Em rede social, Gum comenta sobre processo movido contra o Flu: “Não gostaria que fosse assim”

Ídolo do clube e Bicampeão Brasileiro em 2010 e 2012, o zagueiro Gum entrou na justiça em outubro de 2020 contra o Fluminense em ação de quase R$ 4,5 milhões. O jogador cobra salários, férias, 13º, FGTS, além da alegação de uso irregular do artifício de direito de imagem para substituir parte da remuneração trabalhista.

No sua conta do Instagram, Gum respondeu a pergunta de um seguidor sobre ter colocado o clube na justiça e revelou ter procurado um acordo amigável por diversas vezes, mas sem sucesso.

– Infelizmente foi a última opção, tentei várias vezes acordo, e como todo trabalhador tive que buscar meus direitos. Não gostaria que fosse assim, por todo amor que tenho pelo clube e torcedores, sei que muitos torcedores não sabem diferenciar isso, e respeito a opinião de todos. – comentou o zagueiro, hoje no CRB.

Foto: Maílson Santana/ FFC

Maranhão é mais um jogador a processar o Fluminense

O atacante Maranhão, que defendeu o Fluminense entre os anos de 2016 e 2017, é mais um jogador a processar o Fluminense. O jogador que defende atualmente o Operário, na disputa da Série B do Brasileirão, cobra R$ 479.267,82.

O valor cobrado por Maranhão é referente a pontos como verbas rescisórias, saldo de salário, férias e décimo terceiro proporcional e multas.

O caso corre na 77ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1), já sendo determinado na última sexta-feira (18) pelo juiz substituto João Renda Leal Fernandes, a intimação do Fluminense para se defender do processo.

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Fonte: Portal ENM

Rodolfo é processado pela Conmebol por uso de cocaína

Tribunal de Disciplina encaminha denúncia e cita pela primeira vez presença da droga. Advogados do atleta encaminharam defesa na última sexta-feira (8) e esperam por julgamento.

O processo contra Rodolfo por doping começou a correr na Conmebol. A entidade fez avançar a denúncia contra o goleiro, e os advogados do Fluminense já enviaram a primeira defesa do jogador, acusado de uso de cocaína, ao Tribunal Disciplinar.

A Conmebol se manifestou pela última vez no último dia 18 de outubro, quando fez a “abertura do expediente disciplinário” e notificou a defesa do atleta a se manifestar nos 21 dias seguintes. No documento, o tribunal afirma que “foi detectado na amostra a presença da substância proibida “cocaína”, metabolito Benzoilecgonina. É a primeira vez, em todo o processo, que uma das partes confirma o uso da droga.

Na última sexta-feira (8), a defesa de Rodolfo foi encaminhada ao Tribunal Disciplinar. Tanto o Fluminense quanto o atleta permanecem em silêncio sobre a origem da substância proibida, o que faz parte da estratégia da defesa. Mesmo que o goleiro tenha aberto mão de realizar contraprova. Agora, o jogador espera pelo avanço do julgamento, que pode acontecer ainda neste mês, mas não é garantido.

Fonte: globoesporte