Fluminense sofre penhora de quase R$ 1 milhão por dívida com ex volante Ygor

O Fluminense segue sofrendo com os mesmos problemas judiciais e, sofreu mais uma penhora. Dessa vez por um valor de R$ 992.857,96 em processo do ex-volante tricolor Ygor.

A informação foi divulgada pelo portal ENM, que confirmou que a ação corre na Justiça desde 2010 e o clube já havia sido intimado a pagar o valor, porém, ficou inerte.

A penhora dos créditos do Fluminense foram penhorados junto ao Grupo Globo, CBF e FERJ, em bloqueio que engloba “qualquer valor vencido ou vincendo, (…) inclusive, mas não somente, de eventual crédito advindo do resultado do Campeonato Brasileiro de 2020, Campeonato Carioca, Copa Libertadores, Copa do Brasil ou outros do gênero”. Vale destacar no entanto, que a decisão cabe recurso.

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Fluminense tem parte da premiação de quinto colocado no Brasileirão bloqueada pela justiça

A quinta colocação do Fluminense no Campeonato Brasileiro rendeu uma quantia de R$ 26,4 milhões aos cofres do Tricolor. No entanto, parte desse valor foi penhorado pela justiça.

Segundo informações do jornalista Ancelmo Góis em sua coluna no jornal “O Globo”, a 54ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro determinou a penhora de uma pequena parte da premiação do Flu devido a uma dívida com o lateral-esquerdo Júlio César, que atuou no Time de Guerreiros entre 2010 e 2012, e foi campeão brasileiro pelo clube.

Foto em destaque: Divulgação

Fluminense costura acordo com empresa para evitar penhora em venda de Evanilson

O Fluminense entrou em acordo com a empresa Brazil Football Ltda., para evitar ums possível penhora em parte do valor que tem por receber na venda de Evanilson, negociado com o Porto, de Portugal.

O acordo em questão foi referente a uma causa que a empresa ganhou na Justiça em que cobra o clube o pagamento de comissão pela venda de Gerson, atualmente no Flamengo, à Roma-ITA em 2015. A ação corre nos tribunais desde janeiro de 2019.

A Brazil Football havia entrado com um pedido no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro solicitando que o Tombense/MG, clube ao qual pertencia o atacante, retivesse ou repassasse à empresa um total de R$ 3.447.985,16, descontando da parte que seria paga ao Tricolor. No começo deste mês, o clube carioca entrou com um agravo pedindo para a Justiça reconsiderar a medida.

Nesta semana, no entanto, as partes se reuniram e compuseram um novo acordo. Foi compactuada a redução da dívida para R$ 2,1 milhões, com reparcelamento do débito em 30 parcelas de R$ 70 mil, além de R$ 400 mil em honorários advocatícios. A petição do acordo foi protocolada nesta quinta-feira e ainda precisará ser homologada pelo tribunal.

Foto em destaque: Divulgação

Fonte: ge

Fluminense consegue suspensão de penhora das receitas da FluTv

O Fluminense obteve junto ao Tribunal Regional Federal da Segunda Região (TRF-2) a suspensão de uma penhora milionária sobre toda a receita da FluTV nas finais do estadual deste ano, contra o Flamengo.

A Informação foi divulgada pelo portal Esporte News Mundo, que confirmou ainda que a suspensão valerá até que o mérito do recurso seja julgado pelos desembargadores federais do caso.

Vale destacar que o processo tem como ação principal uma cobrança da Caixa Econômica Federal contra o Fluminense, que consta desde 2003 na 10ª Vara Federal de Execução Fiscal da Justiça Federal do Rio de Janeiro (JFRJ) – sendo redistribuída nos últimos dias para a 11ª.

A penhora era referente aos R$ 8.723.502,55 nas transmissões da FluTv na final da Taça Rio e no primeiro jogo da final do estadual, que constava ainda a penhora de 15% da verba que o clube tivesse a receber do Grupo Globo, por direitos de transmissão de seus jogos ao longo dos campeonatos que participa, também até o limite estabelecido para este bloqueio a favor do banco estatal

Fluminense é acionado na justiça por valor milionário referente ao atacante Robinho

O Fluminense continua recebendo diversas ações na justiça referentes a problemas de administrações passadas. Dessa vez, o Atibaia, clube do interior paulista, acionou o Tricolor, cobrando cerca de R$ 3.755.265,72 referente a compra do atacante Robinho em 2017, em ação, que corre na 33ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) conforme divulgou em primeira mão o site Esporte News Mundo.

Embora o Fluminense ainda não tenha sido notificado oficialmente, consta no processo que o clube das Laranjeiras se comprometeu a pagar 2 milhões de euros (cerca de R$ 7,3 milhões) por de 55% dos direitos de Robinho.

Ainda de acordo com o clube paulista, esse pagamento seria feito em três parcelas, sendo a 1º no valor de 1 milhão de euros com vencimento em agosto de 2017 e as duas seguintes, no valor de 500 mil euros (aproximadamente R$ 1,8 milhão) com vencimento para fevereiro e agosto de 2018. Porém, o Fluminense só teria arcado com as duas primeiras partes do acordo, restando ainda o pagamento dessa terceira parcela.

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Fluminense pode sofrer penhora de quase R$2 milhões relativo ao caso Gerson

O Fluminense pode sofre um duro golpe nas arrecadações do clube. Isso porque, a empresa Davi Macedo Representações Comerciais entrou com recurso na Vigésima Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) no último final de semana, pedindo uma penhora de R$ 1.985.447,20 em relação aos direitos de transmissão dos jogos da equipe junto ao Grupo Globo.

O processo já se arrasta desde 2017, quando o Fluminense não cumpriu um acordo que já havia sido descumprido anteriormente com a referida empresa, que cobra a dívida do Tricolor sobre a venda de Gerson, hoje no Flamengo, para a Roma, da Itália, em 2016.

Em abril deste ano, a empresa já havia tentado a penhora contra o clube das Laranjeiras em mãos de terceiros – crédito do Grupo Globo para o clube, o que foi negado pela juíza Virgínia Lúcia Lima da Silva, da 30ª Vara Cível do TJRJ, afirmando na ocasião que era prematura a penhora imediata sobre os direitos de TV do Campeonato Brasileiro, já que a empresa não havia tentado outro tipo de penhora menos onerosa primeiramente. A empresa entende agora ser possível a penhora nos direitos de transmissão.

Ainda neste fim de semana, a desembargadora Regina Lúcia Passos, relatora do recurso da empresa contra o Fluminense em segunda instância, também já se manifestou sobre o caso, dando ao clube o prazo para se defender antes de tomar uma decisão.

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Fonte: Esporte News Mundo