udinese o pagamento da compra do meia.

Na ocasião, o presidente era Peter Siemsen. O negócio envolvia a aquisição de 100% dos direitos econômicos por 1 milhão de euros (R$ 4 milhões, na cotação atual). As partes acertaram que o valor deveria ser depositado em 2017, quando Pedro Abad assumiu a presidência. A dificuldade financeira, porém, atrapalhou o cumprimento do acordo, que agora gera problemas aos tricolores.

Campeão brasileiro em 2010, Marquinho foi dispensado após um ano e meio nas Laranjeiras. (Foto: Nelson Perez)

Em razão da cobrança da Udinese, o Fluminense tentou uma proposta, recusada pelos estrangeiros. Tratava-se de garantir ao time italiano parte do que for lucrado com eventual futura venda de Richarlison, hoje no Watford- ING.

O Tricolor, mesmo acionado pela Fifa, ainda conversa por um consenso. No entanto, a entidade determinou, após avaliação do caso, que o pagamento seja feito até 31 de março. Do contrário, será aplicada uma sanção ao time de Laranjeiras. A dívida, com juros, é de 1,3 milhão de euros (R$ 5,2 milhões, na cotação atual).

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Fui tratado como lixo: diz Marquinho sobre saída do Flu

Meia foi dispensado através de uma ligação telefônica no final do ano passado.

Em entrevista concedida ao Globoesporte.com, na última quinta-feira (01), o meia Marquinho desabafou da forma como foi dispensado pelo Fluminense, chegando a dizer que se sentiu tratado como um lixo pelo presidente do clube, Pedro Abad:

– Sou um cara explosivo, mas fiquei sem reação. Decepcionado. Depois de tudo o que fiz pelo clube, não só naquele ano, mas pela história. Fui tratado como lixo. Foi uma facada nas costas, uma traição – disse Marquinho.

 

– É difícil apontar culpados, mas poxa. Não tem como. Foi inaceitável. Eu estava machucado. Se chegassem para mim e falassem que eu estava fora do projeto do ano seguinte, não importa o motivo, mas que iria me recuperar e depois fazer a rescisão, tudo bem. Não sou tricolor fanático, mas eu tenho carinho enorme pelo Fluminense. Eles não tiveram o mínimo de respeito – completou…

Marquinho ainda revelou que em nenhum momento havia tratado do assunto rescisão e acredita que o técnico, Abel Braga desconhecia o fato:

– Ninguém chamou o meu representante, Márcio Rivelino, com antecedência para nada. Inclusive o Abel nos procurou depois e disse que não sabia de nada, que não tinha pedido nada – afirmou Marquinho.

 

ST,

Douglas Wandekochen

 

Fonte: Globoesporte.com
Top