fbpx

Fernando Diniz responde Renê, rubro-negro que acusou o Fluminense de “arrumar confusão”

Os duelos entre Fluminense e Flamengo neste ano têm ficado marcados pelo clima tenso entre os jogadores em campo. No clássico que levou o Rubro-Negro à final da Taça Rio, por exemplo, houve 11 cartões, sendo dois vermelhos, e diversas confusões, inclusive ao fim do jogo, no túnel que liga o gramado ao vestiário.

Na ocasião, o lateral-esquerdo Renê, do Fla, se indignou com a postura da equipe de Fernando Diniz, sobre quem recaiu a suspeita de estimular a animosidade nos atletas. “Vou falar a verdade, sou até curioso para ouvir… Não sei se o treinador pede. Não é possível. Com 1 minuto de jogo eles já estão arrumando confusão”, disse. Nessa segunda-feira, o técnico tricolor respondeu.

– Acho estranha. Ele nunca viu uma preleção minha, mas é só perguntar para alguém. Sou um cara que, da maneira que boto a equipe para jogar, não gosto minimamente de violência. Nada. O que eu prezo, que estimulo, é um jogo bem jogado. Não gosto de violência nem em treino.

Diniz lembrou, aliás, a entrada dura de Bruno Henrique em Gilberto, lance que ocasionou sua expulsão do jogo. Sábado, os rivais voltam a se enfrentar, pela terceira vez seguida, para decidir um dos finalistas do Campeonato Carioca.

– A jogada violenta mesmo que teve no jogo mesmo foi a do Bruno Henrique no Gilberto. O Fluminense não deu pontapé em ninguém. Se o Renê conseguir falar de alguém que deu um pontapé ou entrou para machucar alguém do Flamengo, que ele me mostre. Se algum jogador nosso deu alguma entrada ríspida em alguém parecida com aquela que o Bruno Henrique deu, eu queria saber qual tipo de preleção. Ninguém aqui jamais faria. Eu sou totalmente contra isso. Fazemos o melhor possível para os jogadores entrarem entusiasmados e equilibrados para fazerem um bom jogo. Mas está tudo certo, tranquilo. Se um dia ele quiser saber (como é a preleção), terá de ser meu jogador ou perguntar por terceiros para alguém. Não é difícil.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top