fbpx

Clássico com portões fechados gera prejuízo de mais de R$ 200mil ao Fluminense

Fluminense e Vasco entraram em campo no último domingo (15) em partida válida pela terceira rodada da Taça Rio. Apesar do mando de campo ter sido do Vasco, o Fluminense saiu com a maior parte do prejuízo, 88% da dívida.

Segundo o site Globoesporte.com, o Fluminense ficou com a maior parte das despesas por ter mantido o jogo no Maracanã. Ainda segundo o site, ao saber que o jogo seria com portões fechados (medida preventiva contra a disseminação do Coronavírus), o Vasco sugeriu realizar o jogo em São Januário, o Fluminense, pego de surpresa às vésperas da partida, se comprometeu em assumir a maior parte das despesas para a programação ser mantida no maior do mundo.

Mantida no Maracanã, o borderô da partida, divulgado pela Ferj, apontou para um custo de R$ 235.589,42. Como o jogo foi sem público, o valor virou saldo negativo as duas equipes, com o Fluminense no entanto arcando com a maior parte: R$ 207.966,28 das despesas, isto é, 88% do valor, 7,5 vezes a mais do que os R$ 27.623,14 (12%) que ficaram para o Vasco pagar. 

Primeiro jogo no Maracanã e Fluminense já teve prejuízo na bilheteria

O Fluminense voltou ao Maracanã, o de fez o primeiro jogo de 2020 na noite da última quinta-feira (23) quando venceu a Portuguesa-RJ por 2 a 0.

Jogando para um público pouco superior aos 10mil presentes, o Tricolor voltou a ter prejuízo na bilheteria, tendo uma despesa negativa de R$353mil, superando os R$ 4.310 da primeira rodada em Bacaxá.

Assim como nas outras rodadas, a Ferj saiu no lucro, dessa vez, com R$19.072. Como prevê o regulamento do Campeonato, o clube de menor investimento que jogar no Maracanã divide o lucro. Já o prejuízo fica apenas com o grande, no caso, o Fluminense.

Mesmo com lotação quase máxima, Fluminense tem prejuízo na primeira rodada do Cariocão

O Fluminense estreiou no Campeonato Carioca no último domingo (19) quando enfrentou a Cabofriense no estádio Elcyr Resende, em Bacaxá. E apesar de ter ocupado quase a capacidade máxima do estádio, o jogo terminou com prejuízo para as duas equipes.

Jogando para um público de 3.650 pagantes e 4.050 presentes, o Fluminense levou um prejuízo de R$ 4.310, enquanto a Cabofriense, equipe mandante da partida, teve também um prejuízo, mas na casa dos R$ 6.645. já a Ferj, organizadora da competição teve um lucro de R$ 8.700.

Não foi só o Flu que se deu “mal” com a renda dessa primeira rodada. Nos jogos dos outros chamados grandes Flamengo e Botafogo também tiveram prejuízo na bilheteria. Apenas Vasco e Ferj terminaram com saldo positivo.

A partida entre Volta Redonda e Botafogo, disputada no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, registrou um público superior aos 4 mil pagantes gerando um prejuízo de 28.133 para o alvinegro e R$ 18.755 para a equipe do Voltaço. A Ferj, lucrou R$ 7.416.

O jogo do Maracanã, entre Flamengo e Macaé, registrou um público com mais de 28 mil pessoas no estádio e mesmo assim gerou um prejuízo ao rubro-negro de R$ 203.007. A FERJ lucrou R$ 53.633. Já o Macaé, apesar de mandante da partida não teve prejuízo. Isso se explica devido ao regulamento do Campeonato que prevê a divisão do lucro nos jogos entre grandes e pequenos no Maracanã. O mesmo não acontece em caso de prejuízo, que deve ser pago integralmente pelo clube grande, ainda que o pequeno seja o mandante, como aconteceu neste jogo.

Único jogo superavitário da 1a rodada do carioca, a partida entre Vasco e Bangu rendeu R$ 100.188 aos cofres de cada clube. A Ferj, levou R$ 60.537.

Ano novo, problema velho: Fluminense volta a ter prejuízo em jogo no Maracanã

O Fluminense iniciou o ano de 2019 com um grande problema que o acompanhou ao lonho da temporada 2018, o prejuízo que acumula nos jogos da equipe no Maracanã.

O duelo contra o Volta Redonda que marcou a estreia do Tricolor no ano de 2019 levou pouco mais de 6500 pessoas ao Maracanã, gerou uma dúvida de R$ 289.986,84.

Relatório do jogo divulgado pela Ferj. (Foto: Divulgação)

Como mostra o relatório divulgado pela Ferj após a partida, o público de 6.192 pagantes, que gerou uma renda de R$ 156.146,00 não foi suficiente para cobrir as despesas que somaram R$ 446.402,84, incluindo os R$ 100 mil do aluguel do estádio.

Esse prejuízo foi recorrente ao longo de todo ano de 2018, quando fez o Tricolor acumular um prejuízo de 4,5 milhões ao longo do ano.

O próximo desafio da equipe no entanto, é longe da capital, enfrenta o Americano, na próxima quinta-feira (24) no estádio Moarcyrzão, em Campos. No próximo domingo (27), o Flu volta ao Maraca para enfrentar a Portuguesa às 17hrs.

Para não acumular outro prejuízo ao clube, é necessário a presença de cerca de 20 mil torcedores de acordo com as contas feitas pela diretoria.

Top