fbpx

Opinião – Independente do resultado, que vença o Fluminense

Foto: Nicholas Rodrigues/CanalFlunews

Neste sábado (08), inicia-se um novo começo no Fluminense Futebol Clube, um começo que anuncia uma trajetória de grande dificuldade pra quem assumir a cadeira de presidente do clube.

Porém, essa dificuldade pode ser revertida com a vontade de reerguer o clube, a instituição. Vontade essa estampada nos olhos de ambos os candidatos.

Contudo, há de se destacar que o Fluminense não termina após a eleição, ela é só o começo, e isso tem que ficar bem claro principalmente para o derrotado nas urnas. Que o seu amor pelo Fluminense seja maior do que qualquer ego ou posição política, que se for fazer oposição, que seja coerente e defendendo os interesses do clube.

Ao torcedor, que fique também registrado a sua importância na hora de decidir o futuro de clube. Que após o pleito, esqueça de candidato A ou B e que pense restritamente no Fluminense. Se o candidato escolhido não cumpriu as promessas de campanha, cobre, não fique calado. Se por ventura votou no candidato derrotado, pense grande e torça pelo sucesso do eleito pela maioria, pois quem ganhará com isso não será Mário Bittencourt ou Ricardo Tenório, e sim o Fluminense.

Dito isto, Boa sorte ao vencedor e que vença o Fluminense, sempre !

Pedro Antônio declara apoio ao candidato Ricardo Tenório na eleição de sábado

Pedro Antônio deixou de lado a neutralidade anunciada há cerca de dois meses e, nesta quarta-feira, declarou apoio a Ricardo Tenório na eleição de sábado, dia 8. Direto do escritório de Jackson Vasconcelos, encarregado da campanha do candidato da chapa “Libertadores”, o ex-dirigente realizou uma transmissão ao vivo em rede social para fazer o comunicado.

– Se eu quisesse cargo, teria me candidatado à presidência. Não adianta falar do problema e não dar a solução. Vejo que posso ser útil ajudando, sem ser o dono da caneta – destacou.

Originalmente prevista para novembro, a corrida pela presidência foi antecipada em Assembleia Geral convocada por Pedro Abad em janeiro. Pedro Antônio, aliás, reprovou a mudança do estatuto. Na última semana, ele compareceu ao lançamento da candidatura de Tenório, que concorre ao cargo com Mário Bittencourt, da chapa “Tantas Vezes Campeão”.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Sem Marcelo Souto, eleição presidencial no Fluminense coloca Mário e Tenório como adversários

Foi desenhado o cenário da eleição que, marcada para o sábado do dia 8 de junho, nas Laranjeiras, decidirá o sucessor de Pedro Abad na presidência do Fluminense. Mário Bittencourt e Ricardo Tenório oficializaram suas chapas no prazo limite, até às 19h dessa quinta-feira. Marcelo Souto, que havia anunciado sua pré-candidatura, não alcançou as 200 assinaturas de conselheiros necessárias para concorrer ao cargo.

– Está feito o registro da chapa. Com ele está dado o primeiro passo para libertar o Fluminense das amarras, que criaram uma dívida enorme e vícios que só dificultam a vida do Fluminense – publicou o candidato Ricardo Tenório em rede social.

A disputa coloca frente a frente dois ex-aliados. Tenório se separou do triunvirato formado com Mário e Celso Barros, que agora compõem a chapa “Tantas Vezes Campeão”, e se lançou na chapa “Libertadores”, com Wagner Victer como vice. O vencedor assume já em 10 de junho, segunda-feira, e comanda o clube até dezembro de 2022. Também será renovado o Conselho Deliberativo para o próximo triênio. Serão 150 membros efetivos e 50 suplentes, que vão ocupar as cadeiras do Salão Nobre apenas em 1º de dezembro.

Wagner Victer, vice de Ricardo Tenório, registra chapa “Libertadores” na secretaria do clube.

Originalmente prevista para novembro, a eleição foi antecipada por decisão dos sócios em Assembleia Geral realizada em janeiro. Abad cedeu ao desgaste político e propôs a mudança na data. O processo se dará com o uso de urna eletrônica, liberada pelo TRE-RJ.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Pedro Antônio comparece a evento mas não declara apoio a Tenório

Foto: Divulgação

Tido por muito como o fiel da balança nessas eleições, o idealizador do CT e ex vice de projetos especiais, Pedro Antônio, esteve presente no evento de lançamento da campanha de Ricardo Tenório à presidência do Fluminense.

Contudo, o ex dirigente não deu entrevista e nem declarou de forma oficial o apoio a Ricardo Tenório. Segundo o próprio Pedro Antônio, sua presença no local se decorreu devido ao convite feito por Tenório.

Tenório por sua vez jogou a “responsabilidade” para Pedro Antônio, dizendo que o apoio tinha que partir do ex diretor:

– As coisas acontecem naturalmente. Tenho conversado bastante com o Pedro Antonio, é um tricolor que nos ajudou muito e ainda pode nos ajudar muito. Mas esse apoio formal tem que vir dele. É uma pessoa importantíssima no processo político do Fluminense. Conto com ele como qualquer outro tricolor que deva assumir o Fluminense deve contar. Mas considero isso uma prova cabal de que estou conseguindo fazer a união que o Fluminense precisa – comentou Tenório.

O candidato ainda deixou as portas abertas para uma eventual ajuda na possível administração do clube:

– Todos estão se conscientizando que precisamos estar unidos para poder vencer esse grande obstáculo que é esse momento terrível político e financeiro que o clube vive. Estou aberto a conversar com todos os tricolores indistintamente de grupos. São pessoas que querem ajudar o Fluminense – completou Tenório.

Tenório lança oficialmente campanha à presidência do Fluminense e apresenta todos os nomes da chapa

Foto: Divulgação

Na noite da última terça-feira (28) o empresário Ricardo Tenório lançou oficialmente sua candidatura à presidência do Fluminense.

O evento que ocorreu no Salão Nobre de Laranjeiras, contou com a presença de todos os nomes que irão compor a chapa Libertadores, que como já explicou o candidato, não se trata de uma alusão ao torneio continental, e sim de uma tentativa de libertar o clube das amarras negativas.

Além dos nomes que já haviam sido apresentados na semana anterior: Wagner Victer (vice geral), Ayrton Xerez (vice institucional), Rafael Rolin (vice de assuntos jurídicos) e Ney Brito (vice de finanças), Ricardo Tenório apresentou também os novos integrantes do grupo para compor uma eventual administração: : Gustavo Marins (vice-presidência de patrimônio), Marilia Capela (vice-presidência social) e Sandor Hagen, diretor-executivo (CEO).

Faltou no entanto um nome na pasta: o do vice de futebol. Nome esse que Tenório explicou a ausência informando sobre uma possível exclusão da pasta:

– Hoje em dia você tem um cargo executivo no futebol que é muito representativo na maioria dos grandes clubes. Hoje já temos uma pessoa lá nessa função, que é o Paulo Angioni. Conversarei com ele, mostrarei nossa filosofia. É uma pessoa experiente. Vai ser direta a ligação com o presidente. E vamos ter um conselho diretor, com vice-presidentes estatutários não-remunerados. E vou pensar se vou extinguir ou não essa vice-presidência de futebol – disse o empresário.

Além de Ricardo Tenório, a eleição do Fluminense marcada para o próximo dia 8 de junho deve contar com Mário Bittencourt e Marcelo Souto.

Base forte: se eleito, Tenório promete um maior cuidado com Xerém

Foto: Douglas Wandekochen/CanalFlunews

Xerém, a Escola de Formação de Futebol do Fluminense, está em debate. E a eleição do Fluminense será decisiva nesta questão. Em minha história com o Fluminense, devo muito à Xerém. Minha mais fantástica e inesquecível experiência aconteceu em 2009, quando nasceu o Time de Guerreiros. Foi a grande virada!

Os prognósticos diziam que o Fluminense tinha 99% de chances de cair para a 2ª divisão. E eu fui convocado para a grande virada. Naquele momento, Fred retornou aos gramados após contusão.

No campo, Fred contou com uma garotada impressionante: Maicon Bolt, Alan, Digão, Tartá e outros jovens que viriam a se destacar no futuro. A soma da experiência com a garra e a vocação dos moleques de Xerém ajudou o Fluminense. O que parecia impossível aconteceu. Viramos o jogo!

Xerém tem marcado as grandes viradas do Fluminense em campo. E, a minha história, me faz acreditar no futebol formado em Xerém. Meus adversários, por histórico, nunca acreditaram. Sempre apostaram as contratações milionárias. E só nelas.

Na hora de decidir o seu voto, pense nisso. Pense nas diferenças.

Abaixo, as minhas propostas para Xerém:

  • Utilizar parte das vendas de atletas formados em Xerém e do mecanismo de solidariedade da FIFA para reinvestir na base.
  • Proteger Xerém do interesse de empresários.
  • Base do Fluminense será ligada diretamente ao presidente, evitando desgastes das derrotas do futebol profissional e influência da política do clube.
  • Investir no setor de captação e tecnologia de informação de Xerém, para não perder jogadores observados para outros clubes.
  • Investir em estrutura e tecnologia de Xerém. Os clubes adversários estão avançando na formação de atletas e o Fluminense precisa seguir na frente da formação de jogadores.
  • Aprimorar e atualizar a metodologia de treinos da base do Fluminense, fazendo uma revisão com especialistas técnicos.
  • Manter e aumentar a % dos jogadores com o Fluminense, tendo o objetivo de chegar até 80% de direitos econômicos de todos os atletas de Xerém.
  • Aprimorar o Projeto Guerreirinhos para aumentar a observação e captação de atletas pelo Brasil e América do Sul.
  • Intensificar a integração Futsal-Xerém, com diretoria do futsal participando ativamente da base.
  • Retomar a participação das categorias de base em torneios internacionais para capacitar atletas, comissão técnica e aumentar a divulgação da marca Fluminense no cenário mundial.
  • Atrair patrocinadores específicos para a base, auxiliando no investimento de Xerém.
  • Diminuir a descontinuidade da base (jogadores que são liberados no processo), melhorando os critérios de avaliação na captação dos atletas.
    Ricardo Tenório – Chapa Libertadores

Ex aliado de Celso Barros, Ademar Arrais pede união pelo Fluminense

Foto: Reprodução Facebook

Um dos aliados de Celso Barros nas eleições à presidência do Fluminense, em 2016, o advogado e um dos principais nomes do grupo Ideal Tricolor, Ademar Arrais, seguiu um caminho diferente de Celso e optou por apoiar Ricardo Tenório no pleito do próximo dia 8 de junho.

Em uma entrevista de quase uma hora ao Canal Flunews, Ademar explicou o motivo do não apoio ao doutor Celso Barros

– A conjuntura era outra, os candidatos eram outros, e o Celso escolheu um caminho e eu preferi outro por achar que seja o melhor para o Fluminense – limitou-se Ademar.

O advogado ainda sinalizou que uma das saídas para a recuperação do clube é buscar uma união entre os grupos e, Tenório seria o candidato mais indicado por ter uma boa entrada em todos os setores do clube.

– O Fluminense está numa situação tão difícil que o melhor caminho é uma junção em todos os seguimentos. Temos que aproveitar o melhor de cada um independente de qual grupo político pertença. O Fluminense precisa de todo mundo em torno dos interesses do Fluminense – falou Ademar.

O líder político ainda revelou que existe uma possibilidade de tentar buscar a união de outros possíveis postulantes ao pleito, como Hebert Borges e Marcelo Souto.

– Hebert é um companheiro de torcida, de profissão, e há espaço para todo mundo que queira contribuir nesse processo de reconstrução do clube. Porém, quem está cuidando de possíveis aliados é o próprio candidato (Ricardo Tenório) e a agenda tem sido imensa. Mas acredito.que o Hebert e até o Marcelo Souto, caso queiram participar desse projeto, tem que ser absorvido e até mesmo se tiver outras pessoas que participaram de momentos não tão bons do Fluminense, podem contribuir de alguma forma para ajudar o clube – comentou Ademar que ainda deixou claro que uma das principais intenções do grupo é alocar os melhores profissionais em suas respectivas funções.

– Pretendemos seguir o modelo do Flamengo, que pegou profissionais competentes para gerir suas respectivas áreas – disse ele.

Confira outros trechos da entrevista

P: Por que o Dr. Celso não se aliou a chapa de Mário e Tenório nas eleições em 2016 e fez isso logo na sequência ?

Ademar – Cada cenário político as pessoas tomam as decisões que entendem ser as melhores diante do contexto. Naquele momento não foi possível haver essa composição. Mas na realidade o melhor para o clube seria a junção e união de todos os seguimentos em prol do interesse do Fluminense.

P: O candidato Mário Bittencourt poderia ter algum interesse que atrapalhe o clube ?

Ademar – Essa eleição tem um diferencial diante do cenário do Fluminense. É necessário que reúna todas as forças que o Fluminense têm antes e depois da eleição. A eleição não é um fim em si mesmo. Nesse sentido prefiro falar do Ricardo Tenório, que não tem conflito de interesse, nunca recebeu um centavo do Fluminense, não trabalha dentro do futebol, porém tem um grande conhecimento do futebol. Ele (Tenório) reúne qualidades que um presidente precisa ter, saber dizer não, como por exemplo no caso do Fred no momento em que estrapolou suas funções de jogador de futebol. Tenório colocou o Fluminense no patamar que merecia em 2009 quando ajudou a livrar o clube da segunda divisão e, sobre tudo, Ricardo Tenório é uma pessoa com entrada em todos os seguimentos do clube e pode reunir e aglutinar todos os seguimentos do clube.

P: Qual a possibilidade de o Tenório sendo eleito, convidar os outros candidatos a participarem da gestão ?

Ademar – Acho que independente de quem for eleito, tem que tentar reunir todas as pessoas que queiram o melhor para o clube. Quem defende os interesses do Fluminense tem que estar do lado do Fluminense. Temos que aproveitar o que há de melhor em cada um, os melhores tem que serem aproveitados independente do grupo político. O Fluminense precisa de todo mundo em torno do interesse do Fluminense.

P: O grupo Ideal Tricolor tem alguma promessa de cargo na chapa do Tenório ?

Ademar – Esse toma lá dá cá nunca foi nosso perfil no Ideal Tricolor. O que está em jogo é o interesse do Fluminense. Estamos apoiando o Ricardo Tenório pois achamos que ele tem o perfil e toda capacidade de ser o líder do processo de restauração do Fluminense. O que não dá mais é pra termos um ambiente ruim onde todo mundo se chinga, ninguém se respeita, isso não dá mais. Já passou da hora de pensarmos mais no interesse do clube do que o interesse de grupos políticos.

P: Caso Tenório seja o presidente, o torcedor pode contar com a revitalização de Laranjeiras ?

Ademar – Primeiro temos que repugnar a proposta de transformar Laranjeiras em shopping ou algo do gênero. Isso é desrespeitar o Fluminense e não tratá-lo com a grandeza que tem. É importante a reforma de Laranjeiras, é importante a visão de possuirmos um estádio, mas existem ordens de prioridades. Acho que a recuperação estrutural de Laranjeiras é e deve ser prioritária. Mas devemos começar por baixo como revisão de contratos, para depois voarmos mais alto como é a revitalização de Laranjeiras.

A entrevista completa será disponibilizado em breve em nosso canal do YouTube.

Grupo Ideal Tricolor formaliza apoio a Ricardo Tenório

Crédito: Divulgação

De olho na eleição à presidência do Fluminense, o grupo Ideal Tricolor divulgou nota na tarde desta terça-feira (07) formalizando apoio ao candidato Ricardo Tenório da chapa Libertadores. Segundo o comunicado, a escolha por Tenório está ligada a proposta de buscar a eficiência do clube e o cuidado com todos os segmentos da instituição.

“A proposta do Ricardo Tenório para devolver ao Fluminense a marca da eficiência e do cuidado com todos os segmentos do Clube é a melhor, sem dúvida. Ricardo Tenório demonstra para o Ideal Tricolor que sabe da importância enorme do futebol profissional como impulsionador fundamental de uma marca que vale pela história de glórias e pelo enorme potencial que tem de repeti-la sempre”, publicou.

Além do grupo, o Canal Flunews publicou mais cedo que o deputado Ayrton Xerez, da chapa Resgate Tricolor também deve formalizar apoio ao Tenório. A eleição para escolha do novo presidente do Fluminense está marcada para o dia 08 de junho.

Segue na íntegra a nota do grupo Ideal Tricolor:

“O Ideal Tricolor decidiu caminhar com Ricardo Tenório nesta eleição. A nossa história é marcada por posições firmes, muitas vezes contestadas, mas sempre coerente com a tradição de saber o que se pode fazer pelo Fluminense no lugar de se tentar encontrar uma forma de tirar vantagem do clube.

A proposta do Ricardo Tenório para devolver ao Fluminense a marca da eficiência e do cuidado com todos os segmentos do Clube é a melhor, sem dúvida.

Ricardo Tenório demonstra para o Ideal Tricolor que sabe da importância enorme do futebol profissional como impulsionador fundamental de uma marca que vale pela história de glórias e pelo enorme potencial que tem de repeti-la sempre.

Mostrou também reconhecer que os segmentos do Esportes Olímpicos e do Clube Social são fundamentais como instrumentos de respeito à história de glórias do Fluminense e de elevado potencial de gerar novas receitas.

Ricardo Tenório respeita o Fluminense como ele é, um conjunto de várias unidades de negócios distintas, mas complementares. O equilíbrio de personalidade do Ricardo Tenório foi outro ponto decisivo para a nossa escolha.

O Fluminense não aguentará personalismo, decisões eufóricas sem avaliação de resultados e a troca de cargos remunerados por votos. Ricardo Tenório respeita isso.

Por todos os motivos de interesse do Fluminense, estamos bem à vontade com a decisão de apoio ao Ricardo Tenório e confortáveis para pedir, sem constrangimento, o voto nele”.

Dia D na política Tricolor: Tenório e Xerez devem anunciar junção de chapa

Faltando pouco mais de um mês para as eleições no Fluminense, dois postulantes ao cargo devem unirem suas forças.

O empresário Ricardo Tenório, da chapa Libertadores e o deputado Ayrton Xerez, da chapa Resgate Tricolor, devem formalizar a união das chapas ainda nesta terça-feira (07) após passarem o final de semana costurando a aliança.

Uma reunião na noite da última segunda-feira (06) ficou definido que Ricardo Tenório seguirá como cabeça de chapa, porém, Ayrton Xerez, não deve vir a vice como vinha se desenhando.

Um comunicado deve ser enviado à imprensa informando a junção que tem como premissa uma visão empresarial, buscando profissionalizar a gestão com a ideia de profissionais gabaritados e competentes em suas respectivas áreas.

De acordo com informações obtidas pelo Canal Flunews, a “nova chapa” ainda deve ganhar o apoio do grupo Ideal Tricolor, que tem como um dos líderes, Ademar Arrais, um dos pilares da campanha de Celso Barros nas eleições de 2016.

Após sair do Triunvirato, Tenório lança candidatura á presidência do Fluminense

Foto: Douglas Wandekochen/Canal Flunews

O empresário Ricardo Tenório, 56 anos lançou sua candidatura à presidente do Fluminense.

Em coletiva realizada na tarde desta terça-feira (30), no escritório de Jackson Vasconcelos – responsável pela – o empresário lançou a candidatura pela chapa “Libertadores”, que de acordo com o próprio candidato, o nome remete a ideia de libertar os clube das amarras e não a Copa Libertadores da América:

É claro que a Libertadores é um sonho de todo Tricolor. Mas o nome da chapa é muito mais do que isso. É a ideia de libertar o clube dessas amarras, da falta de transparência, planejamento e governança – explicou Tenório.

O candidato ainda respondeu sobre administração do Maracanã, Revitalização de Laranjeiras e até mesmo a aquisição de um novo estádio:

O Maracanã é a casa do Tricolor. Claro que assim que entrarmos iremos reavaliar o contrato, pois temos que gerir de igual pra igual seja com o Flamengo ou qualquer outro clube – disse o empresário, que não descartou uma possível revitalização de Laranjeiras:

É importante que haja uma reforma, desde que para isso não gere gastos ao Fluminense. Ali é a história do futebol – afirmou.

Respondendo sobre uma possível construção de estádio, Tenório destacou a importância de ouvir o torcedor:

Para a construção de um estádio próprio, tem que se analisar, consultar o torcedor, jogadores. Vê se o local da alternativas. Temos um projeto do Pedro Antônio no Parque Olímpico, posso avaliar – explicou Tenório.

O candidato também explicou sobre sua saída do chamado Triunvirato, que era formado por ele, Mário Bittencourt e Celso Barros:

– Tenho uma relação ótima com os dois, mas perdeu a essência. Acredito que estou mais capacitado para gerir o clube. Não houve nenhuma ruptura ou briga pessoal, mas acho que o Fluminense precisa de alguém diferente e acho que sou o mais capacitado para isso – concluiu o candidato.

Top