fbpx

Fluminense x Santos: STJD julgará Ganso e Oswaldo por discussão e mais três jogadores por expulsões; veja pacotão de denunciados

Os diversos episódios que marcaram o empate em 1 a 1 entre Fluminense e Santos, no dia 26 de setembro, ainda devem render problemas aos clubes. Por causa da briga à beira do campo, Paulo Henrique Ganso e Oswaldo de Oliveira foram denunciados pelo STJD e serão julgados com base no Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) a partir das 11h30 da próxima segunda-feira.


Ganso: responderá por “ofender alguém em sua honra” e, além de multa de R$ 100 a R$ 100 mil, pode ser suspenso por até seis jogos.

Oswaldo: responderá por “ofender alguém em sua honra” (suspensão de até seis jogos e multa de R$ 100 a R$ 100 mil) e por “provocar a torcida” (suspensão de dois a seis jogos) em gesto obsceno ao deixar o campo.


O duelo terminou com três jogadores a menos em razão de expulsões: Digão e Frazan, pelo Fluminense, e Marinho, pelo Santos, passarão por julgamento. O capitão atingiu com o pé o rosto de Marinho, enquanto o jovem zagueiro derrubou o mesmo adversário com carrinho. O santista, por sua vez, cometeu falta dura em João Pedro.


Digão: responderá por “agressão” e pode ser suspenso por quatro a 12 jogos.

Frazan: responderá por “jogada violenta” e pode ser suspenso por até seis jogos.

Marinho: responderá por “conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva” e pode ser suspenso por até seis jogos.


Por fim, o próprio clube e profissionais de seus bastidores foram indiciados por ocorridos naquela quinta-feira no Maracanã. Acontece que a equipe de arbitragem, na saída para os vestiários, ouviu de tricolores ofensas como “vagabundos, safados, pilantras…”, segundo a súmula. Além disso, até um gandula e a FERJ vão ser julgados.


Fernando Simone (gerente de futebol), Rodrigo Henriques (supervisor) e Allan Neiva (auxiliar de supervisão): responderão por “ofender a equipe de arbitragem” e, além de multados de R$ 100 a R$ 100 mil, podem ser suspensos por 15 a 90 dias.

Fluminense: responderá pela “conduta de seus integrantes” (multa de até R$ 10 mil) e pelo comportamento de gandula (multa entre R$ 100 e R$ 100 mil).

George Allan Nascimento Moura (gandula): responderá “por não cumprir a determinação de reposição de bola” e pode ser multado.

FERJ: responderá pelo comportamento do gandula e pode ser multada de R$ 100 a R$ 100 mil.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Saudações Tricolores.

Julgados pelo STJD, Digão e Frazan estão liberados para enfrentar o Atlético-MG

Enquanto capitão tricolor pegou um jogo de suspensão, que já foi cumprido, jovem zagueiro foi absolvido

Foto: Lucas Merçon / FFC

Nesta sexta-feira (9), Digão e Frazan foram julgados pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pelas expulsões na derrota por 2 a 1 para o Vasco, em São Januário. Enquanto o capitão tricolor foi expulso após receber o segundo amarelo por entrada em Bruno César, o jovem zagueiro levou o vermelho direto por falta cometida em Yago Pikachu. Na ocasião, os atletas do time protestaram bastante contra a punição da arbitragem, principalmente Bruno Silva e Paulo Henrique Ganso.

Os dois zagueiros foram julgados por ‘jogada violenta’ ou ‘ato desleal’. Digão pegou um jogo de suspensão, já cumprido por ter recebido o cartão vermelho. Frazan, por sua vez, foi absolvido. Dessa forma, os dois estão liberados e poderão enfrentar o Atlético-MG, neste sábado (10), às 21h (de Brasília), no Independência. O duelo será válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Airton pega leve gancho após expulsão contra o Athlético Paranaense

Foto: Reprodução/TV Globo

Expulso ainda no primeiro tempo por conta de um carrinho no mínimo imprudente em cima do meio campista Bruno Guimarães no jogo entre Fluminense e Athlético Paranaense, na Arena da Baixada em jogo realizado no dia 2 de junho, válido pelo Campeonato Brasileiro.

O volante foi punido com dois jogos pela Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de justiça, o STJD, que obteve a decisão por maioria de votos dos relatores.

Na súmula, o lance foi descrito como carrinho frontal de força excessiva.

Agenor e Fernando Diniz se livram de julgamento no STJD por expulsões contra o Bahia

Expulsos na derrota por 3 a 2 para o Bahia, pela 6ª rodada do Brasileirão, o goleiro Agenor e o técnico Fernando Diniz seriam julgados pelo STJD nesta sexta-feira. No entanto, advogado do Fluminense argumentou ao órgão que o clube não recebeu notificação dentro do prazo de 3 dias e livrou os tricolores dos tribunais.

Agenor se adiantou em pênalti naquele duelo e, de acordo com o Código Brasileiro de Justiça Desportivo (CBJD), impediu “de qualquer forma, em contrariedade às regras de disputa do jogo, uma oportunidade clara de gol”.
Poderia pegar gancho de três jogos.

Na ocasião, anulada a primeira cobrança, defendida pelo goleiro, o juiz autorizou uma segunda, já com Rodolfo debaixo das traves. Gilberto, dessa vez, marcou.

Por sua vez, o treinador havia sido indiciado por desrespeitar os árbitros e invadir o local reservado a eles, incluindo o campo. A suspensão poderia chegar a nove jogos, sendo seis pelo artigo 258 e três pelo 258-B.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Top