fbpx

Luciano exalta postura do time apesar dos atrasos salariais: “Estamos dando a vida”

Atacante revelou que Mário Bittencourt, novo presidente do Fluminense, bateu um papo com os atletas antes da partida

Foto: Mailson Santana / FFC

A situação financeira delicada que o Fluminense vive não é mais surpresa para ninguém. Porém, é sempre válido destacar a postura dos atletas com relação a essa realidade. Atualmente, são dois meses de salários atrasados e cinco de direito de imagem. Mas, apesar disso tudo, os jogadores seguem se doando em campo e jogando um bom futebol. Pelo menos é o que afirma Luciano, capitão da equipe no empate em 0 a 0 com o Flamengo. Após a partida, o atacante exaltou a hombridade dos atletas em seguir ‘dando a vida’ mesmo com os problemas extracampo e revelou que Mário Bittencourt, novo presidente do clube das Laranjeiras, conversou com o grupo antes do clássico.

“Questão de salário é complicada. Mesmo com tantos salários atrasados, não paramos de correr. Hoje tivemos conversa bacana com novo presidente. Precisam resolver o quanto antes. Pagaram uma parte de março. Estamos correndo, batalhando, com direito de imagem atrasado. Estamos dando a vida. Espero que o novo presidente dê jeito”, disse.

O atacante finalizou com perigo duas vezes e quase abriu o placar para o Fluminense, mas esbarrou nas boas defesas de Diego Alves. Perguntado sobre a atuação do goleiro adversário, Luciano afirmou que o arqueiro estava em uma noite inspirada e garantiu a igualdade no Maracanã.

“Diego Alves estava inspirado hoje, a gente poderia ter saído com três pontos. Tivemos mais chances claras, mas Diego ajudou o Flamengo com o empate”, concluiu.

Fluminense paga salários de fevereiro a elenco e funcionários

Nessa segunda-feira, o Fluminense reduziu ainda mais a dívida com o elenco. Após pagar janeiro na semana passada, regularizou os salários referentes a fevereiro dos jogadores e funcionários. Os atrasos salariais, provocados pela crise financeira, geraram duas greves de treino em menos de um mês. A folha é de cerca de R$ 4 milhões.


Demais pendências, por ora, permanecem sem solução. O clube deve, na CLT, o 13º e as férias. Quanto aos direitos de imagem, que compõem a remuneração de apenas alguns atletas, o devido é referente a novembro e dezembro de 2018 e janeiro e fevereiro de 2019 (excluindo janeiro dos reforços).


Publicado por: Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

 

Fluminense quita salário de parte dos funcionários

foto: Divulgação

Vivendo uma das maiores crises financeiras de sua história, os atrasos salarias virou uma rotina no Fluminense.

Contudo, após a não renovação de alguns jogadores como: Júlio César, Gum, Wellington Silva e Marcos Júnior, o clube ganhou um gás financeiramente que fez com que deixasse a casa um pouco mais em ordem. Tanto é que nesta terça-feira (15) o clube quitou os vencimentos de dezembro dos funcionários que recebem salários até R$5 mil.

Falta agora regulazar o restante do salário com o elenco para que o clube feche a folha de 2018.

Fluminense se apoia em dinheiro de vendas para deixar salários em dia

Com o pagamento dos atrasados aos jogadores, realizado na quarta-feira passada, e aos funcionários, o Fluminense, enfim, pôs a folha salarial, na CLT, em dia. Para saldar o mês de novembro, que vence na sexta-feira, o clube espera o dinheiro de vendas encaminhadas. O ano de 2018 ainda reserva gastos com 13º e férias.

A única pendência, agora, são os direitos de imagem, com quatro meses de atraso. Mas a dívida, de cerca de R$ 4 milhões (R$ 1 milhão para cada mês), o mês de novembro e o 13º salário devem ser resolvidos nesta semana, quando cai na conta o dinheiro desembolsado pelo Watford, da Inglaterra, na compra do jovem João Pedro.

Aliás, o Fluminense vem aliviando a delicada condição financeira por conta de vendas de jogadores, como Ayrton Lucas (Spartak Moscou) e Léo (São Paulo). Uma parcela da grana dessas duas transações, inclusive, foi adiantada e destinada a cumprir pagamentos recentes.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Elenco recusa intervenção do Sindicato dos Atletas em atrasos de pagamento no Fluminense

Mais que provocar um clima desagradável, a demora no pagamento dos salários do elenco pode acabar na perda de pontos no Campeonato Brasileiro, segundo informa o regulamento. Caso o Fluminense seja denunciado ao STJD, existe o risco de que haja decréscimo de três pontos por jogo, até que o problema seja solucionado. Jogadores, sindicatos e, ainda, outros clubes podem fazer a denúncia.

Quarta-feira, por exemplo, o Sindicato dos Atletas do Rio de Janeiro, que não havia se posicionado, enviou seu vice-presidente, Denson Celço Melo, ao Centro de Treinamento, na Barra, para questionar se os tricolores pretendiam levar o caso para a justiça desportiva. Mas os jogadores, que discursam, nas entrevistas, confiança na diretoria, recusaram a possibilidade. Não há prazo para resolução dos atrasos.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: UOL.

 

 

Cobrança por dívida esquenta o clima no vestiário do Flu

Marcos Júnior teria tido uma leve discussão com Angioni.

O clima no vestiário do Fluminense esquentou e muito depois da derrota de 3 a 0 para o Palmeiras. De acordo com Léo Burlá, do portal UOL Sports, Marcos Júnior representou o grupo e, cobrou pessoalmente o diretor de futebol do clube, Paulo Angioni, a dívida com o elenco, que já chega a dois meses de carteira e quatro de direitos de imagem.

A revolta se deu pelo fato da direção do clube ter prometido quitar parte do débito antes da partida contra o alviverde, o que não aconteceu.

De acordo com o portal Globoesporte.com Angioni foi quem tentou acalmar os ânimos dos atletas e teria iniciado uma leve discussão com Marcos Júnior, que teria dito a seguinte frase ao diretor: ” Apesar de eu ser teu amigo, eu vou cobrar (…) A gente está cansado de ter promessas”. Teria dito Marcos Júnior.

Ainda de acordo com o portal Globoesporte, a dívida da direção com o elenco Tricolor já chegou aos R$9 milhões, podendo chegar aos R$11 milhões de acrescido os impostos.

Há portanto a expectativa no clube que seja quitada parte dessa dívida até a próxima segunda-feira (19)

 

foto: Mailson Santana

Richard cobra atitude da diretoria e confessa incômodo por atrasados: ‘É nosso ganha pão’

A relação entre o elenco e a diretoria do Fluminense parece estremecida. Com salários atrasados, Richard deu fim ao silêncio e, nesta quarta-feira, publicamente, cobrou do presidente Abad um posicionamento e uma solução para o problema financeiro, que também atinge funcionários do clube. Nos últimos dias, Paulo Angioni reuniu os jogadores e prometeu regularizar as pendências, mas sem estabelecer prazo para tal.

– Os dias vão passando. A gente quer uma posição do lado de fora. Por mais que a gente esteja focado e eles tenham falado, queremos algo mais concreto. De qualquer forma, o mais importante é a união. Eu mesmo nunca joguei em um time com uma união e ambiente tão bom apesar de tudo que tem acontecido – revela o volante, que nega ser a dívida a razão da queda de rendimento do time:

– Independentemente do que ocorre fora, a gente tem se dedicado e corrido em campo. O grupo está unido e estamos focados nos jogos. Se a gente perder, vai ser ruim a todos. É a nossa cara que está sendo vista dentro de campo, é a nossa carreira, é o nosso trabalho. Então, temos de tentar deixar de lado ao entrar em campo. Não pensar nos salários atrasados e nas coisas erradas – disse.

O elenco tem um mês de atraso na CLT, assim como os empregados, e dois de direitos de imagem. Embora se confesse chateado pela dificuldade do Fluminense em honrar seus compromissos, Richard mantém a confiança na cúpula verde, branca e grená.

É uma coisa chata, para ser sincero. A gente depende disso. Não posso ser hipócrita em falar que não faz falta. A gente confia, mas alguém tem de vir e falar algo. É o nosso ganha pão. Não tem como ficar pensando nisso e ficar se cobrando por dentro. É algo que a direção tem de resolver. Tenho certeza de que as coisas vão melhorar em breve.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

 

Fluminense consegue empréstimo e regulariza salários de maio

Na sexta-feira, o Fluminense resolveu uma parcela de um problema comum, principalmente, desde o ano passado. Os salários e direitos de imagem de maio e a carteira de quem recebe até R$ 5 mil foram pagos. A quantia usada no pagamento foi conseguida em empréstimo.

Quando o elenco se reapresentou, em 26 de junho, houve uma conversa com Pedro Abad, que prometeu sanar a dívida até 4 de julho, com chance de adiamento de mais dois dias. Antes do treino da última quarta-feira, Paulo Angioni recomendou que o presidente fosse, novamente, a encontro do grupo para informar que estava aguardando o montante ser liberado. Os atrasos têm incomodado os jogadores.

A diretoria ainda deve a CLT de junho e, no dia 15, precisa depositar o valor referente à imagem do mês passado. A falta de regularidade nos pagamentos é mais sentida por funcionários, que pedem ajuda financeira aos atletas e chegaram a ficar sem dinheiro para a passagem.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

FluFest: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fluminense tem parte das contas bloqueadas na justiça

Motivo foi um processo sofrido na época do ex presidente Roberto Horcades.

Segundo informações de conselheiros do clube passadas ao Canal Flunews, o Fluminense teve suas contas totalmente bloqueadas pela justiça devido a um processo judicial de Humberto Palma, diretor financeiro na época do ex-presidente Horcades.

Com isso, a situação financeira do clube se agrava ainda mais com direito a reflexos imediatos, uma vez, que o salário de abril, que deveria ter caído na última terça-feira, não tem previsão para ser depositado.

Contudo, ainda de acordo com informações de pessoas de ligadas ao conselho do clube, parte das contas já teriam sido liberadas. A informação foi confirmada pelo VP de Finanças, Diogo Bueno em entrevista ao portal Netflu:

– Tem umas contas que estão bloqueadas há algum tempo por uma série de ações judiciais. Somam mais ou menos R$ 1 milhão e pouco. Teve uma outra que foi desbloqueada no fim do dia de ontem (sexta-feira) referente ao Humberto Palma. Mas o clube tem outras bloqueadas por uma série de motivos, que estamos tentando desbloqueá-las. Essa ação do Humberto conseguimos resolver – Confirmou o dirigente.

Diogo ainda confirmou a dificuldade na realização dos pagamentos, mas de acordo com o dirigente o problema é devido a falta de recursos e não do bloqueio.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Foto: Divulgação
Top