fbpx

Em tumulto, torcedores se machucam e são encaminhados a hospital

A ordem judicial que previa portões fechados no Maracanã, que sediou a final da Taça Guanabara, seria cumprida, após o juiz do JECRIM (Juizado Especial Criminal) vetar documento que contrariava o estabelecido. Contudo, os vascaínos, barrados nos acessos às arquibancadas, confrontaram a Polícia no local e deram início a um enorme tumulto. Reação se deu, por exemplo, com bombas de efeito moral e gás de pimenta.

Aos 30′ do primeiro tempo, com um cenário um pouco mais tranquilo, o desembargador Andre Emílio Ribeiro permitiu a entrada do público para assistir ao clássico vencido pelo Vasco por 1 a 0. FERJ anunciou 29 mil presentes.

– É uma vergonha para o futebol, para a sociedade, para as torcidas. Jogar uma parte da final da Taça Guanabara para depois chegar a torcida no meio do jogo é uma coisa vexatória – disse Fernando Diniz.

Foram 29 torcedores socorridos na confusão generalizada desta tarde. Destes, dois – um com ombro deslocado e outro ferido na perna por bala de borracha – precisaram ser levados ao Hospital Souza Aguiar, no Centro. Seus nomes não foram revelados.

Preocupado com o clima que se desenhava para o duelo, a PM optou por aumentar o efetivo que atuaria na região.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Policiais e funcionários do Maracanã perguntam à imprensa se portões serão liberados aos torcedores

O presidente vascaíno, Alexandre Campello, decidiu assumir risco processual e abrir os portões do Maracanã na final da Taça Guanabara, contrariando ordem judicial. O acesso ao estádio, segundo o Vasco, seria liberado às 15h, o que, por ora, não ocorreu, visto que há trâmites burocráticos em andamento. Depende ainda de um documento, conforme informado pelo JECRIM.

Pouco depois de confirmada a presença das torcidas no clássico deste domingo, a jornalista Aline Nastari, do Esporte Interativo, flagrou policiais e funcionários do estádio perguntando à imprensa se os portões seriam mesmo abertos. Ela classificou o situação como uma “confusão só”.

No momento, os torcedores de ambos os times seguem chegando ao local. Para o Cruz-Maltino, as bilheterias 2 e 3 estão funcionando, mas com filas grandes. Para o Tricolor, nenhuma informação quanto à venda de ingressos.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

Polícia ameaçou chefes de organizadas e diretores com mandados de prisão para impedir protestos

Palco da FluFest, a sede do Fluminense, aniversariante do sábado, completando 116 anos, viu protestos intensos em junho e julho, em razão da inconformidade de torcedores com a gestão de Pedro Abad. Nas redes sociais, alguns combinavam um ato contra a diretoria no dia do evento, o que, para um segurança ouvido pela reportagem, está descartado. Ele explica que, durante esta última semana, a Polícia entrou em ação para impedir que haja tumulto no clube. 

– Pelo que soube, vieram policiais com mandados de prisão para chefes de organizadas e para esses diretores que gostam de chamar a torcida para protestar. Levaram até para a delegacia. Se vierem, serão presos. Acho que não vão ver fazer nada, não – disse, em conversa com o Canal FluNews.

Torcedor passa por revisa na entrada. (Foto: Nicholas Rodrigues/Canal FluNews)

Até para dar maior tranquilidade para as famílias que virão à FluFest, a segurança foi reforçada. São dezenas de seguranças espalhados pela sede. Só na entrada são, pelo menos, doze. Além de quem trabalha para o Fluminense, há empregados da Unipaz, parceira do clube em jogos fora do Maracanã. 

Quatro profissionais estão logo na entrada da social e realizam a revista das pessoas que começam a chegar. 

Canal FluNews acompanha, direto de Laranjeiras, tudo da FluFest de 2018. Você confere os detalhes, em momento real, em nossas redes sociais. 

Facebook: FluNews

Twitter e Instagram: @canalflunews

 Saudações Tricolores,                                        Nicholas Rodrigues.

Top