fbpx

Fluminense x Santos: STJD julgará Ganso e Oswaldo por discussão e mais três jogadores por expulsões; veja pacotão de denunciados

Os diversos episódios que marcaram o empate em 1 a 1 entre Fluminense e Santos, no dia 26 de setembro, ainda devem render problemas aos clubes. Por causa da briga à beira do campo, Paulo Henrique Ganso e Oswaldo de Oliveira foram denunciados pelo STJD e serão julgados com base no Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) a partir das 11h30 da próxima segunda-feira.


Ganso: responderá por “ofender alguém em sua honra” e, além de multa de R$ 100 a R$ 100 mil, pode ser suspenso por até seis jogos.

Oswaldo: responderá por “ofender alguém em sua honra” (suspensão de até seis jogos e multa de R$ 100 a R$ 100 mil) e por “provocar a torcida” (suspensão de dois a seis jogos) em gesto obsceno ao deixar o campo.


O duelo terminou com três jogadores a menos em razão de expulsões: Digão e Frazan, pelo Fluminense, e Marinho, pelo Santos, passarão por julgamento. O capitão atingiu com o pé o rosto de Marinho, enquanto o jovem zagueiro derrubou o mesmo adversário com carrinho. O santista, por sua vez, cometeu falta dura em João Pedro.


Digão: responderá por “agressão” e pode ser suspenso por quatro a 12 jogos.

Frazan: responderá por “jogada violenta” e pode ser suspenso por até seis jogos.

Marinho: responderá por “conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva” e pode ser suspenso por até seis jogos.


Por fim, o próprio clube e profissionais de seus bastidores foram indiciados por ocorridos naquela quinta-feira no Maracanã. Acontece que a equipe de arbitragem, na saída para os vestiários, ouviu de tricolores ofensas como “vagabundos, safados, pilantras…”, segundo a súmula. Além disso, até um gandula e a FERJ vão ser julgados.


Fernando Simone (gerente de futebol), Rodrigo Henriques (supervisor) e Allan Neiva (auxiliar de supervisão): responderão por “ofender a equipe de arbitragem” e, além de multados de R$ 100 a R$ 100 mil, podem ser suspensos por 15 a 90 dias.

Fluminense: responderá pela “conduta de seus integrantes” (multa de até R$ 10 mil) e pelo comportamento de gandula (multa entre R$ 100 e R$ 100 mil).

George Allan Nascimento Moura (gandula): responderá “por não cumprir a determinação de reposição de bola” e pode ser multado.

FERJ: responderá pelo comportamento do gandula e pode ser multada de R$ 100 a R$ 100 mil.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Saudações Tricolores.

Clubes do Brasil já monitoram situação de Allan para 2020

Foto: Divulgação/FFC

Emprestado pelo Liverpool ao Fluminense até o final deste ano, Allan já despertou o interesse de clubes brasileiros que, monitoram a situação do jogador para contar com seu futebol em 2020.

Brigando pela ponta da tabela, Flamengo e Santos já sinalizaram com interesse em contar com o reforço do volante que se destaca tanto pela marcação como pela boa chegada ao ataque, mesmo não tendo feito nenhum gol com a camisa Tricolor.

Nas graças da torcida do Fluzão, o jogador já deixou claro sua intenção em permanecer no Brasil e até mesmo no Flu, porém, não quis cravar nada sobre seu futuro.

Wellington Nem aprova empate com Santos e minimiza “discussão de homem” entre Ganso e Oswaldo

Com o empate em 1 a 1 com o Santos, no Maracanã, o Fluminense saiu da zona de rebaixamento. Sem Digão e Frazan, expulsos, em parte do segundo tempo, o Time de Guerreiros resistiu à pressão e quase conseguiu vencer. Segundo Wellington Nem, o resultado ficou de bom tamanho.

— Pelas circunstâncias do jogo, com dois a menos, acho que foi um bom resultado. A equipe do Santos é qualificada, com bons jogadores. Tivemos chance de fazer 2 a 1, só que não aconteceu. Allan deu a arrancada, mas ele já estava meio cansado — explicou.

É claro que o atacante comentou sobre a briga entre Paulo Henrique Ganso e Oswaldo de Oliveira à beira do campo. Todavia, a considerou “normal” e negou influência no desempenho da equipe.

— Não afetou em nada, não. Deixamos ali fora. Estávamos focados no campo. Se ficarmos focados em discussão do lado de fora, a gente não joga. Relacionamentos têm discussão. Briga, abraça, é normal – disse, completando:

— O clima no vestiário é bom. Discussão é normal. Foi uma discussão de homem, todo mundo querendo ganhar. Ganso e Oswaldo já conversaram. Todo mundo está na luta pelo Fluminense.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

“Não trabalho para Oswaldo, trabalho para o Fluminense”, afirma Paulo Henrique Ganso

Paulo Henrique Ganso e Oswaldo de Oliveira protagonizaram enorme polêmica no Maracanã, depois de o meia ser substituído por Daniel, aos 18′ do 2º tempo. Eles discutiram, trocaram xingamentos e precisaram ser contidos por companheiros. Na saída de campo, o jogador explicou o ocorrido e negou que não haja mais clima para trabalhar com o técnico.

— Claro (que ainda há clima). Não trabalho para o Oswaldo, trabalho para o Fluminense. Procuro ajudar meus companheiros, como eu vinha fazendo. Dentro de campo, não tem como pedir ‘por favor’, nem falar ‘obrigado’. Jogo é quente.

Questionado se pediria desculpas a Oswaldo, Ganso, que ganhou apoio dos torcedores, desconversou: “Vamos ver o que vai acontecer”.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

“Burro para c…” e “Você é um vagabundo”: Ganso e Oswaldo de Oliveira discutem durante Fluminense x Santos

O clima entre Paulo Henrique Ganso e Oswaldo de Oliveira esquentou enquanto a bola ainda rolava no empate em 1 a 1 entre Fluminense e Santos, no Maracanã. Os dois discutiram forte após a saída do camisa 10 para a entrada de Daniel, aos 18′ do segundo tempo.

Ao deixar o gramado, o meia disparou ao treinador: “Você é burro para c…”. Oswaldo ouviu e respondeu à altura, chamando Ganso de “vagabundo”. Ambos precisaram ser contidos pelo auxiliar Marcão, preparador de goleiros André Carvalho e Yony González.

Técnico e jogador permaneceram na área técnica até o fim do duelo, às vezes, inclusive, lado a lado. Um dos líderes do elenco, o camisa 10 chegou a dar orientações aos companheiros e ganhou apoio dos torcedores, que cobraram a troca no comando da equipe. Sugeriram, inclusive, a contratação de Cuca, que se demitiu do São Paulo nessa quinta-feira.

O episódio evidencia um ambiente ruim internamente e deixa no ar suspense acerca do futuro da dupla nas Laranjeiras. O grupo se reapresenta na tarde de amanhã, em preparação para o jogo contra o Grêmio, domingo, no Maraca.

Com 19 pontos, o Tricolor termina a 21ª rodada fora da zona de rebaixamento, empatado com Cruzeiro (17º) e CSA (18º), mas com maior número de vitórias.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Desconhecido dos tricolores, Lucas é a principal novidade em lista de relacionados para duelo com Santos

Se você viu a lista de relacionados do Fluminense para enfrentar o Santos, no Maracanã, provavelmente estranhou a presença do atacante Lucas. Ele é “cara nova”, mas treina com o elenco principal desde julho, quando, aos 21 anos, estourou a idade do sub-20. No jogo dessa quinta-feira, pela 21ª rodada do Brasileirão, ganhou chance no banco de reservas.

Lista de relacionados do Fluminense para jogo contra Santos — Foto: Reprodução

Originalmente jogador de lado, mas que vem sendo testado centralizado, o jovem chegou à base do clube em 2017, após passar por Itaboraí e Bangu. No primeiro semestre deste ano, defendeu o profissional do Perilima, da Paraíba.

Também é novidade na relação de atletas o recém-contratado Orinho, ex-lateral-esquerdo do Peixe. Ele, porém, deve começar como reserva.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Oswaldo vira assunto em reuniões da diretoria e vê jogo contra Santos se tornar crucial para definição de futuro no Fluminense

Depois do fraco desempenho na goleada por 3 a 0 para o Goiás, Oswaldo de Oliveira viu aumentar a pressão sobre si no Fluminense. Com pouco mais de um mês à frente do Time de Guerreiros, o treinador virou assunto em reuniões entre Mário Bittencourt, Celso Barros e Paulo Angioni no domingo, ainda em Goiânia, e na segunda-feira, no Rio, segundo o GloboEsporte.com.

Por ora, a decisão da diretoria é pela permanência do comandante. Porém, o resultado e a exibição diante do Santos, nessa quinta-feira, no Maracanã, se considerados negativos pelos dirigentes, podem pôr em risco o futuro do técnico nas Laranjeiras.

Quarta-feira, o LANCE! informou que primeiro nome especulado internamente para possível substituição no cargo é o de Maurício Barbieri, que treinou Goiás e América-MG em 2019. Aos 38 anos, ele não comanda uma equipe desde julho.

De volta à zona de rebaixamento desde a rodada passada do Brasileirão, o Tricolor venceu duas, empatou uma (na eliminação nas quartas-de-final da Sul-Americana) e perdeu três vezes desde a chegada de Oswaldo de Oliveira.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Oswaldo relaciona reforço para enfrentar Santos, mas deve repetir escalação que venceu Corinthians

A escalação que Oswaldo de Oliveira levará a campo às 20h de quinta-feira deve ser a mesma que venceu o Corinthians por 1 a 0, há quase duas semanas, no Mané Garrincha. Suspenso na goleada para o Goiás, Nino retoma a vaga ao lado de Digão.


Muriel; Gilberto, Nino, Digão e Caio Henrique; Yuri, Allan, Ganso e Nenê; Yony e João Pedro.


A novidade da lista de relacionados, ao menos de início, sentará no banco de reservas. Trata-se do recém-contratado Orinho, ex-lateral-esquerdo do Peixe.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

“Rival” de Paulo Henrique Ganso no Sevilla, Sampaoli foge de polêmica e elogia: “Quando comprometido, gera coisas diferentes”

Assim como na derrota do Fluminense para o Santos no primeiro turno, por 2 a 1, Paulo Henrique Ganso e Jorge Sampaoli, “rivais” no Sevilla-ESP, não se reencontrarão à beira do campo, nessa quinta-feira, no Maracanã. No duelo em maio, o meia não pôde jogar por causa de dores na coxa esquerda. Dessa vez, o técnico vai viajar ao Rio de Janeiro, mas não comandará a equipe porque cumpre suspensão.

Principalmente pelas poucas chances dadas a Ganso, treinador e jogador não conseguiram boa relação quando trabalharam juntos na Espanha, entre 2016 e 2017, e vivem se alfinetando em declarações públicas. Em entrevista na Vila Belmiro, o argentino fugiu de polêmica e elogiou o camisa 10 do Tricolor.

– Trabalhei com ele, recomendei sua contratação e respeito muito seu jogo. Quando ele está comprometido, gera coisas diferentes. Sua chegada ao Brasil dá hierarquia ao torneio, pela capacidade. Fluminense não passa por um bom momento, mas conta com um jogador capaz, que pode fazer um lance diferente a qualquer momento – disse.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top