fbpx

Comandante do Nacional, Edgardo Malvestiti vê favorecimento ao Fluminense

A queda do Nacional de Potosí na Sul-Americana é, para Edgardo Malvestiti, injusta. Ao analisar a partida, vencida, por 2 a 0, pelo time boliviano, o comandante se disse satisfeito com o desempenho de seus jogadores e foi polêmico. Alfinetou a arbitragem uruguaia e reclamou de suposto favorecimento ao Fluminense.

– Faltou completar as muitas situações de gols. Fizemos uma grande partida. Saímos com um sabor amargo pelo resultado, mas não pelo desempenho. Estou muito orgulhoso. Lamentavelmente, sempre se beneficiam a um rival que tem um poder econômico superlativo, uma estrutura superlativa – afirmou, logo após a eliminação.

Os juízes, aliás, deixaram o campo escoltados pela polícia. A torcida mandante, irritada com a demora do Tricolor na reposição de bola, atirou pedaços de comida e lixo no trio que apitou o duelo na noite de quinta-feira.

Mesmo perdendo, principalmente pela dificuldade encontrada nas alturas, o clube de Laranjeiras se classificou para a segunda fase da Sula.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Jogadores valorizam vaga na segunda fase da Sula, e Gum enfatiza ‘experiência de vida’

As dificuldades foram superadas e ficaram para trás, lá na Bolívia. Mesmo com o 2 a 0 do Nacional de Potosí, o Fluminense se garantiu na segunda fase da Sul-Americana e retornou ao Rio de Janeiro, na sexta-feira, aos gritos de ‘time de guerreiros’.

A vantagem conquistada em abril, no Maracanã, com a goleada de 3 a 0, foi fundamental para o clube de Laranjeiras sair classificado de Potosí. Afinal, jogar a 4 mil metros acima do nível do mar é uma batalha. Ou uma experiência de vida, como destacou Gum.

– Dou até risada porque é uma experiência de vida isso aqui. Suportamos como? Com o grupo forte e a união. Falamos que ia ser difícil. Mas o futebol nos proporciona isso. Claro que queríamos jogar no Brasil. Mas, já que estávamos aqui, fomos para o desafio. Sabíamos que sofreríamos juntos e voltaríamos classificados dando risadas de gente que passou mal aqui. Vamos contar para os nossos filhos – disse o zagueiro, na saída do campo.

A viagem da delegação à Bolívia foi marcada por imprevistos desde o Brasil, quando a logística planejada há meses teve de ser alterada, em razão de protestos em Sucre. Quando os jogadores entraram em campo, mais problemas: além da altitude, a má qualidade do campo.

– Inadmissível jogar aqui. Sem altitude, o campo já seria impraticável, essa é a verdade. Mas é parabenizar a fisiologia, pessoal da logística do clube e a gente também, que entrou em campo. Nos superamos, sempre brigando por todas as bolas. Voltar para casa é o melhor presente que temos – declarou o volante, que fez o pênalti que originou o segundo gol do adversário.

Em 2017, na mesma Sul-Americana, os brasileiros conheceram o clima de Quito, no Equador, quando enfrentaram a LDU. No entanto, Júlio César garante que a altitude equatoriana está longe de ser comparada à boliviana. Autor de defesas importantes, o goleiro ressaltou, ainda, a entrega do elenco.

– Olha, é um jogo extremamente complicado. Tivemos a experiência, no ano passado, em Quito, mas isso não tem nada a ver. É 20 vezes pior. O grupo está de parabéns, soube sofrer na hora certa, foi complicado. Você puxa e o ar não vem. Isso porque eu não corro tanto quanto eles (jogadores de linha). Não posso deixar de valorizar a entrega. A união do nosso grupo mais uma vez fez a diferença – frisou o camisa 22.

Renato Chaves seguiu o discurso de seus companheiros e reclamou das condições encontradas nas alturas. O zagueiro, que fez uma grande partida, relatou como sofreu na quinta-feira e valorizou o placar em casa, na jogo de ida.

– Sensação horrível. 4100 metros é complicado, ainda mais num campo desse. Mas soubemos jogar com o placar e hoje fizemos um grande jogo. Tivemos erros, saíram os gols, mas isso não apaga o que fizemos no Brasil. (Acréscimos) A gente já sabia que ele ia dar bastante, já estava prometendo. É complicado demais, o ar é muito seco, dá muita dor de cabeça. Complicado demais. Saímos de cabeça erguida.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Abel Braga destaca bravura do Fluminense e detona altitude: ‘Desumano’

Foi suado, mas deu Fluminense no duelo desta quinta-feira, em Potosí, contra o Nacional. Com o 3 a 0 no Maracanã, o time se classificou à segunda fase da Sul-Americana, mesmo tendo perdido por 2 a 0 na Bolívia.

A 4 mil metros acima do nível do mar, os jogadores só se preocuparam em confirmar a vaga. Abel Braga, que reconheceu a bravura de seus comandados, se mostrou inconformado com o clima nas alturas.

– Aqui em Potosí, as pessoas são muito amáveis e simpáticas, nos receberam muito bem. Mas, com todo respeito, não há possibilidade de jogar futebol a mais de 4 mil metros de altura. É impossível! Já tinha jogado em Quito, mas 4 mil metros não é normal. Tivemos jogadores com oxigênio no hotel, oxigênio antes do aquecimento, oxigênio depois do aquecimento, e eu conversei com os jogadores no intervalo e eles com oxigênio – relatou, em entrevista, completando:

Não estou dizendo que o povo de Potosí tem problema com isso. Desumano é jogar futebol, não morar aqui. As pessoas que moram aqui estão habituadas. Agora, você sair do nível do mar para 4 mil metros é complicado.

Embora entenda que a vitória do adversário foi justa, Abelão destacou a inteligência do Fluminense para construir a goleada no Rio, levando vantagem para o segundo jogo, e a bravura para segurar os bolivianos e superar as dificuldades.

– Eles mereceram a vitória, mas nós, pela bravura, merecemos a classificação. Nós tínhamos um objetivo. Você joga 180 minutos. O que te classifica é a soma dos placares. E nós conseguimos fazer um resultado melhor lá embaixo. Aquele time do Maracanã é minha equipe. Lá conseguimos botar a bola no chão, e aqui não conseguimos jogar – disse.

O Nacional de Potosí caiu na Sula, o segundo principal torneio do continente, mas recebeu elogios do treinador brasileiro. Abel Braga mencionou três nomes que agradaram no rival.

– É um grande time, tem grandes jogadores. Vocês, em Potosí, têm grandes jogadores. Salazar é grande jogador. Reina é grande jogador. Paniagua, também.

Confira mais declarações de Abel Braga:

Análise da partida


Nós nos colocamos em uma maneira de nos defender. Eles cruzando bola na área, nós com três zagueiros. Tivemos algumas oportunidades de fazer um golzinho, mas o domínio foi todo do adversário.

Como lidaram com a altitude?

Viemos muito preocupados. Procurei não falar com meus jogadores sobre altitude, mostrar que não estávamos preocupados, nervosos ou com medo. Mas sabíamos que as dificuldades seriam muito grandes.

Elogios à Bolívia

Eu nunca tinha vindo à Bolívia. Fiquei encantado com Santa Cruz de la Sierra. Fiquei encantado com as pessoas, nos aplaudiram na rua, na saída do hotel.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Cilindros de oxigênio e treino com bolas de vôlei: a preparação para pegar o Nacional

Graças ao 3 a 0 no Maracanã, o Fluminense está em vantagem sobre o Nacional de Potosí, adversário na primeira fase da Sul-Americana. No entanto, o time encarará 4.067 metros acima do nível do mar, o que requer um cuidado especial. O embate que vale a continuidade no torneio acontece às 21h45 desta quinta-feira, no Víctor Augustín Ugarte, o segundo estádio mais alto do mundo (3.960 metros).

Como forma de minimizar os efeitos provocados pela altitude, o clube providenciou cilindros de oxigênio, presentes nos equipamentos levados por times brasileiros às montanhas, para o caso de os jogadores sentirem falta de ar, sintoma comum nas alturas.

Alguns, como Richard e Pablo Dyego, farão sua estreia nestas condições extremas. O volante, inclusive, admitiu, na chegada ao hotel em Santa Cruz de La Sierra, estar assustado com os relatos dos companheiros.

A altitude influencia, também, a velocidade e a trajetória da bola e dos chutes. A mudança afeta, principalmente, os goleiros. Para preparar os arqueiros, os treinamentos durante a semana foram com bolas de vôlei e foco no jogo aéreo.

– Nossos preparadores de goleiro têm feito um trabalho excelente. Usaram, em nossos treinos, bolas de vôlei para tentar trazer uma realidade mais próxima da que vamos enfrentar no jogo. Elas são mais leves e pegam efeito maior que as de futebol e chegam mais rápido – explicou Júlio César.

Vale destacar que, devido à alteração na logística, o elenco ficou impedido de se aclimatar ao ambiente. O processo ocorreria em Sucre, onde uma onda de protestos contra o governo resultou no fechamento do aeroporto e no bloqueio de estradas. A solução foi se hospedar em Santa Cruz, localizada a nível do mar. Foi lá, aliás, que a equipe trabalhou pela única vez na Bolívia, no CT do Blooming, na tarde de quarta-feira.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Salvador, Rio de Janeiro e Potosí: a agitada semana do Fluminense

Em Salvador para pegar o Vitória, pelo Campeonato Brasileiro, o Fluminense se prepara para uma semana desgastante. Depois de duelar com o time baiano, às 16h, a delegação viaja ao Rio de Janeiro e, terça-feira, embarca em voo fretado, com parada em Santa Cruz de La Sierra, rumo à Bolívia. O compromisso será quinta-feira, contra o Nacional de Potosí, e vale pela Sul-Americana.

O primeiro destino é Sucre, a 2.810 metros de altitude, onde acontecerá a aclimatação. A ida a Potosí, terceira cidade mais alta do mundo (4.067 metros de altitude), está prevista para horas antes da partida, marcada para 21h45. A subida se dará por estrada.

A vantagem é do Fluminense, que venceu o primeiro jogo por 3 a 0. Para reforçar a zaga, Abelão pode contar com Ibañez, praticamente recuperado de estiramento na coxa esquerda. Caso se classifique, o clube de Laranjeiras estará garantido na segunda fase do torneio continental.

Na sexta-feira, o grupo retorna ao Brasil e foca no clássico do dia 14 de maio, frente ao Botafogo.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fonte: Globoesporte.com.

Top