fbpx

Justiça decide a favor do Fluminense, e Gustavo Scarpa é derrotado nos tribunais

A novela Gustavo Scarpa está em sua reta final ou, até mesmo, terminou. Embora ainda caiba recurso, a juíza Dalva Macedo anunciou, nesta segunda-feira, decisão favorável ao Fluminense, em primeira instância, no caso que se arrasta desde dezembro passado. A magistrada considerou improcedentes as reclamações do jogador e foi além: determinou pagamento de R$ 120 mil em honorários advocatícios, somados aos R$ R$ 22.583,20 em gastos em custos processuais. A sentença mantém em vigor o contrato com o Tricolor, impedindo o meia de atuar pelo Palmeiras – última vez em campo foi em 11 de março, contra o Ituano, em jogo em que marcou dois gols.

Junho representou uma derrota seguida de outra para Scarpa. Afinal, há uma semana, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro negou o mandado de segurança impetrado por seus advogados. A medida fazia parte do plano de conseguir liberá-lo do Fluminense enquanto o processo estava em andamento.

A juíza entende que, mesmo o clube atrasando parcelas de salários e FGTS desde 2012, o relacionamento contratual era tolerável. Lembra-se que, em 2017, Gustavo renovou seu vínculo até 2020. Veja trechos nos quais Dalva Macedo explica no que se baseou para bater o martelo:

“A demora no ajuizamento da ação pelo empregado indica que a relação contratual ainda é tolerável, ficando demonstrado, de igual modo, o perdão tácito (…) Pela análise dos documentos contidos nos autos, verifica-se que a Reclamada, desde o ano de 2012, atrasa o recolhimento do FGTS do atleta (…) Tal atraso não foi entrave suficiente para que o atleta, em março de 2017, renovasse o seu contrato com a Reclamada, com significativo aumento salarial e extensão do pacto até o ano de 2020. Ora, se o atraso no recolhimento do FGTS e no pagamento de algumas parcelas contratuais (13º salário e férias de 2016) fosse o real motivo para a insatisfação do jogador, de nenhum modo as partes chegariam ao consenso para a formalização da renovação contratual”.

“A renovação contratual demonstrou que o autor ainda possuía interesse em se manter vinculado ao clube, independentemente do atraso salarial, indicando, de forma inequívoca, o perdão tácito à falta praticada pela Ré. A ausência de imediatidade demonstrou que a mora, ainda que contumaz, da Ré não teve potencialidade suficiente para impedir a manutenção do pacto laboral.”

Caso opte por insistir na batalha judicial, Gustavo Scarpa pode recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, em segunda instância. As partes podem negociar um acordo, o que, meses atrás, foi tentado, mas sem sucesso.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Gustavo Scarpa pede liberação do Fluminense, e julgamento em junho avaliará caso

A novela Gustavo Scarpa, que se arrasta desde dezembro de 2017, ganhará continuidade em 07 de junho, uma quinta-feira. Haverá novo julgamento, em 2ª instância e marcado pelo Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), desta vez para avaliar o mandado de segurança apresentado pelo jogador, ainda vinculado ao Fluminense, em que pede sua liberação antes da decisão final sobre o caso.

Foi desta forma que, em janeiro, o meia conseguiu deixar o clube de Laranjeiras e ficar livre para assinar com o Palmeiras. Mas, dois meses depois, a liminar foi derrubada, o que revalidou o contrato com o time do Rio. Para esta fase, em que será analisado o mérito do mandado, foram convocados a CBF, a FERJ, o Ministério Público do Trabalho e o Juízo da 70ª Vara do Trabalho do Rio. Além, claro, de Flu e Scarpa.

As partes ainda aguardam o despacho, em primeira instância, da juíza Dalva Macedo, responsável pelo caso. Se a sentença for confirmada antes do dia 7 de junho, o julgamento do pedido do atleta perde o objeto de apreciação.

A última vez em que atuou profissionalmente foi em 11 de março, pelo Paulistão, quando marcou os dois gols do triunfo palmeirense sobre o Ituano. Como voltou a pertencer ao Fluminense, foi proibido de frequentar a Academia de Futebol, mas também se manteve longe do Centro de Treinamento Pedro Antônio, na Barra.

Para preservar a forma, Gustavo Scarpa, que aguarda o desfecho judicial em Hortolândia, contratou um profissional para auxiliá-lo em treinos particulares. O meia, inclusive, ainda tem disputado jogos pelo time de futsal de sua cidade-natal.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Partes envolvidas no caso de Gustavo Scarpa aguardam veredicto de juíza

A novela envolvendo Gustavo Scarpa, Fluminense e Palmeiras continua se arrastando, desde dezembro. O desfecho, até o momento, está indefinido. Agora, as partes aguardam o veredicto de Dalva Macedo, a magistrada que está atuando no caso.

Os clubes, mais o estafe do meia, conversaram e tentaram chegar a um acordo, mas sem sucesso. Presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte se colocou à disposição do Fluminense para contribuir para a resolução da situação. Contudo, ainda espera pelo acerto entre Scarpa e seu ex-time.

Foi na audiência no TRT-RJ (Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro), em abril, que os envolvidos ganharam dez dias úteis para manifestar as considerações finais. Com o prazo encerrado, a juíza pode bater o martelo a qualquer momento – nenhuma data foi pré-determinada. O processo corre em segredo de justiça.

A demora para tal se deve, provavelmente, aos documentos reunidos pelos advogados do jogador e apresentados depois de finalizada a instrução processual. O Flu interferiu, pediu a retirada do arquivo e foi atendido.

Diante do cenário, o que vale, por ora, é o que ficou decidido no julgamento em março, no TRT-RJ, que derrubou a liminar que permitiu a assinatura de contrato do atleta com o Alviverde. Significa, portanto, que Gustavo Scarpa está vinculado ao clube de Laranjeiras.

Parado há dois meses, o meia mantém a forma física em treinos particulares e em partidas de futsal, em Hortolândia-SP.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fluminense e Palmeiras voltam a conversar sobre Scarpa

Jogador ainda briga judicialmente para se desvincular do Tricolor.

A fim de tentar resolver a situação de Gustavo Scarpa amigavelmente, a diretoria de Fluminense e Palmeiras se reuniram em São Paulo na semana que antecedeu a audiência do jogador,  na última segunda-feira (16) para tentar um acordo antes de novo capítulo da disputa na Justiça, contudo, o encontro não teve acordo. Nenhum dos lados cedeu no que entendem ter direito.

Na intenção de abrir nova rodada de tratativas, o Fluminense indicou a intenção de receber pagamento ou jogadores, neste caso, diretamente do Palmeiras. Scarpa e Verdão no entanto, não aceitaram.

No encontro, o Flu foi representado por Marcus Vinicius Freire (CEO do clube) e Miguel Pachá (vice jurídico). Scarpa esteve acompanhado pelo pai (José Luiz) e Bruno Paiva (empresário da OTB, que cuida da carreira do jogador). O advogado Andre Sica foi pelo Palmeiras.

Sem acordo entre os clubes a audiência decorreu na última segunda-feira (16), com a juíza Dalva Macedo recusando um novo pedido para antecipar a rescisão de contrato de Scarpa com o Flu. Desta forma, o atleta continua vinculado ao Tricolor e, consequentemente, impedido de treinar e atuar pelo Palmeiras, clube com o qual assinou em 15 de janeiro e, após oito jogos e dois gols, defendeu pela última vez em 11 de março. Por sua vez, Scarpa segue também sem se reapresentar à equipe carioca.

A magistrada, titular da 70ª Vara do Trabalho do Rio, concedeu prazo de 10 dias úteis para as partes apresentarem as alegações finais do processo. Após o prazo, dará a sentença.

Existe ainda uma expectativa de que as diretorias possam ter um novo encontro para tentar definir o negócio de forma amigável.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Foto: Reprodução Instagram

Cinco clubes da Série A sondaram Abelão desde novembro

Embora questionado por alguns torcedores no Fluminense, Abel Braga sofreu assédio de clubes da Série A na virada do ano. Foram, pelo menos, cinco times que enviaram sondagens – e até proposta. No entanto, nenhum caso avançou, em razão da postura do técnico: ignorar ofertas enquanto estiver empregado. Abelão tem contrato com o Tricolor até dezembro.

Em 2017, o treinador foi comunicado do interesse do Internacional, com o qual conquistou o Mundial de 2006, para assumir a vaga de Guto Ferreira. Mais recentemente, São Paulo, à época da demissão de Dorival Júnior, Atlético-MG e Palmeiras tentaram tirar o comandante de Laranjeiras.

Quem mais se aproximou de Abel Braga foi o Flamengo, que demitiu Paulo César Carpegiani em março. Nesta sexta-feira, dirigentes rubro-negros foram até o apartamento do técnico tricolor, no Leblon, de onde saíram com uma resposta negativa.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Palmeiras e Fluminense ainda buscam acordo sobre caso Gustavo Scarpa

Ainda há conversas para tentar acordo sobre o caso Gustavo Scarpa, inclusive nos mesmos moldes da negociação de meses atrás. É o que garantiu Paulo Autuori, durante entrevista nesta segunda-feira, no CT. O Palmeiras, à época da transferência do meia, se propôs a oferecer jogadores para se precaver de algum envolvimento na batalha judicial. A audiência, no Tribunal de Justiça Trabalhista do Rio, está marcada para o dia 16 de abril, segundo o jornal Extra.

— Estas conversas existem desde que entrei aqui. Não foram alteradas em absolutamente nada. Inclusive em relação aos alvos de interesse do Fluminense. Só que as coisas paralisaram, todos sabem o motivo. Mas tem que haver interesse das três partes. Só que isso é de presidente para presidente. Eu não posso definir nada. Seria leviano da minha parte – revelou.

No mês passado, o clube de Laranjeiras derrubou a liminar conseguida pelo jogador, cujo contrato com o Tricolor foi reativado. A queda do documento impede que Scarpa atue pelo Alviverde, com o qual havia firmado vínculo de cinco anos. Diante da decisão da Justiça, imaginou-se que o atleta poderia voltar a vestir a camisa verde, branco e grená – o que, para Autuori, está descartado.

— Uma coisa é ele estar vinculado ao Fluminense de novo. Outra é o posicionamento do jogador e de seu representante. Eles acham que vão ganhar, é um direito deles de achar. E, em função disso, não querem qualquer tipo de aproximação. Embora haja interesse das instituições Palmeiras e Fluminense em fazer um acordo em que todos possam sair minimamente felizes. Porque feridos todos já estão — finalizou.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Rescisão de Gustavo Scarpa com o Palmeiras aparece no BID

O contrato assinado entre Gustavo Scarpa e Palmeiras, por enquanto, está inválido. A rescisão foi publicada no início da noite desta sexta-feira, no Boletim Informativo Diário (BID), da CBF. Diante deste cenário, o meia, garantido por Roger Machado entre os relacionados para o jogo contra o Novorizontino, sábado, está impedido de atuar pelo Alviverde. Uma hora depois da divulgação do rompimento do vínculo, foi oficializada a reativação do contrato do jogador.

A liminar que permitiu a ida do atleta ao clube paulista caiu na quarta-feira. No entanto, Scarpa seguiu sua rotina na Academia de Futebol normalmente. Treinou, trabalhou cobranças de falta e estava nos planos de Roger. Até a notificação oficial da decisão da Justiça.

O Palmeiras está tranquilo quanto ao imbróglio pois está protegido pelos termos do acordo selado em janeiro. O combinado prevê que os empresários do ex-tricolor arquem com qualquer quantia, como pagamento de multa, devida ao Fluminense. Os agentes, por outro lado, cravam que o quadro, agora desfavorável, será revertido.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Roger Machado confirma Gustavo Scarpa para jogo do Paulistão e avisa: ‘Está com a cabeça boa’

A derrubada da liminar que permitiu a saída de Gustavo Scarpa, confirmada na tarde de quinta-feira, deixou dúvidas quanto ao futuro do meia no Palmeiras. Mas a rotina, apesar do imbróglio, se manteve a mesma em São Paulo. Tanto que Roger Machado, respaldado juridicamente pelo clube, garantiu o ex-tricolor entre os relacionados para a jogo contra o Novorizontino, sábado, pelo Paulistão. 

 

– Sem dúvida. Até um segundo posicionamento, ele está disponível para ir para o jogo com a gente – declarou. 

 

Segundo o repórter Victor Mendes, da Rede Mais Esportes, a CBF e o Palmeiras ainda aguardam os documentos emitidos pelo TRT-RJ. O que, por enquanto, deixa Gustavo Scarpa registrado no BID como atleta do Alviverde. 

 

– O que o jurídico tem passado para a gente da comissão técnica é que, até uma segunda ordem, o atleta tem condição de jogo. É a forma que a gente vem lidando. Quero contar com ele até uma segunda posição mais atualizada em relação à situação jurídica do caso – acrescentou Roger. 

 

A situação, ao que parece, pouco afetou ao jogador. Ele foi visto na atividade desta sexta-feira, na Academia de Futebol. Treinava cobranças de faltas. O camisa 14, porém, continua na reserva, mesmo depois de fazer dois gols diante do Ituano. Mas sem se abalar. 

 

– À medida que a ação da saída dele do antigo clube se desenrolou, o atleta também tem ciência que seu anterior clube vai brigar pelos direitos e que poderia acontecer, em algum momento, um revés. Mas ele está com a cabeça boa, acreditando na possibilidade de poder nos ajudar nessa fase da competição.

 

Saudações Tricolores,

Nicholas Rodrigues.

Justiça derruba liminar que liberou Scarpa

Sem contrato com o Flu, jogador acertou com o Palmeiras.

Fluminense conseguiu uma importante vitória na justiça na tarde desta quinta-feira (15), onde por 5 votos a 4, o Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro derrubou a liminar na qual liberou o jogador do contrato com o tricolor.

Desta forma, o Fluminense pode ter exigir o retorno imediato do atleta às Laranjeiras, sendo Scarpa obrigado a pagar uma multa diária ao tricolor caso descumpra a determinação.

Contudo, o jogador e seu atual clube, o Palmeiras ainda podem recorrer da decisão junto ao TST (Tribunal Superior do Trabalho), em Brasília.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Top